sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Novidade Presença: Vitória - A Jovem Rainha

Título: VITÓRIA - A jovem rainha
Autor: Daisy Goodwin
Coleção: Grandes Narrativas nº 671
Tema: Ficção e Literatura
Título Original: Victoria
Tradução: Maria Joao da Rocha Afonso
PVP: 20,90 €
N.º de Páginas: 424

Sinopse: 
A VIDA DA RAINHA VITÓRIA EM LIVRO
PELA CRIADORA DA SÉRIE DE TELEVISÃO, DAISY GOODWIN
Com apenas dezoito anos, Vitória torna-se rainha da mais poderosa nação do mundo. Mas será monarca de pleno direito ou uma marionete nas mãos da mãe e do sinistro Sir John Conroy?Conseguirá esta jovem frágil fazer-se respeitar por homens como o seu tio, o Duque de Cumberland, que consideram as mulheres demasiado histéricas para governarem? Todos querem vê-la casada, mas Vitória não tenciona casar por conveniência com o seu primo Alberto, um tímido devorador de livros, que nem sequer sabe dançar. Ela prefere reinar sozinha, apoiada pelo seu Primeiro-Ministro, Lord Melbourne, com idade suficiente para ser seu pai, mas o único que consegue fazê-la rir e que acredita que ela virá a ser uma grande rainha.

Sobre o autor: 
Daisy Goodwin nasceu no Reino Unido, em 1961. É uma especialista em temas do século XIX, sendo autora do argumento de Victoria, a série televisiva de grande audiência exibida em mais de 140 países. Como romancista, estreou-se com A Última Duquesa, após o que publicou The Fortune Hunter, obras que alcançaram grande sucesso internacional. Vitória - A jovem rainha é o seu terceiro romance, tendo-lhe granjeado rasgados elogios da crítica e dos leitores, e contando com direitos vendidos para publicação em 10 países. Daisy vive em Londres com o marido, as duas filhas e três cães.

Citações: 
«A pesquisa e a atenção ao detalhe, desde o protocolo ao vestuário, são irrepreensíveis e dão vida à rainha Vitória, uma figura histórica formidável.» Sunday Mirror
«Irresistível. Um romance histórico rico e apaixonante.» Publishers Weekly
«Daisy Goodwin consegue criar suspense a partir da vida íntima da rainha Vitória tal como esta se nos apresenta na sua correspondência e diários, e faz jus à inteligência e independência que fizeram dela uma das maiores monarcas da história.» The Times

Bestseller internacional sobre Vitória que, com apenas 18 anos, se tornou na rainha da mais poderosa nação do mundo. Autora do argumento de Victoria, a série televisiva de grande audiência, exibida em mais de 140 países, incluindo Portugal.

Mais informações no site da Presença aqui



terça-feira, 15 de agosto de 2017

Não me Apanhas - Lisa Gardner [Opinião]

Título: Não me apanhas
Autor: Lisa Gardner
PVP: 17,49€

Sinopse: 
Duas mulheres face a face. Qual delas é a vítima? Qual é a assassina?
A detetive D.D. Warren não se surpreende facilmente. Mas uma mulher junto ao local do crime que investiga faz-lhe uma proposta surpreendente. Charlene acredita piamente que vai ser assassinada dali a quatro dias e quer que seja a melhor detetive de Boston a dirigir a investigação sobre a sua própria morte. D.D. depressa percebe que não é uma vulgar vítima. Charlene não está disposta a desaparecer sem oferecer resistência − dispara, luta e corre melhor do que ninguém em Boston. O que leva à pergunta: Charlene é a próxima vítima ou a assassina? Ao tentar descobrir quem anda a matar pedófilos em Boston, D.D. estuda os homicídios das amigas de Charlene, esperando encontrar a resposta antes do próximo e sinistro dia 21 de janeiro. Charlene corre perigo ou guarda um segredo medonho que pode afinal ser a maior ameaça de todas?

A minha opinião: 
Sou fã confessa dos livros de Lisa Gardner e Tess Gerritsen, ambos publicados pelo Círculo de Leitores. Logo que saem tenho de os comprar no imediato. 

Sexto livro da série D. D Warren, Não me Apanhas talvez tenha sido o que mais me agradou. Com bastante suspense, uma personagem que não sabemos se será vítima ou a assassina até praticamente à última página, uma história bem conseguida, faz com este livro tenha sido uma excelente leitura de férias. 

Violência gera violência e no caso do assassino deste novo romance de Gardner isso é por demais evidente. O que nos transforma em maus da fita? Sim, porque qualquer um de nós é um potencial assassino, caso se despolete alguma coisa que nos faça fazer tal atrocidade. 

Charlenne é uma mulher misteriosa. Aparece junto à detective, numa cena de crime, para lhe pedir ajuda. A jovem deseja que seja a detective, e agora mãe, que investigue a sua morte, que terá lugar dali a quatro dias. Surpreendida com tal interpelação D. D. Warren vai investigar um pouco mais da vida de Charlenne e do porquê desta dizer que será assassinada no próximo dia 21 de janeiro. E o que descobre deixa-a muito intrigada. 

