quarta-feira, 22 de maio de 2019

Traz-me de Volta - B. A. Paris [Opinião]

Título: Traz-me de Volta
Autor: B. A. Paris
N.º de Páginas: 264

Sinopse:
Ela desapareceu. Ele seguiu a sua vida. Muitos segredos ficaram por revelar.

Finn e Layla são jovens, estão apaixonados e têm a vida toda para serem felizes. Ao regressarem de umas férias em França, já de noite, Finn para numa estação de serviço, deixando Layla sozinha dentro do carro . Minutos depois, ao dirigir-se de volta à viatura, descobre que a namorada desapareceu. E nunca mais a viu . Esta é a história que Finn conta à polícia. É a verdade - mas será toda a verdade?

Passaram-se doze anos. Finn construiu, entretanto, uma nova vida ao lado de Ellen, irmã de Layla. Um dia, alguém que ele conhece do passado telefona-lhe e diz-lhe que viu Layla. Mas será mesmo ela - ou alguém a querer passar-se por ela? Se for Layla, o que querererá? E o que terá ela a dizer sobre a noite em que desapareceu? Um tour de force de suspense psicológico, este novo romance da autora bestseller B. A. Paris, leva o leitor a questionar tudo e todos até ao climax admirável.

A minha opinião: 
B. A. Paris cativou-me com o seu primeiro livro Ao Fechar a Porta e ainda hoje o recomendo a quem me pede um thriller que seja bom e ao mesmo tempo viciante. Daí ficar sempre muito curiosa quando um novo livro dela sai.

Neste terceiro livro B. A. Paris explora um triângulo amoroso protagonizado por Finn, Layla e Ellen. A história parte da noite de desaparecimento de Layla, em circunstâncias misteriosas, e do esforço incessante de Finn em querer encontrá-la. Acontece que Finn não conta tudo o que sabe à polícia e essa omissão vai persegui-lo para todo o sempre.

Doze anos depois, Finn tem uma vida completamente construída ao lado da irmã de Layla, Ellen. Até que um dia tudo muda novamente quando recebe uma chamada que o remete para o passado. 
E a partir dessa altura B. A. Paris vai repartindo a história entre o passado e o presente e, aos poucos, vamos percebendo o que se passou na noite do desaparecimento de Layla, mas também antes mesmo disso.

A autora continua a prender o leitor pela forma como escreve. No entanto, este terceiro livro não me encheu as medidas como quando li o primeiro. Se já o segundo deixou algumas pontas soltas e me deixou um pouco decepcionada, este também não me surpreendeu como queria.

Contado na primeira pessoa pela voz de Finn e, a certa altura, também por Layla, acompanhei a história com algum interesse para saber o que realmente se tinha passado para que a jovem tivesse desaparecido. No entanto, a certa altura e já um pouco cansada de ver demasiadas pistas que não levavam a lado nenhum, acabei por desiludir-me por completo com o desfecho do livro. Posso dizer que não estava nada à espera com o final da história, com o desenrolar de toda a narrativa, mas mesmo assim a autora não me deixou de boca aberta.



Freddie Mercury- Uma biografia ilustrada, de Alfonso Casas

Título: Freddie Mercury- Uma biografia
Autor: Alfonso Casas
Editora: Suma de Letras
N.º de Páginas: 144
PVP 17,70€

«Ele viveu a vida ao máximo. Devorou a vida. Celebrou cada minuto. E, como um grande cometa, deixou um rasto de luz que continuará a brilhar por muitas gerações.» Brian May

Sobre o livro:
Uma homenagem ao que a sua música e a sua pessoa significaram (e significam) para muitos, incluindo para aqueles que talvez não tenham nascido sendo já fãs dos Queen, mas o serão quando morrerem.

Sobre o autor:
As suas primeiras memórias são sempre com um lápis na mão e rodeado de comics. Embora tenha desenhado desde sempre, só depois de terminar os seus estudos de formação educacional decidiu mudar-se para Barcelona e apostar profissionalmente na ilustração.

Grande apaixonado por livros, o seu trabalho gira principalmente em torno do mundo editorial, embora tenha trabalhado como ilustrador em publicidade para diversas empresas (Nespresso, Mediaset, Toyota, El País…). É roteirista e ilustrador de vários comics, entre eles Amores minúsculos, que foi levado ao teatro, e o recente El final de todos os agostos (Lunwerg, 2017). Também é autor de vários livros, como Se (nti) mental (Lunwerg, 2015) e Freddie Mercury: Uma biografia.

http://www.alfonsocasas.com/

https://www.instagram.com/alfonsocasas/



Coolbooks: Há "Brincadeiras de irmãs" que escondem segredos obscuros

Título: Brincadeiras de irmãs
Autor:
Maria José da Silveira Núncio
Formato: e-wook / capa mole
N.º páginas: 160
PV: 4,99€ / 14,40€

Uma trama familiar que atravessa os corredores da política e mostra que há segredos escondidos em Brincadeiras de Irmãs, o novo romance de Maria José da Silveira Núncio já está disponível com o selo da Coolbooks.

