sábado, 27 de agosto de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade Clube do Autor: Inseparável de Kate Hamer

Título: Inseparável
Autor: Kate Hamer
Editor: Clube do Autor
Páginas: 392

Bastam apenas alguns segundos de distração para Carmel desaparecer da vista da mãe. É assim que começa a história de Inseparável, a sensação literária do momento, um thriller muito aplaudido pelos leitores e pela crítica internacional. 
O que terá acontecido à menina? Poderá ela ser encontrada e resgatada antes de se esquecer da sua antiga vida? Página após página, são as respostas a estas perguntas que os leitores procuram. 
Narrado a duas vozes, a da criança, a da criança desaparecida e a da mãe que se recusa a aceitar que perdeu a filha para sempre, o romance de estreia de Kate Hamer mantém a incerteza e o leitor presos até ao fim. "É frenético", diz quem já leu no Goodreads. Dia 1, dia 7, dia 5, dia 100, a mãe conta os dias desde o desaparecimento da filha e o leitor também. Juntos partilham preocupações, dúvidas, medo e esperança. 
Finalista de dois importantes prémios literários - e também já se fala num filme - Inseparável alcançou rapidamente o top dos livros mais vendidos em vários países.

Sinopse:
Carmel é uma menina que está desaparecida. Mas não sabe que está perdida.

Depois do divórcio, Beth vive um medo constante. Acima de tudo, receia que a filha de oito anos, Carmel, com tendência para se furtar à vigilância maternal, possa desaparecer. Um dia, com efeito, o seu pior receio concretiza-se. Um sábado, numa manhã de nevoeiro, Beth leva a filha a um festival infantil ao ar livre, separam-se por breves instantes e Carmel nunca mais torna a ser vista. Vestindo o casaco vermelho de que tanto gosta e que a transforma ao mesmo tempo numa mancha reconhecível e num alvo fácil de identificar, Carmel acaba por cair nas mãos de um homem que lhe diz ser o avô há muito desaparecido. Não tendo outro remédio senão ficar entregue à sua nova família, a menina apercebe-se, à medida que os dias se transformam em semanas e meses, de que o avô possui um dom muito especial... Destroçada, Beth empreende uma busca desesperada e solitária, nunca perdendo a fé no reencontro. Carmel, por seu turno, empreende também uma estranha e angustiante viagem, que a obriga a recorrer a todo o engenho que a caracteriza desde pequena, a fim de manter sempre na sua mente (e na memória) a imagem da mãe.

Alternando entre a história de Beth e o relato de Carmel, numa prosa apaixonante e que nos deixa em suspenso até ao fim, Inseparável é um romance inesquecível.

CRÍTICAS DE IMPRENSA
«Este primeiro romance tem a impetuosidade de um thriller intenso.» People

«O romance de estreia de Kate Hamer pode ser a narrativa mais original desde que Ian McEwan escreveu A Criança no Tempo... Este livro único e cativante possui uma qualidade quase surreal e característica dos contos de fada.» Sunday Express

«Este romance integra uma série de primeiras obras de grande qualidade.» Observer

«Uma estreia espetacular... As trajetórias das duas figuras centrais – através do desespero, da esperança e da redenção – revelam-se credíveis e possuem vários matizes, dando origem a uma leitura moralmente complexa e inesquecível.» Publishers Weekly

«Um romance que mantém o leitor completamente preso à leitura... e acordado.» Financial Times

«Contada nas vozes de mãe e filha, que lutam desesperadamente para suportar o sentimento de perda causado pela brusca separação, a história está muito bem escrita, fazendo com que o leitor não consiga pôr o livro de lado até chegar ao fim.» 5 estrelas, Daily Express

«Veementemente recomendado, este romance gira em torna da história do desaparecimento de uma menina de oito anos e das tentativas feitas pela mãe para a encontrar.» The Guardian

Sobre a autora:
Kate Hamer nasceu em Inglaterra e cresceu no País de Gales. Trabalhou durante dez anos na rádio e na televisão, a fazer documentários. Em 2011, a sua história «One Summer» conquistou o prémio Rhys Davies para o melhor conto. Inseparável, o romance de estreia, fez parte dos finalistas dos prémios Dagger Award e Costa Book Award, ambos na categoria de primeira obra, e foi traduzido para dezasseis línguas. Atualmente, a escritora vive e trabalha no País de Gales. 



quinta-feira, 25 de agosto de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Viagem Literária chega ao destino em Viana do Castelo