Paralelamente vamos também assistindo à investigação de um assassino em série que mata pedófilos. 
E é aterrador como é que eles conseguem chegar à fala com os miúdos. Ninguém está a salvo e mesmo as crianças que parecem estar mais protegidas e bem vigiadas não escapam. Dá muito que pensar. 

D. D. Warren está mais madura. Mostra ser a detective perspicaz de sempre, mas agora não vive apenas para a esquadra de polícia. O bebé que teve há duas semanas é a sua principal preocupação e o apoio de Jack é primordial. No entanto, a maternidade fez-lhe bem e regressou em força na investigação. 

De realçar o início do livro que me deixou arrepiada. A doença mental, caso não seja acompanhada devidamente, faz com que se comentam crimes e pequenos inocentes são claramente as vítimas mais frequentes.

Tudo reunido faz com que Não me Apanhas seja um livro que não se quer largar. Tem ingredientes mais que suficientes para prender o leitor, deixá-lo a pensar em diversas questões como o caso da pedofilia e da demência, da maternidade e do amor pela família e a amizade. Excelente! 



segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O Olhar da Mente - Hakan Nesser [Opinião]

Título: O Olhar da Mente
Autor: Hakan Nesser
Editor: TopSeller
N.º de Páginas: 272
Coleção: Inspetor Van Veeteren

Sinopse:
Por vezes, a verdade está mesmo à nossa frente.
Só a justiça é cega.
Uma manhã, o conceituado professor Janek Mitter acorda completamente desorientado no seu apartamento. Com a cabeça a latejar, sem se lembrar de nada da noite anterior, vagueia pela casa até encontrar a mulher, Eva Ringmar, morta na banheira. Apesar de Mitter ter chamado logo a polícia, é considerado o principal suspeito do crime.

Quando o experiente inspetor Van Veeteren é chamado para investigar o caso, duvida imediatamente da simplicidade do mesmo, mas Mitter acaba por ser julgado pelo homicídio da sua companheira e é condenado a cumprir pena num hospital psiquiátrico.

Quando, pouco tempo depois, o professor aparece assassinado no hospício, Van Veeteren reabre o caso e avança com uma investigação às duas mortes. Partindo de uma carta enviada por Mitter pouco tempo antes da sua morte, o inspetor entra numa aterradora viagem a um passado terrivelmente sombrio.

A minha opinião: 
Quando li a sinopse desejei ler, na hora, este livro. Não conhecia o autor Hakan Nesser, pelo que parti para a leitura de O Olhar da Mente completamente às cegas.  

Uma mulher morta na banheira da sua própria casa e o marido que não se lembra do que se passou naquela noite. Uma coisa é certa: ambos beberam em demasia e o álcool a mais poderá ter originado o crime, ou não. 



Janek Mitter, professor, e marido da vítima, é um homem bastante esquisito. Nada sabe do que se passou e parece ter perdido parte da memória já que não se consegue defender. Por isso mesmo é julgado e preso pelo crime que supostamente terá cometido. 

A investigação aguça-se quando o professor é também assassinado, no hospital psiquiátrico, o que faz com que Van Veeteren recomece a procura de quem está por detrás destas mortes. 

A ironia do inspector e a forma como investiga todas as cenas do crime meteram-me confusão e não gostei nem um pouco dele. Aliás, todas as personagens me pareceram sombrias demais e não criei empatia com qualquer uma delas. 

O que poderia ser um bom livro, para mim não passou disso, premissas e mais premissas que não se concretizaram.


O Casal do Lado - Shari Lapena [Opinião]

Título: O Casal do Lado
Autor:
Shari Lapena
Título Original: The Couple Next Door
Tradução: Maria João Lourenço
Colecção: Grandes Narrativas #664
PVP: 17,50€
N.º de Páginas: 296

Sinopse:
Cynthia disse a Anne que não levasse a filha Cora, a bebé de seis meses, para sua casa na noite do jantar para que ela e o marido Marco tinham sido convidados. Não era nada de pessoal. Ela simplesmente não suportava o choro de crianças. Marco não se opõe. Afinal, eles vivem no apartamento do lado. Têm consigo o intercomunicador e irão alternadamente, de meia em meia hora, ver como está a filha.
Cora dormia da última vez que Anne a tinha ido ver. Mas, ao subir as escadas da casa em silêncio, ela depara-se com a imagem que sempre a aterrorizou. A menina desapareceu. Anne nunca tivera de chamar a polícia, antes disso. Mas agora eles estão lá e quem sabe o que irão descobrir... do que seremos capazes, quando levados além dos nossos limites?

A minha opinião: 
Tudo aparentava que o jantar em casa dos vizinhos seria pacífico. Apesar de uma das condições para que o jantar fosse possível era que Cora, o bebé de Marco e Anne não estivesse presente, o jovem casal acaba por ceder até porque a casa deles é mesmo ali ao lado.