Num estilo de escrita que classifica como obsessivo e que mantém o leitor absorvido até à última página, a autora parte da morte de um importante político para desvendar um passado marcado por segredos inconfessáveis, que condicionou as vidas das suas filhas, com consequências trágicas para toda a família.

Na área da ficção, Maria José da Silveira Núncio já romanceou as memórias e pensamentos de um escritor que sucumbe ao vazio criativo que se seguiu ao êxito da primeira obra, em Calor, e refletiu sobre a opressão exercida sobre as mulheres a quem a vida não apresenta escolhas e as condena ao silêncio, em O que se cala é como se não existisse. Já na não-ficção, dedica a maior parte da sua obra ao bem-estar familiar.

Em Brincadeiras de irmãs, realidade e fantasia cruzam-se e as questões da família assumem-se como protagonistas de uma obra crítica, pertinente e atual.

Sinopse: 
Partindo da morte de um antigo primeiro-ministro, figura prestigiada e reconhecida na sociedade, desvendam-se os segredos familiares que, em noites longas e corredores escuros, engendraram a complexa relação entre duas irmãs, presas numa teia de silêncios e entreditos, em que se confundem amor e raiva, medo e culpa, vingança e perdão.

Sobre a autora:
Maria José da Silveira Núncio é doutorada em Sociologia, professora universitária, mediadora e coach familiar. Interessa-se pelas famílias, pela promoção do seu bem-estar quotidiano e acredita que a satisfação e a realização individuais e familiares são fáceis de conseguir desde que se clarifiquem metas e estratégias a alcançar.
É autora de livros de autoajuda, de romances e de obras académicas e colabora regularmente com os meios de comunicação social na qualidade de especialista na área da família.
É casada, mãe de dois filhos e vive também a realidade de apoiar os seus pais.


A Floresta do Mal - M. J. Arlidge [Opinião]

Título: A Floresta do Mal
Autor: M. J. Arlidge
N.º de Páginas: 400

Sinopse:
Sem terem por onde fugir, ou um lugar onde se esconder, nem quem os ouça gritar.

Existe algo demoníaco na floresta. Primeiro, cavalos selvagens foram abatidos. Depois, mulheres e homens inocentes foram caçados e brutalmente assassinados por uma figura sem rosto. Perdidos na escuridão, tentaram fugir e esconder-se.

Em desespero, pediram ajuda, mas não havia ninguém para ouvir os seus gritos. Agora, a inspetora Helen Grace é chamada ao local dos crimes para enfrentar um novo pesadelo. Lá descobre corpos pendurados em árvores e perfurados por setas de besta. O que terá motivado estas execuções? Poderá ser um psicopata?

Ou serão estes corpos alguma espécie de oferenda à natureza?
Para descobrir a verdade por detrás deste caso desafiador e macabro, Helen Grace terá de enfrentar a mais profunda escuridão, numa verdadeira corrida contra o tempo para evitar mais mortes. Incluindo a sua.

A minha opinião: 
Os fãs de Arlidge deliraram com a chegada de mais um livro cuja protagonista Helen Grace é quase tão conhecida como o próprio autor.

Helen continua implacável e fria, cuja vida pessoal pode chocar os mais sensíveis. Porém, a cada livro que passa, vamos vendo uma Helen cada vez mais humana e com um coração mais aberto.

A Floresta do Mal é o oitavo livro da série de Helen Grace e não desilude quem esteve à espera dele. Com laivos de sobrenatural que em muito me fez lembrar os livros de Dolores Redondo, a história começa com o aparecimento de um corpo, que se vai descobrir ser de Tom, um rapaz perto dos 30 anos, que é encontrado pendurado no ramo de uma árvore.

A morbidez do crime afasta à partida a tese de suicídio, e faz com que os inspectores sintam horror pelo mal que fizeram à vítima.

Um parque de campismo, situado numa floresta, é o palco do crime e será também o palco para a investigação que parece não levar a lado nenhum. Até que outra vítima aparece sem que se consiga ver ligação entre os crimes, não fora o método utilizado em ambos.

Apesar de não ter sido o melhor livro que li de Arlidge, o autor continua a fazer bem o seu papel, dando bastante ritmo à narrativa e colocando o leitor em estado de choque com o carácter mórbido e atroz dos crimes.
Gostei imenso.




quinta-feira, 16 de maio de 2019

Não Desistas - Harlan Cober [Opinião]

Título: Não Desistas
Autor: Harlan Coben
N.º de Páginas: 288

Sinopse:
Neste impressionante novo thriller, Harlan Coben, no seu estilo inconfundível, explora os grandes segredos e as pequenas mentiras que podem destruir uma relação, uma família e até mesmo uma cidade.

