sexta-feira, 4 de março de 2016

A Vila das Cores de Bruno Magina já vai na terceira edição

Título: A Vila das Cores
Autor: Bruno Magina
Ilustração: Carolina Figueira
Páginas: 36
Editor: Escrit'orio Editora
PVP: 10,95€

Sinopse
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para apoio a projetos relacionados com a Educação para a Cidadania na Educação Pré-Escolar, 1º e 2º anos de escolaridade.

A Família Violeta veio recordar aos habitantes da vila que, com tantas cores existentes no mundo, não há razões para indiferença ou preconceito. Somos todos diferentes e devemos ser livres de viver como mais gostamos. E é de toda esta diversidade que vem a riqueza.
"Já me perguntaram onde fica "A Vila das Cores" ou se "A Vila das Cores" vem no mapa, mas não sei responder. Apenas sei que "A Vila das Cores" nunca mais foi a mesma desde a chegada da Família Violeta. Vem descobrir por que é que este acontecimento deixou alguns moradores da vila com os cabelos em pé..."
(Bruno Magina, autor]
A Vila das Cores aborda, de uma forma simples e divertida, a homossexualidade, a homofobia e a diversidade de famílias, desmistificando preconceitos e deixando uma mensagem de tolerância e respeito, tanto a crianças como a pessoas adultas.
Ilustrado por Carolina Figueira, o livro inclui prefácio de Paulo Côrte-Real (Vice-presidente da Direcção da ILGA Portugal) e uma versão do texto integral em inglês.

«Velhas Traições», de Olen Steinhauer, disponível nas livrarias a partir do dia 11 de março

Título: Velhas Traições
Autor: Olen Steinhauer
Género: Literatura / Thriller
Tradutor: Sofia Gomes
N.º de páginas: 216
Data de lançamento: 11 de março de 2016
PVP: € 15,50

«Um thriller estupendo.» - Publishers Weekly -

Considerado pela crítica como sendo o novo John Le Carré, o autor norte-americano Olen Steinhauer chega-nos com o empolgante thriller Velhas Traições, que está disponível nas livrarias a partir do dia 11 de março.

Henry e Celia são os dois protagonistas deste inquietante romance de espionagem, repleto de flashbacks que nos vão revelando lentamente a verdade do passado. O autor lançou-se ao desafio de escrever toda uma história a partir da qual a ação decorresse praticamente do início ao fim à mesa de um restaurante, ou seja, enquanto decorre o jantar entre Henry e Celia, que outrora foram amantes e colegas na CIA em Viena.
Olen Steinhauer tem a capacidade de tornar uma situação que à partida se julgaria monótona, num jantar em que a tensão e a expetativa vão sempre aumentando, numa mistura de paixão e espionagem. Qual deles sairá vivo deste jantar?
Um enredo que se desenvolve a partir de um episódio do passado. Um avião foi sequestrado no aeroporto por terroristas e uma tentativa de resgate, delineada no interior da agência, é mal sucedida, culminando com a morte de todos os passageiros. Qual foi o papel de cada um em toda a situação? Será que o agente infiltrado estava comprometido?

Velhas Traições vai ser adaptado ao cinema. Os direitos foram vendidos à Chockstone Pictures (A Estrada, A Árvore da Vida) e Nick Wechsler, produtor de Serena e Magic Mike. Neil Burger está indicado para realizador do filme. O guião será escrito pelo próprio autor, Olen Steinhauer.

Sinopse:
Há seis anos, Henry e Celia eram amantes e colegas, e trabalhavam na CIA em Viena. Até que os terroristas sequestraram um avião no aeroporto. Uma tentativa de resgate, delineada no interior da agência, correu terrivelmente mal. Todos os passageiros morreram.
Essa noite continua a assombrar todos os que a viveram; para Henry e Celia, foi o fim da sua relação. Celia decidiu mudar de vida, deixou a CIA, casou e teve filhos. Agora vive uma vida normal nos subúrbios da Califórnia. Henry continua a ser analista na agência e viaja até aos Estados Unidos para se encontrar com ela: para reviver o passado, talvez, ou para o deixar definitivamente para trás.
Mas nenhum dos dois pode esquecer as perguntas: será que o agente infiltrado estava comprometido? Qual é o papel de cada um em toda a situação?
Um livro intenso, emocionante e inquietante que o vai manter refém até à última página.

Sobre o autor:
Olen Steinhauer cresceu na Virgínia e viveu em várias cidades norte-americanas, bem como na Croácia, na República Checa e em Itália. Viveu também um ano na Roménia, uma experiência que o inspirou para a escrita dos seus primeiros cinco livros.
É frequentemente comparado a John le Carré e os seus livros têm conhecido grande sucesso junto da crítica e dos leitores, estando dois deles a ser atualmente adaptados ao cinema.
Vive na Hungria com a mulher e a filha.
http://www.olensteinhauer.com
«Até os leitores mais versados em romances de espionagem serão agradavelmente surpreendidos.» - Kirkus Reviews -


"Aprendiz de Gutenberg" de Alix Christie é hoje colocado à venda

É hoje colocado à venda o livro O Aprendiz de Gutenberg da escritora norte-americana Alix Christie. Um livro que nos leva à descoberta de Gutenberg e da invenção que revolucionou a imprensa.

Alix Christie, que esteve em Lisboa recentemente, foi nomeada para o prémio de melhor conto do Sunday Times.
http://www.thesundaytimes.co.uk/sto/news/uk_news/Arts/article1672891.ece?CMP=OTH-gnws-standard-2016_02_27

Sinopse:
Peter Schoeffer é um jovem ambicioso à beira de alcançar o sucesso como escriba em Paris quando o seu pai adotivo, o rico mercador Johann Fust, o convoca à cidade de Mainz para conhecer um homem extraordinário.

