quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Cortina de Fumo - Jørn Lier Horst e Thomas Enger [Opinião]

 

Título: Cortina de Fumo
Autor: Jørn Lier Horst e Thomas Enger
Editor: Dom Quixote
N.º de Páginas: 392

Sinopse: 
Oslo, véspera de Ano Novo. A celebração anual com o espetáculo de fogo de artifício é abalada por uma explosão e a Noruega é colocada em alerta terrorista.
O detetive Alexander Blix e a obstinada jornalista de celebridades Emma Ramm estão no local e, quando uma sobrevivente gravemente ferida é retirada da água gelada diante do cais da Câmara Municipal, Blix reconhece-a de imediato como a mãe de Patricia Smeplass, uma criança de dois anos que foi raptada no caminho para casa dez anos antes... e que nunca foi encontrada.

Na altura, Blix esteve fortemente envolvido na investigação, mas apesar da busca intensa não foi descoberto qualquer vestígio da menina desaparecida. Agora, à medida que o caso ganha uma vez mais a atenção do público, a jornalista Emma Ramm fica também intrigada com o mistério. E haverá alguma ligação entre a bomba da passagem de ano e o rapto de Patricia?

Quando se torna claro que nada é o que parece, Blix e Ramm unem forças penetrando na cortina de fumo que foi concebida para esconder a verdade por trás do desaparecimento de Patricia.







Ponto Zero foi um dos meus livros favoritos do ano passado pelo que estava com muitas expetativas quando saiu Cortina de Fumo. Segundo livro da série (Alexander Blix & Emma Ramm #2) Cortina de Fumo começa com logo com um ataque aparentemente terrorista. Na véspera de ano novo Oslo é alvo de uma explosão que ficará encapotada com o fogo de artifício, habitual na noite de passagem de ano.

No entanto, cedo de percebe que o barulho que se ouve não é das festividades, mas sim de vários explosivos que acabam por fazer algumas vítimas mortais.
 
Presentes no local estão o detetive Alexander Blix e a jornalista de celebridades Emma Ramm e juntos vão reconhecer uma mulher gravemente ferida: a mãe de uma criança desaparecida há dez anos, e que nunca foi encontrada. Coincidência ou azar?

A dupla de escritores nórdicos funciona muito bem e cria histórias bastante interessantes. Mas curiosamente este livro não me encantou tanto como o primeiro. Achei, por vezes, que a história se arrastou, e que na criou o suspense próprio deste género de livros. No entanto, foi uma boa leitura.




terça-feira, 14 de setembro de 2021

Um por Um - Ruth Ware [Opinião]

 

Título: Um por Um
Autor: Ruth Ware
Editor: Clube do Autor
N.º de Páginas: 372

Sinopse: 
O cofundador da Snoop uma start up tecnológica em ascensão, organiza um encontro de empresa num retiro de luxo que começa como qualquer outro: apresentações e sessões de estratégia, seguidas de momentos de lazer.

Mas assim que uma acionista altera a agenda, empurrando a empresa para uma lucrativa mas controversa oferta de compra, as tensões aumentam e a lealdade é testada. O ambiente tenso é agravado quando o grupo fica isolado do mundo exterior Pior, um dos membros da equipa está desaparecido...

À medida que cada hora passa sem qualquer sinal de resgate, o pânico aumenta e o grupo vai diminuindo, um por um... Oito colegas de trabalho cada um com algo a ganhar, algo a perder e algo a esconder. Quem resistirá a este complexo jogo de manipulação e encobrimento.







Se já leram o livro As Dez Figuras Negras da mestre do crime Agatha Christie depressa vão fazer um paralelismo com este novo livro de Ruth Ware.

A ideia é praticamente a mesma. Se no livro de Christie as pessoas que se juntaram na ilha não tinham, aparentemente, nada em comum, aqui todas se conhecem. Os elementos são pertencentes à mesma empresa, que se decidem juntar uma espécie de férias na neve. Mas não os espera só diversão, uma vez que se reúnem para discutir o futuro da empresa.

Razão pela qual também está presente uma ex-funcionária, que juntamente com uma das anfitriãs nos vão relatando a história deste grupo.

A história, narrada a duas vozes, e sob pontos de vista diferentes, começa a ser mais interessante quando um dos elementos morre e, logo depois, uma avalanode neve os deixa completamente isolados.
Gostei da leitura apesar do enredo não ser surpreendente, nem sequer brilhante.

O desfecho da história foi previsível demais, o que acabaria por me desiludir um pouco. No entanto, foi uma boa leitura.



 



















Águas Passadas - João Tordo [Opinião]

 

Título: Águas Passadas
Autor: João Tordo
Editor: Companhia das Letras
N.º de Páginas: 526

Sinopse: 
Durante treze dias de Janeiro de 2019, a chuva cai sem misericórdia sobre Lisboa. É quando aparece a primeira vítima, na praia de Assentiz: uma jovem de quinze anos trazida pela maré. O seu corpo apresenta marcas de sofisticada malvadez. A primeira agente no local é Pilar Benamor, uma subcomissária da PSP cuja coragem e empenho em descobrir a verdade ocultam segredos dolorosos.

A jovem vítima é Charlie, filha de um empresário inglês, mas logo a vítima de um segundo crime brutal um rapaz de dezassete anos aparece na floresta de Monsanto, em condições inenarráveis. Estas duas mortes prematuras e violentas abrem caminho a uma investigação que irá descarnar a alta sociedade portuguesa e o submundo do crime.

Ao longo desse inclemente mês de Inverno, Pilar desbrava caminho na investigação, contra tudo e todos e com a ajuda de Cícero, um misterioso eremita.

Desobedecendo a ordens superiores e colocando a própria vida em risco, vai penetrar no mundo escuro e tenebroso de um psicopata, enquanto luta com os fantasmas que há muito carrega: um pai polícia que morreu em serviço, um vício que a consome e a vulnerabilidade num mundo dominado por homens.

Depois da estreia no género com A Noite em Que o Verão Acabou, João Tordo regressa com um policial de ritmo imparável e delicada sensibilidade, que vai ao âmago dos nossos piores medos.








João Tordo está de volta com mais um thriller. Depois deo romance Felicidade, o autor português decidiu voltar ao género thriller, que me agradou muito visto ter gostado imenso do primeiro.
 Curiosamente, gostei mais deste livro do que do que da estreia, apesar das críticas que tenho lido e ouvido sobre ele.

Tudo isto colocou-me de pé atrás no início da leitura e, apesar de algumas falhas encontradas, gostei imenso.

Quando o corpo de uma rapariga é encontrado na praia, a polícia é chamada ao local do crime. Suspeita-se logo ali de que a morte não é acidentental visto a vítima não ter olhos. Apesar de tudo, o caso não é logo encaminhado para a PJ, o que causa espanto. Pilar, agente da PSP, fica obsecada pela investigação e não sossega até descobrir quem está por detrás de tudo isso. Mesmo quando o caso passa finalmente para as mãos da PJ...

Entretanto outro corpo aparece em circunstâncias pouco normais e depressa se percebe que as mortes estão interligadas.

Achei Pilar bastante humana, com fraquezas que a levam a ter atitudes pouco nobres, mas também com preserverança. No entanto, a personagem que mais me encantou foi o velho eremita.





 

Verão Negro - M. W. Craven [Opinião]

 

Título: Verão Negro
Autor: M. W. Craven
Editor: TopSeller
N.º de Páginas: 400

Sinopse: 
Jared Keaton é o chef das estrelas. Encantador. Carismático. Psicopata… E está a cumprir pena de prisão perpétua pelo homicídio brutal da sua filha, Elizabeth. O corpo nunca foi encontrado, e Keaton foi condenado sobretudo com base no testemunho do inspetor Washington Poe.

Quando, seis anos depois, uma jovem entra a cambalear numa esquadra de polícia com provas irrefutáveis de que é Elizabeth Keaton, Poe dá por si no lado contrário de uma investigação que poderá custar-lhe muito mais do que a carreira.

Ajudado pela única pessoa em quem confia, a brilhante, mas socialmente desajeitada, Tilly Bradshaw, Poe esforça-se por responder à única pergunta que importa: como pode alguém estar vivo se morreu há seis anos?

