quinta-feira, 17 de Abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Adeus e até sempre Gabriel Garcia Marquez

Após ter voltado a casa, depois de uma semana internado, Gabriel Garcia Marquez, Nobel da Literatura em 1982, não resistiu e morreu hoje aos 87 anos.
No entanto, um autor tão grande como Gabo estará sempre com os seus leitores e pessoas que o admiram, através dos seus livros e das suas sábias palavras.
Adeus e até sempre!

"A vida não é mais do que uma contínua sucessão de oportunidades para sobreviver."

António Simões apresenta «Muito Mais do Que Um Jogo»



quarta-feira, 16 de Abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Bruno Vieira Amaral distinguido da área da literatura pelos Prémios Novos 2014

A cerimónia anual que visa distinguir talentos nacionais com menos de 35 anos, nas mais diversas áreas da sociedade portuguesa, aconteceu ontem e o autor de
As Primeiras Coisas foi anunciado como o vencedor na categoria de literatura.
Os Prémios Novos são uma produção da Cego, Surdo e Mudo e dirigidos por Fernando Alvim.


BOOKSMILE: O super premiado Tom Gates está de volta

Descontrair e “desligar” um pouco da escola é a palavra de ordem para as férias da Páscoa. E nada melhor do que um divertido livro para, não só alegrar os miúdos, mas, ao mesmo tempo, ajudar a manter os neurónios ativos. O Tom Gates é a personagem ideal para o fazer.

Tom Gates é mestre em arranjar desculpas para não fazer os trabalhos de casa. Atacado por cães, água derramada nos cadernos ou ter sido atingido por raios, são apenas alguns dos argumentos bem divertidos que Tom arranja para tentar enganar os pais. Em Tom Gates 4: Ideias (Quase Todas) Geniais, Tom decide participar no concurso de talentos da escola. O Marcus pensa que só ele é que tem boas ideias, mas no final o Tom vai mostrar-lhe quem é que manda!

O tio Kevin também se acha um génio, mas nem imaginas o que aconteceu no churrasco lá em casa! E, quando Tom deu de caras com a irmã Delia logo de manhã, teve uma ideia genial. Ou quase!

Aqui está o enredo do quarto volume da coleção infantojuvenil super premiada Tom Gates: Tom Gates 4: Ideias (Quase Todas) Geniais (336 pp I 14,99€). A coleção já recebeu os principais prémios britânicos da literatura infantil, entre os quais o Red House Children’s Book Award, o Roald Dahl Funny Prize, e o Watertones Children’s Book Prize.

Foi da imaginação de Liz Pichon (texto e ilustração I www.lizpichon.co.uk) que nasceu Tom Gates, um mestre em arranjar desculpas para não fazer os trabalhos de casa. Os livros escolares de Tom estão sempre cheios de rabiscos, balões com desenhos e pensamentos.


 

Lançamento História do Povo na Revolução Portuguesa 1974-75, de Raquel Varela, dia 21 de abril, 18h30, Fnac Chiado



Porto Editora - "Zeca Afonso - Livra-te do Medo" - Sessões de apresentação


No ano em que se celebram os 50 anos de «Grândola, Vila Morena» e os 40 anos do 25 de Abril, a Porto Editora publica Zeca Afonso – Livra-te do Medo, de José A. Salvador, um livro que chega às livrarias amanhã, dia 17, e que será apresentado em três cidades diferentes ainda este mês: em Lisboa, no dia 22 de abril, no Porto, a 26 de abril, no âmbito da XXVI edição do Porto de Encontro, e em Viana do Castelo no dia 30 de abril.

João Morgado lança «O Pássaro dos Segredos»

«O pássaro dos Segredos» é o novo livro de João Morgado, autor do Diário dos Infiéis e Diários dos Imperfeitos (Prémio Vergilio Ferreira). Trata-se de um conto ilustrado que relata uma história de ternura e intimidade entre pai e filho, confidentes da vida num cenário antes do “25 de Abril” em que as “paredes tinham ouvidos” e era preciso guardar segredos. Uma criança a olhar ingenuamente para a revolução e a segurar a antena para ouvir na rádio o povo que nas ruas já gritava “liberdade”. 

A obra tem o prefácio de Martins Guerreiro, um “capitão de Abril”, que disse ter sentido “uma forte emoção” ao ler este conto da celebração de Abril e da Liberdade.

​O poeta ​ J​​oaquim Pessoa ​também assina o prefácio dizendo que todo o conto é em si mesmo “um longo poema”, um hino ao amor e à liberdade.

