quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Júlio Magalhães e Capicua apresentam novo livro de Valter Hugo Mãe



terça-feira, 16 de dezembro de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

António Costa Pinto apresenta Marcello Caetano - Um Destino, Bertrand Picoas Plaza, 16 de dezembro, 18h30



segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Mais que as Mães - Joana Neves da Silva [Opinião]

Título: Mais que as Mães
Autor: Joana Neves da Silva
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 260
Editor: Chiado Editora
Coleção: Compendium
PVP: 12€

Sinopse:
"Não se faz nada nesta casa!"
Mentira. Faz-se tudo. Sem eles é que não faço nada. Foram almoçar a casa dos tios e eu estou aqui, bloqueada, sem o som da Xbox, da Wii, do SpongeBob e dos gritos da Té. Ouço ao longe um programa de culinária da SicMulher, sugerindo-me a preparação de uma refeição que é hoje desnecessária. O tempo não passa. Venham lá rápido desse almoço que este silêncio e esta paz estão a matar-me.
Quem dera a nós, adultos, seres aborrecidos e complicados, podermos erguer-nos a meio de uma reunião de trabalho e gritar:
"Pim, pam, pum, cada bola mata um, p'rá galinha e p'ró perú, quem se livra és mesmo tu! Ganhou o Fonseca. Vamos almoçar. O último a chegar à cantina é uma batata podre!"
A minha falta de interesse por jogos de consola prende-se principalmente com o facto de qualquer chimpanzé bem treinado fazer melhor figura do que eu com um comando na mão. Se tivesse jeito (e tempo) não tenho dúvidas que seria uma aficionada. Entendo o fascínio dos miúdos perante este universo e não sou fundamentalista em relação a isso. Resmungo quando acho que estão a jogar há tempo a mais? Claro. Eles ouvem-me? Às vezes.
"Mãe, o que é que aconteceu ao nariz do cão de areia da Cleópatra?"
"Antes de mais, algumas ressalvas de ‘pormenor’: não é um cão, é um leão e não é de areia mas sim de pedra. Uma única pedra. Uma das maiores esculturas de sempre lavradas numa única pedra."
"Ok. E o nariz?"
A minha opinião:
Quem tem filhos facilmente se revê nas 260 páginas de Mais que as Mães de Joana Neves da Silva. Mãe de três filhos, Tomás, Tiago, e Teresa, todos com pontos em comum com a minha própria filha, fiquei vidrada nas histórias simples do dia a dia desta família nortenha (tal como a minha) e a rir-me pelo caricato de algumas situações. Se ter uma filha traquina não é fácil, imagino três... deve ser caótico. E só a boa disposição de Joana e do marido para conseguir levar o barco a bom porto.

Confesso que antes de ler o livro nem o blogue da autora conhecia, http://maisqueasmaes.blogspot.pt/, mas que agora é uma passagem obrigatória. Os dois complementam-se.

Dividido por cinco estações, repete o inverno, Mais que as Mães é constituído por capítulos curtos, com cenários corriqueiros de qualquer família, tais como a doença de um dos filhos, os dentes a abanar, os trabalhos de casa, brincadeiras entre irmãos, desenhos animados que os mais pequenos apreciam e Glória, a gata da família.

Um livro divertido, mais recomendado a quem tem filhotes pequenos. Vai rever-se em muitas destas situações. Gostei ;)





 

Lançamento - "A Viagem do Elefante" em BD



quinta-feira, 11 de dezembro de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Porto de Encontro com Álvaro Magalhães

No próximo sábado, às 18:00, a Casa das Artes vai acolher mais
uma sessão do “Porto de Encontro”.
Com o Natal à porta, a Porto Editora e o jornalista Sérgio Almeida
prepararam uma sessão muito especial do “Porto de Encontro”. O
convidado é o reconhecido escritor Álvaro Magalhães, contando-se com a
participação da jornalista e escritora Inês Fonseca Santos e do famoso
Bando dos Gambozinos. A sessão está agendada para o próximo sábado,
dia 13 de dezembro, às 18:00, na Casa das Artes, no Porto.
Álvaro Magalhães nasceu no Porto, em 1951. A sua obra para crianças e
jovens, que integra poesia, conto, ficção e textos dramáticos, repartindo-se
por cerca de 80 títulos, caracteriza-se pela originalidade e invenção, quer na
escolha dos temas quer no seu tratamento. Foi várias vezes premiado pela
Associação Portuguesa de Escritores e Ministério da Cultura. Em 2002, O
limpa-palavras e outros poemas foi integrado na Honour List do Prémio
Hans Cristian Anderson e, em 2004, Hipopóptimos – Uma história de amor foi distinguido com o Grande Prémio Calouste Gulbenkian. Em 2014, O Senhor Pina recebeu o Prémio Autores, da Sociedade Portuguesa de Autores, para melhor livro infantojuvenil.
Várias das suas publicações integram o Plano Nacional de Leitura e constam do corpus das Metas Curriculares de Português. Parte da sua obra (21 títulos) está publicada em Espanha, França, Brasil e Coreia do Sul.
Esta XXXI edição do “Porto de Encontro” conta com a colaboração da Direção Regional de Cultura do Norte e o apoio da Antena 1, Jornal de Notícias, Porto Canal, Sociedade Portuguesa de Autores, Livrarias Bertrand, Porto Barros e Arcádia. A entrada, como sempre, é gratuita.


Sérgio Godinho apresenta Vidadupla n'A Vida Portuguesa do Intendente, domingo, 14 de dezembro, 16h00



Novidade Casa das Letras: Na Cozinha com Henrique Sá Pessoa

Título: Na Cozinha com Henrique Sá Pessoa 
Autor: Henrique Sá Pessoa
N.º de Páginas: 224 
PVP: 23,90€

Um livro de cozinha para recriar e degustar receitas entre amigos. O Chef Henrique Sá Pessoa apresenta-nos algumas receitas de snacks, sopas, entradas, peixes, carnes, massa e arroz, sobremesas e bolos, com ingredientes essências e alguns truques.

Na Cozinha com Henrique Sá Pessoa, convida o leitor a experimentar 78 receitas simples, saborosas e despretensiosas para que possa guardar na bancada da cozinha todos os sabores de cada receita, folhear vezes sem conta as dicas mais secretas e espalhar pela sua casa os aromas e os segredos mais bem guardados.

Ao chef Henrique Sá Pessoa juntaram-se alguns ilustres convidados – Blaya, Herman José, João Adelino Faria, Luísa Sobral, Mário Augusto, Simão Morgado e Vasco Palmeirim – com receitas tão surpreendentes quanto saborosas.

E como antes de cozinhar é preciso ir ao mercado, o chef apresenta neste livro os ingredientes essenciais que devem existir em todas as cozinhas, dá dicas de como seleccionar e comprar a carne, o peixe, as frutas e os legumes mais frescos, os cortes de carne mais apropriados para cada receita e truques simples e infalíveis para que as suas receitas sejam um verdadeiro sucesso.

Junte-se ao Chef Henrique Sá Pessoa e dê asas à sua imaginação, sem receios, perante uma aventura culinária que vai melhorar e elevar o seu dia-a-dia.

Saiba mais em https://www.youtube.com/watch?v=9z1ZBJygCw8

Sobre o autor:
Henrique Sá Pessoa nasceu em 1976, em Oeiras. Foi num programa de intercâmbio nos EUA que descobriu o gosto pela culinária, enquanto assistia a uma palestra sobre o Institut Cordon Bleu, uma conceituada escola de gastronomia, hotelaria e gestão, onde mais tarde acabaria por estudar. Até 1999 viveu em Londres e trabalhou no Park Lane Hotel. Em 2010 mudou-se para Sidney, na Austrália, para trabalhar no Hotel Sheraton on the Park. Passados dois anos, regressou a Portugal para integrar a equipa do Lapa Palace, da cadeia Orient Express. Em 2009 realizou o seu maior sonho, abrindo ao público o seu primeiro restaurante, Alma, vencedor do Prémio do Restaurante do Ano da Revista de Vinhos. Em 2013 abre o restaurante Cais da Pedra, também em Lisboa, e no ano seguinte, um espaço no Mercado da Ribeira.

«Francisco, de Roma a Jerusalém» publicado em Espanha

É já em Janeiro que Francisco, de Roma a Jerusalém, de Henrique Cymerman e Jorge Reis-Sá, chega a Espanha. Este livro da Guerra e Paz retrata um encontro de interesse universal. Não admira, por isso, que comece a dar os primeiros passos de internacionalização em 2015.

Francisco, de Roma a Jerusalém entrou nas livrarias portuguesas a 8 de Outubro e teve um excelente acolhimento por parte dos leitores portugueses, com entrada directa para o primeiro lugar no TOP Nacional de Não Ficção apurado pela GfK, na semana de 13 a 19 de Outubro. Foi o livro mais vendido em Portugal durante duas semanas, tendo-se mantido no TOP 10 por cinco semanas consecutivas.

Um êxito que chega a Espanha através da Nagrela Editores, que planeia colocar o livro de Henrique Cymerman e Jorge Reis-Sá à venda dentro de poucas semanas.
terça-feira, 9 de dezembro de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Clube do Autor: Rita Sousa Tavares apresenta Show me Lisbon

Joana Vasconcelos, Vhils, Maria de Medeiros, Rodrigo Leão, Carminho, José Avillez, Manuel Alves, José Sarmento de Matos, Nicolau Breyner, e outros lisboetas, apresentam a sua cidade em livro e filme-documentário.
Show me Lisbon segue-se a Show me Rio – lançado no Verão de 2013 com o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro – como a segunda aposta de Show me Cities, um projecto que pretende revelar um conjunto de cidades pelos olhos dos seus conterrâneos.
O princípio é simples: a melhor forma de se conhecer uma cidade é através da sua gente. As cidades são no fundo as suas pessoas. São elas a razão de ser de tudo o que se vê, ouve, come e sente.
Show me Lisbon revela a cidade de treze lisboetas – de nascença ou por opção, de gerações, áreas e meios diversos –, sendo o resultado final um retrato de Lisboa dinâmico, descontraído e realista, que aborda temas como a definição de “ser lisboeta”, a luz, o Tejo, a gastronomia, os sons, a história, as misturas étnicas, o fado ou as fachadas da cidade.
No final do livro, foram compiladas todas as dicas e escolhas pessoais destes lisboetas, segmentadas por restaurantes, tasquinhas, casas de fado, museus, miradouros, hotéis, passeios, recantos e segredos, resultando num completo e inédito insider’s guide de Lisboa.
Show me Lisbon teve o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, do Porto de Lisboa, da EDP, do Montepio, da Top Atlântico e da RTP. Foi editado nos formatos coffee table book, capa dura e mole, e num filme-documentário, com 52 minutos que será lançado no primeiro trimestre de 2015.
Da autoria e coordenação editorial de Rita Sousa Tavares, conta com textos da autora, assim como de outros jornalistas e escritores.
A fotografia principal ficou a cargo do consagrado fotógrafo João Pina, que vive em Buenos Aires e tem o seu trabalho publicado em periódicos como o New York Times, New Yorker ou El País, tendo feito várias exposições nas principais salas do mundo.




Lançamento
Casa do Alentejo – Rua das Portas de Santo Antão, 11 de Dezembro às 19 horas.
Características
Edição: Café Pessoa, livro bilíngue em português e inglês, capa dura, 290 páginas, 22,5 x 29,5 cm.
Destacável desdobrável no interior com directório de moradas e mapa.
PVP: 30 € - À venda nas principais livrarias a partir de 11 de Dezembro.


Sobre a autora:
Rita Sousa Tavares nasceu em Lisboa em 1978. Formada em Relações Internacionais, trabalhou como jornalista na TVI de 2000 a 2006, tendo integrado a editoria de investigação, sociedade e grande reportagem. Foi consultora de comunicação na MyBrand e criou em Janeiro de 2012 a produtora Café Pessoa, que se dedica à criação e produção de conteúdos editoriais. Em 2013 lançou um guia da capital portuguesa produzido especialmente para os turistas brasileiros, que mantém em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa, bem como o Show me Rio, o primeiro desta série, nas versões livro e documentário audiovisual, produzido com o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro. Tem nos últimos anos publicado artigos em revistas como a Elle Magazine, os guias Lisboa Convida, a revista UP da TAP ou a Woman Magazine.


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Fernando Pessoa - O Romance - Sónia Louro [Opinião]

Título: Fernando Pessoa - O Romance
Autor: Sónia Louro
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 448
Editor: Saída de Emergência
PVP: 16,96€

Sinopse:
Este é o romance biográfico de Fernando Pessoa, o poeta que foi muitos poetas. Órfão de pai aos cinco anos de idade, cedo perde a atenção da mãe quando esta volta a casar. Forçado a partir para a distante África do Sul, onde o nascimento de irmãos o isolam ainda mais, refugia-se em si mesmo e aí cria novos mundos.
No fim da adolescência regressa a Lisboa, na vã tentativa de resgatar os poucos momentos da vida em que fora feliz. Aí conhece personalidades do mundo das artes e da literatura, como Almada Negreiros, Mário de Sá-Carneiro ou Adolfo Casais Monteiro. É um dos fundadores da Orpheu, uma revista artística que foi recebida com escândalo pela crítica.
Correspondente comercial, inventor, tradutor, editor, publicitário e astrólogo, Fernando Pessoa procurou várias formas de ganhar a vida. E até o amor lhe bateu à porta quando conheceu Ophélia Queiroz.
Fernando Pessoa, O Romance é uma obra magnífica, fruto de uma pesquisa meticulosa, e uma verdadeira homenagem ao maior poeta da língua portuguesa. Um poeta que Sónia Louro consegue dissecar, desvendando os seus segredos, medos, sonhos e, mais importante, a sua humanidade.

A minha opinião: 
Logo que vi esta novidade saberia que o novo livro de Sónia Louro me iria proporcionar bons momentos. Escrito de uma forma atractiva, fui acompanhando Pessoa e os seus diversos eus quase que de uma forma esquizofrénica, que o iam acompanhando no seu dia a dia, falando com ele, dando-lhe opiniões sobre tudo, falando por ele, escrevendo por ele, quase como se fosse assim que o autor tivesse realmente vivido. E será que não terá sido mesmo assim? Porque não?

Gostei da forma como a autora expôs o poeta que tanto admiro, o despojou, o fragilizou. Um homem sem amigos, que viveu sempre só, desejando sempre o carinho da mãe que sempre o abandonou para viver um amor por um segundo casamento, um amigo que o abandonou para viver a sua própria dor (Sá Carneiro), e que viveu para si e para os seus heterónimos, refugiando-se na bebida e na sua própria fragilidade.

Fernando Pessoa quis ser muito coisa, trazia em si todos os sonhos do mundo, mas tudo se esfumou. Vivia sempre na corda bamba, devia dinheiro a toda a gente, tinha trabalhos precários, mudava constantemente de morada, era um eterno insatisfeito. Fundador, com outros génios, da revista Orpheu que tanto foi criticada na altura, era uma pessoa tão incompreendida, que via na bebia um escape. Não se suicidou por um triz. valeu-lhe os seus "eus".







Mas Pessoa não foi o único. Com ele estavam os mais jovens intelectuais portugueses de Almada Negreiros, Santa Rita Pintor, Sá Carneiro, António Botto, Guilherme de Faria a Amadeo de Souza Cardoso, alguns também morreram jovens, tendo deixado pouca obra.

Sónia Louro soube ainda retratar um Portugal decrépito, cheio de mudanças. Um Portugal onde se saía de uma monarquia, mas onde a República ainda estava a dar os primeiros passos, no início do século. Mas também o início da ditadura e da censura de que também acabaria por prejudicar alguns textos pessoanos. A política e o esoterismo também são determinantes na vida e obra de Pessoa e o episódio da vinda de Crowley também não poderia deixar de estar presente, tendo como palco a Quinta da Regaleira e a Boca do Inferno que achei deliciosos.

Não foi Pessoa quem escreveu este romance, mas bem que podia ter sido.

Louro põe-se no lugar do poeta, e com frases dele, retiradas de textos dele, constrói uma narrativa tão sólida e tão bem estruturada que por momentos julguei estar a ler um livro do próprio. Sem dúvida, o melhor livro que li da autora e recomendo sem quaisquer reservas.



Lançamento do novo romance Gonçalo M. Tavaresna Lx Factory



quarta-feira, 3 de dezembro de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Entrevista a Luísa Castel-Branco no Nós Aqui


Um Caso de Espíritos - Peter Lovesey [Opinião]

Título: Um Caso de Espíritos
Colecção: Crime à Hora do Chá - Volume 6
Autor: Peter Lovesey
Tradução: Daniel Gonçalves
Vencedor Do Prix Du Roman D’aventures, 1987
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 240
Editor: Edições Asa
PVP: 13,90€

Sinopse:
Na era vitoriana, as sessões espíritas são a grande sensação entre os britânicos. De respeitáveis senhoras da alta sociedade a académicos céticos ou improváveis homens de negócios, ninguém parece resistir a conversar com o Outro Lado. Também a Scotland Yard acaba por participar desta nova moda, ainda que de forma indireta. Quando, após uma sessão em casa da abastada família Probert, desaparece uma obra de arte, o sargento Cribb e o guarda Thackeray são chamados a investigar. Tudo parece simples… até acontecer uma morte. Para complicar a investigação, todos os presentes têm motivos para odiar a vítima. Os dois detetives debatem-se com o excêntrico grupo de suspeitos e uma médium assustadoramente convincente. E à medida que se vão movimentando neste mundo perturbador e obscuro, a verdade parece iludi-los a cada passo.

A minha opinião: 
A Colecção Crime À Hora do Chá tem a particularidade de trazer aos leitores nomes de autores policiais um pouco esquecidos. Peter Lovesey é um dos casos. Publicado em alguns números da coleção Vampiro (coleção que devorei quando era jovem), este autor é apenas um dos exemplos de algumas boas leituras, que já foram editadas por cá e que foram descontinuadas.

Em Um Caso de Espíritos, Peter Lovesey pega na "moda" da alta sociedade vitoriana de "falar" ou "evocar" espíritos e daí resultar um crime...

O roubo de uma pintura e de uma vaso, em duas casas diferentes, traz à cena o sargento Cribb e o guarda Thackeray. O mais estranho é que ambos os roubos são insignificantes ante o resto que os envolve, que é muito mais valioso, que levanta ainda mais suspeitas. Não saberá o assaltante nada de arte? Ou o que rouba é propositado?

À medida que a investigação avança, e no meio de mais uma evocação espírita, a terceira, uma morte ocorre, e tudo muda. Isto porque todos os presentes na sessão têm motivos para matar, muito ao estilo dos romances policiais deste género (que em muito me fez lembrar Poirot na última parte) e muitos mistérios do passado vão sendo desvendados.

Gostei e fico à espera de mais livros da coleção.



 

Entre 7 e 9 de dezembro, Matosinhos volta a ser a capital da Poesia

Entre 7 e 9 de dezembro, Matosinhos volta a ser a capital da Poesia.


A Festa da Poesia é um projeto âncora da Câmara Municipal de Matosinhos. Iniciada em 2005, ano da construção do novo edifício da Biblioteca Municipal Florbela Espanca, esta Festa assinala o dia 8 de dezembro, um dia duplamente marcado pelo nascimento e morte desta poetisa portuguesa (1894-1930).

Em 2014, passados 84 anos sobre a morte de Florbela Espanca em Matosinhos e 120 do seu nascimento, a Câmara Municipal de Matosinhos voltará a assinalar este dia, homenageando e celebrando os poetas e a poesia em língua portuguesa. Pretende levar-se a poesia a vários espaços do concelho, da tarde de domingo, 7 de dezembro, à manhã de terça-feira, 9, sempre sob o lema «Poemas para Salvar a Vida». Durante a edição de 2014 da sua Festa, a Poesia fará de tudo para chegar a todos: do Lar de Sant’Ana à prisão de Custoias, passando pela zona circundante à Biblioteca Municipal.

Além das habituais leituras públicas e das conversas em torno de odes, musas e versos, a edição deste ano quer dar primazia à palavra. Nesse sentido, faz parte da programação o espetáculo «Poemas no Quarto Escuro», que terá lugar segunda-feira, dia 8, pelas 18.30. Apelando ao poder da palavra dita e potenciando esse poder pela via sensorial, Adolfo Luxúria Canibal, Capicua, Daniel Jonas e Renato Filipe Cardoso estarão em cena no auditório da Biblioteca Municipal Florbela Espanca com as luzes totalmente apagadas. Nesta sessão, o som dos poemas na escuridão fica no centro das atenções, dispensando artifícios e figurinos. Não é aconselhável a viciados no Instagram.

Atenta às novas expressões da poesia, a edição deste ano abraça também uma tendência emergente nos centros urbanos: a poetry slam. Numa sessão noturna, pelas 23.00, no Café da Praça (junto à Biblioteca Municipal), que pretende dar a conhecer este novo uso da palavra, estarão presentes alguns dos mais representativos intérpretes nacionais desta arte de dizer, como Alexandre Sá, Cláudia Amorim, Figas de Saint-Piérre de La Buraque e Maria Filigrana, num espetáculo original e irrepetível. No dia seguinte, outras surpresas percorreram aquele espaço.

Num dia de lazer como é o feriado do dia 8, segunda-feira, as famílias serão convidadas a participar, pelas 11.00, na oficina de rimas dinamizada por Adélia Carvalho, que terá lugar na Biblioteca Municipal Florbela Espanca. Uma atividade que visa despertar nos mais novos o interesse pela palavra escrita e falada.

Para terminar, uma pergunta: poderá a poesia ser tábua de salvação em tempos como os que vivemos? Do cardápio de atividades previstas, e tentando responder a esta pergunta, destaca-se a apresentação da antologia Cem Poemas para Salvar a Nossa Vida, às 21.30 de domingo, dia 7, compilada especialmente para esta edição da Festa da Poesia. A apresentação da antologia ficará a cargo do editor e organizador da antologia Francisco José Viegas. Nessa ocasião, Daniel Jonas e João Luís Barreto Guimarães serão convidados a ler poemas publicados nesta edição única, após o que se iniciará o debate, já com a participação de Mário Cláudio, em volta da Palavra e do seu papel na salvação da humanidade.

Julia Navarro em Lisboa para apresentar «Dispara, eu já estou morto»