Napoleon Nap Dumas, detetive na área de Nova Jérsia, é agora uma pessoa muito diferente do que era no final da adolescência quando Leo, seu irmão gémeo, e Diana, a namorada deste, foram encontrados mortos sobre uma linha férrea. Além disso, Maura, o amor da sua vida, rompera com ele, desaparecendo sem qualquer explicação. Durante 15 anos, Nap não desistiu de procurar Maura, nem de descobrir os motivos da morte do irmão.

Agora, parece que irá finalmente saber a verdade, Quando as impressões digitais de Maura aparecem no carro alugado de um suspeito de homicídio, Nap inicia uma investigação em busca de respostas que apenas o levarão a mais perguntas - sobre a jovem que ele amava, sobre os amigos de infância que julgava conhecer, sobre a base militar desativada nas redondezas do local onde cresceu e, em especial, sobre Leo e Diana - cujas mortes são mais obscuras e sinistras do que Nap alguma vez imaginou, 

A minha opinião: 
Nap vive ensombrado pelo passado. Há 15 anos o seu irmão gémeo, Leo, e a namorada deste, Diana, morreram trucidados por um comboio. A juntar a todo este sofrimento, a namorada Maura também desaparece sem deixar rasto nessa mesma noite. 

Maura foi o grande amor da vida de Nap, assim como Leo ter sido uma parte de si, pelo que o atual homem se sinta uma pessoa incompleta. Estes acontecimentos marcariam para sempre a sua vida, daí a sua vontade de se ter tornado polícia. 

Até que num dia, Rex, um amigo do tempo do secundário, e colega de Nap apesar de numa outra localidade, é assassinado. O motivo inicial não é conhecido, mas Nal é contactados pela polícia local por causa de umas impressões digitais que aparecem no carro de Rex: as impressões de Maura!

Esse facto desencadeia um rol de acontecimentos que deixam Nap cada vez mais intrigado. Será que o desaparecimento de Maura está relacionado com a morte do irmão?

Harlan Coben cria um detective atípico, atormentado pelo passado, cuja investigação que vai tendo em paralelo com outro polícia, seja tudo menos ético. 

No fundo, o que Nap pretende é chegar à verdade nem que para isso precise de perder o seu distintivo. 

Não Desistas percorre o passado de um grupo de miúdos do secundário em paralelo com o presente que pretende por a nu o que se passou há 15 anos, numa pacata localidade que foi albergue de uma base nuclear. 

Gostei imenso de voltar a ler Harlan Coben e este seu novo livro vem provar que o autor ainda continua a agarrar o leitor de forma a que ele não consiga largar o livro até saber o seu desfecho. Muito bom. 

Mais informações no site da Presença aqui





quarta-feira, 15 de maio de 2019

Acredita em mim, de JP Delaney | O novo thriller do autor de A rapariga de antes

Título: Acredita em mim
Autor: JP Delaney
Editora: Suma de Letras
N.º de Páginas: 424
PVP 18,90€

O novo e extraordinário thriller psicológico do autor do bestseller A RAPARIGA DE ANTES

Sobre o livro:
Claire Wright gosta de se pôr na pele de outras pessoas.

Mas quem é o isco… e quem é a presa?

Claire é uma inglesa estudante de teatro em Nova Iorque. Sem o green card, não tem outra saída senão aceitar o único emprego que consegue: trabalhar para uma firma de advogados especializados em casos de divórcio. A sua missão é fingir que é uma rapariga fácil, em bares de hotel, para desmascarar maridos infiéis.

Quando um dos seus alvos se transforma no objecto de uma investigação por assassinato, a Polícia pede a Claire que use todas as suas habilidades para ajudar a atrair o suspeito para uma confissão. Mas, desde o início, ela tem dúvidas. Patrick Fogler é realmente um assassino? Ou o único marido decente que conheceu? E… será que lhe estão a ocultar alguma informação relevante para o caso?