Gutenberg, inventor de profissão, criou um método revolucionário – há quem diga blasfemo – de produção de livros: uma máquina a que chama de prensa. Fust está a financiar a oficina de Gutenberg e ordena a Peter que se torne o seu aprendiz. Ressentido por ser forçado a abandonar uma carreira tão prestigiante como escriba, Peter inicia a sua aprendizagem na “arte mais negra”.

À medida que as suas habilidades crescem, assim também cresce a admiração por Gutenberg e a dedicação a um projeto ousado: a impressão de cópias da Bíblia Sagrada. Mas quando forças externas se alinham contra eles, Peter vê-se num dilema entre os velhos costumes e as novas criações que ameaçam transformar o mundo. Conseguirá ele encontrar uma forma de superar os obstáculos numa batalha que poderá mudar a História?

Sobre a autora: 
Alix Christie cresceu na zona de San Francisco Bay e é autora, jornalista e profissional de tipografia. Aprendeu as artes da tipografia como aprendiz de dois mestres tipográficos californianos. Como jornalista de longa data, Christie contribuiu para variadas publicações, incluindo o San Francisco Chronicle, o Guardian of London, o Washington Post e Salon.com. Frequentou a Squaw Valley Community of Writers e recebeu o seu Master of Fine Arts no St Mary’s College of California, onde estudou com os professores Michael Chabon e Susan Straight. Vive atualmente em Londres, onde colabora com o The Economist na secção de literatura e artes.Para mais informações sobre a autora e sobre o livro visite www.gutenbergsapprentice.com


O Amor é Vermelho - Sophie Jaff [Opinião]

Título: O Amor é Vermelho
Autor: Sophie Jaff
Páginas: 360
Editor: Marcador
Coleção: Marcador Literatura
PVP: 17,50€

Sinopse
Katherine Emerson nasceu para cumprir uma profecia secular, mas ela ainda não o sabe. No entanto, há um homem que o sabe: um assassino que persegue as mulheres da cidade de Nova Iorque, um monstro que os media apelidaram de Homem Foice devido à arma que utiliza para transformar os corpos das suas vítimas em telas para a sua arte perversa. Ele rouba mais do que a vida das suas vítimas, e cada morte aproxima-o mais da mulher que tem de possuir custe o que custar.

A minha opinião: 
Este e o tipo de livro que "uma imagem vale mais que mil palavras". Ou seja, uma capa vende, e se aliada a um título chamativo, melhor ainda. Logo que soube da edição deste livro fiquei curiosa. Uma capa apelativa, uma sinopse interessante. Tinha tudo para ser perfeito. Ou não? 

Talvez pelo facto de ter partido para a leitura do livro com expectativas demasiado altas, acabei por me desiludir um pouco com o desenrolar da história, que se tornou um pouco sobrenatural e irreal para o meu gosto.

O livro centra-se sobretudo no triângulo amoroso entre a protagonista, e musa do assassino em série, Katherine Emerson e os dois amigos David e Sael e acaba maioritariamente por se distanciar do que pretendia, que era retratar os assassinatos propriamente ditos. 

O livro começa com o relato de uma violação seguido do assassinato de uma das vítimas. Crueldade ao mais alto nível. Infelizmente, o livro não dá seguimento à morbidez que se espera neste género de livros, optando a autora por dar primazia ao romance e às visões que Katherine vai tendo ao longo da história do que às mortes e investigação policial (que não existe) do Homem da Foice. 

Escrito a "duas vozes", do ponto de vista do assassino e do ponto de vista de Katherine, O Amor é Vermelho, mistura policial, sobrenatural, erótico, tudo num só livro, que não me encheu completamente as medidas. E acredito que a história até tinha tudo para dar certo. 

Uma das coisas que me deixou intrigada é como é que é este livro faz parte de uma trilogia se não deixou pontas soltas? Não entendo onde a autora vai pegar para continuar com a história... mas fiquei curiosa.  

Excerto:
"Como poderá alguém apreciar verdadeiramente a vida, sem nunca a ter destruído." pag. 18





quinta-feira, 3 de março de 2016

O Exorcismo de Ana C. - O inquietante caso da portuguesa que despertou o interesse do Vaticano

Depois de deixar a cabeça de uma galinha preta no Mosteiro de São Bento da Porta Aberta, de ter recorrido a cartomantes, a medicinas alternativas e ao feng-shui para resolver um mal-estar violento e alegadamente inexplicável à luz da ciência, Ana C. é aconselhada a recorrer a um exorcista. Médica e habituada a olhar para a vida de modo racional, Ana C. desconfia deste conselho, mas rapidamente se convence de que a sua cura passa por procurar ajuda divina.

Esta é a história verídica de Ana C. que, em pleno século XXI, no Norte de Portugal, afirma ter sido vítima de uma possessão demoníaca e ter sido salva somente depois de o padre Quinteiro a ter exorcizado. Um livro inquietante centrado na temática do Diabo e dos exorcismos. Um assunto sensível, polémico e tantas vezes evitado, que voltou à ordem do dia quando, a 19 de Maio de 2013, um domingo de Pentecostes, em plena Praça de S. Pedro, o Papa Francisco expulsou um demónio que atormentava um jovem.

À venda a 4 de março.