E então Elizabeth torna a desaparecer… e todos os caminhos da investigação parecem levar novamente a Poe.






A cumprir pena pelo homicídio da sua própria filha, Jared Keaton é o verdadeiro psicopata. Sem quaisquer mostras de sentimentos pelo que quer que seja a não ser por si próprio, o chefe premiado com três estrelas Michelin está prestes a ser libertado quando uma diz ser a sua filha desaparecida.

Washington Por é posto em causa, uma vez que toda a investigação, e consequente condenação, foram lideradas por si. Certo é que a análise de ADN confirma que a jovem que apareceu seis anos depois coincide com o de Keaton.

Poe vai ser ajudado pela grande amiga e génio Tilly, que também já conhecemos do anterior livro, a tentar resolver este mistério que pode condenar Poe e libertar um psicopata e possível assassino.
Segundo livro deste detective peculiar, Verão Negro conquistou-me dando-lhe cinco estrelas sem quaisquer restrições.

Apesar das várias teorias que fui criando ao longo da leitura, nunca desconfiei do desfecho para a resolução do caso. A surpresa foi grande e continuo a adorar ver esta dupla em ação.




terça-feira, 24 de agosto de 2021

As Tuas Mentiras - Harriet Tyce [Opinião]

 

Título: As Tuas Mentiras
Autor: Harriet Tyce
Editor: TopSeller
N.º de Páginas: 384

Sinopse:
No recreio, reina a lei do mais forte.
Mas ao portão da escola não há regra alguma.

Quando Sadie Roper regressa a Londres com a filha, Robin, está determinada a reparar a vida de ambas e a retomar a sua carreira como advogada criminal. Sadie ama a filha, e tudo fará para a proteger, mas não lhe pode dizer porque tiveram de sair da sua casa nos Estados Unidos tão depressa, nem porque é que o pai de Robin não veio com elas.

Não lhe pode explicar por que motivo odeia estar de volta à casa da sua falecida mãe, com as paredes cobertas de heras e as suas memórias tóxicas. E não lhe pode contar a verdade sobre a escola que Robin está prestes a frequentar: uma escola que não acolhe bem os recém-chegados e onde a competitividade é feroz entre alunas… e sobretudo entre mães.

Sadie só quer que as suas vidas voltem ao normal, mas a resistência que inicialmente encontram na escola parece difícil de ultrapassar. As coisas acabam por mudar, e tanto Sadie como Robin começam a sentir-se integradas e a criar amizades. Mas essas amizades repentinas poderão impedir Sadie de ver a verdade e de encarar a ameaça que se aproxima.

Sombrio, viciante e envolvente, As Tuas Mentiras é um thriller psicológico de leitura compulsiva.








Sadie está de regresso a Londres depois de ter passado bastantes anos nos Estados Unidos.
O seu regresso à cidade natal tem um motivo, mas Sadie não quer contar a verdade toda à filha, até porque nem ela percebe ainda bem o que aconteceu com o seu casamento.

Porém, Londres não lhe traz boas recordações. Sadie sente que nunca foi feliz ali, com uma mãe austera e que parece nunca ter gostado dela. Mas a herança que recebeu traz algumas obrigações e Sadie tem de regressar à sua antiga casa e inscrever a sua filha na escola que ela própria odiou quando era jovem.
A única coisa de bom é a esperança de voltar à advocacia, profissão que abandonou quando sair para os EUA.
 
As peripécias entre as mães das crianças fez-me em muito lembrar Pequenas Grandes Mentiras de Liane Moriarty, pelo que os fãs da autora de certeza que vão apreciar ler este livro.
 
A par da história principal, Harriet Tyce cria ainda outro bastante interessante que se prende com o trabalho de Sadie. O primeiro caso que a jovem advogada tem de defender prende-se com uma acusação de abusos sexuais por parte de um professor.
 
Como adorei livro de estreia da autora, Laranja de Sangue, estava com expetativas elevadas em relação a esta novidade. Apesar de muito diferente do anterior, continuo a gostar da forma como Harriet Tyce dá luz às personagens, embora neste livro a história se tenha arrastado um pouco.




A Noiva Cigana - Carmen Mola [Opinião]

 

Título: A Noiva Cigana
Autor: Carmen Mola
Editor: Suma de Letras
N.º de Páginas: 368

Sinopse: 
Susana Macaya, filha de pai cigano mas educada fora da comunidade, desaparece depois da sua despedida de solteira. O corpo é encontrado dois dias depois na Quinta de Vista Alegre no bairro madrileno de Carabanchel. Poderia ser mais um homicídio, não fosse o facto de a vítima ter sido torturada na sequência de um ritual inusitado e atroz e de a sua irmã, Lara, ter sofrido o mesmo destino sete anos antes, também na véspera do casamento. O assassino de Lara cumpre pena desde então, pelo que há apenas duas possibilidades: ou alguém imitou os seus métodos para matar a irmã ou há um inocente encarcerado.

Investigar uma pessoa implica conhecê-la, descobrir os seus segredos e contradições, a sua história. No caso de Lara e Susana, a detective Elena Blanco deve olhar para a vida de alguns ciganos que renunciaram aos seus costumes para se integrarem na sociedade, e de outros que não lhes perdoam, e levantar cada véu para descobrir quem poderia vingar-se com tanta crueldade de ambas as noivas ciganas.






Filha de pai cigano, Susana Macaya foi educada fora das tradições da sua família paterna.

Vive uma vida perfeitamente normal, até que o seu corpo é encontrado num bairro madrileno. As circunstâncias da sua morte são em tudo semelhantes à da sua irmã, falecida há sete anos. O cabelo está cortado de um dos lados e o crânio perfurado, de onde saem larvas e moscas.

O assassino da sua irmã está preso e não há forma de ter sido ele a cometer novo crime já que não saiu em precária. Urge saber quem é o imitador e é aqui que entra Elena Blanco, detective que carrega também uma dose enorme de problemas, que para o meio do livro vamos perceber a sua dimensão.
A história é bastante macabra e muito gráfica, o que facilmente agradará os amantes deste género de thrillers . Para as mentes mais sensíveis não aconselho a leitura.

Carmen Mola escreve sob um pseudónimo e ninguém parece saber quem está por detrás da sua obra. Sabe-se, contudo, que o primeiro livro para passar a série e acredito que seja um sucesso.
 
Gostei imenso. Tanto a história como a detective prenderam-me bastante pelo que estou curiosa por ler o segundo livro de uma trilogia que promete.



 

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

A Anomalia - Hervé Le Tellier [Opinião]

 

Título: A Anomalia
Autor: Hervé Le Tellier
Editor: Editorial Presença
N.º de Páginas: 280

Sinopse: 
Em junho de 2021, um acontecimento muito estranho altera a vida de centenas de homens e mulheres, todos passageiros de um voo Paris-Nova Iorque. Entre eles: Blake, pai de família e assassino a soldo; Slimboy, popstar cansado de viver na mentira; Joanna, advogada de topo apanhada nos seus erros; ou Victor Miesel, ghostwriter transformado em autor de culto.

Todos acreditam ter uma vida secreta. Nenhum deles imagina a que ponto isso pode ser verdade. Algo de muito estranho está prestes a acontecer.

A Anomalia é, em simultâneo, page-turner, thriller e um romance literário que explora aquela parte de nós que… nos escapa.







Confesso que ia com grandes expetativas para a leitura deste livro. O que saltou à vista foi o facto de ter ganhado o Prémio Goncourt 2020 aliado à sinopse que misturava romance com thriller. Infelizmente, à medida que avançava com a leitura nada de thriller e a história começou a ficar bastante confusa a partir da segunda parte do livro. 

Se já viram a série Manifest, na HBO, facilmente se vão identificar com a história. Os passageiros do voo Paris-Nova Iorque vão ter as suas vidas marcadas para sempre quando algo estranho acontece. 

Sem poder contar muito da história para não cometer spoilers, dentre os passageiros vão pessoas muito diferentes como um assassino a soldo (a personagem mais interessante), uma estrela de música em ascensão, uma advogada... personagens que nos são apresentadas na primeira parte do livro, o que tornou a sua leitura bastante interessante. 

Apesar de muito bem escrito e com a excelente tradução de Tânia Ganho, não conseguiu agarrar-me como estava à espera. 

