segunda-feira, 21 de outubro de 2019

No escuro - Cara Hunter [Opinião]

Título: No escuro
Autor: Cara Hunter
Editor: Porto Editora
N.º de Páginas: 368

Sinopse:
Uma mulher e uma criança são encontradas fechadas numa cave, em risco de vida.

Ninguém sabe quem são – a mulher não consegue falar e nenhuma descrição de pessoas desaparecidas corresponde aos perfis das vítimas. O proprietário da casa, velho e muito confuso, jura que nunca as viu.
À medida que a polícia desespera por pistas, o detetive Adam Fawley recorda-se de um caso antigo, nunca resolvido, que também envolveu uma criança e uma mulher desaparecida. Curiosamente, tudo se passou numa tranquila rua de Oxford. E os moradores estão em choque: como pode tal ter acontecido debaixo dos seus narizes? Mas Fawley sabe que nada é impossível. E ninguém é tão inocente como parece.

Da autora bestseller Cara Hunter, um romance profundamente inquietante que nos acelera o coração à medida que se revelam segredos há muito enterrados. Afinal, os piores monstros são os que se escondem à vista de todos.

A minha opinião: 
Depois de ter ficado impressionada com Perto de Casa fiquei em pulgas para ler o segundo livro de Cara Hunter. Parti para a sua leitura com elevadas expectativas, o que muitas vezes acaba por resultar numa autêntica desilusão. No entanto, No Escuro foi tão bom ou melhor ainda que o primeiro livro da série Adam Fawley.

Londres - uma das obras de restauração de uma casa vão pôr a descoberto uma cena macabra. Uma rapariga e um bebé estão sequestrados na casa ao lado onde vive um velho com Alzheimer.

A rapariga está em péssimas condições, desidratada, mas o bebé parece estar bem. A rapariga rejeita o filho e também ela mostra sinais de stress pós-traumático e não fala com ninguém.

O idoso, um reputado professor universitário, vive em péssimas condições de higiene e parece não se lembrar de nada. A polícia não consegue perceber como é que a jovem e o bebé foram parar à cave, suspeitando, numa primeira investigação, que o velho pode estar a mentir.

Como a rapariga não consegue falar, a polícia vê-se a braços com uma investigação difícil, mas à medida que o tempo avança vai-se criar um paralelismo com um caso anterior que nunca foi resolvido: uma jovem mãe desaparece deixando o seu filho, bebé, abandonado num parque. A mulher vivia numa rua perto de onde a rapariga está sequestrada. 

No Escuro remete para a história de Emma Donoghue, O Quarto de Jack, e é uma leitura absolutamente viciante. E tal como no anterior livro, Hunter vai surpreender o leitor até à última página. Quando pensamos que está tudo resolvido e que se achou o criminoso, ela dá a volta à história e deixa-nos boquiabertos e a falar sozinhos.

A par da história, muito bem escrita e fundamentada, vamos também lendo testemunhos de pessoas que também estão a acompanhar o caso, quer seja por emails trocados pela polícia, quer comentários nas redes sociais, quer notícias que vão surgindo nos jornais. Tudo isto vai dando mais realismo à história, tornando-a num livro excepcional.







 


domingo, 20 de outubro de 2019

O Castigo dos Ignorantes - Hjorth e Rosenfeldt [Opinião]

Título: O Castigo dos Ignorantes
Autor: Hjorth e Rosenfeldt
Editor: Suma de Letras
N.º de Páginas: 512

Sinopse:
O REGRESSO DE SEBASTIAN BERGMAN

A estrela de um reality show é encontrada morta numa escola, com um disparo na cabeça. Amarrado a uma cadeira de sala de aula, posicionado de frente para um canto, com orelhas-de-burro. Um exame longo, de várias páginas, pregado na parte de trás da cadeira. A julgar pelo número de respostas erradas, a vítima falhou no teste mais importante da sua vida.

Esta morte será o primeiro de uma série de assassinatos contra várias personalidades dos media e o Departamento de Investigação Criminal é chamado. Lutam para encontrar provas e finalmente Sebastian Bergman descobre pistas em chats e cartas anónimas publicadas em jornais. O autor das cartas opõe-se à falta de educação entre os modelos da nova geração e fala muito sobre os assassinatos. Sebastian desafia-o e fica claro que o seu oponente sem rosto tem informações sobre os assassinatos a que ninguém além da polícia —e do assassino —tem acesso.

Neste novo caso Sebastian Bergman e sua equipa enfrentam um serial killer complexo e tortuoso, que ameaça a própria existência da equipa.

A minha opinião: 
Neste novo livro da série Sebastian Bergman vamos deparar-nos com mais um assassino brutal com queda para "estrelas" em ascenção, oriundas de reality shows. Os crimes são caricatos, mas ao mesmo tempo intrigantes, porque junto às vítimas surgem umas orelhas de burro e um teste com várias perguntas de cultura geral, que depressa se percebe que não foram respondidas corretamente.
Ao que tudo indica, o assassino coloca-se no papel de apresentador de um programa de perguntas variadas e que põe à prova a vítima. Caso ela responda corretamente a uma percentagem considerável de perguntas será libertado, caso contrário morre com um tiro na cabeça.

Apesar de perceberem de imediato o modus operandi deste assassino impiedoso, a brigada de Riskmord, da qual Sebastian continua a fazer parte apesar de alguns dos elementos não se mostrarem muito contentes com tal facto, não entendem a origem de tal acto.

Ao longo da investigação vamos percebendo que a brigada continua firme, embora mostre algumas fragilidades de alguns membros, o que torna a série ainda mais interessante ara os fiéis seguidores. Obviamente que o crime é sempre a peça central do livro, mas a vida pessoal de cada um dos elementos da equipa é fundamental, tornando-se uma parte fulcral para o seguimento da série.

Sebastian continua a ser um elemento à parte da equipa, que só o chama porque necessita mesmo das capacidades dele. Devido à sua vida passada, com muitos traumas à mistura, Sebastian é persona non grata na equipa, provocando muitos dissabores à maior parte dos seus elementos. O que ninguém parece perceber é que ele próprio precisaria de acompanhamento de um especialista, e não críticas atrás de críticas, o que o torna apenas um tarado sexual e um ser completamente anti-social.

Relativamente a Vanja confesso esta personagem apenas me agradou no primeiro livro da série. A minha antipatia está a ser cada vez maior e parece que não vai descolar da imagem que tenho dela: menina mimada.

Já Billy continuará a ser uma verdadeira surpresa.

Relativamente ao caso criminal em si posso dizer que me arrebatou e me fez colocar também algumas perguntas. Será que o conhecimento de uma pessoa pode ser determinado por saber responder a um determinado rol de perguntas de cultura geral? E no que toca a conhecimentos específicos sobre determinada matéria também não faz dessa pessoa uma pessoa culta?

No campo dos influenciadores é importante destacar também os que vale a pena seguir e os que não têm interesse algum. Daí termos de distinguir o trigo do joio.

Um livro que nos coloca a reflectir sobre o que realmente interessa ver e seguir. O que o torna altamente recomendável. Um dos melhores do ano.








sábado, 19 de outubro de 2019

Minha Irmã Luísa Todi publicado a 8 de novembro pela Saída de Emergência

Título: Minha Irmã Luísa Todi
Autor: Maria Helena Ventura
Editor: Saída de Emergência
N.º de Páginas: 384

Sinopse:
Três anos antes do terramoto de 1755 nasceu em Setúbal uma jovem que iria, também ela, abalar a Europa: Luísa de Aguiar. Aos dez anos mudou-se para Lisboa, aos 14 estreou-se no palco e poucos anos depois casava-se com o napolitano Francesco Todi. Aos 24 anos abandonou Portugal, grávida do quarto filho, para começar uma carreira internacional em Londres. Nascia uma estrela, Luísa Todi, a maior cantora lírica do seu tempo. Com uma vontade indomável e o dom de despertar emoções com a voz, facilmente conquistou a capital inglesa. Logo de seguida foi a vez de Paris, prestes a mergulhar no terror da Revolução Francesa. O seu talento tornou-se lendário, conquistando eruditos, políticos e vários soberanos do seu tempo, bem como os palcos habituados à presença das maiores divas, como Espanha, Itália, Prússia, Áustria ou Alemanha. Gloriosos foram os três anos que passou na Rússia, onde privou com Catarina, a Grande, e dela recebeu muitos presentes.

Quando Luísa regressou a Portugal, para viver em paz depois de uma carreira gloriosa, o destino foi-lhe cruel. Primeiro as invasões francesas e depois as lutas liberais delapidaram muito do que acumulara. Ignorada pelos governantes do país e esquecida pelos seus compatriotas, a luz de Luísa Todi, que um dia iluminara toda a Europa, apagou-se em Lisboa, sem direito sequer a uma sepultura digna. Este é um romance histórico escrito com o rigor factual de uma biografia e o talento único de Maria Helena Ventura, autora de Afonso, o Conquistador e Onde Vais Isabel?


Novo livro de Robert Bryndza chega às livrarias a 8 de novembro

Título: Mistério em Nine Elms
Autor: Robert Bryndza
Editor: Alma dos Livros
N.º de Páginas: 360

Sinopse:
Kate Marshall era uma jovem e promissora detetive da polícia londrina quando apanhou o famoso assassino em série que operava na região de Nine Elms. Mas a sua maior vitória transformou-se de súbito num pesadelo devido a uma série de circunstâncias inesperadas. Traumatizada, traída e publicamente vilipendiada, Kate pouco pôde fazer enquanto via a sua carreira ser julgada na praça pública.

Mais de quinze anos passados desde esses acontecimentos, embora o seu tempo na polícia esteja ainda bem presente, vive agora uma vida tranquila numa cidade pacífica da costa inglesa. Um dia, porém, Kate recebe uma carta de alguém que faz parte do seu passado e é novamente lançada para a mente distorcida de um assassino que conhece demasiado bem, vendo-se envolvida nos meandros de um caso que só ela poderá resolver.

Com um talento invulgar para entrar na mente criminosa, Kate recorre às suas prodigiosas e há muito descuradas competências de investigadora para enfrentar um caso cujo sucesso promete redenção. Mas há demasiado em jogo: não é só Kate que quer apanhar o assassino… ele também a quer encontrar.

Um thriller brilhante, misterioso e inteligente.


O novo romance histórico de Tiago Rebelo está mesmo a chegar....



Título: «A Maldição do Marquês»
Autor: Tiago Rebelo
Editora: ASA
Data de publicação: 22 de outubro
N.º de Páginas: 576
PVP 18,90€

É com muito entusiasmo que divulgo esta novidade: «A Maldição do Marquês», o novo romance de Tiago Rebelo, que chega a 22 de outubro e que nos leva numa vertiginosa viagem pelo século XVIII, baseada em factos verídicos.

José Policarpo de Azevedo, criado de um dos fidalgos mais poderosos do reino, condiciona involuntariamente os mais dramáticos acontecimentos, que mudaram Portugal no século XVIII.

D. José reina, mas delega todas as decisões no omnipotente marquês de Pombal, que trava uma guerra de morte com a velha nobreza e os padres jesuítas.

O terramoto que arrasa Lisboa, a revolta dos índios brasileiros e o atentado contra o rei são oportunidades históricas aproveitadas com exímia mestria política pelo maquiavélico marquês de Pombal para ganhar definitivamente o poder.

Mas, a todo o momento, a obscura figura de José Policarpo de Azevedo intromete-se nos planos do homem forte do reino, que inicia uma longa e implacável perseguição para o capturar e executar.

O destino do único e misterioso sobrevivente do massacre dos Távora, mantido em segredo durante séculos, é finalmente revelado.

Baseado em factos verídicos «A Maldição do Marquês» é uma descrição imparável das intrigas palacianas e das lutas pelo poder; dos casamentos, das traições e das luxúrias na Corte de D. José; e também uma secreta e improvável história de amor capaz de sobreviver a todas as provações.

Com uma carreira literária de quase vinte anos, marcada por alguns dos títulos de maior êxito entre os autores portugueses deste século, Tiago Rebelo é um escritor de histórias empolgantes e de personagens consistentes e tocantes a que não se consegue ficar indiferente. Autor versátil, capaz de enveredar por diferentes géneros literários, regressa agora ao romance histórico com mais uma obra incontornável depois de sucessos como «O Tempo dos Amores Perfeitos», «O Último Ano em Luanda» e «Romance em Amesterdão», entre muitos outros . Os seus livros estão publicados em países como Angola, Moçambique, Brasil, Itália, Suíça, México, Argentina ou Roménia.

A par da actividade literária, Tiago Rebelo tem uma longa carreira no jornalismo.




«De Olhos Postos em Ti», de Mary Higgins Clark, chegou às livrarias dia 18 de outubro

Título: De Olhos Postos em Ti
Autor: Mary Higgins Clark
Género: Literatura / Thriller
Tradução: Ana Cunha Ribeiro
N.º de páginas: 256
PVP: € 16,60 |

O que sabemos realmente sobre aqueles em quem confiamos?
Lisboa, 17 de outubro de 2019 – De Mary Higgins Clark, chega-nos De Olhos Postos em Ti, um thriller repleto de suspense. Kerry Dowling, de 18 anos, é a protagonista desta história. Encontrada sem vida na piscina de casa, resta descobrir em que circunstâncias aconteceu esse momento trágico e, sobretudo, quem é o culpado da sua morte. Mary Higgins Clark conduz o enredo deste thriller com sábia mestria. Quando o leitor pensa que descobriu quem matou Kerry Dowling, é confrontado com novos dados que voltam a levantar a dúvida.

Sinopse:
Aos dezoito anos, o que queremos mesmo é divertir-nos: dançar, rir e namorar. Na ausência dos pais, Kerry Dowling aproveita para organizar uma grande festa em sua casa. Ao início da manhã seguinte, é encontrada sem vida, completamente vestida, no fundo da piscina da família.
Quando a hipótese de acidente é afastada, a família de Kerry tem de se confrontar com a forte possibilidade de ela ter sido morta por alguém do seu círculo mais próximo: o namorado com quem discutiu durante a festa? Jamie, o vizinho da família, que tinha no canto do quarto uma pilha de roupa molhada. Um dos seus colegas?
Aline, a sua irmã mais velha, que acaba de ser nomeada orientadora na Kerry High School, pode estar em melhor posição para descobrir a verdade. Se o fizer, corre risco de vida.
Sob uma tensão constante, da qual Mary Higgins Clark se encarrega, somos conduzidos através de um círculo macabro onde verdade e mentira andam de mãos dadas.

Sobre a autora:
Mary Higgins Clark é autora de mais de trinta romances que obtiveram um êxito assinalável, tendo vendido mais de 150 milhões de exemplares dos seus livros em todo o mundo. Foi secretária e hospedeira, mas depois de se casar dedicou-se à escrita. Com a morte prematura do marido, que a deixou com cinco filhos pequenos, a autora investiu na escrita de guiões para rádio e, depois, nos romances. Rapidamente se tornou um dos grandes nomes da literatura de suspense, conquistando os tops de vendas, a crítica e os fãs. Foi eleita Grand Master dos Edgar Awards 2000 pela Mystery Writers of America, que também lançou um prémio anual com o seu nome. Já foi presidente da Mystery Writers of America, bem como do International Crime Congress.



Porto Editora publica novo livro de Dorothy Koomson: Conta-me o teu segredo

Novo livro de Dorothy Koomson chega às livrarias a 26 de outubro.

Conta-me o teu segredo é o livro mais recente da autora bestseller Dorothy Koomson e é publicado pela Porto Editora no próximo dia 26 de outubro. Em registo de thriller, a britânica transporta os leitores para uma paisagem que já lhes é familiar: Brighton.

Nesta pacata cidade do sul da Inglaterra, três histórias cruzam-se. A história de Pieta, jornalista, sequestrada pelo autointitulado O Assassino da Venda – que prometeu que lhe pouparia a vida se mantivesse os olhos fechados e o sequestro um segredo – e de Jody, polícia, que cometeu um erro terrível permitindo que este assassino em série pudesse continuar em liberdade.

Ao conhecer o segredo de Pieta, Jody descobre que pode haver uma maneira de entregar, finalmente, este homicida à justiça. Mas isso implicará quebrar o silêncio. Um silêncio que pode colocar vidas em risco.

Ao explorar a história de Jody e Pieta, Dorothy Koomson mostra como os efeitos destes crimes se enraízam e espalham, acabando por enevoar a vivência da comunidade. É neste contexto que a autora procura também fazer compreender o que é ser vítima e sobrevivente nos dias de hoje.

Em 2006, A filha da minha melhor amiga entrou na casa dos leitores portugueses (e vai já na 20.ª edição) e desde então a Porto Editora tem vindo a publicar toda a obra de Dorothy Koomson. O sucesso em Portugal é parte do prestígio internacional desta autora, que conta com mais de 2 milhões de exemplares de livros vendidos em todo o mundo, com edições em 30 línguas.

Sobre o livro: 
Pieta tem um segredo
Há 10 anos, Pieta foi raptada por um homem que se autointitulava O Assassino da Venda, e que prometeu não a matar se mantivesse os olhos fechados por 48 horas. Pieta nunca contou a ninguém o que lhe aconteceu, decidindo seguir com a sua vida como se nada se tivesse passado. Mas quando O Assassino da Venda começa a perseguir as vítimas sobreviventes, Pieta percebe que terá de revelar o seu segredo para salvar a própria vida…

Jody tem um segredo
Há 15 anos, Jody, polícia, cometeu um erro terrível que permitiu que o criminoso em série conhecido como O Assassino da Venda escapasse em liberdade. Quando Jody descobre que a jornalista Pieta sobreviveu a um ataque desse mesmo homem, percebe que talvez tenha encontrado uma forma de o apanhar. Mas essa decisão poderá colocar a vida de duas pessoas inocentes em risco…

Pieta e Jody mantiveram o silêncio para se protegerem. Se o revelarem agora, estarão a salvar ou a sacrificar alguém?

Sobre a autora:
Dorothy Koomson
Traduzida em 30 línguas e com mais de 2 milhões de livros vendidos em todo o mundo, Dorothy Koomson é hoje uma das maiores referências do romance feminino.
Ao livro mais emblemático – A filha da minha melhor amiga – seguiram-se outros sucessos que a tornaram uma das autoras preferidas dos leitores portugueses.


Mortina, a divertida menina morta-viva, está de volta em «Mortina e o Primo Odioso»

Título: Mortina e o primo odioso
Género: Literatura / Infantil
Nº de páginas: 48
PVP: 9,90 €
Tradução: Susana Ferreira

Mortina e o Primo Odioso marca o regresso das aventuras da divertida menina morta-viva que conquistou os leitores mais jovens de todo o mundo, em Mortina – Uma História de Morrer a Rir. Acompanhada do seu melhor amigo Tristonho – um galgo albino –, da tia Falecida e de todos os seus amigos humanos, Mortina enfrenta agora a visita inesperada do seu odioso primo Dário e, ao mesmo tempo, o desaparecimento da tia Falecida. Estarão estes dois acontecimentos relacionados?
Neste novo capítulo, Barbara Cantini aprofunda o mundo de Mortina, no qual entram novos elementos: a história de um primo desagradável e de um misterioso desaparecimento é servida aos jovens leitores de maneira lúdica, com magníficas ilustrações de página inteira e ainda ilustrações divididas em sequências diferentes que escondem pequenos segredos. Mortina e o Primo Odioso é um livro com um toque criminal e muito humor suculento, que a Bertrand Editora publica em Portugal a 18 de outubro.
«Com um ar aristocrático, o Dário pediu um sumo de abóbora morno, numa chávena grande, com três pedaços de gengibre cristalizado e uma pitada de ovos de aranha. Por aquela altura, o entusiasmo da Mortina desaparecera por completo. Depois de o servir, retirou-se e foi à procura da tia, decidida a protestar por ela ter convidado aquele primo tão chato.»

Sinopse:
A Mortina e o seu melhor amigo, um galgo albino chamado Tristonho, vivem com a tia Falecida, no Casarão Decadente. Certo dia, algo de muito estranho acontece: os amigos da Mortina, que vivem na aldeia, aparecem no casarão depois de receberem um misterioso convite e, ao mesmo tempo, a tia Falecida desaparece sem deixar rasto. Isto terá alguma coisa que ver com a chegada do odioso primo Dário? Depois do sucesso internacional de Mortina, traduzido para treze línguas, chega uma nova aventura da menina morta-viva que vos fará morrer a rir.

Sobre a autora:
Barbara Cantini nasceu na cidade de Florença, em 1977. Depois de se licenciar em Cinema de Animação, trabalhou como animadora de desenhos animados em diversas séries televisivas para o canal italiano RAI, até 2011, altura em que recebeu o prémio de Ilustrador do Ano, da Città del Sole. Agora dedica-se a tempo inteiro à ilustração, colaborando com editoras americanas, inglesas e italianas. Vive no campo, na zona de Florença, com o marido, os dois filhos, três gatos e um intrépido hámster. Em 2017 publicou, pela editora Mondadori, o livro Mortina, o primeiro volume da série, que foi um sucesso internacional traduzido para treze línguas.


«The Testaments», o novo livro de Margaret Atwood, chega a Portugal no início de 2020

Livro que deu o Booker Prize à autora publicado pela Bertrand Editora

Publicada em inglês em setembro deste ano, a tão aguardada sequela de «A História de uma Serva» chega a Portugal em março de 2020. «The Testaments», de Margaret Atwood, acompanha a história de três personagens 15 anos depois do final do primeiro livro, através dos testemunhos por si deixados com as experiências vividas na República de Gilead.
A autora canadiana, uma das favoritas para o prémio de 2019, venceu o prémio de ficção inglesa Booker pela obra «The Testaments», no anúncio feito ontem mundialmente. Margaret Atwood torna se, agora, a quarta escritora a receber o prémio duas vezes.
Margaret Atwood nasceu em Ottawa em 1939. É a mais celebrada autora canadiana e publicou mais de quarenta livros, de ficção, poesia e ensaio. Recebeu diversos prémios literários ao longo da sua carreira, incluindo o Arthur C. Clarke, o Booker Prize, o Governor General’s Award e o Giller Prize, bem como o prémio para Excelência Literária do Sunday Times (Reino Unido), a Medalha de Honra para Literatura do National Arts Clube (EUA), o título de Chevalier de l’ Ordre des Artes e des Lettres (França) e foi a primeira vencedora do Prémio Literário de Londres.
Está traduzida para trinta e cinco línguas.


Sophia, a menina do mar, de Jorge Lima e Cristina Falcão | A vida de Sophia de Mello Breyner Andresen contada aos mais novos

Título: SOPHIA, A MENINA DO MAR
Autores: Jorge Lima e Cristina Facão
N.º de Páginas: 32
PVP: 12,90€

No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen é publicado o primeiro título de uma colecção de biografias com histórias de figuras - na sua versão infantil - que, com a sua determinação, marcaram e marcam gerações

A pequena Sophia ainda mal sabia ler e já tinha nela o anseio de escrever. Cresceu rodeada de histórias e imaginava que os poemas estavam apenas à espera de serem colhidos, como rosas num jardim. Maravilhada pela Natureza e, sobretudo, pelo mar, Sophia deixou transparecer nos seus livros a memória do que a fascinara na infância.

Deste sonho de criança viria a brotar um dos mais importantes nomes da literatura portuguesa. Defendendo sempre os valores da justiça e da liberdade, Sophia de Mello Breyner Andresen continua a inspirar gerações e a contagiar quem a lê com a magia das suas palavras.

Sobre os autores:
Jorge Lima (n. 1961) é tradutor, blogger e autor de Pensamentos do Dalai Lima.

Cristina Falcão nasceu no Lobito, em Angola, e chegou de barco a Lisboa.Estudou Ciências Sociais e navega entre a publicidade e a ilustração. Coleciona lápis, que usa sempre até ao fim, para escrever textos, para desenhar, para levar a imaginação a passear.




Seja Criativo e Viva Verde em 2020!

Caderno Criativo
N.º de Páginas: 240
PVP: 14,99€

Anda constantemente a correr de um lado para o outro?
Está sempre a pensar no que tem de fazer, sem tempo para si?
Neste caderno encontrará uma forma fácil e encantadora de parar, de se ligar ao mundo que o rodeia e de recuperar o fluxo criativo em poucos minutos, todos os dias.
É simples. Pegue numa caneta e desfrute de um ano de atenção plena!

Este adorável caderno ilustrado dá-lhe 365 sugestões para praticar o mindfulness a desenhar, a escrever, a brincar ou, simplesmente, a estar.
Este Caderno Criativo foca-se nos pequenos prazeres do dia a dia para atingir um ano de vida consciente e bem- -estar diário através da criatividade pessoal. Inclui sugestões que irão permitir lhe intensificar as suas meditações, libertar a sua imaginação e deixar fluir a sua criatividade. Um objeto indispensável para desfrutar melhor dos momentos preciosos que cada dia tem para oferecer

Sobre a autora: 
JOCELYN DE KWANT é uma jornalista e editora holandesa especializada em mindfulness. Colaborou com várias revistas, incluindo a premiada Flow, uma revista sobre criatividade e mindfulness.
Vive em Amesterdão com o marido, os dois filhos e o seu cão adotado, Bientot.
Saiba mais sobre a autora em jocelyndekwant.nl.