Secundino 04Sobre o autor:
Secundino de Jesus Martins da Cunha nasceu em 22 de junho de 1967, na freguesia de Vilela, concelho de Amares. Casado e pai de duas filhas, é jornalista profissional desde 1989. Iniciou a sua carreira profissional em 1987 como estagiário na rádio Antena Minho, em Braga, onde foi depois repórter e editor até 2007. Em 1991, começou a colaborar com o Correio da Manhã, como correspondente em Braga e, em 1997, foi convidado a abrir uma delegação deste jornal nesta cidade. Ao longo de uma década, partilhou a sua atividade entre a rádio e o jornal e, em 2007, torna-se editor do Correio da Manhã, função que mantém até à data. Conta já com vários livros publicados, entre os quais, Alexandrina de Balasar; Nuno Álvares Pereira, o Santo que Mudou Portugal; A Vida Santa de João Paulo II; Casas de Escritores no Minho; Casas de Escritores no Douro; Casas de Escritores no Alentejo; Eça de Queiroz e a Casa de Tormes; Torre dos Clérigos – Uma História de Granito e Escritores a Norte.









Sextante Editora - Ana Zanatti lança novo livro em Lisboa




J. Rentes de Carvalho em Lisboa

O escritor J. Rentes de Carvalho estará em Lisboa na próxima semana, altura em que chega às livrarias o seu romance mais recente,O Meças. O autor estará disponível para algumas entrevistas.

«É um grande livro – um romance brutal, cheio de personagens e de cenas que não vamos esquecer tão cedo.» Francisco José Viegas - http://origemdasespecies.blogs.sapo.pt/aos-86-anos-um-novo-romance-de-j-1443585



Jacarandá publica ‘O Regresso dos Lobos’ - De Sarah Hall, autora finalista do Man Booker Prize

Sarah Hall, autora finalista do Man Booker Prize, está de volta aos escaparates com O Regresso dos Lobos, num romance fabuloso, publicado agora em Portugal pela Jacarandá Editora.
O livro explora questões profundas como a ligação entre a liberdade e o desejo, a vida humana e a natureza, a maternidade e o amor e o sexo, e a vida política e privada, recorrendo à temática da reintrodução do lobo-cinzento como metáfora poderosa para a selvajaria e regeneração humana.
Com excelentes críticas, foi um dos livros mais esperados de 2015 pela imprensa internacional!

O Regresso dos Lobos começa por prender-nos pela capa poderosíssima prelúdio para uma história «vibrante e visceral», segundo o The Times.
Ao longo de quase uma década, Rachel Caine virou costas a casa, mantendo-se distante devido às disputas familiares e ao seu trabalho de monitorização de lobos numa reserva do Idaho. Mas agora, desafiada pelo excêntrico Conde de Annerdale a participar num projeto controverso que visa a reintrodução do lobo-cinzento no interior britânico, regressa à paisagem agreste do Lake District. O regresso do lobo-cinzento após centenas de anos coincide com a própria regeneração de Rachel, no contexto de uma maternidade iminente e da reconciliação com a família.
O Regresso dos Lobos recorre à temática da reintrodução do lobo-cinzento como metáfora poderosa para a selvajaria e regeneração humana, explorando questões profundas como a ligação entre a liberdade e o desejo, a vida humana e a natureza, a maternidade e o amor e o sexo, e a vida política e privada.
«Um drama psicológico cativante», segundo o The Economist, «(…) que confirma Hall como uma das melhores escritoras de ficção», de acordo com o Daily Mail.

Sobre a autora:
Sarah Hall nasceu na Cúmbria em 1974. É uma autora premiada que já escreveu quatro romances – Haweswater, The Electric Michelangelo, The Carhullan Army e How to Paint a Dead Man – e ainda The Beautiful Indifference, uma coleção de contos. The Electric Michelangelo foi finalista do Man Booker Prize.


Desnorte, de Inês Pedrosa, apresentado na Leya na Barata, 8 de Março, 18h30



Mário de Carvalho e Pedro Vieira levam a Viagem Literária a Setúbal

No próximo dia 17 de março, o Fórum Municipal Luísa Todi acolhe o regresso deste festival literário itinerante a Portugal continental.
Após duas sessões de enorme sucesso na Madeira e nos Açores, com lotações esgotadas (400 e 550 pessoas, respetivamente), a “Viagem Literária“ regressa ao continente com destino a Setúbal, mais precisamente do Fórum Municipal Luísa Todi,
No próximo dia 17 de março, a partir das 21:30, o jornalista João Paulo Sacadura conduz uma conversa de 90 minutos entre Mário de Carvalho, um dos nomes consagrados da literatura portuguesa, e Pedro Vieira, autor dos romances O que não pode ser salvo e Última Paragem, Massamá (título com a qual venceu o prémio Pen Clube Português para Primeira Obra em 2012).
Entre os assuntos em destaque irão estar, certamente, os livros e a literatura, afinidades e diferenças, e a atualidade social (cuja crítica irónica é tema frequente no trabalho dos dois convidados). Ainda durante a conversa, haverá espaço para as questões da plateia e, no final, para as já habituais sessões de autógrafos e contacto mais direto com os escritores.
Na estrada desde abril de 2015, a “Viagem Literária“ completou já 11 etapas, incluindo duas grandes sessões nas Regiões Autónomas. Depois de Setúbal, a “Viagem Literária“ segue para Santarém e vai continuar a percorrer as capitais de distrito de Portugal até à sua etapa final, em Viana do Castelo, cumprindo a sua missão de levar os escritores ao encontro dos seus leitores, contribuindo para a descentralização e democratização do acesso à cultura.

Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico. Desde então, tem praticado diversos géneros literários, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do PEN Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas.
Pedro Vieira nasceu em Lisboa, em 1975, cidade onde reside. Licenciado em Publicidade e Marketing pela Escola Superior Comunicação Social, trabalha no Canal Q das Produções Fictícias como criativo, e é atualmente a cara do programa diário Inferno. Trabalhou como livreiro nos grupos Almedina e Bulhosa Livreiros e como designer no Centro Cultural Olga Cadaval. Fez formação adicional na área da Ilustração, que exerce em regime free lance, em cursos promovidos pela Ar.Co e pela Fundação Calouste Gulbenkian. É ilustrador residente da revista LER. Bloguista indefetível, criou o irmaolucia e é coautor do Arrastão. Publicou em 2011, Última Paragem, Massamá, o seu primeiro romance, distinguido com o Prémio Revelação do PEN Clube Português. Em 2015 publicou O que não pode ser salvo.
A “Viagem Literária“ tem espaços próprios de contacto com o grande público: no site da Porto Editora, no Facebook e no Instagram.