Excertos:
«… Eu achava meu pai enorme, imenso. A porta de casa era pequena para um homem tão grande, dizia eu. Por isso, acreditava que ele entrava pela janela - não que fosse maior que a porta, mas, se pela janela entrava o céu, também podia entrar meu pai; para mim ele tinha a grandeza do céu imenso em claros dias de Verão.
E eu, com toda a força, a apertar o fio da antena na ponta dos dedos pequenos sempre que falhava a emissão, sempre que se perdia o sinal, sempre que se perdiam os sons que de longe nos traziam as novidades daquilo a que meu pai chamava “a revolução!”
Ouviam-se músicas pelo meio e de novo voltavam as palavras e as ruas cheias de gente e o grito de um povo que estava com o MFA. Com os soldados - explicava meu pai -, com aqueles que tinham prendido os homens que já não mandavam no país. “Agora já não precisamos de ter segredos, pois não?”, perguntava eu. “Não. Agora podemos falar de tudo, acho que podemos falar de tudo…”, respondeu-me com um sorriso. Quando nos recolhemos no ninho, eu, pássaro pequeno, por dentro dos cobertores, enroscado no pássaro grande, adormeci a ouvir explicações sobre a palavra Liberdade…
Tinha por meus pais uma admiração imensa, um imenso amor. Amor é tudo o que ainda não foi dito e tudo o que nunca será dito, porque o amor não se diz. De todos os modos, por aquele tempo, eu era apenas um pássaro pequeno, se o amor se dissesse, eu não o saberia dizer - sabia apenas retribuir abraços quentes…»

João Morgado IN: «O Pássaro dos Segredos»
Edição: KREAMUS,

Mais informações em:
www.joaomorgado.net
https://www.facebook.com/JoaoMorgadoOficial
https://www.facebook.com/pages/O-P%C3%A1ssaro-dos-Segredos-Jo%C3%A3o-Morgado/543252825794570?ref=hl

O que dizem:
«Foi com curiosidade e interesse que iniciei a leitura deste conto. Estava longe de imaginar o que iria sentir, de como me sentiria identificado. Estava longe de imaginar o encanto, a força que tem esta celebração de Abril e da liberdade. A primeira leitura causou-me uma forte emoção…» - Manuel B. Martins Guerreiro que participou na preparação do 25 de Abril de 1974, integrou os vários órgãos do MFA, foi membro Conselho de Revolução

«Um hino ao amor, mas também à infância, à figura tutelar do pai, e à família como núcleo que preenchia “o ninho”, a casa carregada de ternura e de uma felicidade como que enclausurada dentro de um ovo que viria, mais tarde, a eclodir. Essa recordação da vivência com o pai-herói remonta a um tempo psicologicamente cinzento, frio, demorado, atmosfera bafienta de muitos temores interrompidos aqui e ali por algumas gargalhadas sarcásticas, como chicotes a forçar o andamento dessa besta sem cor e sem alma que a todos tolhia e ameaçava, na época em que "as paredes tinham ouvidos". - Joaquim Pessoa, poeta.

A Sétima Porta - Richard Zimler [Opinião]

Título: A Sétima Porta
Autor: Richard Zimler
N.º de Páginas: 616
PVP: 17,70€

Sinopse: 
Em 1990, Richard Zimler encontrou, numa cave de Istambul, sete manuscritos do século XVI escritos pelo cabalista Berequias Zarco. Um deles narrava o pogrom de Lisboa e o autor utilizou-o para cenário do seu livro O Último Cabalista de Lisboa. Mas, o que revelavam os outros seis manuscritos?
Em Berlim, na década de trinta, Isaac, um descendente de Berequias Zarco e detentor dos manuscritos, está determinado a descobri-lo. Convencido de que o pacto entre Hitler e Estaline anuncia uma profecia apocalíptica prestes a concretizar-se, Isaac Zarco procura arduamente descodificar aqueles textos cabalísticos medievais para assim salvar o mundo.
Passado durante a ascensão de Hitler ao poder, e coincidente com o período da perseguição nazi aos portadores de malformações físicas, A Sétima Porta junta Sophie Riedesel – uma jovem ousada, sonhadora e ambiciosa – a um grupo clandestino de ativistas judeus e antigos artistas de circo liderado por Isaac Zarco, numa luta contra as políticas antissemitas. Mas quando uma série de esterilizações forçadas, estranhos crimes e deportações dizimam o grupo, Sophie ergue-se num combate solitário contra aqueles que ameaçam destruir tudo o que ela mais ama na vida.
Um romance emocionante carregado de simbolismo e uma verdadeira lição de História e de humanidade sobre as muitas vítimas sem rosto de um dos regimes mais implacáveis de todos os tempos.