Como todos os bebés Cora chora, pode tornar-se "chata" e Cynthia odeia bebés. O problema é que a ama que costuma ficar a tomar conta da bebé fica impossibilitada de aceitar o trabalho e o casal não vê outro remédio senão deixar Cora sozinha em casa. Pensam que, pelo facto de ter apenas 6 meses e não conseguir deslocar-se sozinha, vai correr tudo bem. Levam o intercomunicador com eles para o jantar e revezam-se na vigilância da bebé de meia em meia hora.

Mas, quando decidem ir finalmente para casa, Anne e Marco descobrem que a sua filha tinha desaparecido. Mas como, se a casa não foi arrombada e não deram por nada? Chamam de imediato a polícia, que desconfia de todo aquele envolvimento e pelo facto de as provas serem escassas.



Ao longo da investigação vamos descobrindo os podres do casal, dos familiares e dos próprios vizinhos e todos podem estar envolvidos no rapto da bebé.

Mas, no fim de tudo, quem será o verdadeiro culpado?
Como mãe fui-me questionando, ao longo do livro, de como foi possível deixar um bebé sozinho, mesmo que para um simples jantar na casa ao lado. Se os vizinhos não queriam a presença do filho também não seriam merecedores do presença do casal, de quem diziam amigos.

A investigação vai deixar à tona o desespero dos pais pelo rapto da filha, que me causaram um misto de pena e revolta.

Marco mostrou-se um homem fraco, cujo desejo pela opulência e para mostrar aos sogros que também consegue ganhar dinheiro e ser bem sucedido o leva a cometer erros atrás de erros.

Anne parece ser uma mulher bastante frágil e influenciada pelo que os outros pensam dela. A amizade com a vizinha Cynthia começou a descambar desde o nascimento de Cora e a influência protectora dos pais levam a que a auto-estima dela esteja completamente em baixo.

Os pais de Anne são os típicos ricos. Vivem das aparências e julgam que o dinheiro pode comprar tudo.

Os vizinhos mostram, a cada dia que passa, serem cada vez mais estranhos.

O Casal do Lado mostrou-se ser uma excelente leitura em tempo de férias, mas pensei que seria mais surpreendida do que fui. Sahri Lapena poderia ter explorado ainda mais o casal, mas sobretudo os vizinhos que acabaram por ser relegados para segundo plano quando tudo começa com um convite deles para jantar.
No entanto, gostei da premissa do rapto, de sentir asfixia quando não sabia se a bebé seria encontrada ou não, se com vida ou morta e revolta com algumas decisões tomadas antes e depois do rapto de Cora.
Findo o balanço só posso recomendar a leitura.


sábado, 5 de agosto de 2017

Ela e Ele - Marc Levy [Opinião]

Título: Ela e Ele
Autor: Marc Levy
Editor: Bertrand Editora~
Páginas: 272

Sinopse:
Um site de encontros juntou-os. Não se tornaram amantes, mas amigos… e gostavam de continuar assim! Ela é atriz. Ele é escritor. Ela chama-se Mia. Ele chama-se Paul. Ela é inglesa. Ele é americano. Ela tem muito sucesso. Ele não tanto. Ela é, na verdade, uma estrela. Ele, contudo, não o sabe. Ela sente-se só. Ele também. Ela não se pode apaixonar. Ele também não. No seu novo romance, onde reencontramos os protagonistas de E Se Fosse Verdade…, Marc Levy leva-nos pelos caminhos de uma história de amor tão imprevisível quanto irresistível.

A minha opinião:
Talvez por ter lido E Se Fosse Verdade... há muitos anos não me lembrei de Paul, personagem integrante do romance de Marc Levy publicado em 2000 e lido por mim pelo ano 2008.

De facto, teria sido melhor ter começado por reler o livro anterior a este para aprofundar um pouco mais as personagens integrantes, mas levei este de férias e não me lembrei de levar também o anterior, apesar da referência na sinopse. Apesar disso, e mesmo não me recordando da história, não foi impedimento para entrar bem na vida de Paul e dos seus amigos, e de conhecer Mia, uma mulher deslumbrante, rica, famosa, mas infeliz no amor.

O último livro que li do autor francês foi A Estranha Viagem do Senhor Daldry foi em 2004 e uma completa desilusão, e confesso estar de pé atrás com este, apesar de, ao mesmo tempo, estar curiosa. portanto, uma mistura de sentimentos que me levou a ler este livro um pouco a medo.

Apesar de não ser uma verdadeira obra prima, gostei de regressar aos livros de Levy  e de gostar das histórias que ele sabe tão bem contar.

Paul é um homem cheio de problemas. A publicação do seu primeiro livro foi um sucesso tal que o fez sair do país natal e estabelecer-se em Paris, de forma anónima.

Mia é uma jovem actriz bastante conhecida, mas cujo casamento fracassou. Decide visitar uma amiga em Paris e afogar as mágoas.

 Ambos vão conhecer-se através de um site de encontros e tornam-se amigos. Daqueles amigos para a vida.

Ela e Ele é um romance leve, divertido, óptimo para ler na praia ou numa noite de verão. A história, embora não seja surpreendente, acaba por nos agarrar à história de Paul e Mia e a outras personagens secundárias que também me prenderam.





terça-feira, 1 de agosto de 2017

O Prodígio - Emma Donoghue [Opinião]

Título: O Prodígio
Autor:
Emma Donoghue
Tradução: Cláudia Ramos
Págs.: 328
Capa: mole com badanas
PVP: 17,70 €

Sinopse:
A jovem Anna recusa-se a comer e, apesar disso, sobrevive mês após mês, aparentemente sem graves consequências físicas. Um milagre, dizem.
Mas quando Lib, uma jovem e cética enfermeira, é contratada para vigiar a menina noite e dia, os acontecimentos seguem um diferente rumo: Anna começa a definhar perante a passividade de todos e a impotência de Lib. E assim se adensa o mistério à volta daquela pobre família de agricultores que parece envolta num cenário de mentiras, promessas e segredos.
Prisioneira da linguagem da fé, será Anna, afinal, vítima daqueles que mais ama?

A minha opinião: 
Completamente diferente do sucesso o Quarto de Jack (não li o livro, mas vi filme), Emma Donoghue regressa com mais um sucesso literário.

Se no primeiro livro publicado por cá a história era contemporânea, neste viajamos até ao século XIX, a uma família que vive numa localidade recôndita da Irlanda. Há ainda um denominador comum: ambos os livros são baseados em histórias verídicas.

Lib, enfermeira inglesa e discípula de Florence Nightingale, é solicitada para prestar serviço numa aldeia irlandesa, serviço esse que durará 15 dias.

Completamente alheia ao que vai encontrar, Lib vai relatando o que vai sentindo ao longo da viagem. O que vê não lhe agrada, quer o clima, quer a localidade, quer as pessoas. Lib sente-se completamente fora do seu meio.

Viúva, céptica em relação a todos os actos de fé, Lib vai encontrar uma família extremamente religiosa que acredita em milagres e que a sua única filha, consegue sobreviver sem comer. De facto, Anna recusa-se mesmo a comer, dizendo não ter necessidade de o fazer, e sobrevive há quatro meses nessa condição, desde o seu 11.º aniversário.

Porém, depois da chegada de Lib e de uma freira que também foi chamada para vigiar Anna, a jovem começa a definhar de dia para dia.

Anna aparenta ter menos idade, apresenta já marcas de uma pessoa que passa fome e Lib não acredita em milagres. Lib e a freira fazem turnos para vigiar Anna, mas o comportamento da própria família é suspeita.

Ao longo de toda a narrativa vamos tendo contacto com o que se passa com a jovem através dos relatos de Lib e do seu diário onde coloca todas as transformações do corpo de Anna.

Baseado em vários casos de virgens que faziam jejum, conhecido como Virgens Jejuadoras, Emma Donoghue cria uma história fascinante onde facilmente se cria empatia com as personagens principais, Lib e Anna.

Ao longo da história, sobretudo durante a Idade Média, ficaram conhecidas centenas de virgens que deixaram de comer para sofrer como Jesus Cristo. Santa Clara de Assis (1193-1253) e Santa Rosa de Lima (1586-1617) são disso exemplo. Atualmente essa doença é comummente conhecida como anorexia

Mais recente, no século XIX, Sara Jacobs teria um trágico fim. A jovem, conhecida por não comer, foi colocada, pelos seus pais, como atracção circense, que culminaria com a sua morte dois anos depois. O que nos remete para a história de Anna, que é em tudo semelhante.

Além da história central, Emma Donoghue mostra claramente tensão entre dois países que nunca se deram bem. A par disso, a diferença de religiões, católica e protestante, na forma de ver a fé e o fundamentalismo de algumas pessoas, sobretudo das menos letradas.

Dona de uma escrita ímpar que nos agarra à história de uma forma incrível, a juntar a isso uma capa lindíssima, só me resta desejar que não percam a oportunidade de ler este fantástico livro que me fez dar-lhe 5 estrelas no Goodreads e colocá-lo na minha lista de melhores livros lidos em 2017.





