sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

E porque está a chegar o Natal...

O Natal está quase quase a chegar e eu também já tenho a minha wishlist preparada para enviar ao Pai Natal.
Será que é desta que vou ter sorte?





























quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Mal Me Quer - M. J. Arlidge [Opinião]

Título: Mal Me Quer
Autor: M. J. Arlidge
Páginas: 320

Sinopse:
MAL ME QUER
O corpo sem vida de uma mulher é encontrado no meio da estrada. À primeira vista parece tratar-se de um acidente trágico, mas quando a inspetora Helen Grace chega ao local do crime, torna-se claro para ela que a mulher foi vítima de um assassínio a sangue-frio sem razão aparente.

BEM ME QUER
Duas horas depois, do outro lado da cidade, um empregado de loja é morto, enquanto os seus clientes escapam ilesos.

MAL ME QUER
Ao longo do dia, a cidade de Southampton viverá um clima de terror às mãos de dois jovens assassinos, que parecem matar ao calhas.

BEM ME QUER Para a inspetora Helen Grace, este dia vai tornar-se uma corrida contra o tempo. Quem vive? Quem morre? Quem será o próximo? O relógio não para…

Se Helen não conseguir resolver este quebra-cabeças mortal, mais sangue será derramado. E, se cometer algum erro, poderá muito bem ser o dela… «Sinistro e de leitura compulsiva.» — The Times

A minha opinião: 
Mal Me Quer é o sétimo livro da série Helen Grace a ser publicado em Portugal e consolida M. J. Arlidge como um dos meus escritores de eleição. 

Neste novo livro Arlidge começa com o assassinato brutal de uma mulher à beira da estrada. Numa primeira investigação, Grace não consegue entender o que levou ao seu assassinato, o que a deixa bastante intrigada. Pouco depois, nova cena do crime. Desta vez numa farmácia. Tudo leva a crer que se trate do meu assassino visto ter sido com pouco tempo entre as mortes e o modus operandi é em tudo semelhante. 

No espaço de 24 horas, Helen e a sua já conhecida equipa parte para a descoberta do assassino (ou assassinos) tendo como única pista uma imagem de uma câmara de vigilância. E o que a imagem lhes mostra é tudo menos previsível. Um casal de jovens que parecem divertir-se com todos estes crimes, que parecem ser feitos de uma forma aleatória. 

Arlidge continua a surpreender com as suas histórias. Neste sétimo livro, os criminosos são dois jovens peculiares, que nos são apresentados logo nas primeiras páginas. Mas é com a continuidade do dia de crime, mas também da investigação, que vamos conhecendo um pouco mais sobre eles e o que os motiva a estes crimes tão bárbaros. 

Helen Grace mostra que continua em excelente forma, mas é a personagem Emilia Garanita, que já habituou os leitores aos métodos pouco escrupulosos de trabalhar, que está em destaque neste livro. Apesar de não concordar de todo com a sua forma de trabalhar, tenho de reconhecer que Emilia é uma mulher forte e perseverante. 

Venha o próximo!







A Boa Filha - Karin Slaughter [Opinião]

Título: A Boa Filha
Autor: Karin Slaughter
Editor: HARPER COLLINS
Páginas: 512

Sinopse:
Duas meninas são obrigadas a entrar no bosque com uma pistola apontada.
Uma foge para salvar a vida. A outra fica para trás.
Há vinte e oito anos, um crime horrível sacudiu a feliz vida familiar de Charlotte e Samantha Quinn. A sua mãe foi morta. O seu pai, um conhecido advogado de defesa de Pikeville, ficou prostrado de dor. A família desfez-se irremediavelmente, consumida pelos segredos daquela noite pavorosa.
Transcorridos vinte e oito anos, Charlie tornou-se advogada, seguindo os passos do pai. É a filha ideal. Mas quando a violência volta a aumentar em Pikeville e uma grande tragédia assola a localidade, Charlie vê-se imersa num pesadelo. Não só é a primeira pessoa a chegar à cena do crime, mas também o caso desperta as recordações que tentou manter à margem durante quase três décadas. Porque a surpreendente verdade sobre o acontecimento que destruiu a sua família não pode permanecer oculta para sempre.

Cheio de voltas e reviravoltas inesperadas e transbordante de emoção, A Boa Filha é um romance apaixonante: suspense em estado puro.

A minha opinião: 
16 de março de 1989: uma tragédia abate-se sobre a vida da família Quinn. Gamma é assassinada, e as suas filhas quase mortas também. Uma é enterrada viva, a outra consegue fugir, mas os traumas daquela noite vão acompanhá-las para todo o sempre. 

Atualidade: Charlotte e Samantha seguem as pisadas do pai e tornam-se advogadas. Mas a vida tumultuosa não ficou apenas no passado. Rusty Quinn continua a defender os maus da fita e isso continua a trazer dissabores para toda a família. 

Por muitos livros que se leia de Karin Slaughter a autora continua a surpreender com as suas histórias. A Boa Filha, um livro completamente independente, é livro demasiado gráfico. A noite fatídica de 16 de março é contada sem subterfúgios. De tal forma, que o leitor fica sem fôlego ao vivenciar tudo o que a família, sobretudo as jovens, passou nas mãos de dois homens perversos. 

Vinte e oito anos depois Charlotte vai ser parte integrante numa nova tragédia da pequena localidade de Pikeville. Esta nova tragédia traz de volta os fantasmas do passado, mas vai unir uma família que se encontrava até à data um pouco fragilizada. 

Charlotte é uma excelente personagem, mas foi Sam que me marcou mais talvez por tudo o que passou. Já Rusty e a sua vida despreocupada não me agradou minimamente. 

A história daquela noite é contada duas vezes, sob o ponto de vista de ambas as irmãs, o que acaba por tornar o livro um pouco extenso, mas fundamental. Slaughter tem o cuidado de nos colocar sob ambos os pontos de vista, o que torna a trama ainda mais interessante. 

A Boa Filha vem ainda acompanhado pela prequela Último Suspiro que, apesar de ter sido uma história pequena, me agarrou de tal forma à história que lhe atribuí 5 estrelas. Charlie é de novo a protagonista desta história, a quem é pedido uma ajuda surpreendente por parte de uma jovem de 15 anos. 

Excelente. Recomendo a leitura










Livro do Natal da Arena - Já nas livrarias

Título: O Livro do Natal
Autor: Arena
N.º de Páginas: 157
PVP: 13,90 €

Sobre o livro:
Natal é o que cada um faz dessa época do ano. Sem culpas, nem juízos, este livro vai ajudar a não esquecer presentes, receitas e decorações. Guarde todas as suas tradições e desejos, e conte com este livro para celebrar um Natal com tudo o que pensou ao longo dos outros meses. Guarde tudo no seu livro de Natal, e abra-o em Dezembro, pronto a usar e, para sempre, recordar.



Novidade Alma dos Livros para janeiro: A Arte de Organizar a Sua Vida, de Hideko Yamashita

Título: A Arte de Organizar a Sua Vida 
Autor: Hideko Yamashita

A Arte de Organizar a Sua Vida, de Hideko Yamashita, encontra-se há vários anos na lista dos livros mais vendidos no Japão. Entretanto, tornou-se um fenómeno e está a conquistar as livrarias de todo o mundo.
O método Dan-sha-ri é pioneiro na arte de ordenar as nossas coisas e a nossa vida. Mais do que a arte de arrumarmos os nossos armários e gavetas, o Dan-sha-ri ensina-nos a observar cuidadosamente a nossa relação com aquilo a que nos apegamos e a libertarmos a mente dos apegos que não nos servem.
Dan-sha-ri é uma conjugação de três expressões japonesas que ilustram os momentos mais importantes da arte de organizar a vida:
1. Dan: «rejeitar», fechar a porta àquilo que não merece entrar na nossa vida.
2. Sha: «livrar-nos» do que já possuímos, mas de que não precisamos.
3. Ri: «eliminar» o desejo, desapegarmo-nos de todas as coisas de que não precisamos.
A autora bestseller Hideko Yamashita é conhecida no Japão, acima de tudo, como «consultora da desordem», tendo desenvolvido o conceito de Dan-sha-ri – autoanálise através da organização.

Sobre o livro: 
A Arte de Organizar a Sua Vida, de Hideko Yamashita, encontra-se há vários anos na lista dos livros mais vendidos no Japão. Entretanto, tornou-se um fenómeno e está a conquistar as livrarias de todo o mundo.
O método Dan-sha-ri é pioneiro na arte de ordenar as nossas coisas e a nossa vida. Mais do que a arte de arrumarmos os nossos armários e gavetas, o Dan-sha-ri ensina-nos a observar cuidadosamente a nossa relação com aquilo a que nos apegamos e a libertarmos a mente dos apegos que não nos servem.
Dan-sha-ri é uma conjugação de três expressões japonesas que ilustram os momentos mais importantes da arte de organizar a vida:
1. Dan: «rejeitar», fechar a porta àquilo que não merece entrar na nossa vida.
2. Sha: «livrar-nos» do que já possuímos, mas de que não precisamos.
3. Ri: «eliminar» o desejo, desapegarmo-nos de todas as coisas de que não precisamos.
Afinal, o que é mais importante: a nossa vida ou as coisas? Precisamos de tudo o que possuímos? Se a resposta é não, por que razão é tão difícil desfazer-mo-nos do que acumulámos durante anos e que ainda guardamos?
Hideko Yamashita ensina-nos a desfazermo-nos de tudo o que dispensável na nossa vida: desde a roupa que transborda dos nossos armários até ao relacionamento que arrastamos por hábito, mas que não nos preenche. O Dan-sha-ri consiste em conhecermo-nos a nós mesmos através da organização. Dito de outra forma: ao ordenarmos as tralhas da casa, arrumamos também o coração.

Sobre a autora: 
A autora bestseller Hideko Yamashita é conhecida no Japão, acima de tudo, como «consultora da
desordem», tendo desenvolvido o conceito de Dan-sha-ri – autoanálise através da organização. Dado
o modo como ela aplica os princípios da limpeza e da organização da vida, todos podem praticá-los
para se libertar quer a nível físico, quer espiritual.
Hideko juntou as suas lições no livro A Arte de Organizar a Sua Vida, que se tornou bestseller não só
no Japão, mas em todo o mundo, com mais de três milhões de exemplares vendidos.
Agora chegou o momento de trazer a sabedoria prática e brilhante de Hideko Yamashita para junto
de um público mais vasto ensinando a simplificar e organizar a sua vida de modo a obter mais
saúde e felicidade emocional e física.



Giveaway de "O Algoritmo do Poder"

O livro de Pedro Barreto, O Algoritmo do Poder, está em giveaway no Goodreads.
Trata-se do seu terceiro livro, uma distopia a descair para "literary fiction" do que para ficção científica propriamente.
O livro tem duas versões, em inglês e em português, embora a versão que está em sorteio será a versão portuguesa.

A versão inglesa será publicada na Amazon em 2 de Janeiro e a versão portuguesa em 5 de Fevereiro.

Podem habilitar-se ao giveaway através deste link https://www.goodreads.com/giveaway/show/267423-o-algoritmo-do-poder



Coolbooks: Amor, família, perda e transformação em "Voltar a ti"

Título: Voltar a ti
Autor: José Rodrigues
Fotografia: Sara Augusto
Formato: e-wook / capa mole
N.º páginas: 272
PVP: 5,99€ / 15,50€

Depois de O rio de Esmeralda, obra de estreia publicada pela Coolbooks, José Rodrigues apresenta o seu novo romance, Voltar a ti.
Recheada de personagens imperfeitas com percursos de vida atribulados, esta obra, simbolicamente pontuada pelas fotografias de Sara Augusto, aborda temas atuais e pertinentes como a importância das relações familiares, o valor das segundas oportunidades, a redescoberta da felicidade ou a incompreensão perante a doença mental.
Constança estabelece as suas rotinas entre o trabalho, no Porto, e a família, em Cabeceiro, quando um desafiante projeto profissional a leva até Albufeira. Aí, a vida de rumo previsível que levava é posta à prova, levando-a a questionar tudo aquilo que tinha como garantido.
Terminado o projeto, Constança regressa ao Norte e procura voltar à sua vida anterior. Tudo parecia voltar ao normal, até que uma tragédia se abate sobre a família de Constança. A sua vida partiu-se em pedaços que pensava ver desfeitos para sempre, mas, inesperadamente, o coração surpreende-a e apresenta-lhe as mais belas razões para viver.

Sinopse: 
«O amor não é sentimento para repousos longos e confiantes, mas, como acontece com todas as coisas intensas deste mundo, é uma das fontes maiores da felicidade humana.»
Constança divide os seus dias entre dois mundos. Na cidade grande do Norte, o trabalho e Guilherme, o companheiro com quem reparte os planos para o futuro. Na sua pequena aldeia do interior, encontra a doçura das memórias de infância e o carinho dos pais, enquanto apoia e conforta o irmão mais velho, Luís, recentemente regressado a casa, onde procura recuperar de um profundo desgosto.
Um inesperado desafio profissional força-a a alterar as rotinas. Se a distância geográfica a obriga a reconstruir a sua presença habitual entre os dois lugares, sentimentos novos e inesperados abrem-lhe um caminho até agora desconhecido pelo seu coração.
Entre a tragédia e a perda, o amor e a saudade, o novo mundo de Constança surge de forma intensa, surpreendendo-a a cada passo e a cada incerteza. Com ele, a sua reconstrução interior e também a espera, sempre paciente, pela felicidade…

Sobre os autores: 
José Rodrigues
Com formação superior na área da gestão e carreira como consultor empresarial e formador. É sócio fundador da Visar, onde desenvolve toda a sua atividade profissional, em especial na área dos seguros.
A família e os amigos, o karaté e o futebol veterano, complementam o enorme gosto pela escrita.

Sara Augusto
Professora universitária e investigadora na área de Literatura Portuguesa e Literaturas Lusófonas, na Universidade Católica Portuguesa e na Universidade de Coimbra. Doutorada em Literatura Portuguesa. Fotógrafa formada no Instituto Português de Fotografia do Porto, com trabalhos desenvolvidos no campo da fotografia documental.


Considerado com um dos 100 melhores livros para jovens, Um Dia é um livro que não se esquece!

Do multipremiado Morris Gleitzman, chega às livrarias portuguesas, pela mão da Fábula, um livro fabuloso. Um Dia (o primeiro de vários livros de Felix, um órfão judeu apanhado no meio do Holocausto) vai deixar todos os leitores sem fôlego da primeira à última página. Considerado como um dos 100 melhores livros para jovens!

«Toda a gente merece ter alguma coisa boa na vida, pelo menos uma vez.»

A vida de Felix Salinger não é nada fácil. Ele é judeu e vive num orfanato na Polónia dos anos 40, em plena Segunda Guerra Mundial. Felix gosta de ler, escrever e contar histórias. Até que um dia, decide fugir para procurar os seus pais. A determinação, inteligência e imaginação de Felix vão ajudá-lo a lidar com situações muito difíceis, no meio de nazis e cidadãos apavorados, e a encontrar pessoas maravilhosas, como a pequena Zelda e o velho Barney.

Contada na primeira pessoa, por uma criança cheia de sonhos e muito inocente, esta emocionante história aborda a infância, a solidariedade, a amizade, a coragem e a esperança no meio do drama da guerra. Um livro que nos toca, que não se esquece. Pode ser lido por várias gerações, que o vão entender, certamente, de forma diferente.

MorrisGleitzman nasceu em Inglaterra, em 1953, e a sua família emigrou para a Austrália, em 1969. É autor de vários bestsellers. Muitas das suas obras são sobre assuntos duros, com abordagens interessantes e originais. Morris escreveu o seu primeiro livro para crianças em 1985.

Adotou um estilo descontraído e divertido, o que atraiu desde logo muitos leitores. É agora um dos autores mais conceituados da Austrália. Recebeu inúmeros prémios como autor de séries televisivas, guiões de cinema e livros infantojuvenis. Os livros de Morris Gleitzman estão publicados em cerca de vinte países.


Hoje é dia de Momentos Wook

domingo, 3 de dezembro de 2017

A Sombra da Noite - Robert Bryndza [Opinião]

Título: A Sombra da Noite
Autor: Robert Bryndza
Editor: Alma dos Livros
Páginas: 352

Sinopse:
Numa noite quente de verão, a inspetora-chefe Erika Foster é chamada à cena de um crime. A vítima, um médico, é encontrada asfixiada na cama. Tem os pulsos amarrados e os olhos parecem querer saltar-lhe das órbitas através do saco de plástico transparente que lhe cobre a cabeça e o sufocou. Alguns dias mais tarde, outra vítima é encontrada exatamente nas mesmas circunstâncias. À medida que Erika e a sua equipa intensificam as investigações deparam-se com um assassino em série inteligente e calculista - que persegue e sabe tudo sobre as vítimas antes de escolher o momento certo para atacar.

As vítimas são homens solteiros, com uma vida muito reservada e um passado envolto em segredo. Porém, podem não ser as únicas pessoas a ser observadas... Erika começa a receber mensagens enigmáticas e a sua própria vida corre perigo. Ela tudo fará para desvendar o mistério que rodeia estes crimes, ainda que isso signifique arriscar a sua carreira na polícia. Imperdível!

A minha opinião: 
A Sombra da Noite é o segundo livro da série Erika Foster e acaba por tornar-me fã desta detective e de Robert Bryndza. 

Neste livro a inspectora-chefe é chamada para resolver um crime suis generis. A vítima é um médico reputado que é encontrado morto na cama, nu, e com um saco de suicídio enfiado na cabeça. A cena do crime aponta para assassinato visto a vítima estar com as mãos atadas. 

Atravessando uma fase complicada no departamento de polícia, Eika não desiste de procurar pelo assassino que mostra ser implacável e imparável. Dias depois, uma segunda vítima é encontrada e o método de assassinato é o mesmo levando a equipa de investigação a procurar por um assassino em série.
O assassino mostra particular interesse por homens, solteiros ou divorciados, cuja vida é bastante conhecida no meio.

Para quem leu A Rapariga do Gelo e gostou do livro, este não desilude os fãs. Robert Bryndza mostra ter amadurecido a sua escrita ao criar uma história interessante e bem consolidada, com personagens fortes e marcantes. O facto de nos apresentar o lado do assassino e o que o terá levado a tal atrocidade fez com que ficasse presa a este livro. A mente do mal foi muito bem explorada, tendo criado alguns momentos de tensão ao longo da leitura. 
Desde logo adivinhei que estaria por detrás dos crimes, mas isso não me fez abandonar o livro. Muito pelo contrário. Bryndza soube criar suspense até ao último minuto e estava desejosa para saber mais sobre o passado do assassino, também ele vítima das circunstâncias.

O que leva uma pessoa a passar para o outro lado da barricada? Normalmente os traumas do passado reflectem-se no presente e se há pessoas que conseguem ultrapassá-los, outras há que apenas desejam vingança. 

Quanto a Erika, a detective está cada vez melhor e a relação com os seus colegas de departamento promete aquecer ainda mais a esquadra e os próximos livros. 

  




sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

A estante está mais cheia #58



Novembro foi mais um mês recheado de bons livros.
Às editoras parceiras o meu muito obrigada pela publicação e oferta destes livros que me vão fazer passar um excelente tempo.
Da Planeta chegou o novo livro de Dolores Redondo, Tudo Isto te Darei, que espero ler brevemente. De oferta recebi ainda uma agenda que me encantou logo que li o press release. E quando finalmente chegou cá a casa fiquei mesmo maravilhada. Vai ser muito útil no ano que se aproxima e além de útil é linda!
Da Matéria-Prima chegou Costurar para Crianças e Bebés de Maria Modista. Não sou especialmente dotada para as artes manuais mas este livro é muito bonito e prático para quem gosta desta tipo de manualidades.
A Livraria dos Destinos de Veronica Henry e Mal Me Quer, o novo livro de M. J. Arlidge foram oferta da Topseller. O último de Arlidge já foi lido e em breve haverá opinião no blogue. Posso adiantar que adorei mais este história de Helen Grace e recomendo a sua leitura.
Não Digas Nada de Brad Parks, foi cortesia da Suma de Letras e adorei a sinopse. Este livro promete.
E como a minha infância foi passada nos anos 80 este livro publicado pela Guerra e Paz não podia vir mais a calhar: Sou dos anos 80 de Joana Emídio Marques vai ser lido com muito prazer.
O Amor (não) é mel, da minha conterrânea Raquel Ferreira foi enviado pela Chiado Editora e espero também lê-lo em breve.
Do Clube do Autor chegou o último livro de Margarida Rebelo Pinto, Antes que seja tarde.
Da coleção da Visão ainda não tinha este clássico O Estranho Caso do Dr. Jekyll e do Sr. Hyde de Robert Louis Stevenson e decidi comprá-lo.
Comprei ainda Desapareceram de Haylen Beck da Editorial Presença e Marilyn à beira-mar de Vicente Alves do Ó.


Recebi ainda dois livros infantis da Booksmile: Mog e o Coelhinho e O Natal de Mog, cuja opinião já se encontra no blogue e do Clube do Autor As Incríveis Aventuras da Super-Miúda de João Miguel Tavares.

Mog e o Coelhinho e O Natal de Mog - Judith Kerr [Opinião]

A minha adoração por gatos é já sobejamente conhecida por quem me conhece.
Felizmente não sou a única cá em casa, pelo que quando vi esta coleção escrita por Judith Kerr, a mesma autora da fantástica história Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa.
A Mog, é sempre a protagonista destas histórias, tão bem ilustradas pela própria autora. Nesta história Mog tem uma amizade intensa pelo seu coelhinho. Leva-o para todo o lado e é capaz de ficar ao relento por causa dele. Felizmente a aventura de Mog termina bem e todos ficam felizes.



O Natal de Mog não podia ser mais adequado para a época festiva que está a chegar, pelo que penso ser uma óptima sugestão de presente para os mais pequenos.
Como qualquer gato, Mog é curiosa e deseja que esteja tudo sempre igual à sua volta. Quando a família decide montar a árvore de Natal, Mog assusta-se com tanto rebuliço e quer esconder-se o mais longe possível.
Mais uma excelente aventura desta gatinha tão fofa.

Adorei estes dois livros, mas mais importante que eu foi a mais pequena cá em casa que achou as histórias deliciosas. A Mog ganhou mais duas fãs.