domingo, 20 de outubro de 2019

O Castigo dos Ignorantes - Hjorth e Rosenfeldt [Opinião]

Título: O Castigo dos Ignorantes
Autor: Hjorth e Rosenfeldt
Editor: Suma de Letras
N.º de Páginas: 512

Sinopse:
O REGRESSO DE SEBASTIAN BERGMAN

A estrela de um reality show é encontrada morta numa escola, com um disparo na cabeça. Amarrado a uma cadeira de sala de aula, posicionado de frente para um canto, com orelhas-de-burro. Um exame longo, de várias páginas, pregado na parte de trás da cadeira. A julgar pelo número de respostas erradas, a vítima falhou no teste mais importante da sua vida.

Esta morte será o primeiro de uma série de assassinatos contra várias personalidades dos media e o Departamento de Investigação Criminal é chamado. Lutam para encontrar provas e finalmente Sebastian Bergman descobre pistas em chats e cartas anónimas publicadas em jornais. O autor das cartas opõe-se à falta de educação entre os modelos da nova geração e fala muito sobre os assassinatos. Sebastian desafia-o e fica claro que o seu oponente sem rosto tem informações sobre os assassinatos a que ninguém além da polícia —e do assassino —tem acesso.

Neste novo caso Sebastian Bergman e sua equipa enfrentam um serial killer complexo e tortuoso, que ameaça a própria existência da equipa.

A minha opinião: 
Neste novo livro da série Sebastian Bergman vamos deparar-nos com mais um assassino brutal com queda para "estrelas" em ascenção, oriundas de reality shows. Os crimes são caricatos, mas ao mesmo tempo intrigantes, porque junto às vítimas surgem umas orelhas de burro e um teste com várias perguntas de cultura geral, que depressa se percebe que não foram respondidas corretamente.
Ao que tudo indica, o assassino coloca-se no papel de apresentador de um programa de perguntas variadas e que põe à prova a vítima. Caso ela responda corretamente a uma percentagem considerável de perguntas será libertado, caso contrário morre com um tiro na cabeça.

Apesar de perceberem de imediato o modus operandi deste assassino impiedoso, a brigada de Riskmord, da qual Sebastian continua a fazer parte apesar de alguns dos elementos não se mostrarem muito contentes com tal facto, não entendem a origem de tal acto.

Ao longo da investigação vamos percebendo que a brigada continua firme, embora mostre algumas fragilidades de alguns membros, o que torna a série ainda mais interessante ara os fiéis seguidores. Obviamente que o crime é sempre a peça central do livro, mas a vida pessoal de cada um dos elementos da equipa é fundamental, tornando-se uma parte fulcral para o seguimento da série.

Sebastian continua a ser um elemento à parte da equipa, que só o chama porque necessita mesmo das capacidades dele. Devido à sua vida passada, com muitos traumas à mistura, Sebastian é persona non grata na equipa, provocando muitos dissabores à maior parte dos seus elementos. O que ninguém parece perceber é que ele próprio precisaria de acompanhamento de um especialista, e não críticas atrás de críticas, o que o torna apenas um tarado sexual e um ser completamente anti-social.

Relativamente a Vanja confesso esta personagem apenas me agradou no primeiro livro da série. A minha antipatia está a ser cada vez maior e parece que não vai descolar da imagem que tenho dela: menina mimada.

Já Billy continuará a ser uma verdadeira surpresa.

Relativamente ao caso criminal em si posso dizer que me arrebatou e me fez colocar também algumas perguntas. Será que o conhecimento de uma pessoa pode ser determinado por saber responder a um determinado rol de perguntas de cultura geral? E no que toca a conhecimentos específicos sobre determinada matéria também não faz dessa pessoa uma pessoa culta?

No campo dos influenciadores é importante destacar também os que vale a pena seguir e os que não têm interesse algum. Daí termos de distinguir o trigo do joio.

Um livro que nos coloca a reflectir sobre o que realmente interessa ver e seguir. O que o torna altamente recomendável. Um dos melhores do ano.








Sem comentários: