segunda-feira, 27 de abril de 2020

Chuva miúda - Luis Landero [Opinião]

Título: Chuva miúda
Autor: Luis Landero
Editor: Porto Editora
N.º de Páginas: 240

Sinopse: 
Gabriel decide celebrar o octogésimo aniversário da mãe e, para isso, terá de contactar as irmãs a fim de reunir a família para a feliz ocasião. Todavia, estes telefonemas entre irmãos despertam rancores antigos, relembram erros do passado e põem em confronto diferentes visões do mesmo episódio. Aurora, a discreta mulher de Gabriel, é a confidente pela qual passam todas as histórias que durante anos estiveram guardadas no mais fundo de cada uma das personagens.
Chuva Miúda é um romance poderoso sobre a família - com os seus segredos e rancores -, mas também sobre a memória e a forma como o mesmo momento é lido e lembrado por todos aqueles que o viveram.

A minha opinião: 
O aniversário da mãe de Gabriel é o mote para a reunião da família, que já não se junta há muitos anos. O problema é que a relação dos três irmãos não tem sido a melhor e parece deteriorar-se de ano para ano. 

Aurora, mulher de Gabriel, é a grande confidente de toda a família, que vai ouvindo um desfiar de histórias amarguradas, que contam o mesmo episódio de forma diferente. Mas as duas irmãs têm uma opinião em comum: Gabriel, o irmão mais novo, foi o mais privilegiado e a quem se fez todas as vontades. Para Sónia e Andrea, Gabriel é o preferido da mãe. Por isso, é um homem feliz. 

Isto tudo gera amargura nesta família, que parece nunca ter sido feliz. Desde a matriarca que nunca amou o marido, passando pela primogénita a quem foi dada ordem para sair da escola e trabalhar na retrosaria da família, até acabar casada com um homem escolhido pela mãe. E depois há Andrea cujo sonho era casar com o marido de Sónia. 
Gabriel, que todos imaginam ser feliz também tem esqueletos no armário e não é quem aparenta ser. 

O que pode parecer uma história rocambolesca vai-se transformando em alguns episódios de qualquer família. Um simples acontecimento pode ser interpretado de forma completamente diferente, dependendo do ponto de vista, mostrando que quem desabafa naquele momento será o dono de toda a razão e o mais coitadinho da história. 

O que parecia uma simples reunião familiar, em que o único elo de ligação a esta família desestruturada, faz com que rancores antigos venham à tona transformando este livro numa história difícil de descobrir, mas numa leitura muito prazerosa. Não é de estranhar que Chuva Miúda tenha sido considerado Livro do Ano 2019.  
Gostei muito desta história e só posso recomendar. 



Sem comentários:

o-homem-de-giz-billboard