A minha opinião:
Depois de ter lido A Sétima Porta, não podia ficar indiferente aos livros de Richard Zimler. A Sétima Porta foi o livro que se seguiu e consolidou o que já pensava do autor: um contador de histórias excelente.

A Sétima Porta será uma continuação de O Último Cabalista em Lisboa (que tenho em casa para ler), e conta a luta que um descendente de Berequias Zarco em descodificar os textos deixados pelo seu antepassado. Isaac Zarco, um homem bastante interessante e próximo da personagem principal, leva praticamente a sua vida a tentar salvar o mundo, que passa pela descodificação de sete portas.

Sophie, ariana e católica, é uma rapariga aparentemente exemplar aos olhos dos alemães. Antes da guerra é uma jovem feliz, com um pai comunista, um irmão diferente (talvez autista) e uma mãe um tanto ou quanto severa, de origem russa. Até que Hitler chega ao poder e tudo muda.

O pai, comunista, decide mudar de partido e render-se ao nacional-nacionalismo, o que leva o leitor a compreender por um lado a intenção clara de defender a família, mas por outro se desprezar completamente o facto de não se opor à hospitalização do filho, Hansi, que levará à morte.

É, portanto, nos tempos do nazismo que decorre a história. Sophie torna-se uma miúda irreverente, contrariando a família e até mesmo o namorado, dando-se com pessoas diferentes às escondidas. Os seus melhores amigos são as gentes do circo, pessoas com deformações físicas e um judeu que será importante na sua vida, Isaac. Logicamente, todas estas pessoas, são detestadas e perseguidas pelos amantes do nazismo e de Hitler, o que as coloca sempre à margem de tudo. Todos eles, excepto Sophia, são membro de O Círculo, um grupo que pretende combater as leis vigentes e trair o Führer.

É com estas pessoas que Sophie vai conviver e com Isaac vai descobrir os segredos da cabala e dos judeus, tentado compreender também o significado das portas que Isaac tanto fala e da importância, sobretudo, da Sétima Porta.


Mais do que um relato do que se viveu na altura do antigo regime, onde se faziam esterilizações a pessoas ditas diferentes, como anões, gigantes, com mal formações, deficientes mentais, passando pelo seu internamento e morte através do gaseamento; as perseguições aos judeus e pessoas que se dessem com ele, a Sétima Porta é um romance de amor que quebra todas as barreiras, um romance entre uma católica e um judeu, entre uma jovem e um homem já maduro.

O único senão, e por isso não leva as cinco estrelas, foi o final um pouco abrupto da vida de Sophie. A saída dela da Alemanha em guerra, da vida de adulto do seu filho, que por algum motivo que não foi bem explicado, a dado momento quis ser tratado como sobrinho. É precisamente assim que começa e termina a história, sem que haja grande ligação entre a história principal.

Excertos:
"Talvez as necessidades mais profundas sejam os tijolos e o cimento com que construímos as nossas ilusões."
 

"... um burro de duas pernas é um alemão que não lê livros."
 

"Um empolgado caçador de ratazanas que só poderá atrair os que insistirem em ser cegos."

"De qualquer forma, não tem importância, os judeus estão a fugir - porque hei de travar as batalhas deles?"

"... a Alemanha transformou-se num Carnavaal que dura o ano inteiro... um tempo de máscaras em que temos de esconder as pessoas que somos de facto."

"Quando me informaram da morte de Heide, choro apenas durante algum tempo. Talvez esteja a ficar habituada a ver abutres voltejar nos céus por cima de mim. A nova ave nacional da Alemanha."

"... a morte é a única coisa que nunca acaba."



terça-feira, 15 de Abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Albatroz - "Deepak Chopra responde – tudo sobre o amor"

Título: Deepak Chopra responde – tudo sobre o amor
Autor:
Deepak Chopra
Tradução: Joana Assunção
Págs.: 232
Capa: mole com badanas
PVP: 14,40 €

A prestigiada revista Time considerou-o um dos 100 heróis e ícones do século, um “poeta-profeta da medicina alternativa”. Deepak Chopra é, sem dúvida, uma referência mundial e grande parte desse sucesso  deve-se aos livros que escreve. A 24 de abril, a Albatroz publica Deepak Chopra responde – tudo sobre o amor, o primeiro livro de uma série com o formato pergunta-resposta, na qual o autor expõe casos reais de aconselhamento.
O catálogo da Albatroz inclui outros três títulos do médico e filósofo indiano Deepak Chopra, o mais importante autor da área das espiritualidades a nível mundial: Poder, Liberdade e Graça (2009), A Alma do Líder (2011) e Deus (2013).

Sinopse:
Apaixonarmo-nos é provavelmente a aventura mais profunda que alguma vez viveremos – sem mapas ou bússolas. E é por isso que, quando as pessoas procuram conselhos, as suas dúvidas incidem, habitualmente, sobre as suas relações amorosas. Porque será o amor tão doloroso quando nos proporciona, simultaneamente, tamanha felicidade? O que o torna tão capaz de extremos como o ódio e o ciúme, quando nos sentimos traídos? Neste livro, encontrará um conjunto de perguntas e respostas sobre o amor e as relações humanas, inspiradas em dúvidas reais e analisadas pelas sábias palavras do autor e filósofo Deepak Chopra.

Sobre o autor:
Deepak Chopra nasceu em Nova Deli e desde muito cedo quis ser escritor. Por influência do pai, cardiologista, enveredou pela medicina. Já em Harvard, onde estudou, o seu trabalho ultrapassa as fronteiras da medicina convencional, apostando numa redefinição dos conceitos de saúde e também das relações corpo/espírito. É, hoje, internacionalmente reconhecido como um dos gurus das sensibilidades e da filosofia «New Age». Autor de 25 livros, está traduzido em 35 línguas.
É também autor de mais de uma centena de registos áudio e vídeo, incluindo cinco programas para a televisão pública dos EUA.
Mais informações em www.deepakchopra.com


Comer Bem sem Sacrífícios, de Andreia Santos e Chefe Hélio Loureiro

Título: Comer Bem sem Sacrífícios
Autor:
Andreia Santos e Hélio Loureiro
PVP: 17,90€
N.º de Páginas: 208 

Como aliar o prazer com saúde à mesa, numa perspectiva essencialmente prática, sem perder o sabor mais íntimo da nossa tradição?

Conselhos, dicas e receitas para comer de forma saudável e emagrecer.

A nutricionista Andreia Santos e o conceituado chef Hélio Loureiro pretendem partilhar os conhecimentos adquiridos ao longo das suas vidas profissionais, mas também transmitir a luz, a força, a energia e a vontade de atingir um objectivo – Comer Bem Sem Sacrifícios – com os sabores da Cozinha Portuguesa e da alimentação mediterrânica.

Numa perspectiva essencialmente prática, sem perder o sabor íntimo da tradição portuguesa, demonstram como conjugar saúde, alimentação e o prazer de estar à mesa. Identificando os principais problemas de saúde derivados de uma alimentação com excessos e aprendendo a preveni-los.

Com estes conselhos e deliciosas receitas culinárias, vai sentir-se melhor física e psicologicamente e vai acreditar que é possível fazer algo bom por si.Conheça os conselhos práticos que pode seguir para comer de forma saudável e emagrecer, em apenas 29 tópicos.

Aprenda, disfrute, confeccione… e bom apetite!

Sobre os autores:
Andreia Santos é nutricionista formada pela Universidade do Porto. Ligada ao desporto, colaborando com os respectivos departamentos médicos e equipas técnicas. Especialista em programas de perda de peso, comportamento alimentar e nutrição desportiva, docente convidada na CESPU, consultora de Nutrição em várias Câmaras Municipais e colaboradora com a Associação de Futebol do Porto. Hélio Loureiro nasceu no Porto onde frequentou a Escola de Hotelaria e Turismo. Abriu alguns dos melhores hotéis portugueses em cadeias como Meridien, Orient Express e Sheraton. Foi apresentador de programa de TV, júri e presidente de vários concursos nacionais e internacionais de gastronomia e vinicultura. Reconhecido e agraciado pela Casa Real Portuguesa, recebeu inúmeras menções e prémios, tais como, Chef do Ano, pela Academia Gastronómica Portuguesa, e Oficial da Ordem do Infante Dom Henrique. Membro de mais de 25 confrarias gastronómicas nacionais e internacionais, chef de cozinha da Selecção Portuguesa de Futebol desde 1996.

Novidade Guerra & Paz: «Holocausto Brasileiro», de Daniela Arbex

Título: Holocausto Brasileiro
Autor: Daniela Arbex
N.º de Páginas: 256 páginas + 16 (extratexto)
PVP: 15,50 €
Nas livrarias a 16 de Abril
Guerra e Paz|Clube do Livro SIC

Sinopse:
Milhares de crianças, mulheres e homens foram violentamente torturados e mortos no hospício de Colônia, em Barbacena, fundado em 1903. A maioria foi internada sem diagnóstico de doença mental: eram meninas violadas que engravidaram dos patrões, homossexuais, epilépticos, mulheres que os maridos não queriam mais, alcoólicos, prostitutas. Ou simplesmente seres humanos em profunda tristeza. Sem documentos, sem roupa e sem destino, tornaram-se filhos de ninguém.

Em Holocausto Brasileiro, a premiada jornalista de investigação Daniela Arbex resgata do esquecimento esta chocante e macabra história do século XX brasileiro: um genocídio feito pelas mãos do Estado, com a conivência de médicos, funcionários e população, que roubou a dignidade e a vida a 60.000 pessoas.
Bebiam água do esgoto. Comiam ratos. Morriam ao frio e à fome. Eram exterminados com electrochoques tão fortes, que toda a cidade ficava sem luz, por sobrecarga da rede. Os bebés eram roubados às mães logo à nascença. Nos períodos de maior lotação, morriam 16 pessoas por dia dentro dos muros do Colônia. Ao morrer, davam lucro. Os cadáveres eram vendidos às faculdades de medicina. Quando o número de corpos excedia a procura, eram decompostos em ácido, no pátio, diante dos pacientes. Os ossos eram comercializados. Nada ali se perdia. Excepto a vida.
É a essas 60.000 pessoas que Daniela Arbex devolve agora o rosto e a identidade, num relato que recupera o testemunho dos poucos sobreviventes e dá voz aos milhares que já não podem contar a sua própria história. O hospício de Colônia só foi transformado em verdadeiro Centro Hospitalar Psiquiátrico em 1980.

Sobre a autora:
É uma das jornalistas brasileiras mais premiadas de sua geração. Repórter especial do jornal Tribuna de Minas há 18 anos, tem no currículo mais de 20 prémios nacionais e internacionais, entre eles três prémios Esso, o mais recente recebido em 2012 com a série «Holocausto Brasileiro», dois prémios Vladimir Herzog (menção honrosa), o Knight International Journalism Award, entregue nos Estados Unidos (2010), e o prémio IPYS de Melhor Investigação Jornalística da América Latina e Caribe (Transparência Internacional e Instituto Prensa y Sociedad), recebido por ela em 2009, quando foi a vencedora, e 2012 (menção honrosa). Em 2002, foi premiada na Europa com o Natali Prize (menção honrosa). Holocausto Brasileiro, publicado agora em Portugal, ganhou o prémio de melhor livro-reportagem de 2013 da conceituada Associação Paulista de Críticos de Artes e será adaptado para televisão ainda em 2014.


«No Limite da Dor» nas livrarias amanhã

Título: No Limite da Dor
Autor: Ana Aranha e Carlos Ademar
N.º de Páginas: 288
PVP: 15 €
Editor: Edições Parsifal

O testemunho desassombrado de quem conheceu a tortura nas prisões do Estado Novo

A partir de amanhã nas livrarias

Sobre o livro:
Quarenta anos depois do «dia inicial, inteiro e limpo», antigos presos políticos falam da sua passagem pelas cadeias do Estado Novo. Num exercício muitas vezes doloroso, resgatam um passado violento do fundo das suas memórias que se traduz em testemunhos intensos, amargurados ou tranquilos, ressentidos ou indultados.
Baseado no programa homónimo da Antena 1, No Limite da Dor é um tributo à coragem de todos os lutadores que passaram muitos dias e muitas noites sem dormir, humilhados e torturados, de seres humanos cujo corpo e alma foram reduzidos à sua expressão mais primária, vítimas da barbárie das polícias de Salazar e de Marcelo Caetano.
Este livro é um testemunho vivo, mas é também uma homenagem a todos os homens e a todas as mulheres que, tendo descido aos infernos, não permitiram que lhes fosse roubada a crença num ideal de justiça e de liberdade, pelo qual lutaram heroicamente.
Documento histórico singular, No Limite da Dor é uma obra fundamental para se conhecer melhor uma página negra do passado recente de Portugal. Para que a História não se repita. Nunca mais.

Sobre os autores:
Ana Aranha:
Nasceu em Torres Vedras. É licenciada em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Foi professora de Iniciação ao Jornalismo, tendo em 1986 ingressado na Antena 1. É uma das mais prestigiadas realizadoras nacionais e autora dos programas O Terramoto de 1755, Portugal na I Guerra, A Guerra Civil de Espanha ou O Centenário da República. Entre 2006 e 2011, foi responsável por À Volta dos Livros, Prémio Pró-Autor da SPA em 2011. Foi ainda autora de Retratos do Século, Vidas que Contam e de A Vida dos Sons. Para assinalar os 40 anos do 25 de Abril, fez No Limite da Dor e Histórias Clandestinas.

Carlos Ademar:
Nasceu em Vinhais. É licenciado em História e mestre em História Contemporânea (Universidade Nova de Lisboa). É professor na Escola de Polícia Judiciária, instituição onde foi investigador criminal na Secção de Homicídios. É autor de inúmeros romances históricos, de que se destacam O Homem da Carbonária, Estranha Forma de Vida ou O Chalet das Cotovias.



segunda-feira, 14 de Abril de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Introdução à Política, de Diogo Freitas do Amaral, nas livrarias a 17 de abril

Título: Uma Introdução à Política
Autor: Diogo Freitas do Amaral, Maria da Glória Garcia e Pedro Machete
Género: Ensaios e Documentos
N.º de páginas: 504
Data de lançamento: 17 de abril
PVP: 22,20 €

«A ideia de escrever este livro é antiga. Quer antes, quer depois do 25 de Abril de 1974, na Universidade ou na política, entre amigos ou apenas conhecidos, e também na praia ou em conversa com taxistas, fui muitas vezes solicitado a procurar – de forma clara e susceptível de ser entendida por todos – explicar os mais diversos problemas políticos, analisar as mais diferentes situações políticas, e avaliar, como boas ou más, as sucessivas políticas públicas seguidas pelos vários governos, em Portugal ou no estrangeiro.
Como estudei ciência política no meu curso de Direito, e passei grande parte da minha vida a fazer política – como líder partidário ou como independente, na Oposição e no Governo, na imprensa e na rádio e televisão, na União Europeia das Democracias Cristãs e na Organização das Nações Unidas –, achei que podia abalançar-me a redigir “uma introdução à política”, em linguagem acessível a todos, mas com rigor académico.»


Sobre o autor:
Diogo Pinto de Freitas do Amaral é professor de Direito e político.
Maria da Glória Ferreira Pinto Dias Garcia é uma académica e jurista que presentemente ocupa o cargo de reitora da Universidade Católica Portuguesa.
Pedro Machete é professor da Faculdade de Direito (Escola de Lisboa) da Universidade Católica Portuguesa e advogado-consultor.

5 Sentidos - "Feitiço", o novo livro de Sylvia Day

Título: Feitiço
Autor:
Sylvia Day
Tradução: Cláudia Ramos
Págs: 216
Capa: mole com badanas
PVP: 15,50 €

A 24 de abril, chega às livrarias Feitiço, um novo romance de Sylvia Day, autora da série de sucesso Crossfire, que vendeu mais de 12 milhões de livros no mundo inteiro. A publicação desta obra da autora na 5 Sentidos responde aos anseios de milhares de leitores portugueses.
Líder das principais listas de vendas internacionais, a série Crossfire, protagonizada por Eva e Gideon, é composta, até ao momento, pelos livros Rendida, Refletida e Envolvida. Feitiço é uma obra em tudo  próxima e cheia de momentos de enorme sedução.
Sylvia Day é uma autora várias vezes finalista do prémio RITA (da Romance Writers of America). Publicou em e-book, com grande sucesso, a série Crossfire, que despertou o interesse das maiores editoras internacionais. Rendida, por exemplo, teve uma primeira tiragem, só nos Estados Unidos, de um milhão de exemplares. Desde que foram publicados, os livros desta série têm conseguido, inclusivamente, ultrapassar a trilogia de As Cinquenta Sombras de Grey, nos primeiros lugares dos principais tops de vendas mundiais. Recentemente, os famosos estúdios Lions Gate adquiriram os diretos para adaptação à televisão.

Sinopse:
Max Westin: a personificação da sensualidade. Victoria podia até cheirá-la e senti-la assim que ele se aproximava. Tudo nele era brutal e determinado. Uma criatura primitiva, tal como ela. Max segurou a mão dela de forma intensa e a sua respiração ofegante e excitante deixou bem clara a sua intenção de a possuir, de a domar. "Victoria." O nome dela, uma só palavra, foi entoado com tamanha possessividade que ela quase sentiu a coleira à volta do pescoço “Está na tua natureza”, murmurou ele. “O desejo de seres possuída.”
Neste jogo do gato e do rato, tudo parece uma ilusão mas a paixão é muito real.

Sobre a autora:
Sylvia Day é autora bestseller internacional de mais de uma dúzia de romances premiados e traduzidos para 38 línguas. Nomeada para Goodreads Choice Award for Best Author, o seu trabalho foi também já distinguido como Amazon’s Best of the Year Romance. Sylvia Day foi ainda galardoada com prémios prestigiantes como RT Book Reviews Reviewers’ Choice Award além de ter sido duas vezes finalista do prestigiado Romance Writers of America.
Saiba mais sobre a autora em www.sylviaday.com e facebook.com/authorsylviaday e ainda  twitter.com/sylday

Impresa: 
Entre o excitante enredo e as sensuais cenas de sexo, os leitores de Feitiço ficarão a querer sempre mais. RT Book Reviews
Excitante, agressivo e profundamente sensual (…) uma leitura que não vai desapontar os fãs de Sylvia Day. Library Journal


Planeta: Novidades Abril

NÃO FICÇÃO NACIONAL
Título: O Movimento dos Capitães e o 25 de Abril
Autores:   Avelino Rodrigues, Cesário Borga, Mário Cardoso


O livro O Movimento dos Capitães e o 25 de Abril, escrito por três jornalistas que ficaram conhecidos como os «cronistas da Revolução» e editado pela primeira vez em Novembro de 1974, regressa às livrarias, quarenta anos depois, numa 5.ª edição revista e aumentada, a  partir de 16 de Abril.

«Este livro mantém intactas as qualidades que fizeram dele um dos livros mais emblemáticos de quantos se publicaram no imediato pós-25 de Abril.» Boaventura de Sousa Santos, in prefácio

Um relato pormenorizado de todos os passos, reuniões, planos, êxitos e vicissitudes, até ao dia da operação que pôs fim ao Estado Novo e devolveu a liberdade aos portugueses.
Este livro traça o roteiro da preparação da Revolução e a evolução política dos conspiradores: A contestação ao congresso dos combatentes, em Junho de 1973.
O spinolismo e o Movimento na Guiné.
Os passos do Movimento em Angola e Moçambique.
A reunião inaugural do Movimento dos Capitães em 9 de Setembro, no Alentejo.
A influência do livro do general Spínola Portugal e o Futuro.
As consequências do 16 de Março, em Caldas da Rainha.
A aprovação do programa político elaborado pelo major Melo Antunes.
O plano de operações e o desencadear da acção a 25 de Abril.
O povo unido.
A origem de classe dos capitães.

O que se disse sobre o livro:
«O Livro do 25 de Abril.» Almeida Martins, Visão, 26.04.2001
«Um clássico da Revolução.» José Pedro Castanheira, Expresso, 02.06.2001
«Obra histórica e indispensável sobre o Movimento das Forças Armadas da madrugada libertadora do 25 de Abril.» Guilherme de Oliveira Martins, 22.04.2001
«Reedição oportuna e necessária, que no essencial não foi rasurada pela hermenêutica histórica entretanto empreendida.» José Manuel Mendes, 04.05.2001
“Uma reedição que não tem nada de revivalismo porque aquelas páginas ainda guardam hoje a mágica de uma revolução.” António Vitorino, 26.04.2001
“Vários estudiosos abordaram já este problema (a origem de classe do Movimento dos Capitães). Os primeiros parecem ter sido aqueles que já mereceram o epíteto de ‘cronistas da revolução’ e a quem desejamos prestar aqui uma homenagem.” Coronel Aniceto Afonso in Subsídios para a caracterização sociológica do Movimento dos Capitães

Sobre os autores:
Avelino Rodrigues, Cesário Borga e Mário Cardoso são autores de uma trilogia sobre o processo revolucionário: O Movimento dos Capitães e o 25 de Abril (1974), Portugal depois de Abril (1975) e Abril nos quartéis de Novembro (1976). Jovens jornalistas em 1974, com carreiras iniciadas poucos anos antes nos grandes jornais diários, tinham-se encontrado em 1972 na redacção do Diário de Lisboa e constituíram uma equipa que reflectia e tentava romper os limites então impostos à profissão e ao direito de informar. Trabalho que continuaram depois da Revolução, já na RTP e na intervenção sindical, sempre lutando por uma informação independente e ao serviço da sociedade.