Destaque para uma das capas mais bonitas que tenho na estante. Fantástica!




 


sexta-feira, 6 de agosto de 2021

Pura Raiva - Cara Hunter [Opinião]

 

Título: Pura raiva
Autor: Cara Hunter
Editor: Porto Editora
N.º de Páginas: 404

Sinopse: 
UMA RAPARIGA É RAPTADA NAS RUAS DE OXFORD. MAS ESTE É UM RAPTO DIFERENTE, PARA O INSPETOR FAWLEY.
Uma adolescente é encontrada a vaguear pelos arredores de Oxford, desorientada e angustiada. A história que Faith Appleford conta é assustadora: amarraram-lhe um saco de plástico na cabeça e levaram-na para um local isolado. Por milagre, sobreviveu. Mesmo assim, recusa-se a apresentar queixa.
O Inspetor Fawley investiga, mas há pouco que ele possa fazer sem a cooperação de Faith, que parece esconder alguma coisa. Mas o quê? E porque será que Fawley continua com a sensação de que já viu um caso como este?
Quando outra rapariga desaparece, Adam Fawley não tem escolha e tem mesmo de enfrentar o seu passado.







Adam Fawley continua bem presente nos livros de Cara Hunter. Neste quarto livro da série vemos um Fawley ainda mais humano e mais virado para a família. A mulher está grávida e ambos desejam muito este filho.
 
A intriga começa com uma jovem a deambular pela estrada. Apesar do seu aspecto atraente, esta encontra-se bastante maltratada fisicamente. Quando é abordada por um taxista que decide parar para a socorrer, Faith recusa-se a apresentar queixa na polícia sobre o seu agressor.
 
Mais tarde, uma outra rapariga é raptada, mas o seu desfecho: aparece morta. Os contornos do caso parecem muito semelhantes ao anterior e os inspectores sentem que têm um caso bicudo entre mãos, uma vez que as pessoas mais próximas das vítimas parecem faltar à verdade, levando-os constantemente para becos sem saída.
 
Cara Hunter tem várias qualidades que desejo ler quando pego num livro do género. Capítulos curtos, com uma escrita fluída, mistério q.b. e uma mais valia que é colocar comentários de anónimos como se de uma conta twitter se tratasse, acompanhados de relatórios da polícia. Contudo, e apesar deste mais recente livro ter tudo isso, acabei por achar a narrativa morna em algumas partes, sentindo que a autora se arrastou um bocado. Pior que isso foi o final previsível...

Contudo, é de realçar o facto de a autora se ter focado em temas muito atuais como o blullyng entre jovens, a ilusão que as redes sociais geram nas camadas mais jovens e vulneráveis e outros temas que não posso adiantar mais para não dar spoilers.




Bairro Sem Saída - Fernando Ribeiro [Opinião]

 

Título: Bairro Sem Saída
Autor: Fernando Ribeiro
Editor: Suma de Letras
N.º de Páginas: 208

Sinopse: 

A acção situa-se no Bairro mais clandestino da Europa durante os anos 70 e 80: a Brandoa e é narrada por Rogério Paulo, nascido durante o terramoto de 28 de Fevereiro de 1969.

O narrador cresce marcado pela morte do seu primo Fernando dois dias antes de nascer, acompanhado pelas personagens fantásticas do Bairro sem Saída: o seu amigo e Mário, diabético que vai desaparecendo; a cigana Zíngara e suas maldições; o monstruoso ser de duas cabeças que lhe ensombra a infância; a Noiva de Branco, que se atira da janela do quarto andar.

Um livro com os batimentos rápidos do heavy metal e a melancolia escura do gótico, sem esquecer uma boa dose de humor, apresentando a eterna guerra entre ricos e pobres.

Este é o primeiro romance de Fernando Ribeiro, que aqui apresenta a sua outra voz, tão forte e ousada como na sua banda, mas, agora, traduzida nas palavras de um livro que grita, emociona, entretém e encanta.







Rogério Paulo é o narrador e habitante do bairro mais clandestino da Europa nos anos 70 e 80. Nascido em pleno dia do terramoto de 28 de fevereiro de 1969, ficará para sempre marcado pela morte prematura do seu primo Fernando, que morre mesmo antes de ter nascido.