«Lobo Solitário», de Jodi Picoult, dia 11 de março nas livrarias

Título: Lobo Solitário
Autor: Jodi Picoult
Género: Literatura / Romance
Tradutor: Fernanda Oliveira
N.º de páginas: 408
Data de lançamento: 11 de março de 2016
PVP: € 17,70

Nº1 do New York Times
O pragmatismo da Natureza através de uma alcateia de lobos em comparação com a complexidade dos seres humanos é colocado em perspetiva em o Lobo Solitário, o novo romance de Jodi Picoult. A autora, uma das mais internacionais e populares da atualidade, retrata a dinâmica das relações familiares através das personagens Luke Warren, Georgie, Edward e Cara, que se debatem com difíceis questões morais, das quais a principal é: vale a pena viver a qualquer custo?
Depois de A Contadora de Histórias, Jodi Picoult volta a trazer aos leitores um dilema moral difícil de resolver. É com grande mestria que a escritora faz alternar as vozes narrativas e entra no delicado universo médico da neurociência, tocando no tema sensível da vida perto do fim.
Estabelecendo sempre um paralelismo entre uma alcateia e o sentido de família tendo como pano de fundo a dicotomia vida-morte, Jodi Picoult cria uma escrita de grande intensidade em torno de Luke Warren, um cientista que dedicou a sua vida a estudar lobos, e que está em estado grave na sequência de um acidente automóvel com a filha, Cara. Ela e o irmão, Edward, debatem-se sobre o destino do pai. «Haverá razões ocultas para deixarem o pai morrer… ou viver?».
Uma escrita rica e brilhante, que prende desde o primeiro instante, conduzindo quem lê pela resolução de um mesmo problema que é sentido de modos diferentes por diferentes personagens.
«Ficção literária de qualidade superior com uma história muito humana e cativante.» - Mail on Sunday

Sinopse:
Quando um lobo sabe que o seu tempo está a terminar e que já não é útil à alcateia, muitas vezes escolhe afastar-se. Morre assim isolado da sua família, do seu grupo, preservando até ao fim todo o orgulho que lhe é próprio e mantendo-se fiel à sua natureza.
Luke Warren passou a vida inteira a estudar lobos. Chegou inclusivamente a viver com lobos durante longos períodos. Em muitos sentidos, Luke compreende melhor as dinâmicas da alcateia do que da sua própria família. A mulher, Georgie, desistiu finalmente da solidão em que vivia e deixou-o. O filho, Edward, de vinte e quatro anos, fugiu há seis, deixando para trás uma relação destruída com o pai. Recebe então um telefonema alarmante: Luke ficou gravemente ferido num acidente de automóvel com Cara, a sua irmã mais nova. De repente, tudo muda: Edward tem de regressar a casa e enfrentar o pai que deixou aos dezoito anos. Ele e Cara têm de decidir juntos o destino deste. Não há respostas fáceis, e as perguntas são muitas: que segredos esconderam Edward e Cara um do outro? Haverá razões ocultas para deixarem o pai morrer… ou viver? Qual seria a vontade de Luke? Como podem os filhos tomar uma decisão destas num contexto de culpa e sofrimento? E, sobretudo, terão esquecido aquilo que todo e qualquer lobo sabe e nunca esquece: cada membro da alcateia precisa dos outros e, às vezes, a sobrevivência implica sacrifício.
Lobo Solitário descreve de forma brilhante a dinâmica familiar: o amor, a proteção, a força que podem dar, mas também o preço a pagar por eles.

Sobre a autora:
Jodi Picoult nasceu e cresceu em Long Island. Estudou Inglês e Escrita Criativa na Universidade de Princeton e publicou dois contos na revista Seventeen enquanto ainda era estudante.
O seu espírito realista e a necessidade de pagar a renda levaram a autora a ter uma série de empregos diferentes depois de se formar: trabalhou numa corretora e numa editora, foi copywriter numa agência de publicidade e professora de inglês.
É uma das autoras mais populares da atualidade. Em 2003, foi galardoada com o New England Bookseller Award for Fiction.

«Há muitos aspirantes ao seu trono, mas não existe ninguém na área da ficção comercial que faça virar as páginas de maneira mais eficaz do que Jodi Picoult.» - USA Today



Passatempo Conquistadores - Como Portugal Criou o Primeiro Império Global

O blogue Marcador de Livros, em conjunto com a Editorial Presença tem para oferecer em passatempo um exemplar de Conquistadores - Como Portugal Criou o Primeiro Império Global de Roger Crowley.

Mais informações sobre o livro aqui



Catarina Furtado vai conduzir encontro com ilustradora Carol Rossetti



Topseller: Novo livro da coleção Private, de James Patterson

Título: Private: Las Vegas
Autor: James Patterson
N.º de Páginas: 384
PVP: 18,79€

Elogios:
«Patterson é o melhor contador de histórias da América.» - Forbes
«Os romances de Patterson são máquinas de entretenimento engenhosas, escritos com habilidade e com um ritmo à 
velocidade da luz.» - Publishers Weekly

James Patterson já criou mais personagens inesquecíveis do que qualquer outro escritor da atualidade. Segundo o Guinness World Records, Patterson é o autor com o maior número de bestsellers do New York Times (mais de 75) e, desde que o seu primeiro romance venceu o Edgar Award, em 1977, os seus livros já venderam mais de 305 milhões de exemplares.
Segundo a Forbes, Patterson é o escritor mais bem-sucedido em todo mundo, e as críticas daqueles que o veem como uma “fábrica” de fazer livros não o afetam minimamente. É, hoje, o mais conhecido filantropo no que à promoção da leitura diz respeito, doando milhões de dólares a bibliotecas, escolas e universidades, sem esquecer os pequenos livreiros em apuros. Pôr os miúdos a ler é a sua missão de vida e com os milhões de livros infanto juvenis que já vendeu, pode dizer-se que está a ser bem-sucedido. Em Portugal é editado pela Topseller (adulto) e Booksmile (infantojuvenil).

Sinopse:
Private Las Vegas é o quarto volume da série Private: Agência Internacional de Investigação, policiais recheados de ação e de ritmo alucinante.
Quando os ricos e poderosos estão em apuros, não é para a polícia que ligam…
Dois suspeitos de crimes violentos, que mantinham mulheres presas num quarto de hotel, são apanhados em flagrante pela polícia. Como são importantes diplomatas estrangeiros, gozam de imunidade e não podem ser julgados. Jack Morgan envolve-se no caso, para tentar salvar outras mulheres que cruzem o caminho dos criminosos.
Ao mesmo tempo, um velho cliente da Private, Hal Archer, pede ajuda a Jack, pois está convencido de que a sua mulher o quer matar. Tudo não parece ser mais do que paranoia do multimilionário.
Quando duas mortes suspeitas levam Jack a descobrir que outros homens ricos recém-casados também se sentem ameaçados pelas suas jovens e belas esposas, a investigação ganha novos contornos. Estes dois casos conduzem Jack Morgan e a equipa da Private a Las Vegas, a cidade do pecado, onde defrontarão violadores perigosos, uma rede sinuosa de assassinos profissionais e justiceiros imprevisíveis. Todos terão de estar no seu melhor para resolver este e outros enigmas explosivos.
Com este novo thriller emocionante, cheio de reviravoltas e ação vertiginosa, James Patterson volta a surpreender-nos.



quarta-feira, 2 de março de 2016

Novidade Presença: Conquistadores - Como Portugal Criou o Primeiro império Global de Roger Crowley

Título: Conquistadores - Como Portugal Criou o Primeiro império Global
Autor: Roger Crowley
Título Original: Conquerors: How Portugal Forged the First Global Empire
Tradução: Jorge Freire
Páginas: 304
Coleção: Diversos Ensaio N.º 34
PVP: 18,50€
Data de Publicação: 3 Março 2016

ROGER CROWLEY VIRÁ A PORTUGAL NO MÊS DE ABRIL 2016
Autor bestseller do New York Times
5 estrelas na Amazon.com
4.5 estrelas no Goodreads
Uma obra sobre um período marcante da História de Portugal
Autor premiado

O historiador Roger Crowley conta-nos como Portugal construiu um grande império marítimo europeu, dando origem à primeira economia global. Numa narrativa empolgante e solidamente documentada, que equilibra a vertente humana e as dimensões geopolítica e religiosa, o aclamado autor aborda a supremacia marítima de Portugal, com a descoberta do caminho marítimo para a Índia no seu âmago, as vitórias sobre governantes muçulmanos e o domínio do comércio das especiarias, revelando-nos o alcance do império português e dando vida a personalidades como D. Manuel I, D. João II, Afonso de Albuquerque e Vasco da Gama. O relato essencial e atualizado de como uma das nações mais pequenas e pobres da Europa pôs em movimento as forças da globalização que hoje dão forma ao mundo. Uma obra que dará a conhecer ao leitor português a sua própria história na perspetiva de um investigador estrangeiro.

Sobre o autor:
Roger Crowley (1951) é um historiador proeminente, especializado nos grandes impérios marítimos europeus. As suas obras, pelo rigor e simplicidade, foram bestsellers do New York Times. Foi leitor de Inglês na Universidade de Cambridge e ensinou Inglês em Istambul. Viajou muito pela bacia do Mediterrâneo e tem um profundo interesse por esta região e pela sua cultura. É autor de diversas obras de história, algumas delas premiadas. Vive em Gloucestershire, Inglaterra.

GÉNERO: Não Ficção / História.
PÚBLICO-ALVO: Público adulto. Leitores interessados em História de Portugal e no Período das Descobertas.

CITAÇÕES:
«Uma narrativa brilhante e cheia de ritmo. Um relato admirável sobre a ascensão de um império.» BBC History Magazine
«Roger Crowley é um dos maiores historiadores contemporâneos.» Financial Times
«O relato empolgante da ascensão de Portugal a império mundial. Conquistadores é uma leitura cativante.» Sunday Times
«Uma obra que recupera o papel de Portugal como pioneiro do primeiro império global.» Daily Telegraph
«Um livro que dá vida aos exploradores portugueses. Perfeito para leitores interessados na história dos Descobrimentos.» Publishers Weekly 

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui


Novidade Presença: As Coisas que a vida me Ensinou de Oprah Winfrey amanhã nas livrarias

Título: As Coisas que a Vida Me Ensinou
Autor: Oprah Winfrey
Título Original: What I Know For Sure
Tradução: Maria Fraústo
Páginas: 208
Coleção: Diversos Literatura N.º 88
PVP: 12,90€
Data de Publicação: 3 Março 2016

CRÓNICAS DE OPRAH WINFREY REUNIDAS EM LIVRO

Bestseller do New York Times
Direitos vendidos para 17 territórios

Quando Gene Siskel, reputado crítico de cinema, perguntou em direto a Oprah Winfrey quais foram as coisas que a vida lhe ensinara, deu-se uma pausa. Silêncio. Oprah não sabia responder. Este episódio marcou a vida da apresentadora. Desde então, tenta encontrar respostas escrevendo mensalmente para a revista O, The Oprah Magazine. As melhores crónicas encontram-se neste livro: as certezas e incertezas da vida expostas de forma clara e sentida, num caminho único que vale a pena descobrir.

