quarta-feira, 17 de março de 2021

Quem é amado nunca morre - Victoria Hislop [Opinião]

Título: Quem é amado nunca morre
Autor: Victoria Hislop
Editor: Porto Editora
N.º de Páginas: 432

Sinopse:
Atenas, abril de 1941. Tendo resistido a uma primeira tentativa de invasão, a Grécia é ocupada pelas potências do Eixo. Após décadas de incerteza, o país encontra-se dividido entre a direita e a esquerda políticas. Themis, então com quinze anos, vem de uma família separada por essas diferenças ideológicas. A ocupação nazi não só aprofunda a discórdia entre aqueles que a rapariga ama, como reduz a Grécia à miséria. É impossível ficar indiferente: na fome que se seguiu à ocupação, e que lhe levou os amigos, os atos de resistência são quase um imperativo moral para ela.

Porém, o sucesso de um dos movimentos de resistência mais eficazesna europa ocupada volta-se contra o próprio e, com o fim da ocupação, advém a guerra civil. Themis junta-se ao exército comunista, onde experimenta os extremos do amor e do ódio. Quando por fim é presa nas ilhas do exílio, encontra outra mulher cuja vida se entrelaçará com a sua de maneiras que nenhuma delas poderia antecipar, e descobre que deve pesar os seus princípios contra o desejo de viver.

Um romance poderoso, que lança luz sobre a complexidade e o trauma do passado da Grécia, a partir da vida extraordinária de uma mulher comum.

A minha opinião: 
Victoria Hislop, escritora é jornalista, através da vida de Themis leva-nos a conhecer a história da Grécia desde a "invasão" dos nazis aquando da Segunda Guerra Mundial até aos dias de hoje.

O livro começa com Themis já idosa, rodeada pelos netos, mas cuja vida vamos começando a conhecer ao longo de mais quatrocentas páginas.
A protagonista vai levar uma vida sofrida, mas plena de amor. Filha de uma mulher que sofre de demência e de um pai um pouco ausente, Themis e os seus três irmãos vão viver com a avó que será um exemplo de força e resiliência.

Com a chegada dos nazis à Grécia os irmãos acabam por revelar ideologias completamente opostas: os mais novos revelam-se apoiantes de esquerda e, portanto, contra o regime e os mais velhos apoiantes de direita, trabalhando inclusive para o Estado.

Revoltada com o destino que o país está a tomar, com muita fome e repressão Themis decide seguir os passos do irmão e alista-se na facção de esquerda e a vida dela não vai ser nada facilitada.


Adorei este livro que me fez conhecer uma parte da história completamente desconhecida para mim. Nunca imaginei que a Grécia tivesse passado por tão maus bocados grande parte do século XX por forma à maior parte da população chegar a passar fome.

Esta foi mais uma leitura 5 estrelas que só posso recomendar.






Sem comentários: