domingo, 27 de maio de 2018

Novidade Cavalo de Ferro: «A Lã e a Neve», de Ferreira de Castro

«Estamos perante uma obra literária não só bela, mas bem documentada e de um humanismo profundo. Diante disto, que mais poderemos exigir à literatura?» Manuel da Silva Ramos

***

A Lã e a Neve, de Ferreira de Castro (Cavalo de Ferro | A Lã e a Neve | 360 pp | 17,69€).

A Lã e a Neve, um dos livros de maior sucesso de Ferreira de Castro, é indiscutivelmente, um dos grandes romances da literatura portuguesa do século XX, com o estatuto de clássico intemporal: ao mesmo tempo crónica de um regime político e social que marcou o nosso país, e romance de formação onde a paisagem se funde com o homem.

Horácio, jovem pastor de Manteigas, volta à Serra depois da tropa em Lisboa decidido a mudar de vida. Deixar o pastoreio, fugir da miséria e empregar-se numa fábrica de tecelagem é o sonho que lhe permitirá ter uma vida digna junto de Idalina, e formar uma família só sua. Ascende à condição de operário e casa-se, mas vê-se obrigado a viver num casebre. A lã é também um trabalho duro. O horizonte continua estreito. Entretanto, a guerra rebenta e outros operários nutrem a esperança de um mundo melhor para os deserdados da fortuna…

«E, assim, nas fábricas e nos humildes casebres da cidade quase ignorada do Mundo, a meia encosta da brava serra de lobos, os homens das lãs iam vivendo também as angústias e as esperanças universais.»
Sobre o autor:
José Maria Ferreira de Castro (1898 –1974), oriundo de uma família de camponeses pobres, fica órfão de pai aos oito anos e emigra, com doze anos para o Brasil, onde foi expedido para o interior da selva amazónica. Com 14 anos escreve Criminoso por Ambição, o seu primeiro romance. Regressa a Portugal em 1919. Vive períodos de absoluta miséria e passa dias inteiros sem comer quando reinicia a sua dupla faina de repórter e escritor.
Publica Emigrantes em 1928, e A Selva em 1930, acompanhados de estrondoso êxito nacional e internacional, onde a literatura portuguesa pouca expressão tinha. Seguir-se-á, a um ritmo regular, a publicação de outros romances: Eternidade (1933), Terra Fria (1934), A Tempestade (1940) e A Lã e a Neve (1947). No período imediato ao pós-guerra, torna-se um dos autores mais lidos em Portugal e no estrangeiro. As suas obras estão editadas com sucesso em mais de dez línguas e, com a 10.ª edição de A Selva, atinge a fasquia de meio milhão de exemplares vendidos em todo o mundo com um só livro. Nos anos cinquenta publica o romance A Curva da Estrada e, entre outras obras, a famosa novela A Missão. De 1968 data o romance O Instinto Supremo, onde o autor regressa ficcionalmente à selva amazónica. Ferreira de Castro, uma das maiores figuras da literatura portuguesa, foi, diversas vezes, proposto para o Prémio Nobel e, outras tantas, recusou sê-lo, em prol de outros escritores portugueses.


Novidade Elsinore: «Pássaros na Boca», de Samanta Schweblin

Uma das vozes mais prometedoras da atual literatura de língua espanhola. Mario Vargas Llosa, Prémio Nobel de Literatura

Um implacável mecanismo de relojoaria narrativa capaz de arrebatar a respiração do leitor. EL Mundo

Pássaros na Boca, de Samanta Schweblin (Elsinore | 160 pp | 16,59€), considerada uma das mais importantes vozes da literatura contemporânea de língua espanhola.

***

Em Pássaros na Boca (Elsinore | 160 pp | 16,59€), antologia de contos galardoados com o prémio Casa de las Americas, Samanta Schweblin reuniu dezoito histórias onde, tal como num filme de Lynch ou num pesadelo de Kafka, o insólito e o grotesco irrompem com violência na normalidade do quotidiano, deixando à sua mercê personagens e leitores.

É este o mundo de Samanta Schweblin, um território privado que nos obriga a participar ativamente no desvendar dos enigmas que servem de chão ao conto e a sermos espetadores do teatro das relações humanas. A obra conta com ilustrações de Lord Mantraste. Tradução de Sofia Castro Rodrigues e Virgílio Tenreiro Viseu. Os primeiros capítulos estão disponíveis para leitura aqui.

«Se bateres muito com a cabeça de alguém no asfalto – mesmo que seja para a obrigar a ser razoável –, é provável que acabes por lamentá-lo. Esta foi uma coisa que a minha mãe me ensinou desde o princípio, no dia em que bati com a cabeça de Fredo no chão do pátio do colégio.»

Sobre a autora: 
Samanta Schweblin nasceu na Argentina, em 1978. O seu primeiro livro, El Núcleo del Disturbio, venceu o Concurso Nacional Haroldo Conti, em 2001, e, em 2008, o premio Casa de las Americas com o seu livro La Furia de las Pestes, tendo sido considerada uma das 22 melhores escritoras em língua espanhola pela revista Granta, em 2010. O livro Distância de Segurança (Elsinore), integrou a longlist da edição de 2017 do Prémio Man Booker Internacional e está publicado em 25 países. Schweblin viveu no México, Itália e China, residindo atualmente em Berlim.


sábado, 26 de maio de 2018

Gradiva na 88.ª Feira do Livro de Lisboa



Novo site da Penguin Random House Portugal

A Penguin Random House acaba de lançar o gostodeler.pt, que é dedicado a todos os amantes de livros, principalmente àqueles que consideram que um dia sem ler é um dia perdido.

Dar a conhecer aos leitores portugueses algumas das melhores páginas da literatura contemporânea nacional e internacional, de vozes emergentes a alguns clássicos esquecidos, bem como divulgar livros de referência sobre a actualidade, passando pelo ensaio e pela biografia, é o que a editora se compromete a fazer todos os dias.

Os mais novos também não foram esquecidos, até porque é de pequenino que começa o desatino, e para eles há histórias emocionantes, relatos impressionantes, lições de vida incontornáveis, que os levarão a conhecer mundos novos, diferentes e apaixonantes.

Todo o catálogo das diversas chancelas que constituem a Penguin Random House Grupo Editorial – Alfaguara, Companhia das Letras, Alfaguara Infantil&Juvenil, Objectiva, Arena, Suma de Letras, Nuvem de Tinta e Nuvem de Letras –, os eventos, as notícias, dossiers de imprensa e as capas dos livros, é apenas uma parte do que os leitores encontrarão no novo site.

Para além de tudo isto, ainda poderá receber em primeira mão informação antecipada sobre os seus autores favoritos, ler as primeiras páginas das mais recentes novidades e receber newsletters personalizadas de acordo com as suas preferências.





Novidade Esfera dos Livros - Os Ricos, de Maria Filomena Mónica


Depois de Os Pobres, Maria Filomena Mónica traz-nos Os Ricos, uma obra em que fala não só da origem das grandes fortunas nacionais, mas da mentalidade e dos costumes do grupo social que deu origem ao título deste livro. Para o escrever, recorreu a memórias, diários e entrevistas. A galeria de personagens vai desde os fidalgos antigos como o 1.º duque de Palmela, o 1.º e 2.º condes de Vila Real e os 3.os condes de Rio Maior até aos capitães da indústria do séc. XX, Alfredo da Silva, Jorge de Mello, António Champalimaud, Américo Amorim e Belmiro de Azevedo, passando pelos milionários do liberalismo, Eugénio de Almeida, D.ª Antónia Ferreira, José do Canto e o conde de Burnay. Através destas biografias ficamos a conhecer melhor a História de Portugal.