Viva Verde
N.º de Páginas: 160
PVP: 12,69€

Um guia para viver de forma mais consciente: compre menos, faça mais, queira menos, desfrute mais daquilo que já tem.
Viva Verde é uma compilação das mudanças que pode e deve fazer na sua casa e estilo de vida, com ideias viáveis, úteis e práticas para todas as pessoas, independentemente de onde vivem ou do que fazem.
Inclui 52 sugestões — uma para cada semana do ano — para todas as áreas da sua rotina, desde fazer os seus próprios produtos de limpeza, diminuir o uso de plástico, iniciar-se na cosmética natural, reduzir o seu guarda-roupa, e até celebrar o Natal de uma forma mais modesta e sustentável.
ADOTE UMA VIDA SIMPLES. VIVA VERDE.

Sobre a autora: 
Jen Chillingsworth é uma escritora e fotógrafa freelance britânica.
Trabalhou em gestão na área das artes antes de se dedicar à horticultura, onde descobriu o seu amor pelas plantas, flores, natureza e paisagem, e a importância de as preservar. Escreve regularmente no seu blogue sobre questões ecológicas, sobre a experiência de viver de forma mais vagarosa e simples, e sobre a necessidade de uma alimentação mais sazonal e sustentável.
Saiba mais sobre a autora em: www.little-birdie.com



Espionagem, amor, violência e vingança num poderoso romance que valoriza o papel das mulheres durante a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais


Inspirado numa rede de espionagem real, inteiramente composta por mulheres e que operou durante a Primeira Grande Guerra, Kate Quinn apresenta um romance histórico, detalhado e envolvente.

A 17 de outubro, a Porto Editora faz chegar às livrarias de todo o país A rede de Alice, de Kate Quinn e convida os leitores a viajarem no tempo para conhecerem uma história de mistério, amor e espionagem que atravessa as duas grandes guerras.

A rede de Alice é o nome da organização secreta a que pertence Eve, uma das protagonistas deste romance, e foi também o nome porque ficou conhecida uma rede de espias que existiu durante a I Guerra Mundial, liderada por Louise De Bettignies, que usava o pseudónimo Alice Dubois e dirigia mais de 100 mulheres que operaram nas imediações de Lille entre janeiro e setembro de 1915.

Kate Quinn apresenta um poderoso romance histórico sobre um tema pouco explorado: as mulheres espias que contribuíram para o desfecho das Primeira e Segunda Grandes Guerras. Com personagens cativantes e um enredo empolgante e com detalhes históricos irrepreensíveis – desde o papel e experiência da mulher na primeira metade do séc. XX ao horror das duas guerras mundiais – o livro convenceu os leitores norte-americanos, chegou a bestseller do New York Times e USA Today e integrou as listas de títulos de leitura obrigatória do Goodreads, do Reese Witherspoon Book Club ou do Library Journal.


“O enredo é perfeito, o ritmo é de tirar o fôlego e a narrativa é simultaneamente vivida e entrelaçada com a quantidade certa de detalhes.” – Bookpage

Sobre o livro: 
Duas mulheres invulgares numa jornada épica de coragem e libertação em tempos de guerra.
Trinta anos depois, atormentada pela traição que acabaria por ditar o fim da Rede de Alice, Eve passa os dias embriagada e isolada do mundo na sua decadente casa, em Londres. Até ao dia em que uma jovem americana lhe bate à porta e a recorda de um nome que Eve tudo tem feito para esquecer.

1947
No caótico pós-Segunda Guerra Mundial, a jovem americana Charlie St. Clair está grávida, solteira e a um passo de ser expulsa do seio da sua conservadora família. Mas Charlie está mais preocupada com o que terá acontecido à sua querida prima Rose, desaparecida em França durante a ocupação nazi. Por isso, quando os pais a mandam para a Europa para resolver o seu «Pequeno Problema», Charlie troca todas as voltas do previamente combinado e desembarca em Londres, determinada a descobrir a prima que adora como a uma irmã.

1915
Um ano depois do início da Primeira Guerra Mundial, Eve Gardiner deseja com todas as suas forças lutar contra os alemães, o que, inesperadamente, acabará por acontecer quando é recrutada para servir os interesses Aliados como espia. Enviada para uma zona ocupada de França, é treinada pela fascinante Lili, nome de código Alice, a rainha das espias, que lidera uma vasta rede de agentes secretas a operar mesmo debaixo do nariz do inimigo.




Sobre a autora: 
A autora bestseller de ficção histórica do New York Times e USA Today. Natural da Califórnia, frequentou a Universidade de Boston, onde obteve um diploma de bacharel e mestrado em Voz Clássica. É autora de quatro romances da série Imperatriz de Roma e dois títulos sobre o Renascimento italiano, antes de se dedicar a temas do século 20 com A Rede de Alice. Todos foram já publicados em vários países. Kate e seu marido vivem agora em Maryland com dois cães chamados Caesar e Calpurnia.


Ed. Fábula: A busca pela liberdade em «Doidão», de José Mauro de Vasconcelos

Uma história intensa e comovente, escrita com a mestria de José Mauro de Vasconcelos, um dos mais aclamados autores da literatura brasileira. Uma narrativa sobre coragem e autoconhecimento, num hino à liberdade, que conquistará leitores de todas as idades.

Doidão (ed. Fábula 
N.º de Páginas: 112 pp.
PVP: 12,69€ encerra a trilogia biográfica do autor, composta por O Meu Pé de Laranja Lima e Vamos Aquecer o Sol.




domingo, 13 de outubro de 2019

O Fantasma de Maddy Clare - Simone St. James [Opinião]

Título: O Fantasma de Maddy Clare
Autor: Simone St. James
Editor: TopSeller
N.º de Páginas: 320

Sinopse:
Londres, 1922
Sarah Piper é uma jovem solitária que vê a sua vida mudar quando uma agência de trabalho temporário a contrata para ajudar Alistair Gellis, um caçador de fantasmas. Alistair é um veterano da Primeira Guerra Mundial, rico, atraente e com uma grande obsessão pelo sobrenatural. Foi convocado para investigar e expulsar o fantasma de Maddy Clare, uma criada de 19 anos que assombra o estábulo onde alegadamente se suicidou.

Como Maddy se recusa a interagir com homens, caberá a Sarah a difícil tarefa de a enfrentar. Para isso, contará com o apoio de Alistair e do seu enigmático assistente, Matthew Ryder. Em pouco tempo, os três veem-se perante uma missão perigosa, pois o fantasma de Maddy é real, está zangado e tem poderes que desafiam toda a razão.

Conseguirão eles descobrir quem era Maddy, de onde veio e o que estará a impulsionar o seu desejo de vingança, antes que ela os destrua a todos?

A minha opinião: 
Sarah Piper é uma jovem desesperada à procura de trabalho. Depois de ficar sem emprego como secretária, decide responder a um anúncio um pouco estranho que a vai levar a uma pequena localidade. Sarah vai ser assistente de Alistair, e juntos vão tentar caçar o fantasma de Maddy Clare uma criada de 19 anos que, pouco tempo após ter sido acolhida por uma família, se suicida no estábulo da casa onde vive. 

Desde essa altura a vida da proprietária daquela casa nunca mais será a mesma e esta vive completamente assustada com o fantasma de Maddy que parece não querer sair dali. 

Este vai ser um enorme desafio para Sarah, que parece não ter estofo para aquela enorme tarefa.
Veterano da Primeira Guerra Mundial, Alistair Gellis é também um destemido caçador de fantasmas e escritor proeminente. O facto de este fantasma em particular "exigir" a presença de um elemento feminino vai fazer com que este tenha de colocar um anúncio e a escolha de Sarah é instantânea. O que Sarah desconhece é que ao aceitar o emprego vai ter de viajar para um lugarejo e que terá de se envolver na investigação de um caso estranho. O que se terá passado com Maddy Clare para que tenha resultado no seu suicídio? E porque é que o seu espírito teima em não abandonar o estábulo onde terminou com a vida terrena? O facto de querer "sociabilizar" com uma mulher criou logo uma suspeita de que Maddy terá sido abusada sexualmente por um ou mais homens, mas pouco mais suspeitei. 

O livro passado nos anos 20 mostra uma localidade sombria, com personagens peculiares e intrigantes que me fascinaram bastante. Gostei imenso de Sarah, uma jovem que, apesar das adversidades da vida, não cruza os braços e aceita um emprego que vai superar todos os seus medo. A entrada de Ryder na narrativa vai apimentar um pouco o livro, embora a relação que vai surgir entre ambos não enriqueça o livro como gostaria que acontecesse. Alistair é um homem forte e íntegro que me agradou bastante conhecer. 

O Fantasma de Maddy Clare veio consolidar o que já tinha achado do primeiro livro de Simone St. James, As Raparigas Perdidas, a primeira leitura deste ano: uma autora a seguir.