segunda-feira, 31 de julho de 2017

A estante está mais cheia #54

As férias significaram mais leituras, (tirei mesmo a barriga de misérias), mas também levou a que comprasse mais. Os imensos livros que li enquanto estava de férias fizeram lembrar-me os velhos tempos em que lia sem parar. Infelizmente agora leio menos, bem menos, e o tempo dispensado ao blogue também não tem sido muito. Resultado: fiquei com muitas opiniões em atraso, mas que serão feitas ao longo destas semanas.
Estes três livros da Bis foram comprados por causa de uma promoção da Wook. Na compra de três livros oferecia uma toalha. Não resisti. Para casa vieram bons títulos que espero ler muito em breve. Travessia de Verão de Truman Capote, O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá de Jorge Amado e A Morte de Carlos Gardel de António Lobo Antunes.
Como ainda tinha algum dinheiro na conta da Wook vieram para casa mais dois livros que tinha na wishlist: O longo inverno de Ruta Sepetys e Uma Punhalada no Escuro de Lawrence Block. Num alfarrabista comprei O Rapaz que Seguiu Ripley de Patrícia Highsmith, e Imaculada de Paula Lobato de Faria. Depois de tão boas críticas, não resisti a comprar Ao Fechar a Porta de B. A. Paris.  Já o li e foi uma leitura 5 estrelas. Em breve haverá opinião no blogue.
A par de O Principezinho, Alice no País das Maravilhas é o meu livro infantil preferido. Comprei esta edição especial que sai com a Visão.
Ainda comprei Uma Vida em Jogo de Harlan Coben, ganho num leilão e O Casal do Lado de Shari Lapena, mais um que me deixou curiosa assim que soube da novidade. Já o li, e em breve surgirá a opinião.
Da Chiado Editora chegou O 8.º Portal - A Profecia de Laura Guimarães, um livro que irei ler brevemente.  
O novo da Jodi Picoult, Terra de Espíritos, foi oferta da Bertrand Editora e é a minha leitura atual.  
Da Porto Editora chegou A Amiga, da Dorothy Koomson. Será a minha próxima leitura.
E, por último, do Clube do Autor, chegou A Ilha das Quatro Estações de Marta Coelho. 

sábado, 29 de julho de 2017

A Mulher do Camarote 10 - Ruth Ware.[Opinião]

Título: A Mulher do Camarote 10
Autor:
Ruth Ware.

Sinopse: 
Tudo começa com um convite inesperado para uma viagem de sonho. Lo Blacklock, jornalista, recebe um convite irrecusável: acompanhar a primeira viagem do cruzeiro de luxo Aurora Borealis. O serviço é exclusivo e a bordo estão vários empresários e pessoas influentes da sociedade. No entanto, a viagem ganha outros contornos para jornalista. Certa noite, testemunha aquilo que acredita ser um crime no camarote ao lado do seu.

Desesperada, denuncia o ocorrido aos responsável pela embarcação. Ninguém acredita na sua versão pois todos os passageiros continuam no navio. Blacklock decide investigar o crime por conta própria. Colocando a carreira e a própria vida em risco, ela não vai descansar enquanto não encontrar resposta para o mistério do camarote 10.

A minha opinião:
O nome Ruth Ware ficou conhecido entre nós por causa do primeiro livro Numa Floresta Muito Escura, que muito agradou aos seus leitores. Eu adorei o primeiro e ia com grandes expectativas para a leitura deste novo livro.

Ware continua a criar ambientes sombrios e misteriosos. Se no primeiro livro a história se centrava numa floresta, neste partimos para alto mar, completamente reféns dos convidados presentes no navio de luxo Aurora Borealis, sem qualquer ligação ao mundo exterior.

A autora volta assim a repetir a fórmula de "fechados para o mundo exterior" levando as personagens a mergulhar numa espiral de desconfiança com toda a gente, e ninguém parece estar a salvo.

Lo Blacklock, jornalista de uma revista que é convidada à última hora para viajar e fazer uma reportagem relativa ao novo navio de luxo de um magnata, vai ser a protagonista desta história. Sem querer é "testemunha" do que ela acha ter sido um assassinato e começa a fazer perguntas indesejáveis. 
Sem ter visto qualquer coisa, Lo apenas ouviu aquilo que achou ter sido um corpo a cair ao mar, mas não descansou enquanto não falou com todos presentes no navio, passageiros e tripulação.

Infelizmente ninguém acredita no que Lo diz, até porque no dia anterior a jovem e ingénua jornalista, tinha abusado da bebida na noite anterior, o que leva a que todos pensem que sofreu de alucinações.


De facto não é fácil acreditar numa pessoa tão frágil. Lo parece completamente deslocada daquele ambiente, e o seu problema com a bebida também não ajuda. A par disso sofre de paranóia fruto de uma depressão no passado, o que levou a que também eu chegasse a duvidar de tudo o que ela vivenciou enquanto hóspede do camarote ao lado do local onde se deu o suposto assassinato.

As restantes personagens são misteriosas q.b. o que leva a que tenha suspeitado de uns quantos e não ter adivinhado quem seria o assassino até este ser desvendado. 

Ruth Ware prova, mais uma vez, que esta fórmula resulta, prendendo tanto os seus leitores a este livro como com o primeiro, que já tinha feito sucesso. 
A Mulher do Camarote 10 foi uma agradável leitura pelo que só posso recomendar. 





terça-feira, 25 de julho de 2017

A Rapariga no Gelo- Robert Bryndza [Opinião]

Título: A Rapariga no Gelo
Autor:
Robert Bryndza
Título Original: The Girl On Ice
PVP: 17,45€
N.º de Páginas: 336

Sinopse:
Quando um rapaz descobre o corpo de uma mulher debaixo de uma espessa camada de gelo num parque do sul de Londres, a inspetora-chefe Erika Foster é imediatamente chamada para liderar a investigação. A vítima, uma jovem bela e rica da alta sociedade londrina, parecia ter a vida perfeita. No entanto, quando Erika começa a investigar o seu passado, vislumbra uma relação entre aquele homicídio e a morte de três prostitutas, encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, abandonadas nas águas geladas de outros lagos de Londres.