Sobre a autora: 
MARIA FILOMENA MÓNICA nasceu em Lisboa em 1943. Licenciada em Filosofia pela Universidade de Lisboa, 1969, e doutorada em Sociologia pela Universidade de Oxford, 1978. Actualmente é Investigadora Emérita do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Autora de artigos na imprensa e de séries para a televisão. Entre outros, publicou os seguintes livros: Educação e Sociedade no Portugal de Salazar, 1978; Visitas ao Poder, 1993; Vida Moderna, 1997; Os Filhos de Rousseau, 1997; Dicionário de História de Portugal (em colaboração com A. Barreto), 1999/2000; Eça deQueirós, 2001; Dicionário Biográfico Parlamentar 1834/1910 (org.), 2004; Bilhete de Identidade, 2005; D. Pedro V, 2005; Cesário Verde, 2007; FontesPereira de Melo, 2009; Os Dabney: Uma Família Americana nos Açores (org.), 2009; Vidas, 2010; Os Cantos, 2010; A Morte, 2011; A Sala de Aula, 2014; A Minha Europa, 2015; Os Pobres, 2016.



"Farinha" o livro que foi proibido em Espanha

Farinha de Nacho Carretero é o livro que está a alimentar uma enorme polémica por ter sido proibido em Espanha. Um dos narcotraficante referidos no livro processou o autor e neste momento o livro foi retirado das livrarias e a sua venda proibida.

A Desassossego publica este livro no início de junho e convidou o autor para estar em lisboa nos dias 11 e 12 de junho para falar sobre esta situação e sobre a investigação que revela a história negra do contrabando e do narcotráfico na Galiza...

Nos anos 90, 80% da cocaína que chegava à Europa desembarcava nas costas galegas. Para além da sua posição geográfica privilegiada, a Galiza dispunha de todos os ingredientes necessários para se converter numa “nova Sicília”: atraso económico, uma centenária tradição de contrabando (principalmente com Portugal) e um clima de admiração e tolerância em relação a uma cultura criminosa herdada da época dos “inofensivos” e “benfeitores” chefes do tabaco. Os clãs, poderosos e fechados, cresceram num clima de impunidade consolidada graças à apatia e cumplicidade da classe política e forças de segurança. Através de testemunhos diretos dos intervenientes, Farinha incluí ainda uma análise dos clãs que continuam as suas operações hoje em dia. Porque ao contrário da crença mediática e popular – tal como demonstra este livro –, o narcotráfico continua vivo na Galiza.

Nacho_Carretero.jpgNacho Carretero (Corunha, 1981) é um jornalista galego que trabalhou para a XL Semanal, o El Mundo e o El Español. Escreveu sobre o genocídio no Ruanda, o ébola em África, a Síria ou o seu amado Deportivo de La Coruña. Atualmente, é repórter no El País. Contar a história do narcotráfico galego era um sonho jornalístico que tinha há vários anos.




sexta-feira, 25 de maio de 2018

Booktrailer: A Livraria. Clube do Autor tem convites duplos para a ante-estreia





A LIVRARIA estreia nos cinemas a 21 de Junho mas nós temos 20 bilhetes duplos (para a antestreia) para oferecer a quem comprar o livro na Feira do Livro de Lisboa.



Convite -Como Desenhar o Corpo Humano


O Farol no Fim do Mundo - Novidade Topseller


Um mistério por desvendar redescoberto num diário perdido.

Um assombroso romance sobre a forte e estranha ligação entre duas irmãs gémeas e o farol da ilha da sua juventude.


«Uma leitura envolvente, perfeita para os leitores que gostam das irmãs Brontë e de Jodi Picoult na mesma medida.» Publishers Weekly

«Mais do que a evocação de uma época e tempo únicos, O Farol no Fim do Mundo é uma análise delicada e comovente sobre a natureza da identidade, a importância da família e segundas oportunidades.» Heather Young, autora nomeada para o Edgar Award, Melhor Romance.

Sinopse:
Uma ilha bela e perigosa.

Um segredo escondido dos olhos do mundo.

Um barco naufraga nas turbulentas águas do Lago Superior, no Canadá. Entre os seus destroços são encontrados os diários do antigo faroleiro da remota e selvagem ilha de Porphyry, assim como a verdadeira história das suas filhas gémeas: Elizabeth e Emily.

Há décadas que Elizabeth, agora cega e a viver num lar de idosos, procura a chave para o seu passado. Contudo, sem poder confiar nos seus olhos para ler as páginas gastas dos diários, ela pede ajuda a Morgan, uma adolescente que cumpre serviço comunitário no lar.

Página a página, uma amizade improvável floresce, e enquanto Morgan lê, Elizabeth viaja até à sua infância, à ilha isolada e à memória da sua enigmática irmã gémea. Até que as coincidências nas histórias de vida de Elizabeth e Morgan lhes mostram que os seus destinos estão ligados à ilha de uma maneira que nunca imaginaram.

Uma história sobre promessa, identidade e lealdade.



O Farol no Fim do Mundo é uma edição Topseller (17,69€ | 304 pp.) e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura aqui.




jean-e-pendziwol.jpg


Sobre a autora:
Jean E. Pendziwol nasceu em Thunder Bay, no Canadá, e passou a sua infância a bordo do barco da sua família a explorar as ilhas e baías do mar interior.

Depois de trabalhar como escritora e fotógrafa freelance, a autora focou-se na sua família antes de publicar o seu primeiro livro infantil, No Dragons for Tea: Fire Safety for Kids (and Dragons).

O seu primeiro romance adulto, O Farol no Fim do Mundo, tornou-se um sucesso internacional, estando publicado em mais de dez línguas.


Novidade Topseller: Quando a Luz Se Apaga


Um livro repleto de reviravoltas inesperadas e excitantes.

Uma estreia surpreendente e oportuna sobre as possíveis consequências sociais e ambientais a longo prazo de um mundo digitalmente conectado e digitalmente viciado.

Os direitos televisivos foram comprados pela Amazon (produtores e realizadores associados ao projeto das séries The Walking Dead e Black Mirror).

«Um livro inteligente e original. Um thriller tenso envolto num pesadelo distópico assustadoramente plausível, com um twist inesperado que fará a sua cabeça explodir!» — C. J. Tudor

«Facilmente um dos melhores e mais perturbadores romances do ano, com reminiscências de Cormac McCarthy, Phillip K. Dick e do 1984 de Orwell.» −Starburst Magazine

«Aterrorizador e brilhantemente plausível.» − The Guardian

Sinopse:
Bem-vindo ao incrível mundo do Feed!

Com apenas um pequeno chip, implantado no cérebro dos bebés ainda antes de nascerem, todos os problemas da sociedade podem ser resolvidos. Crimes violentos? Fraude? Impossível, tudo o que vemos é registado no Feed. Desaparecimentos? Faltas? Já não existem, o Feed põe-nos a todos em contacto. Esquecimentos? Distrações? Coisa do passado, o Feed não se esquece de nada.

Até ao dia em que o Feed é desligado.

Nesse dia, o Presidente dos Estados Unidos é assassinado, em direto, para todo o mundo. Pouco depois, o Feed cai. Já não há livros. Já ninguém tem computadores. Já ninguém se lembra, sequer, de como consertar as coisas mais simples. Toda a informação estava guardada no Feed. Sem ele, a civilização desaba.

E tu, quem serás sem o Feed?

Desesperados por reconstruírem alguma forma de subsistência, os grupos de sobreviventes espalham-se, desconfiados uns dos outros, paranoicos e sem rumo. Conseguirão reerguer a Humanidade?

Combinando a atmosfera distópica de Walking Dead com o potencial destrutivo da tecnologia de Black Mirror, Nick Clark Windo apresenta-nos todo um novo mundo. Ao retirar tudo às suas personagens, tira completamente o fôlego ao leitor.

Quando a Luz Se Apaga é uma edição Topseller (18,79€ | 384 pp.) e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui.

nick1.jpg

Sobre o autor:
Nick Clark Windo é um escritor britânico que estudou Literatura Inglesa na Universidade de Cambridge e, mais tarde, Teatro na Royal Academy of Dramatic Arts. Para além da escrita, é produtor de cinema e coach de comunicação.

Quando a Luz Se Apaga é o seu primeiro romance, e vai ser adaptado para série pela Virgin e pela Amazon com o título original, The Feed.


Livros do Brasil - Novos livros de Antoine de Saint-Exupéry e Truman Capote

Título: Um Sentido para a Vida
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Tradução e Prefácio: Ruy Belo
N.º de Páginas: 192
PVP: 16,60 €
Coleção: Dois Mundos

Testemunhos preciosos de um dos mais inspiradores autores do século XX, traduzidos para português pelo poeta Ruy Belo.
Depois de Piloto de Guerra e Cidadela, a Livros do Brasil publica a 30 de maio o livro Um Sentido para a Vida, de Antoine de Saint- -Exupéry, com tradução de Ruy Belo.
Publicada postumamente em 1956, esta obra reúne testemunhos preciosos do eterno aviador-escritor: um excerto da sua primeira obra, «O Aviador», de 1926, textos jornalísticos enviados a partir de Moscovo e da frente da Guerra Civil Espanhola, peças dos seus escritos mais filosóficos, e três prefácios onde são entretecidos os grandes temas da sua obra: o voo, as palavras, a humanidade.
Adversário acérrimo de todas as tiranias que oprimem a dignidade do Homem, Saint-Exupéry expressa nesta coleção de alguns dos seus textos mais marginais a paixão pela grandiosidade humana e a ansiedade em relação aos destinos do mundo.

O Autor:
Antoine de Saint-Exupéry nasceu a 29 de junho de 1900 em Lyon. Faz o seu batismo de voo aos 12 anos, aos 22 torna-se piloto militar e é como capitão que em 1939 se junta à Força Aérea francesa em luta contra a ocupação nazi. A aviação e a guerra viriam a revelar-se elementos centrais de toda a sua obra literária, onde se destacam títulos como Correio do Sul (1929), o seu primeiro romance, Voo Noturno (1931), que logo se tornou um êxito de vendas internacional, e Piloto de Guerra (1942), retrato da sua participação na Segunda Guerra Mundial. Em 1943 publicaria aquela que é reconhecida como a sua obra- -prima, O Principezinho, um dos livros mais traduzidos em todo o mundo. A sua morte, aos 44 anos, num acidente de aviação durante uma missão de reconhecimento no sul de França, permanece ainda hoje um mistério.

Título: A Harpa de Ervas 
Autor: Truman Capote
Tradução: Paulo Faria
N.º de Páginas: 152
PVP: 8,80 €
Coleção: Miniatura

A 30 de maio chega às livrarias A Harpa de Ervas, de Truman Capote, que a Livros do Brasil publica na coleção Miniatura. Inspirada numa memória de infância do autor, A Harpa de Ervas foi publicada originalmente em 1951 e no ano seguinte tornou-se a primeira obra do autor a ser levada ao teatro.
Esta é uma poética história de desadaptados, repleta de nostalgia e compaixão humana, protagonizada por Collin Fenwick, um rapaz que aos 11 anos, após a morte dos pais, vai viver para casa das irmãs Talbo. Até que uma discussão provoca uma fuga coletiva para uma casa na árvore. Ao grupo inicial vão-se juntando outras personagens, numa narrativa percorrida por reflexões e confidências, de onde despontam temas como a aceitação, a bondade e o medo perante a vida.
«Quando é que ouvi falar pela primeira vez da harpa de ervas? Muito antes do outono que passámos na amargoseira; num outono anterior, portanto; e, como não podia deixar de ser, foi Dolly quem me contou, pois mais ninguém se lembraria de lhe chamar isso, uma harpa de ervas.»

O Autor:
Truman Capote nasceu em Nova Orleães a 30 de setembro de 1924. Em 1948 lançou o seu romance de estreia, Outras Vozes, Outros Lugares, e alcançou um imediato êxito literário internacional, afirmando-se desde logo como um dos mais originais autores americanos do pós-guerra. Entre as suas principais obras destacam-se A Harpa de Ervas (1951), seu segundo romance que viria a dar origem à sua primeira peça para teatro, Boneca de Luxo (1958), adaptada para cinema por Blake Edwards e protagonizada por Audrey Hepburn, e A Sangue Frio (1966), obra-prima pioneira na arte da reportagem narrativa. Membro do Instituto Nacional das Artes e Letras, recebeu três vezes o Prémio O. Henry Memorial, para melhores contos. Morreu em Los Angeles a 25 de agosto de 1984.



segunda-feira, 21 de maio de 2018

A Guerra e Paz na Feira do Livro de Lisboa



Miguel Sousa Tavares em sessão de autógrafos no primeiro dia da Feira do Livro de Lisboa

Cebola Crua com Sal e Broa, novo livro de Miguel Sousa Tavares é um testemunho vivo da nossa História recente

Eterno contador de histórias, Miguel Sousa Tavares abandonou a advocacia para se dedicar ao jornalismo, primeiro, e à escrita literária, depois. Fruto de uma carreira rica de experiências e cheia de convicções fortes e consistentes, tornou-se numa das grandes personalidades portuguesas das últimas décadas. Neste seu novo livro, o autor transforma as suas vivências em histórias imperdíveis sobre o nosso passado comum e a construção de um homem.

É o testemunho de uma vida única com a História contemporânea de Portugal como fundo. Dos primeiros anos, passados numa quinta no Marão, à juventude numa Lisboa cinzenta interrompida por uma revolução muito familiar; da descoberta do mundo através dos livros, dos jornais e da televisão às incursões na política numa democracia cheia de encantos e contradições.

“Cebola Crua com Sal e Broa” tem cerca de 400 páginas, divididas por 16 capítulos, onde podemos encontrar uma escola no Marão e os verões nas praias da Granja e de Lagos, com um “Melville” e a sua pesca «ao candeio»; uma educação numa casa diferente e alternativa e uma faculdade marcada por Marcelo e pelas lutas estudantis; o 25 de abril em direto e com a participação do pai, a extinção da PIDE e as loucuras do PREC; a liberdade recente nos jornais e no fascinante mundo da televisão ou os episódios com Soares, Guterres e Sócrates; as paixões pelo jornalismo e pela literatura; as promessas de vida cumpridas e as juras por cumprir…

No próximo 25 de maio, dia de abertura da Feira do Livro de Lisboa, Miguel Sousa Tavares tem encontro marcado com os seus leitores no espaço da editora Clube do Autor (pavilhões A49 a A57) às 19 horas.



Porto Editora: Maria Dueñas regressa com "As vinhas de La Templanza"

Título: As vinhas de La Templanza
Autor: Maria Dueñas
Tradução: Carlos Romão
Págs.: 536
Capa: mole com badanas
PVP: 18,80 €

É um regresso há muito esperado. De Maria Dueñas, a autora espanhola mais lida em todo o mundo, a Porto Editora faz chegar às livrarias de todo o país As vinhas de La Templanza, no próximo dia 24 de maio.
Neste livro, a autora dá a conhecer Mauro Larrea, um empresário que, num revés do destino, perde toda a fortuna conquistada nas duras minas do México. Sem nada, ruma a Havana, na tentativa de se reerguer. Aí, começa um turbilhão de acontecimentos e emoções na sua vida. Parte para Espanha, troca o negócio do minério pelo da vinha e deixa-se encantar por Soledad Montalvo, uma mulher lutadora e antiga proprietária de La Templanza.
Maria Dueñas regressa ao género que a celebrizou com o seu romance de estreia, O tempo entre costuras, e apresenta um relato histórico e de costumes, pleno de cenários exóticos e sedutores que conduzem o leitor ao longo da segunda metade do século XIX, numa viagem entre a jovem república mexicana e a cosmopolita Jerez de La Frontera.
À semelhança do que aconteceu com o sua primeira obra (O tempo entre costuras foi uma das séries mais vistas na Antena 3), também As vinhas de la Templanza terá uma adaptação ao pequeno ecrã, que já está a ser produzida por esta mesma estação televisiva, responsável, por exemplo, por êxitos mundiais como A Casa de Papel.