Pleno de personagens marcantes, mas as quais destaco Mário que come desalmadamente doces e, que para inveja dos seus amigos se mantém sempre magérrimo e o protagonista, um rapaz curioso que tem fome de experimentar tudo, sobretudo a nível sexual.

Rogério Paulo vai viver a vida livre do bairro com diabruras próprias de criança e sempre a par com a delinquência e a droga. A vida muda quando ao lado se começa a construir um condomínio de luxo que pretende acabar com os costumes próprios dum bairro, terminando com a sua identidade.

Ao mesmo tempo que vamos acompanhar o crescimento do protagonista, vamos acompanhando igualmente o crescimento do próprio bairro que se vê ameaçado pelos novos vizinhos ricos.

E é nesta vivência do dia a dia que nos vamos deliciando com a prosa de Fernando Ribeiro, atraídos por saber o destino do jovem Rogério, cujo único sonho é ser feliz, vivendo o dia a dia.

Um romance que se cruza com o fantástico com o monstruoso ser de duas cabeças que parece perseguir o narrador e a cigana Zíngara, e que facilmente prende o leitor com todas estas histórias ricas de conteúdo.
Gostei muito.






Num Instante, Tudo Muda - Suzanne Redfearn [Opinião]

 

Título: Num Instante, Tudo Muda
Autor: Suzanne Redfearn
Editor: Edições Asa
N.º de Páginas: 352

Sinopse: 
Numa noite fria e escura, um grupo de amigos percorre uma estrada de montanha numa caravana. Rumam a umas férias muito desejadas.
E, num instante, tudo muda.
Um veado. Uma travagem. Uma queda a pique pela encosta.
A jovem Finn Miller não resiste ao acidente. Para os seus companheiros de viagem, começa então uma perigosa jornada. Pois segue-se uma implacável tempestade de neve que os deixa perdidos no meio do nada. Perante a ameaça da morte, são obrigados a tomar decisões irreversíveis. Para os sobreviventes, a vida nunca mais será a mesma.
Jack, o pai de Finn, procura apenas vingança. Mo, a sua melhor amiga, procura somente a verdade. Chloe, a irmã, procura juntar-se a Finn. E a mãe, Ann, vive atormentada com o que aconteceu naquela noite na montanha e com o que descobriu sobre as pessoas que pensava conhecer intimamente.
Num Instante, Tudo Muda coloca-nos perante nós próprios e faz perguntas incómodas: será que nos conhecemos verdadeiramente? Numa situação extrema, o que estaríamos dispostos a fazer?

Um livro sobre o poder do amor, a importância da família... sobre a essência do ser humano (com todas as suas fragilidades) e, acima de tudo, sobre seguir em frente, mesmo quando isso não parece possível.







Tudo parece estar a correr bem para um casal de amigos e os seus filhos. Preparam-se para umas merecidas férias na neve, mas de repente tudo muda.

Um veado surge pela frente e acabam por ter um acidente de viação que resultará na morte imediata de Finn Miller. Facto curioso: é a jovem Finn que nos vai relatar os acontecimentos seguintes e é de uma doçura tal que desejamos que tudo não passe de um equívoco e que a jovem não tenha morrido.

A vida para Finn chegou ao fim, mas os seus companheiros de viagem terão duras provas pela frente. Depois do acidente vem uma tempestade de neve e é o salve-se quem puder. Todas as decisões tomadas serão escrutinadas pelos outros e estes tornar-se-ão para toda a vida, o que os afetará para sempre.
Mais do que a história, este livro leva-nos a refletir sobre a natureza humana.

Em casos extremos, de vida ou morte, até que ponto vamos para nos salvar ou salvar os que mais amamos? Será que temos coragem para prejudicar o próximo, mesmo o nosso amigo, para termos apenas mais uma oportunidade de sobrevivermos?

Uma reflexão sobre o poder do amor e da família, que nos deixa perplexos a cada virar de página.
O facto de ser narrados pelos olhas da vítima dá ainda mais interesse à história, que, a somar com a explicação final da autora, nos deixa completamente fascinados por este livro.




o-homem-de-giz-billboard