A sua última investigação deu para o torto, e agora Erika tem a carreira presa por um fio. Ao mesmo tempo que luta contra os seus demónios pessoais, enfrenta um assassino altamente mortífero e que se aproxima tanto mais dela quanto mais próxima ela está de expor ao mundo toda a verdade. Conseguirá Erika apanhar o assassino antes de ele escolher a próxima vítima?

A minha opinião:
A Rapariga no Gelo é o primeiro livro da série Erika Foster, que marcará para sempre a estreia de uma nova editora portuguesa, Alma dos Livros.

Neste primeiro livro da série, que espero ver continuada em breve, deparamo-nos com um assassinato atroz de uma rapariga de alta sociedade londrina.

Este crime marca o regresso da detective Erika, que tinha ficado afastada das investigações depois de um problema grave ocorrido no seu passado.

Mostrando que está em grande forma e lutando contra tudo e todos, a detective leva a investigação até ao fim, mesmo colocando em causa o seu futuro profissional. 

Fruto de um marketing promocional bastante eficaz, e de uma capa fantástica, A Rapariga no Gelo depressa captou o meu interesse, sobretudo quando li a sinopse e constatei que se iria tratar de uma história com assassinatos em série. De facto, a primeira vítima a aparecer foi uma rapariga rica, mas as restantes vítimas eram de um extracto social inferior.

Apesar de um pouco previsível, já que o assassino era fácil de descobrir, gostei bastante da história. De uma forma bem engendrada, Robert Bryndza imprimiu velocidade à narrativa, criando cenários interessantes e uma detective que me cativou desde o primeiro instante. 

A família rica, praticamente intransponível, revela ter mais segredos do que se imagina pode ser um pouco cliché, mas gostei da forma como a detective conseguiu entrar num mundo de corrupção e abuso de poder. 

A obra sai valorizada porque o autor coloca a narrativa igualmente do ponto de vista do assassino. Assim, o leitor consegue estar dentro do que ele vai pensando ao longo da investigação, permitindo-nos conhecer melhor o seu carácter. 

Uma leitura agradável, pelo que só posso recomendar. 










Novidade Pergaminho: «Treine o Seu Gato», para uma harmonia humano-felina

Título: Treine o seu Gato
Autor: John Bradshaw e Sarah Ellis
Género: Livro Prático
N.º de páginas: 360
PVP:€ 17,70

Já chegou às livrarias «Treine o Seu Gato», um guia prático dos especialistas em comportamento animal John Bradshaw e Sarah Ellis. Numa linguagem descomplicada, os autores desvendam curiosidades sobre o comportamento felino, bem como apresentam métodos para criar uma relação mais feliz entre dono e gato.
Bradshaw e Ellis explicam como funciona o fascinante universo dos gatos, desde como interpretam as informações até à forma como reagem a mudanças de ambientes. Apresentam também diversas técnicas para que humanos e gatos possam encarar descontraidamente situações quotidianas como tomar um comprimido, entrar na transportadora ou tomar banho.
Os autores procuram «mostrar como o treino pode melhorar não só a sua relação com o seu gato, como também a sensação de bem-estar do seu querido animal de estimação», desmistificando a ideia de que é impossível treinar um gato. «Treine o Seu Gato» permitirá compreender as singularidades destes companheiros e gerar uma convivência harmoniosa.
«O objetivo deste livro não é pôr o seu gato a fazer truques de circo, mas facilitar-lhe a vida quando tiver de fazer coisas a que os gatos normalmente resistem. As sugestões são geniais.» - The New York Times

Sinopse:
«Treinar um gato? Impossível! Afinal, toda a gente sabe que são os gatos que treinam os humanos… São malentendidos como este que afetam a qualidade de vida dos gatos e dos seus humanos. Os gatos domésticos podem ter uma vida bastante stressante: sendo naturalmente animais solitários e territoriais, veem-se a habitar espaços urbanos que partilham com uns estranhos gorilas ruidosos que, contudo, conseguem abrir latas… Convivem com bebés, cães, gatos, são levados a veterinários, escovados, alimentados – tudo comportamentos nada naturais para o animal. Treinar o seu gato é a melhor maneira de o ambientar à vida em conjunto com os estranhos bichos com que tem de partilhar a vida – nós! Cheio de conselhos muito práticos e explicações fascinantes do comportamento felino, Treine o Seu Gato é um guia indispensável para a harmonia humano-felina.»

Sobre a autora:
John Bradshaw dirige o instituto de Antrozoologia na Universidade de Bristol e é autor dos best- sellers internacionais Cat Sense e Dog Sense. Sarah Ellis é especialista em comportamento felino na International Cat Care e fellow da Universidade de Lincoln. Os autores foram consultores no célebre documentário A Vida Secreta dos Gatos, da BBC, que foi exibido internacionalmente. Ambos têm gatos – todos treinados e felizes.



segunda-feira, 24 de julho de 2017

Estou a Ver-Te - Clare Mackintosh [Opinião]

Título: Estou a Ver-Te
Autor:
Clare Mackintosh
Editor: Marcador
Páginas: 352

Sinopse:
Todas as manhãs, Zoe Walker faz o mesmo caminho para a estação de metro, espera no mesmo lugar da plataforma e escolhe o seu assento preferido na carruagem, sem nunca suspeitar que alguém a observa.

Durante uma dessas viagens, certo fim de tarde, enquanto lê o jornal local, Zoe vê a sua cara num dos anúncios: uma foto de má qualidade, um número de telefone e a morada de um website: FindTheOne.com (Encontra-a.com).

Nos dias seguintes, as fotografias de outras mulheres começam a aparecer no mesmo anúncio, e Zoe percebe que foram vítimas de crimes extremamente violentos, incluindo homicídio.

Com a ajuda de uma polícia determinada, Zoe procura saber o que está por trás daquele anúncio perverso, uma descoberta que vai transformar a sua paranoia em pânico total. Alguém anda a seguir todos os seus passos. E Zoe tem a certeza de que alguém próximo de si a escolheu como próximo alvo.

Um thriller obscuro, claustrofóbico e repleto de volte-faces.

A minha opinião:
Depois de Deixei-te ir, Clare Mackintosh, colocou a fasquia demasiado elevada para as próximas obras. O romance de estreia foi arrebatador, o que me deixou um pouco apreensiva em relação ao segundo livro, com medo de apanhar uma desilusão.

Felizmente não foi isso que sucedeu e vi-me embrenhada na narrativa de Estou a Ver-te da mesma forma que aquando da leitura do primeiro livro.

O tom de mistério implementado na primeira obra continua com este e isto é o que realmente faz com que goste já tanto desta escritora.

E este livro faz-nos pensar na nossa vida, muitas vezes rotineira, que pode fazer com que haja alguém a seguir os nossos passos e a observar-nos atentamente.


Clare Mackinstosh pega na vida rotineira de Zoe Walker e mostra-nos como podemos estar a ser observados por qualquer um, sem que nos apercebamos disso. Zoe levava uma vida comum a tantas outras. Acordava, apanhava o comboio para o trabalho numa outra cidade e, no fim do dia, regressava a casa. No entanto, o comboio que apanhava era sempre à mesma hora e tentava ir para a mesma carruagem e sentar-se no mesmo sítio. Até ser vítima de perseguição foi um passo.
Ao folhear um jornal dá de caras com a sua fotografia na secção de anúncios, uma fotografia que não sabe onde foi tirada e em que estava praticamente irreconhecível. Intrigada, Zoe decide investigar o porquê de aparecer no jornal e com que fim. Ao abrir o jornal no dia seguinte vê uma outra cara, mas o anúncio é o mesmo. O problema agrava-se quando uma dessas mulheres que aparece nos anúncios é assassinada, o que deixa Zoe cheia de medo.

O pânico é absoluto e Zoe não consegue confiar em ninguém, já que nem a própria polícia acredita na sua história.

Ao longo de 350 páginas, vamos acompanhando esta mulher, ao mesmo tempo que nos questionamos até que ponto podemos estar seguros, dentro das nossas rotinas e de toda a exposição da nossa vida, quer nas redes sociais, quer numa altura em que por questões de segurança mais parece vivermos num big brother.

A autora explora todas estas questões muito bem, fazendo com que a leitura deste livro se torne viciante. Muito bom.




sábado, 22 de julho de 2017

Passatempo Patrulha Pata

O Marcador de Livros vai ser um de dez blogues a oferecer um pack com 3 livros da Patrulha Pata.
São 10 packs no total, um por blogue/site.

Para tal, o participante terá de 
- Taggar a página Nuvem de Letras https://www.facebook.com/Nuvem-de-Letras-1540561426233771/?fref=ts
- Taggar 2 amigos nos comentários e fazer like na página do Marcador de Livros e na página Nuvem de Letras
- Participação até dia 31 de Julho


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Maresia e Fortuna, de Andreia Ferreira, é o mais recente romance publicado pela Coolbooks


Título: Maresia e Fortuna

Autor: Andreia Ferreira
Formato: e-wook / capa mole
N.º páginas: 318
PVP: 6,99€ / 16,60 €

Maresia e Fortuna, de Andreia Ferreira, é o mais recente romance publicado pela Coolbooks e está disponível a partir de hoje (em formato físico e digital), na livraria virtual Wook, na Bertrand.pt e no Espaço Professor da Porto Editora.
Foi por amor que Eduardo nasceu e cresceu junto de Adelaide, Francisco e Simão. Por amor viu descoberta a sua verdadeira história e identidade. Foi também por amor que se moldou e revoltou a vida da pacata vila piscatória de Apúlia e dos seus habitantes.
Numa trama que vive entre o presente e o passado, as relações humanas, carregadas de mentiras, segredos e crimes, expõem os pecados da condição humana num desenlace surpreendente.
A dicotomia entre a natureza e o homem, o puro e o impuro, o mar e a floresta são elementos que fazem a história de Maresia e Fortuna. Andreia Ferreira apresenta um romance moderno, revestido de elementos clássicos, onde o amor se confunde com a paixão e a
violência das relações humanas.

Sinopse: 
O que é o verdadeiro amor?
Para Eduardo, de 17 anos, é a mãe e o irmão mais velho, Simão. Este, porém, tem um segredo que o empurra para a bebida e Eduardo receia que o seu irmão se suicide, tal como o pai de ambos o fizera, dez anos antes.
Júlia acredita que passou ao lado de um grande amor. Em busca da verdade que mudará a sua vida, regressa à vila de Apúlia para reconstruir um passado de que não se consegue recordar.
O caminho desta mulher perturbada está prestes a cruzar-se com o de Eduardo, trazendo à tona segredos, paixões agressivas e remorsos intemporais, com consequências devastadoras sobre a vida da outrora pacata vila piscatória. Uma alegoria moderna de um clássico, onde os humanos se destroem sem precisarem de intervenção divina.

Sobre a autora: 
Nascida e criada em Braga, Andreia Ferreira orgulha-se muito do seu sotaque.
Escreve nos cafés, roubando histórias ao mundo de cada um para se inspirar.
Licenciou-se em Línguas e Literaturas Europeias, tem duas pós graduações e agora está a frequentar a licenciatura em Direito. É casada e tem um filho.
É autora da trilogia Soberba e administra o blogue “d311nh4” desde 2010.
Desde os 11 anos, abre o correio na expectativa de ter à sua espera uma carta para Hogwarts.



Novidade Topseller: Uma Perfeita Estranha

Depois de As Desaparecidas, Megan Miranda surpreende com uma nova história que deixará os leitores fascinados e agarrados até à última página.

«Megan Miranda prova, com este entusiasmante thriller, que não é autora de um único êxito. Vai deixar os fãs de suspense psicológico a virar as páginas, umas atrás das outras.» — Library Journal

«Os fãs de Megan Miranda devem celebrar, e os que ainda não o são devem começar a ler imediatamente.» — Seattle Book Mama

​Sinopse:​
Leah precisa de fugir

Leah levou demasiado longe o seu trabalho como jornalista ao publicar um artigo em que acusou um professor universitário de fornecer drogas aos alunos. Pensou que a verdade seria suficiente para resolver tudo. Estava enganada.

Emmy tem a solução

Graças à amiga Emmy, Leah consegue escapar ao escândalo, refugiando-se com ela numa pequena vila na Pensilvânia, longe de tudo, onde arranja um trabalho como professora. Infelizmente para Leah, ninguém é quem parece ser.

Mas o passado não pode ficar enterrado

Uma mulher incrivelmente parecida com Leah aparece morta nas margens do lago da vila. Uma carrinha é encontrada no fundo do lago. Emmy desaparece, sem deixar qualquer rasto, deixando a polícia a suspeitar que nunca terá existido, sequer. O que está, afinal, a acontecer?



Resultado de imagem para megan miranda

Sobre a autora:​
Megan Miranda é autora de livros de sucesso para jovens adultos, como Fracture, Hysteria, Vengeance e Soulprint. É licenciada em biologia pelo MIT e vive perto de Charlotte, no leste dos Estados Unidos, com o marido e os dois filhos.

Uma Perfeita Estranha é o seu segundo romance publicado pela Topseller, depois de As Desaparecidas, a sua estreia nos thrillers e na escrita para adultos.

Saiba mais em: www.meganmiranda.com


Tesouros da Literatura na Fábula, a nova chancela da 20|20 Editora


A Volta ao Mundo em 80 Dias, de Júlio Verne, Os Maias, de Eça de Queirós, Contos Maravilhosos, de Hans Christian Andersen, e As Aventuras de Pinóquio, de Carlo Collodi, são os primeiros lançamentos da coleção Tesouros da Literatura. Esta coleção é um dos projetos centrais da Fábula, a nova chancela infantojuvenil da 20|20 Editora.

Pensada para um público que procura qualidade literária, gráfica e didática, a Fábula publicará textos literários, álbuns ilustrados e livros de conhecimento e atividades para pequenos grandes leitores. Através da coleção Tesouros da Literatura a Fábula tornará acessível, em edições cuidadas, obras clássicas de autores nacionais e estrangeiros, de todos os géneros, com todos os estilos e para todas as idades.


Uma obra-prima da literatura portuguesa, que se tornou um clássico consagrado a nível mundial. Os Maias | 11,99€ | 640 pp

Pinóquio é uma das personagens mais célebres da literatura infantil e juvenil. As Aventuras de Pinóquio: História de um Boneco | 9,99€ | 224 pp

Uma obra imprescindível de Júlio Verne, um dos escritores mais traduzidos e admirados em todo o mundo. A Volta ao Mundo em 80 Dias | 11,99€ | 322 pp
Os contos de Hans Christian Andersen foram transmitidos de geração em geração, sem nunca perderem a sua magia e encanto. Contos Maravilhosos de Hans Christian Andersen | 8,99€ | 160 pp​