Sinopse:
Uma história de coragem perante as adversidades e de um destino marcado pela força de uma paixão.
Nada fazia supor a Mauro Larrea que a fortuna que tinha conquistado fruto de anos de luta e perseverança se desmoronaria de um dia para o outro, graças a um inesperado revés.
Asfixiado com dívidas e afogado em incertezas, aposta os últimos recursos numa jogada temerária na esperança de se reerguer. Até que a perturbadora Soledad Montalvo, mulher dum negociante de vinhos inglês, entra na sua vida para o arrastar rumo a um futuro inesperado. Da jovem república mexicana à radiante Havana colonial, das Antilhas à Jerez da segunda metade do século XIX quando o comércio de vinhos com Inglaterra converteu a cidade andaluza num enclave cosmopolita e lendário, por todos estes cenários se desenrola As vinhas de La Templanza, um romance que fala de glórias e derrotas, de minas de prata, intrigas de família, vinhas e cidades fascinantes cujo esplendor se desvaneceu com o tempo.

Sobre a autora:
Doutorada em Filologia Inglesa, Maria Dueñas é professora titular da Universidade de Murcia depois de ter já passado pela docência em várias universidades norte-americanas. É autora de trabalhos académicos e de muitos projetos educativos, culturais e editoriais.
Maria Dueñas nasceu em Puertollano (Ciudad Real) em 1964, é casada, tem dois filhos e reside em Cartagena.
O Tempo entre Costuras foi o seu primeiro romance, publicado pela Porto Editora, tendo sido adaptado à televisão e exibido em Portugal pela TVI.



A casa dos seus sonhos pode ser o seu pior pesadelo


Uma história intensa, atmosférica e original, fugindo do ambiente urbano e familiar típico da maioria dos thrillers, neste que é o primeiro livro da escritora publicado em Portugal.

«Um thriller envolvente, que se lê de um só fôlego, com um final inesperado. Maravilhoso!» − Psychologies

«Um thriller cativante, muito bem escrito e inundado de um sentimento delicado e crescente de ameaça que desemboca num clímax de arrasar os nervos.» —Eva Dolan

Sobre A Casa na Floresta:
Um estranho encontro,
Um presente inesperado,
Um segredo perverso…

Numa noite gelada, ao regressar a casa, Neve Carey é abordada por uma mulher estranha e perturbada, na ponte sobre o rio Tamisa, que lhe entrega um envelope, lançando-se de seguida para as águas do rio.

Duas semanas mais tarde, numa altura em que a sua vida está cada vez mais caótica, Neve descobre que a mulher que se suicidou à sua frente lhe deixou de herança uma casa na Cornualha, o que parece ser a solução perfeita para os seus problemas.

Neve decide então mudar-se sozinha para a casa, mas, assim que lá chega, arrepende-se. Fica no meio de uma floresta sombria, tem um aspeto sinistro, com grades nas janelas, e coisas bizarras começam a acontecer. Em pouco tempo, a casa dos seus sonhos transforma-se no seu pior pesadelo. E a verdade é que esta esconde um segredo perverso… que mudará para sempre a vida de Neve.

A Casa na Floresta é uma edição Topseller (17,69€ | 304 pp.) e as primeiras páginas podem ser lidas aqui.




Cass Green foto.png


Sobre a autora:
Cass Green é uma autora bestseller internacional de thrillers psicológicos. Recebeu vários prémios literários como escritora de ficção para jovens adultos, assinando com o nome Caroline Green.

O seu primeiro thriller, The Woman Next Door, foi n.º 1 de vendas em e-book, e o segundo, A Casa na Floresta, foi bestseller do USA Today e do Sunday Times.

Cass Green é jornalista há mais de 20 anos, tendo colaborado com vários jornais e revistas. Vive atualmente em Londres com a família.

Saiba mais sobre a autora em: www.cassgreen.co.uk