FICÇÃO ESTRANGEIRA
Título: A Amante do Papa
Autor: Jeanne Kalegridis
N.º de Páginas: 464
PVP: 19,95 €
Disponível a 16 de Abril

Um romance histórico irresistível sobre a vida notável de Catarina Sforza, uma corajosa e brava mulher do Renascimento italiano, que teve os amantes que lhe apeteceu, entre os quais o cardeal Bórgia, que viria a ser eleito papa Alexandre.

Tendo como pano de fundo uma corte exuberante e vibrante com personagens inesquecíveis e figuras históricas, a autora recria com rigor histórico o ambiente da Renascença italiana. Uma história de coragem e ambição sobre uma condessa cuja vontade e paixão não conheciam limites. Jeanne Kalogridis consegue de forma magistral mostra-nos a história verdadeira da Itália renascentista, através da vida de uma mulher nascida na época errada que mostrou uma força surpreendente num mundo dominado pelos homens, na segunda metade do século XV.
Filha do duque de Milão e mulher do conivente conde Girolamo Riario, Catarina Sforza foi a guerreira mais corajosa do Renascimento italiano.
Governou os seus territórios, travou as suas lutas e teve sempre os amantes que lhe apeteceu, sem consequências até ter um caso com Rodrigo Bórgia.
A sua história notável é contada pela dama de companhia, Dea, uma mulher conhecida por ler as cartas de sorte, as antecessoras do tarô dos nossos dias.

Enquanto Dea tenta descobrir a verdade sobre o assassínio do marido, Catarina, sozinha, rechaça os invasores que tentarão roubar-lhe o título e as terras.
No entanto, Dea lê as cartas e estas revelam que Catarina não pode fazer frente a um terceiro e último invasor: nada mais, nada menos do que César Bórgia, filho do corrupto papa Alexandre VI, que tem umas velhas contas a ajustar com Catarina. Encurralada na fortaleza de Ravaldino enquanto os canhões de Bórgia  atingem as muralhas, Dea passa em revista o passado escandaloso e os combates de Catarina para compreender o destino de ambas, e Catarina tenta corajosamente aniquilar o exército inexpugnável de Bórgia.

Sobre a autora:
Jeanne Kalogridis vive com o companheiro na Carolina do Norte, onde ambos partilham uma casa com dois cães. É autora de The Bórgia Bride, Mona Lisa, The Devil’s Queen, obras elogiadas pela crítica, e de muitos outros romances fantásticos e históricos.


Título: A Guerra dos Tronos Vol. 3
Autor: George R. R. Martin
N.º de Páginas: 192
PVP: 17,76€
Disponível a 16 de Abril



JÁ LEU OS LIVROS.
JÁ VIU A SÉRIE.
AGORA, DESFRUTE DA BD.

Chega agora mais um livro da aclamada série da adaptação em banda desenhada de A Guerra dos Tronos, a terceira parte da saga best-seller em todo o mundo, que conta com quatro volumes.
George R. R. Martin junta-se ao conhecido romancista Daniel Abraham e ao ilustrador Tommy Patterson para dar uma nova vida à obra-prima da fantasia heróica A Guerra dos Tronos, como nunca foi visto em graphic novels a cores, dando uma visão única do mundo idealizado por Martin.
George R. R. Martin trabalhou dez anos em Hollywood como escritor e produtor de diversas séries e filmes  de grande sucesso.
Autor de muitos best-sellers, foi em meados dos anos 90 que começou a sua mais famosa obra: A Guerra dos Tronos, que se tornou na saga de fantasia mais vendida dos últimos anos.

Sobre o autor:
Nasceu em 1948, em New Jersey. Trabalhou dez anos em Hollywood como argumentista e produtor de diversas séries e filmes de grande sucesso. Em meados de anos 90 que começou a sua obra mais famosa, As Crónicas de Gelo e Fogo. Com cinco volumes já publicados, é o maior sucesso do escritor e a saga de fantasia mais vendida dos últimos anos.
A primeira obra da colectânea, A Guerra dos Tronos, publicada em 1996, foi adaptada para formato televisivo, pelo canal norte-americano HBO, em 2011. Além da série de televisão, os livros de George R. R. Martin foram adaptados para um grande número de formatos, como jogos de computador ou livros de banda-desenhada.
George R.R. Martin é tido como um dos escritores de literatura fantástica de maior sucesso da actualidade, considerado pela revista Time como um dos 100 homens mais influentes do mundo.
O autor tem as suas obras traduzidas em 20 línguas e cerca de 15 milhões de livros vendidos em todo o mundo.