18 meses de viagem a Portugal terminam no dia 24 de setembro, no Teatro Sá de Miranda, com Manuel Jorge Marmelo e Richard Zimler
No próximo dia 24 de setembro, a Viagem Literária chega a Viana do Castelo para a sua derradeira paragem. Naquela que será a 18.ª etapa deste festival literário itinerante, o Teatro Municipal Sá de Miranda recebe Manuel Jorge Marmelo e Richard Zimler, a partir das 21:30.
18 meses e 18 cidades depois, chega ao fim uma grande viagem a Portugal, feita por escritores e leitores em torno dos livros. Este festival literário por etapas, ou por capítulos, juntou mais de 4000 espectadores, lotou teatro municipais de várias cidades, e levou a todo o país grande escritores: romancistas, poetas, jovens, consagrados, portugueses e estrangeiros. A partir das 21:30, neste evento de entrada gratuita (sujeita a levantamento prévio ou reserva de bilhete) o jornalista João Paulo Sacadura conduz uma conversa de 90 minutos entre os dois convidados. Pelo caminho, a conversa segue pelas mais recentes obras dos autores (como Macaco Infinito, de Manuel Jorge Marmelo) e pelos seus percursos biográficos e literários. No final, há ainda espaço para questões do público e, depois de terminada a conversa, para a habitual sessão de autógrafos e contacto mais direto entre os escritores e os leitores.
Participaram na Viagem Literária: Luis Sepúlveda, Valter Hugo Mãe, Laurentino Gomes, Richard Zimler, Francisco José Viegas, José Rentes de Carvalho, José Paulo Cavalcanti Filho, José Eduardo Agualusa, Rosa Montero, Teolinda Gersão, Pilar del Río, José Luís Peixoto, Mário de Carvalho, Sérgio Godinho, Bruno Vieira Amaral, Gonçalo M. Tavares, José Tolentino Mendonça, Pedro Vieira, Álvaro Magalhães, Maria do Rosário Pedreira, Alberto S. Santos e Manuel Jorge Marmelo.
Manuel Jorge Marmelo nasceu em 1971, no Porto. Foi jornalista de 1989 a 2012. Estreou-se na literatura em 1996 com o livro O Homem Que Julgou Morrer de Amor. Os mais de vinte títulos que tem publicados incluem romances, crónicas, livros infantis e contos, tendo conquistado, em 2005, o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco com O Silêncio de Um Homem Só. É autor de, entre outros, O Amor É para Os Parvos, Aonde o Vento Me Levar, As Mulheres Deviam Vir com Livro de Instruções, As Sereias do Mindelo, Uma Mentira Mil Vezes Repetida (Prémio Correntes d’Escritas), Somos Todos Um Bocado Ciganos e O Tempo Morto É Um Bom Lugar – todos publicados pela Quetzal.
Richard Zimler nasceu em 1956, em Roslyn Heights, um subúrbio de Nova Iorque. Fez um bacharelato em Religião Comparada na Duke University e um mestrado em Jornalismo na Stanford University.
Trabalhou como jornalista durante oito anos, principalmente na região de São Francisco, nos EUA. Em 1990 veio viver para o Porto, onde lecionou Jornalismo, primeiro na Escola Superior de Jornalismo e depois na Universidade do Porto. Atualmente, tem dupla nacionalidade: americana e portuguesa. Desde 1996, publicou dez romances, uma coletânea de contos e dois livros para crianças.
Na estrada desde 25 de Abril de 2015, a Viagem Literária completa agora o seu percurso de mais de 1500 km nas estradas de Portugal Continental e de 2 deslocações às Regiões Autónomas para grandes sessões no Funchal e em Ponta Delgada. Termina assim a Viagem que foi percorrendo o país à boleia dos livros e da literatura, cumprindo a sua missão de levar os escritores ao encontro dos seus leitores, contribuindo para a descentralização e democratização do acesso à cultura.
A Viagem Literária tem espaços próprios de contacto com o grande público: no site da Porto Editora, no Facebook e no Instagram.


Nota de Despedida é obra de estreia de Dany Cruz

Título: Nota de Despedida
Autor: Dany Cruz
Data de publicação: Agosto de 2016
Número de páginas: 194
Colecção: Viagens na Ficção
Género: Ficção

Sinopse
Com a leitura de Nota de Despedida, o leitor perceberá que cada situação é deliberadamente aproveitada para tecer uma crítica a alguns temas da sociedade contemporânea e para descrever o equilíbrio e dinamismo das relações entre todos os intervenientes, movidos pelos traços únicos das suas personalidades, o que dá origem a uma trama dramática que envolve as personagens.

Assim, com a escrita desta obra, o autor fez por construir uma ponte privilegiada com o leitor e tentou criar uma discussão à volta de assuntos ainda um pouco tabu e cada vez mais recorrentes, como é o caso da depressão e do suicídio.

Sobre o autor:
Dany Cruz nasceu a 21 de junho de 1996, no Luxemburgo, filho de pais emigrantes. Atualmente, ainda estudante universitário, leva consigo todas as semanas, na sua mala, uma paixão pela escrita e pela medicina. O autor, apesar de estudar fora, diz levar sempre Barcelos no coração, terra que o viu crescer e tornar-se quem é hoje.

Em 2015, nas suas inúmeras viagens semanais entre Barcelos e Covilhã, atreve-se a começar a redigir as primeiras linhas e, em 2016, revela-se ao público com a obra Nota de Despedida.

terça-feira, 23 de agosto de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

CAPITÃES DA AREIA, de JORGE AMADO, com prefácio de José Carlos Vasconcelos (Livros RTP)

CAPITÃES DA AREIA, de JORGE AMADO, com prefácio de José Carlos Vasconcelos é o 5º livro da Coleção Essencial – Livros RTP

Chega esta semana às livrarias portuguesas o romance CAPITÃES DA AREIA, de JORGE AMADO, com prefácio de José Carlos Vasconcelos. Trata-se do quinto livro da Coleção Essencial - Livros RTP que, em edição de capa dura, será disponibilizado aos leitores pelo preço de 10 euros.

Nesta história crua e comovente, Jorge Amado descreve, em páginas carregadas de uma beleza, dramatismo e lirismo poucas vezes igualados na literatura universal, a vida de um grupo de meninos de rua da Bahia, na década de 1930. Divididas entre a inocência da infância e a crueza do universo adulto, as crianças têm de lidar com um quotidiano ao mesmo tempo livre e vulnerável, revelando um desamparo e uma fragilidade que, em muitos aspectos, permanecem actuais.

Capitães da Areia é o livro de Jorge Amado mais vendido em todo o mundo.

Publicado em 1937, teve a sua primeira edição apreendida e queimada em praça pública pelas autoridades do Estado Novo. De nada adiantou.

Quando pôde voltar à cena, Capitães da Areia conquistou o grande público e é ainda hoje um dos maiores sucessos do autor.

Prefaciado por José Carlos Vasconcelos

Sobre o autor
Jorge Amado (1912-2001), baiano de Itabuna, é um dos mais importantes escritores brasileiros do século XX e um dos mais difundidos em todo o mundo. Os seus romances estão traduzido em dezenas de línguas e foram adaptados para cinema, teatro e televisão. Entre eles destacam-se Mar Morto, Capitães da Areia, Tenda dos Milagres, Dona Flor e Seus Dois Maridos, Tereza Batista Cansada de Guerra, Tieta do Agreste e Gabriela, Cravo e Canela. Exímio contador de histórias e senhor de uma escrita de grande força dramática e lírica, as personagens dos seus romances são hoje figuras inesquecíveis.

Sobre a Coleção

A “Coleção Essencial - Livros RTP” é um projeto cultural concebido pela RTP em parceria com a LeYa e que consiste na publicação de um conjunto de obras de ficção de autores de língua portuguesa e de outras línguas. O objetivo desta iniciativa é a promoção do gosto pela leitura através da descoberta (ou redescoberta) de alguns dos autores mais relevantes do século XX, colocando à disposição do público, por um preço reduzido (10 euros) e ao ritmo de um título por mês, algumas das obras-primas da literatura contemporânea, com prefácios assinados por destacadas personalidades da cultura. A curadoria da coleção é de Zeferino Coelho, um dos mais considerados editores do mundo de língua portuguesa, editor da Caminho, integrada na LeYa. No âmbito desta coleção está prevista a publicação de 25 livros.






Primeira novidade da rentrée literária da Saída de Emergência

Título: Os Quatro Canto do Império 
Autor: André Canhoto Costa
Coleção: HPR
Género: Romance Histórico
Páginas: 272
PVP: 16,60€

 ARGUMENTOS DE VENDA
• Lançamento com apresentação por Rui Tavares
• Novo romance da Coleção da História de Portugal em Romances
• Viagem pelos vários territórios portugueses durante o período da expansão
Para os leitores de: José R. Santos, Pedro Almeida Vieira, Miguel Real, Sónia Louro, Eduardo Roca, Renato Fontinha, Maria Helena Ventura

Indicado para os fãs de:
Romance histórico, História de Portugal

O século XV está a chegar ao fim. As cidades de Portugal fervilham de comércio, e por todo o lado, rugem as serras dos construtores navais.
Esta é a história de Lopo, um jovem pastor, com gosto simples e pensamento rápido. A sua felicidade está em levar as cabras ao monte e correr na praia com Guiomar, filha de um Conde. Lopo e Guiomar andam sempre na companhia do Latido, um magnífico cão de água.
Até ao dia em que um capitão de caravela, ao regressar da Guiné, é recompensado pelo pai de Guiomar com a oferta do Latido. A perda do animal tira à jovem a vontade de viver. E Lopo decide seguir esse capitão para recuperar o cão e, com ele, o sorriso de Guiomar.
Da cidade de Lagos à praça de Ceuta, das praias de Calecute às florestas do Brasil, Lopo visita os quatro cantos do império, arrastado pela navegação oceânica, pelos desígnios dos almirantes, os caprichos dos capitães e os sonhos do rei de Portugal.
Depois do cárcere e da traição, da violência dos mamelucos e voluptuosidade dos hindus, da sobriedade dos nómadas e pureza canibal dos índios… será que Lopo regressará a Portugal?
E o que aconteceu com o Latido?

Sobre o autor:
André Canhoto Costa nasceu em Oeiras a 17 de outubro de 1978. Estudou Artes no Liceu de Oeiras,
onde frequentou a pequena e confortável biblioteca. Após dois anos no curso de História da Universidade de Évora, regressou a Lisboa para concluir os estudos na FCSH da UNL e o Doutoramento em História Económica no ISEG da UL. Gosta de futebol e de livros.


Guerra e Paz: Um mergulho fascinante na vida e obra de Mário Moniz Pereira, o Senhor Atletismo

Título: Moniz Pereira, Vida e Obra do Senhor Atletismo
Autor: 
Fernando Correia
N.º de páginas: 232 páginas + 8 a cores
PVP: 17,00 €
Não Ficção/Biografia/Desporto
Nas livrarias a 24 de Agosto
Guerra e Paz Editores

Sinopse:
UM MERGULHO FASCINANTE NA VIDA E OBRA DE MÁRIO MONIZ PEREIRA, O SENHOR ATLETISMO

Uma biografia feita pelo jornalista e escritor Fernando Correia em diálogo com o professor Moniz Pereira. Este livro é o resultado da profunda amizade que existia e há-de continuar a existir entre o biografado e o autor do livro. É encantador ler as histórias que Moniz Pereira escreveu na primeira pessoa e que dão nota do seu humor, da grande paixão pela vida e por todos aqueles que estavam à sua volta, provando que a solidariedade não é uma palavra vã. Mário Moniz Pereira fala com franqueza, no seu tom vivo e divertido, comunicando neste livro o entusiasmo pelo desporto – pelo seu atletismo, mas também por outras modalidades, futebol incluído –, pela música e pela cultura. E lembra a todos que há segredos para quem quer ser atleta de qualidade. Três segredos, na verdade: treinar, treinar e treinar! Sempre com o objectivo de demonstrar que para se ter sorte é necessário trabalhar muito. Este livro é um hino à vida e ao desporto.

Sobre o autor:
Fernando Correia. Jornalista, comentador de rádio e televisão, professor, nasceu em 1935 e dividiu a sua infância entre a Mouraria, o Alto de Santo Amaro e São Domingos de Benfica. Entrou para a Emissora Nacional em 1958. Trabalhou depois na RDP, Rádio Clube Português, Rádio Comercial e TSF. Foi director do Diário Desportivo e redactor e colaborador dos jornais Record, A Capital, O Diário, Gazeta dos Desportos, Jornal de Notícias e Diário Popular. Actualmente colabora na Rádio Amália e é comentador residente da TVI. Sportinguista assumido, colabora com a Sporting TV, depois de ter sido director adjunto e director do jornal do clube. É casado, pai de cinco filhos e avô de dez netos. Nascido num dia quente de Verão, é Caranguejo de signo. É autor de Piso 3, Quarto 313, e do romance O Homem Que Não Tinha Idade, editados pela Guerra e Paz.




«O MILAGRE DE TERESA», do padre e teológo João Carlos Almeida, sobre Madre Teresa de Calcutá, canonizada a 4 de Setembro

Título: O Milagre de Teresa
Autor: Padre João Carlos Almeida
N.º de Páginas: 192 
PVP: 13,50€
Nas livrarias a partir de 24 de Agosto
Madre Teresa de Calcutá é um ícone que transcende religiões.
Os seus feitos são reconhecidos pelos maiores líderes mundiais; a sua influência foi distinguida com o Prémio Nobel da Paz em 1979.
Madre Teresa será canonizada dia 4 de Setembro
Falecida em 1997, a «santa das sarjetas» foi beatificada pelo papa João Paulo II em 2003.
Faltava um milagre para que pudesse receber o mais alto grau de reconhecimento da Igreja Católica: a canonização.
Esse milagre aconteceu no Brasil.
No dia 9 de Dezembro de 2008, um doente com vários abcessos no cérebro e hidrocefalia acordou do  coma diante do médico que estava prestes a operá-lo.
Enquanto isso, a sua mulher pedia, rezando com ardente fé, a intervenção de Madre Teresa de Calcutá. A cirurgia não chegou a acontecer e o paciente ficou completamente curado.

Após vários anos de investigação, a Santa Sé reconheceu tratar-se de um verdadeiro milagre.
Este livro, que possui Nihil Obstat – aprovação da Igreja Católica para publicações –, conta a história do milagre e, a partir de informações inéditas, revela os impressionantes detalhes de uma inspiradora história de fé e devoção.

João Carlos Almeida, padre e teólogo, entrevistou o neurologista que tratava o doente e iria operá-lo, assim como outros médicos que confirmam a inexplicabilidade científica do caso, e ainda falou com um outro clínico que participou no processo de consulta da Santa Sé para a confirmação do milagre.

Sobre o autor
João Carlos Almeida, mais conhecido como Padre Joãozinho, scj, nasceu em 1964 na cidade de Brusque, Santa Catarina, no Brasil.
É sacerdote católico, membro da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus (os Dehonianos).
É também licenciado em Estudos Sociais, pós-graduado em psicopedagogia, e doutorado em Educação, Teologia Sistemática e Teologia Espiritual.
É professor universitário nas áreas de Teologia, Filosofia da Educação e Sociologia. Autor de várias canções e cantor, já lançou mais de 20 discos.
Tem mais de 50 mil seguidores no Twitter e é presença regular em diversos meios de comunicação brasileiros, sobretudo canais de televisão.
Tem cerca de 40 livros publicados
Mais informações sobre o autor em: www.padrejoaozinhoscj.com.br



terça-feira, 16 de agosto de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Porto Editora publica biografia oficial dos GNR

Em 2016, os GNR celebram 35 anos de carreira e assinalam este marco com o lançamento, no dia 20 de setembro, de uma biografia oficial sobre a longa carreira de referência em Portugal.
Da autoria de Hugo Torres (jornalista do Público), o livro mostra tudo sobre a história daquela que é uma das mais originais, relevantes e irreverentes bandas portuguesas das últimas quatro décadas.
Para apresentar a obra, e também no dia 20 de setembro, Tóli César Machado, Rui Reininho e Jorge Romão sobem, pela primeira vez, ao palco da Sala Suggia, na Casa da Música, referência incontornável da cultura da cidade na qual a banda nasceu.
O evento de lançamento da biografia dos GNR, tal como a própria banda, será totalmente inovador e marcante. Nesta apresentação, o livro serve de base a uma entrevista – realizada ao vivo com os três elementos dos GNR e conduzida pelo apresentador Pedro Fernandes – que percorre os momentos mais relevantes no percurso do Grupo Novo Rock.
Uma noite irrepetível, de celebração, confissões, afetos e partilhas deve ser acompanhada de música. Assim, criando o ritmo certo para a conversa, a banda do Porto apresenta, ao vivo, quatro temas – um por cada década de história – e ainda uma surpresa de aniversário.
O evento de lançamento da biografia dos GNR é aberto ao público. Os bilhetes custam 10€ e estão disponíveis a partir de 16 de agosto, na Casa da Música.


Do artesanato para o livro: “As Contadeiras de Histórias” de Sofia Paulino

Título: As Contadeiras de Histórias 
Autor: Sofia Paulino 
Coleção: Contadeiras de Histórias 
N.º de páginas: 32 
PVP: €14.00

São poucas as bibliotecas, livrarias com oferta de artesanato ou feiras dedicadas às artes que não ouviram ainda falar das “Contadeiras de Histórias”, criadas por Sofia Paulino.

Peças únicas que têm como conceito o mundo dos livros e da leitura, e como prioridade a utilização de materiais reutilizáveis, as “Contadeiras” são já conhecidas e aclamadas em todo o país e também no estrangeiro.
Um artesanato de autor conceptual que passa agora (e finalmente) para livro ilustrado e que irá agradar a todas as idades; desde os mais novos, cujo contacto manual com as peças e sua construção através dos ateliers efetuados em várias bibliotecas e escolas do país, até aos adultos, que as vêm colecionando ao longo dos anos.

Sobre a autora:
Sofia Paulino, nascida e criada em pleno Alentejo sentiu-se, desde sempre, desperta para as artes, desde a ilustração ao artesanato, onde foi pontualmente mostrando aquilo que gostava de fazer. Influenciada pela envolvência tradicional explorou sempre este recurso. Trabalhou numa olaria, na parte da pintura das peças, mas acabou por se formar em Estratégia e Gestão Turísticas. Não seguindo este caminho, mudou-se do Alto para o Baixo Alentejo, onde criou o seu próprio negócio com o seu companheiro: uma Livraria. E mais tarde uma Editora. Este contacto com os livros, e com o mundo literário, de escritores e ilustradores, estimulou ainda mais o seu gosto pela ilustração e pelas artes. Sempre na procura de algo concreto, explorou todo o tipo de materiais. Tudo era possível e a livraria fornecia recursos inesgotáveis. Material supostamente inútil mas que veio dar origem ao seu projecto, CONTADEIRAS DE HISTÓRIAS.

Link de entrevista com a autora: http://www.tribunaalentejo.pt/tribuna/artigo/contadeiras-de-hist%C3%B3rias-made-alentejo

Link da página de facebook: https://www.facebook.com/contadeirasdehistorias/


ELSINORE - Bruce Springsteen partilha prefácio de «Born do Run» (Autobiografia)


segunda-feira, 15 de agosto de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Verdade Escondida - Mary Kubica [Opinião]

Título: Verdade Escondida
Autor: Mary Kubica
Editor: TopSeller
Páginas: 336

Sinopse:
NÃO IMPORTA O QUÃO RÁPIDO
CONSEGUIMOS CORRER…
O PASSADO ACABA SEMPRE
POR NOS ALCANÇAR.

Quinn Collins acorda e não encontra a amiga com quem partilha a casa na cidade de Chicago. O quarto dela tem a cama vazia e a janela aberta, e Quinn recorda-se vagamente de ter ouvido um rangido durante a noite. Esther Vaughan desapareceu sem deixar rasto. Entre os pertences da amiga encontra uma carta enigmática, assim como outros objetos que colocam em dúvida se Esther será a pessoa que Quinn julgava ser.
Entretanto, numa pequena cidade perto de Chicago, uma rapariga misteriosa aparece num café onde um jovem chamado Alex Gallo trabalha. Alex sente-se desde logo atraído por ela, mas acaba por descobrir algo obscuro e sinistro que porá em causa os seus sentimentos.
Enquanto Quinn continua em busca de respostas para o desaparecimento de Esther, e Alex tenta saber mais sobre a rapariga desconhecida, forma-se um enredo de ilusões que ameaça esconder uma dura e chocante verdade. Quem será aquela estranha rapariga?

A minha opinião: 
Depois de Vidas Roubadas, lido no final do ano passado, estava com grandes expectativas em relação a um novo livro de Mary Kubica. Vidas Roubadas foi um dos melhores livros lidos em 2015, o que me levou a ficar de olho na escritora norte-americana.
Mas Verdade Escondida revelou-se uma verdadeira desilusão.

Contada a duas vozes: Quinn companheira da desaparecida Esther, e Alex, jovem morador numa localidade pequena, depressa nos questionamos o que estas duas personagens poderão ter em comum para o desenrolar da história.

Quinn é uma rapariga despreocupada com a vida. Tem frequentes affairs, ganha um ordenado miserável, e cozinha muito mal. Vive com uma companheira de casa Esther, que facilmente se torna a sua melhor amiga. Depois de mais uma noite em bares, que resulta numa noite de sexo com uma desconhecido, Quinn vai ao quarto de Esther e percebe que a sua amiga não está em casa. Recorda que na noite anterior Esther estava um pouco em baixo e ao ver a janela do seu quarto aberta teme o pior. Participa o seu desaparecimento, mas ao não obter grandes resultados, decide fazer uma investigação pessoal. E descobre uma carta enigmática que a leva a questionar sobre a sua amiga e os segredos que ela esconde.

Do outro lado da narrativa aparece Alex, um jovem que trabalha num café/restaurante numa pequena cidade perto de Chicago onde não se passa nada. Até que numa manhã, entra no café uma rapariga, que desde logo o atrai.

Com pouco desenvolvimento até praticamente ao final do livro, vamos lendo o desenrolar da história sob o ponto de vista destas duas personagens. Mas nada de relevante advém daí, o que torna a leitura penosa, para quem deseja saber o final.

Para quem já leu os dois livros anteriores da escritora vai decepcionar-se com este, que não traz nada de novo.

Um bom final, mas a história não me agarrou.




Deixei-te Ir - Clare Mackintosh [Opinião]

Título: Deixei-te Ir
Autor: Clare Mackintosh
Páginas: 360

Sinopse:
Numa fração de segundos, um acidente trágico faz desabar o mundo de Jenna Gray, obrigando uma mãe a viver o seu pior pesadelo. Nada poderia ter feito para evitar esse acidente.
Ou poderia? Essa é a pergunta que a inquieta quando tenta deixar para trás tudo o que conhece, procurando um novo recomeço refugiada num chalé isolado na costa de Gales.

Também o detetive Ray Stevens, responsável pela investigação por este caso que procura a verdade, começa a ser consumido pela sua entrega ao mesmo, deixando a vida pessoal e profissional à beira do precipício.
À medida que o detetive e a sua equipa vão juntando as pontas do mistério, Jenny, lentamente, permite-se vislumbrar uma luz de esperança no futuro, o que lhe dá alguma segurança, mas é o passado que está prestes a apanhá-la, e as consequências serão devastadoras

A minha opinião: 
Deixei-te ir é um thriller psicológico daqueles que eu adoro ler. A morte de uma criança por atropelamento e a fuga do lugar do crime, vai levar a uma espiral de perguntas e contradições que vou adivinhando à medida que o livro caminha para o fim.

O detective Ray Stevens é responsável pela investigação, mas poucos meses depois a mesma chega a um impasse e é levado a desistir de procurar um culpado. No entanto, tanto ele como a colega Kate, não se resignam e querem encontrar, a todo o custo, o culpado, mesmo que para isso tenham de fazer horas extras. Isso poderá ter repercussões na vida familiar de Ray, que se recente com as ausências do detective.

Jenna é uma pessoa que facilmente gostamos. Apesar de pouco social, leva uma vida pacata, não se mete com ninguém, e faz da fotografia uma forma de vida. Mas os fantasmas que carrega levam-na a ser desconfiada por natureza e a não se entregar facilmente. Vive com a dor e a culpa o que a tornam numa pessoa bastante infeliz.

Estas três personagens são muito bem exploradas na primeira parte do livro, e de tal forma, que o mesmo se torna numa leitura chata e com pouca acção. Mas o fim da primeira parte revela que tudo pode mudar e que há que dar uma segunda oportunidade à leitura. E que segunda parte.

Aqui tudo se começa a desenrolar de uma forma vertiginosa, que nos faz voltar de novo ao início dos acontecimentos. Só aí percebemos porque é que Clare Mackintosh nos dá uma primeira parte tão descritiva, e aborrecida.
Com uma reviravolta impressionante, Deixei-te ir tornou-se um dos melhores livros que li este ano, dentro do género.  


Confissões - Kanae Minato [Opinião]

Título: Confissões
Autor:
Kanae Minato
N.º de Páginas: 214
PVP: 16,90€

Melhor thriller do ano para a Booklist e para o Wall Street Journal

Sinopse:
Os seus alunos assassinaram a sua filha.
Esta é a sua vingança.

Depois de um noivado que acaba em tragédia, tudo o que resta a Yuko Moriguchi é a sua filha, de quatro anos, Manami. Quando esta é encontrada afogada nas piscina da escola, Yuko decide aposentar-se. Mas, antes, deve dar uma última lição.

Um mês depois do sucedido, a professora Moriguchi, no seu discurso de despedida, acusa dois estudantes de matar a sua filha e anuncia a sua vingança pessoal, atroz e imediata, mas concebida de modo a que as devastadoras consequências ocorram lentamente, para que os jovens tenham tempo de se arrepender e passar o resto dos seus dias suportando o peso da culpa.

Confissões é um romance narrado a várias vozes, magistralmente construído, onde o suspense é mantido até ao fim, quando as diferentes peças se encaixam. Mas é também uma reflexão sobre o sistema educativo, os laços familiares, o comportamento humano, o amor e a vingança.

A minha opinião:
Livro de estreia de Kanae Minato, Confissões lê-se num ápice. Apesar da história estar praticamente esparramada na sinopse, a escritora japonesa consegue prender o leitor pela forma como escreve.

Yuko Moriguchi é mãe solteira de uma menina de quatro anos. A sua vida muda radicalmente quando Marami é encontrada, afogada, na piscina da escola. Aparentemente trata-se de um acidente, mas Yuko, professora naquela escola, descobre que a sua filha foi assassinada e acusa dois dos seus alunos do crime, começando aí uma vingança pessoal que terá consequências devastadoras para muitos dos seus alunos.

Narrado por diferentes vozes, quer do ponto de vista de Yuko, como de vários alunos, assim como da mãe de um deles, é um livro fundamentalmente sobre o crime, vingança e sobre o sistema educativo no Japão, assim como a lei da criminalidade juvenil que é muito permissivo no que toca aos crimes perpetrados por jovens.

É através das vozes de alguns dos intervenientes da história, que vamos tendo percepção do que realmente se passou no dia da morte da pequenita Marami. A identidade dos dois estudantes é revelada logo no início, mas apesar de ter pensado que a história ia perder o interesse, ganhou ainda mais.

A maldade de dois alunos de 13 anos é de tal forma descrita que causa arrepios ao leitor mais sensível. Se o início do livro revela, sob o olhar da mãe, uma crueldade atroz por parte de dois indivíduos que ainda agora acabaram de ser crianças, ao longo do livro e das diversas confissões, vamo-nos apercebendo que a crueldade inicial era ainda muito leve.

Confissões é um livro inquietante e com uma história magistral. As poucas páginas e a forma como está escrito fazem com que o leitor não queira deixar a leitura.
Excelente. Recomendo sem reservas.




quarta-feira, 10 de agosto de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novidade Marcador: A Terapeuta de Gaspar Hernàndez

Título: A Terapeuta 
Autor: Gaspar Hernàndez
Editora: Marcador
Nº de Páginas: 232
PVP: 17,50€
À venda a partir de 18 de Agosto

Hèctor Amat, um actor famoso que sofre de ataques de ansiedade, vê-se envolvido num terrível crime. Sem saber como, nem porquê, aparece num parque de estacionamento, junto de uma mulher assassinada. Por mais que se esforce para reconstruir os seus passos, não consegue lembrar-se do que aconteceu.
O tempo e a investigação não jogam a seu favor, por isso, Héctor decide pedir ajuda como derradeiro recurso para recuperar a memória. Visita então o consultório da psicóloga Eugénia Llort, a terapeuta que o atendeu depois do crime. Esta relação, num primeiro momento profissional, vai-se convertendo num relacionamento de dependência, que atingirá limites nada usuais. Para que Hèctor possa representar, a psicóloga vai todas as noites ao teatro onde ele interpreta Dick Diver, o protagonista de Terna É a Noite, tal como a sua personagem, um psicólogo que se apaixona por uma paciente, também ele acaba por se apaixonar perdidamente pelo terapeuta.

«Um excelente romance que aborda com sensibilidade e inteligência o problema do stresse e da ansiedade, um dos grandes desafios do mundo moderno.» Culturamas

Sobre o autor: 
GASPAR HERNÀNDEZ(1971), o mestre da divulgação psicológica em Espanha, é escritor e jornalista. Ganhou o Prémio Josep Pla com o romance El silencio (2009). Também publicou o ensaio jornalístico El oficio de vivir bien. Colaborou regularmente com os jornais El País, El Periódico de Catalunya e El Punt Avui. Na TV3, apresentou o programa Bricolage Emocional,e, na Catalaunya Ràdio, conduz actualmente L’ofici de viure (O ofício de viver), um programa sobre psicologia e espiritualidade, Prémio Ciutat de Barcelona, pela sua «inovação e rigor», segundo palavras do júri.



Novidade Suma de Letras: Cartas por um Sonho de Ángeles Doñate

Título: Cartas por um Sonho
Autor:
Ángeles Doñate
Editora: Suma de Letras
N.º de Páginas: 374
PVP: 17,50€

Um romance sobre o poder da amizade. Uma homenagem às cartas e ao seu poder transformador.

Sinopse:
O Inverno chega a Porvenir e traz com ele uma má notícia: a estação de correios vai fechar e o pessoal vai ser transferido para a cidade. Quem precisa de um carteiro num mundo onde já não se escrevem cartas? A comunicação virtual chegou às montanhas e até Sara, a única carteira da aldeia, tem um namorado virtual.

Rosa, vizinha e amiga de Sara, uma mulher de oitenta anos, vai arquitetar um plano para evitar que a carteira e os seus três filhos passem pelo sofrimento de se mudarem para a grande cidade. Vai criar uma corrente de cartas, em que todos os intervenientes são um elo muito importante, para provar que a estação de correios continua a ser muito importante para a aldeia.

Cartas Para um Sonho é um livro comovente, encantador e cheio de ternura, onde, através da corrente de cartas, vão desfilando personagens do quotidiano, todas elas com os seus sonhos, a sua história, mais ou menos triste, as suas frustrações.


Sobre a autora:

Ángeles Doñate nasceu em Barcelona e estudou Jornalismo.

A sua paixão pela palavra escrita e falada converteu-se em vocação e ofício. Trabalha como responsável de comunicação institucional em entidades sociais e educativas, para além de colaborar em jornais e revistas.

É autora de ensaios, de um livro de viagens e de alguns romances.