Sobre a autora:
Oprah Winfrey nasceu em 1954 no Mississípi e vive em Santa Monica, Califórnia. É apresentadora de televisão, produtora e empresária. Entre setembro de 1986 e maio de 2011 foi apresentadora do programa The Oprah Winfrey Show, um dos talk shows com maior audiência da história da televisão nos Estados Unidos e visto por milhões de espectadores em todo o mundo. Participou em diversos filmes, entre outros A Cor Púrpura, de 1985, realizado por Steven Spielberg. É proprietária de duas revistas: O, The Oprah Magazine e O at Home. Em janeiro de 2011 estreou o seu canal televisivo OWN. Foi condecorada por Barack Obama com a Presidential Medal of Freedom, em 2013. É uma das mulheres mais influentes do mundo.

GÉNERO: Não ficção e Ensaio / Biografias e Memórias.
PÚBLICO-ALVO: Público adulto (especialmente feminino).

CITAÇÕES DE IMPRENSA:
«A voz calorosa e familiar de Oprah Winfrey dá um tom intenso e envolvente a cada história pessoal. A sua escrita enaltece a espiritualidade e o amor.» Audiofile Magazine
Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui


Novo livro de Ken Follett, Uma Terra Chamada Liberdade chega amanhã

Título: Uma Terra Chamada Liberdade
Autor: Ken Follett
Título Original: A Place Called Freedom
Tradução: João Martins
Páginas: 456
Coleção: Grandes Narrativas Nº 629
PVP: 19,90€
Data de Publicação: 3 Março 2016

FOLLETT REGRESSA COM SAGA HISTÓRICA

AUTOR COM 150 MILHÕES DE LIVROS VENDIDOS EM MAIS DE 80 PAÍSES E EM 33 LÍNGUAS

4.2 estrelas na Amazon.com
3.8 estrelas no Goodreads
Bestseller do New York Times

Em Portugal vende em média cerca de 60.000 exemplares por ano

Condenado à nascença a uma vida de escravidão, Mack McAsh vê-se forçado a trabalhar nas minas de carvão da Escócia, no ano conturbado de 1766. Porém, Mack não perde a esperança de ser livre. Inesperadamente, encontra uma aliada. Lizzie Hallim é a bonita aristocrata rebelde e determinada que, apesar da sua condição, também se encontra aprisionada em intrigas e jogos de poder. Devido às ideias progressistas de Mack, Sir George, senhor das terras e donoda mina, dificulta-lhe a vida, obrigando-o a fugir. Num volte-face é Lizzie quem o ajuda.
Os dois jovens não sabem que em breve a paixão será tão avassaladora no velho mundo como no novo.
Das minas de carvão da Escócia às sujas ruas da Londres, passando pelas plantações de tabaco na Virgínia, os dois enamorados querem apenas conquistar algo para as suas vidas: a liberdade.

Sobre o autor:
Ken Follett é um dos mais notáveis autores contemporâneos. Dos seus trinta livros, publicados em mais de 80 países, já foram vendidos mais de 150 milhões de exemplares. O seu primeiro êxito foi Eye of the Needle, vencedor do Edgar Award em 1978. Seguiu-se Triplo, que confirmou a sua capacidade de conquistar leitores em todo o mundo. Apesar do prestígio como autor de thrillers, o mais inesperado e retumbante êxito do autor chegaria com a epopeia medieval Os Pilares da Terra (1989) ̶ as sucessivas edições deste título motivaram Follett a escrever a sequela Um Mundo sem Fim (2008), tornando-se ambos livros de culto. Ken Follett arrebatou em definitivo a crítica e o público com a trilogia O Século, a sua obra mais recente - uma dramática retrospetiva do século XX e, sem dúvida, o seu projeto mais grandioso e aplaudido.


Editado pela primeira vez em 1995, Uma Terra Chamada Liberdade junta-se a outros títulos do autor publicados pela Presença: O Homem de São Petersburgo, Uma Fortuna Perigosa, A Ameaça, O Voo das Águias, Voo Final, Os Filhos do Éden e O Escândalo Modigliani, além das obras acima referidas.


Mais sobre o autor: www.ken-follett.com

GÉNERO: Ficção e Literatura / Romance Histórico.
PÚBLICO-ALVO: Fãs da obra de Ken Follett.

CITAÇÕES:
«Uma aventura avassaladora.» Today
«Um romance histórico cativante.» San Francisco Chronicle
«Uma narrativa empolgante com romance, aventura e história.» Kirkus Reviews

Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui


terça-feira, 1 de março de 2016

Tempos sem Fim é o primeiro livro de Fausto Reis

Título: Tempos sem fim
Autor: Fausto Reis
Editora: Edições Esgotadas

"Ao leitor No âmbito da minha actividade profissional logrei da oportunidade de viver, conhecer e acompanhar a extraordinária epopeia da Diáspora Portuguesa no Mundo. Na Suíça, onde vivi 4 anos. E depois no dever de acompanhar os vários escritórios de representação como Caracas, Toronto, Joanesburgo, Hamburgo, Lyon, Newark, Londres e outros. Termos como a saudade, o sacrifício, a aventura, o trabalho, o perigo, o império, o amor, a política, a família, a necessidade, o engenho e a arte, são sentimentos e valores tão profundamente entranhados na sociedade Lusa. De uma forma ou de outra foram a causa e o efeito que fecundou grande parte da nossa admirável história que se renova em cada dia, num incessante ciclo de “tempos sem fim”. Observei por esse mundo uma impressionante massa de portugueses portadores de incríveis e sofridas histórias de sobrevivência. Muitos magoados na alma para sempre. Felizmente a maioria bem-sucedidos. Testemunhei a incessante luta que quotidianamente travam para manter as singulares tradições, o riquíssimo folclore, a impar e rica gastronomia e a extraordinária língua Portuguesa. A língua dos nossos grandes Poetas. Digo com grata paixão que vi na maioria daqueles olhares, tantos sinais de vivo orgulho em serem portugueses. Foi esta acesa portugalidade, por vezes tão sofrida, por vezes tão incompreendida, mas ao mesmo tempo tão surpreendente que inspirou este livro. Foi e é, na minha opinião, a necessidade, a política, a religião e o amor que incessantemente despertam os portugueses a resignar-se na aventura do êxodo. A minha humilde homenagem aos que ousam partir e aos que ousam ficar."

Do Prefácio de Jorge Albuquerque Ferreira
"Tiempos de Hambre". Assim chama a Espanha de Rúbia Bousquet, ao tempo triste em que se move o livro. Para muitos, viver era apenas lutar contra a fome, procurando noutras paragens a simples sobrevivência.

(...)

O livro percorre uma época recente, mas que nos parece tão longínqua. Neste nosso tempo de "Aldeia Global", parece fantasia a existência ainda recente do regedor, do contrabando raiano, da parteira, do tanque colectivo e mesmo das "Clarisses". Atenção, a história tende a repetir-se, hoje há novamente lobos na Beira Alta, ainda que já não lutem pela sobrevivência mas sim por um pêlo luzidio.

(...)

Alfredo e Ricardina merecem a nossa admiração e respeito. Representam os "grandes heróis" do nosso autor. Mas que sejam só passado. Que a Europa dos nossos filhos seja como a Senhora da Beira, eternamente bonita e de uma beleza infinita.

Três filhos são a superior elevação de "Viva o Amor". O Dão dá regadio às suas muitas árvores. Faltava apenas o Livro, que aqui se apresenta, feito de uma "Paixão sem Fim".

Viva a Vida!
Jorge Albuquerque Ferreira


Do Prefácio de Carlos Mota Cardoso

Numa linguagem elegante, salpicada de trechos realistas, sem perder o colorido romântico do fundo, o autor transporta o leitor a um Portugal devorado pela fome do progresso. Restam ainda vivos e pitorescos alguns reflexos a fosforearem no corpo e na alma do país. Restam, sobretudo, os livros a resgatarem do passado a memória daquilo que fomos. Resta este magnífico trabalho que ressuscita na memória de cada um a sombra da infância.

O livro “Tempos sem fim” é um romance que acontece na Beira Alta, nas décadas de 50, 60 e 70 do século XX, no qual várias relações, ligações amorosas se entrelaçam.

(...)

No livro é muito marcante uma miscelânea de sentimentos e de situações, tais como a pobreza, o medo, a angústia, a separação, a revolta, a morte, mas por outro lado, o sonho, a amizade, a vontade de usufruir de melhores condições de vida, vulgo vencer na vida e, em última instância, o amor, como sendo o sentimento mais nobre e mais forte que ajuda todos os intervenientes a ultrapassar o sofrimento, a dor e a alcançar os seus objetivos.

(...)

Em suma, parabenizo o autor, porque, sendo a sua primeira obra, esta lê-se com muitíssimo agrado.

Carlos Mota Cardoso


Sobre o autor:
Fausto Manuel Reis


Nascido a 4 Junho, em Viseu. Pai de 3 filhos.

Licenciado em Gestão pela Universidade Católica e Pós Graduado em Banca, Bolsa e Seguros, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Trabalho numa Instituição Bancária desde 1994. Excentricamente, nos tempos livres, gosto de escrever, semear desassossegos e viver divertida e naturalmente a agricultura.

Para mais informações sobre o livro podem consultar o site www.faustoreis.com ou facebook: https://www.facebook.com/Tempossemfim/?fref=ts. Os primeiros 50 livros serão numerados e com dedicatória. 


«Tim», de Colleen McCullough, chega às livrarias dia 11 de março

Título: Tim
Autor: Colleen McCullough
Género: Literatura / Romance
Tradutor: Patrícia Xavier
N.º de páginas: 284
Data de lançamento: 11 de março de 2016
PVP: € 16,60

«Deixa -nos o coração a bater com força.» nos o coração a bater com força.» - New York Times
Acabado de completar-se um ano da morte de Colleen McCullough, conhecida autora best-seller de renome internacional, a Bertrand Editora publica Tim, a obra que inaugurou a sua carreira literária. A par de Pássaros Feridos, este é a nível internacional o seu livro de maior sucesso.
Com Tim, Colleen McCullough traz-nos uma história de amor pouco convencional entre uma mulher, Mary Horton, de 43 anos, e um jovem lindíssimo de 25 anos, mas com «a cabeça de uma criança» de cinco anos. Esse homem é Tim Melville.
Esta história, que inspirou um filme com o mesmo nome com Mel Gibson no papel principal, conta com personagens e um enredo de grande envolvência. O que está certo e errado, os juízos de valor e morais vão ganhando cada vez mais peso à medida que a leitura vai avançando.
Uma história de amor única e inesquecível

Sinopse:
Mary Horton tem quarenta e três anos e vive num subúrbio tranquilo, de classe média, na costa australiana. É uma mulher solteira, muito rígida e distante, que conseguiu construir uma vida a pulso, mas o seu conceito de «vida» não inclui relações pessoais. Sem um namorado nem amigos, Mary não quer deixar ninguém entrar na sua vida solitária.
Tim Melville é um trabalhador manual de vinte e cinco anos, com o rosto e o corpo de um deus grego, mas a cabeça de uma criança. Num mundo cruel e inflexível, apesar da sua família maravilhosa, Tim acaba muitas vezes por se deixar levar pelos que se dizem seus amigos e se aproveitam dele.
Tim conhece Mary por acaso numa manhã de verão, e aquilo que começa por ser um dia de trabalho para ele transforma-se numa relação que vai mudar a vida dos dois.

Sobre a autora:
Colleen McCullough nasceu na Austrália em 1937. Começou a sua carreira literária com a publicação de Tim, seguido de Pássaros Feridos, um best-seller internacional que bateu todos os recordes. Ambos foram adaptados ao cinema.
Além dos romances individuais que foi escrevendo, a autora publicou duas séries. «O Primeiro Homem de Roma» retrata em seis volumes e de forma excecional a história da Roma Antiga. A série foi elogiada por muitos historiadores e políticos, incluindo Kissinger. «Carmine Delmonico» é uma série policial com cinco títulos publicados.
A autora morreu em janeiro de 2015, aos 77 anos, na ilha de Norfolk, no Pacífico, onde vivia com o marido.

«Ainda mais provocador e intrigante do que Pássaros Feridos.» - Washington Post


A estante está mais cheia #37



Apesar de ser o mês mais pequeno do ano em termos de aquisições poderá ter sido o mais proveitoso.
Crime no Hotel Brightwell de Ashley Weaver estava na minha wishlist desde que saiu para as livrarias e foi oferta do meu mais que tudo. 
Os outros quatro livros também todos eles da Civilização Editora, foram comprados no Outlet do Livro realizado no Pavilhão Rosa Mota a preço de saldo. Os da Jodi Picoult (Em Troca de um Coração, O Pacto e Tudo por Amor) e Sombras do Passado de Tana French vieram para a estante por pouco mais do que 25 euros. 

Da Asa chegou Perguntem ao Polícia da série que ando a colecionar Crime à Hora do Chá e que adoro. E Um Caso Tipicamente Inglês de Elizabeth Edmondson cuja opinião já podem ler aqui.

Da Guerra & Paz chegou o novo livro de Flávio Capuleto, Corrupção. Um livro que se passa na região do Douro vinhateiro. 


Da Porto Editora chegou Curiosidades do Vaticano do autor que nos deixou em Março de ano passado, Luís Miguel Rocha. Podem ler a minha opinião sobre o livro aqui


 O Amor é Vermelho de Sophie Jaff, o primeiro livro de uma trilogia, foi oferta da Marcador. Um policial romanceado, com algum sobrenatural à mistura, que me desiludiu um bocadinho. Em breve opinião no blogue. 


O (E)rro de Deus foi oferta do próprio autor Carlos Queirós e espero lê-lo em breve. Tenho gostado muito dos seus livros anteriores pelo que estou com expectativas elevadas em relação a este seu novo trabalho. 


O Caçador de Mason Cross é uma oferta da Topseller e é a minha leitura do momento. Estou a gostar imenso desta leitura. Tem bastante ritmo, bastante acção e com muito adrenalina.

Da Penguin Random House chegaram dois livros que estou ansiosa por ler. A Grande Magia de Elizabeth Gilbert (a mesma autora de Comer, Orar e Amar) e A Vida é Fácil, Não te preocupes de Agnés Martin-Lugand (a mesma autora de As Pessoas Felizes Lêem e Bebem Café que adorei).  

Novidade Topseller: Na Sombra da Minha Irmã

Título: Na Sombra da Minha Irmã
Autor: Sarah Pekkanen
N.º de Páginas: 352
PVP: 18,79€

Lindsey e Alex são irmãs gémeas. Têm os mesmos genes, as mesmas raízes, mas não podiam ser mais diferentes.
Desde que se lembra, Lindsey, de 29 anos, tem vivido na sombra da sua linda e encantadora irmã gémea, Alex, lutando para evitar ser a eterna segunda. Determinada em conquistar o seu lugar, Lindsey dedicou a sua vida ao trabalho e à carreira, e está finalmente prestes a conseguir a grande promoção com que sempre sonhou. Mas um erro impulsivo leva a que todos os sonhos de Lindsey se desmoronem.
Humilhada, não lhe resta outra alternativa senão recuar no tempo e refugiar-se na casa dos pais. Mas o regresso a casa traz uma amarga surpresa: a irmã Alex não só se vai casar com um Príncipe Encantado, como tenta seduzir descaradamente um amigo de infância de Lindsey, o único que sempre a preferiu. É como se o mundo desabasse pela segunda vez em poucos dias.
Enquanto Lindsey tenta recuperar a sua carreira, um antigo segredo de família é revelado, forçando as duas irmãs a repensarem a sua relação.
Um romance que explora as relações que nos definem e os laços complicados mas insubstituíveis entre irmãs.

Elogios: 
«Terno, inteligente e divertido.» - Cosmopolitan
«Original, encantadora…Uma história entre o cómico e o comovente.» - Booklist
«A história envolvente de Pekkanen é uma análise honesta dos limites que nos colocamos, e com personagens femininas muito bem concebidas.» - Kirkus

Sobre a autora:
Sarah Pekkanen é uma autora norte-americana bestseller internacional, com seis romances publicados em países como Reino Unido, China, Austrália, Alemanha, Itália, Holanda, Polónia, Canadá e Espanha.
Os seus livros são êxitos sucessivos de vendas. Escreveu para vários jornais e revistas como a People, o Washington Post e o USA Today.
A Topseller tem publicados da autora os títulos Dias de Paixão, Quando o Teu Coração Parou, A Verdade Que Nos Une. Atualmente vive com o marido e os três filhos perto de Washington, D.C.
Saiba mais sobre a autora em www.sarahpekkanen.com