sexta-feira, 6 de agosto de 2021

Pura Raiva - Cara Hunter [Opinião]

 

Título: Pura raiva
Autor: Cara Hunter
Editor: Porto Editora
N.º de Páginas: 404

Sinopse: 
UMA RAPARIGA É RAPTADA NAS RUAS DE OXFORD. MAS ESTE É UM RAPTO DIFERENTE, PARA O INSPETOR FAWLEY.
Uma adolescente é encontrada a vaguear pelos arredores de Oxford, desorientada e angustiada. A história que Faith Appleford conta é assustadora: amarraram-lhe um saco de plástico na cabeça e levaram-na para um local isolado. Por milagre, sobreviveu. Mesmo assim, recusa-se a apresentar queixa.
O Inspetor Fawley investiga, mas há pouco que ele possa fazer sem a cooperação de Faith, que parece esconder alguma coisa. Mas o quê? E porque será que Fawley continua com a sensação de que já viu um caso como este?
Quando outra rapariga desaparece, Adam Fawley não tem escolha e tem mesmo de enfrentar o seu passado.







Adam Fawley continua bem presente nos livros de Cara Hunter. Neste quarto livro da série vemos um Fawley ainda mais humano e mais virado para a família. A mulher está grávida e ambos desejam muito este filho.
 
A intriga começa com uma jovem a deambular pela estrada. Apesar do seu aspecto atraente, esta encontra-se bastante maltratada fisicamente. Quando é abordada por um taxista que decide parar para a socorrer, Faith recusa-se a apresentar queixa na polícia sobre o seu agressor.
 
Mais tarde, uma outra rapariga é raptada, mas o seu desfecho: aparece morta. Os contornos do caso parecem muito semelhantes ao anterior e os inspectores sentem que têm um caso bicudo entre mãos, uma vez que as pessoas mais próximas das vítimas parecem faltar à verdade, levando-os constantemente para becos sem saída.
 
Cara Hunter tem várias qualidades que desejo ler quando pego num livro do género. Capítulos curtos, com uma escrita fluída, mistério q.b. e uma mais valia que é colocar comentários de anónimos como se de uma conta twitter se tratasse, acompanhados de relatórios da polícia. Contudo, e apesar deste mais recente livro ter tudo isso, acabei por achar a narrativa morna em algumas partes, sentindo que a autora se arrastou um bocado. Pior que isso foi o final previsível...

Contudo, é de realçar o facto de a autora se ter focado em temas muito atuais como o blullyng entre jovens, a ilusão que as redes sociais geram nas camadas mais jovens e vulneráveis e outros temas que não posso adiantar mais para não dar spoilers.




Sem comentários:

o-homem-de-giz-billboard