Depressa Claire percebe que está a desempenhar o papel mais perigoso da sua vida…

O que diz a crítica:
«Original, fora do comum, inteligente e divertido.» Sunday Times

«Um thriller sombrio e assombroso. Uma excelente evocação de emoções em conflito, que não nos permite adivinhar o que virá a seguir.» Daily Mail

«Um mistério obscuro e sensual.» Metro

«Uma leitura cativante que redefine o conceito de narrador pouco fiável.» Booklist

«Ritmo acelerado. Um romance sólido do bem-sucedido autor JP Delaney.» Library Journal

«Um thriller psicológico intenso e elegante.» Housekeeping

Sobre o autor:
JP Delaney, pseudónimo de um escritor de ficção de sucesso e director criativo numa das maiores agências de publicidade do Reino Unido, estreou-se nothriller psicológico com o bestseller internacional A rapariga de antes. Foi publicado em mais de 30 países, tendo alcançado grande sucesso em todos eles. O filme baseado nesse romance será levado ao grande ecrã pelo realizador Ron Howard (Apollo 13, Uma mente brilhante, O código Da Vinci,…).

Acredita em mim, o segundo thriller deste autor, alcançou os primeiros lugares nas listas de mais vendidos nos Estados Unidos e Inglaterra, os primeiros países onde o livro foi publicado.





terça-feira, 14 de maio de 2019

"Lazarus", o novo livro dos Lars Kepler dia 16 nas livrarias

Título: Lazarus
Autor: Lars Kepler
Tradutor: Regina Valente
Págs.: 528
PVP: 18,80 €

Chega esta quinta-feira, dia 16 de maio, às livrarias o mais recente livro dos Lars Kepler, Lazarus, o sétimo título da série protagonizada pelo inspetor Joona Linna que tem vindo a conquistar os leitores portugueses.
Como nos anteriores, este é um thriller negro, violento e emocionante, que este ano venceu, na Suécia, o Prémio Storytel para “Melhor Suspense”. Desta vez, o inspetor Joona Linna terá de lidar com o inesperado regresso de um homem que anseia por vingança.
Com mais de 10 milhões de exemplares vendidos em 33 países, Lars Kepler – a dupla composta por Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril – são hoje uma referência inquestionável na literatura nórdica policial, considerados os sucessores de Stieg Larsson.

Sinopse: 
Um homem é encontrado morto no seu apartamento em Oslo. Ao que tudo indica, a vítima era um desconhecido, saqueador de túmulos e colecionador de troféus. Aliás, quando a Polícia abre o frigorífico da cozinha, a perplexidade é total. Uns dias mais tarde, Joona Linna é contactado por uma inspetora da Polícia alemã no sentido de o ajudar com um homicídio perto de Rostock, e Joona reconhece de imediato um padrão que não pode ignorar.
Alguns chamariam milagre se alguém regressasse dos mortos – outros chamar-lhe-iam um pesadelo.
Lars Kepler, os mestres do thriller, estão de regresso, com o sétimo livro da série Joona Linna.

Sobre os autores: 
Lars Kepler é o pseudónimo de uma dupla de escritores de sucesso na Suécia: Alexander Ahndoril e Alexandra Coelho Ahndoril. O Hipnotista, primeiro volume da saga, alcançou um enorme sucesso internacional e foi adaptado ao cinema pela mão do realizador Lasse Hallström. Depois de seis volumes, chega agora Lazarus. Mais informações em www.larskepler.com


Novidades Topseller já nas livrarias

 Título: A Fábrica de Bonecas
Autor: Elizabeth Macneal
N.º de Páginas: 384

Sinopse:
Uma história inebriante sobre uma mulher que sonha ser artista e o homem cuja obsessão pode destruir o mundo dela para sempre.

Londres, 1850. O edifício que albergará a Grande Exposição está a ser construído em Hyde Park. No meio da multidão que ali se junta, duas pessoas encontram-se por mero acaso. Para Iris, uma aspirante a artista, aquele é apenas um encontro efémero, esquecido passados poucos segundos. Mas para Silas, um colecionador fascinado por coisas estranhas, aquele momento marca um novo começo…

Quando Iris é convidada a posar como modelo para Louis Frost, um pintor pré-rafaelita, ela aceita, com a condição de que Louis também a ensine a pintar. De súbito, o mundo de Iris transforma-se numa experiência dominada pelo amor e pela arte, indo além de tudo aquilo com que sempre sonhou.

Só que o mundo de Iris pode ruir a qualquer momento, pois Silas só consegue pensar numa coisa desde o primeiro encontro de ambos. E a sua obsessão torna-se cada vez mais sombria…



Título: Terra de Lobos
Autor: Tunde Farrand
N.º de Páginas: 352

Sinopse: 
Londres, 2050. A crise socioeconómica terminou e as políticas de incentivo ao consumismo não param de surgir.

Ser proprietário de terrenos fora da cidade é privilégio de uma elite, sendo que a restante população apenas obtém o seu Direito de Residência se o dinheiro que gastar for suficiente para alcançar um dos patamares do estatuto de Consumidor.

O envelhecimento foi abolido graças a uma nova e radical abordagem, que substitui a reforma por uma feliz eutanásia num Dignitorium, embora os mais desfavorecidos sejam deixados à sua sorte, longe da vista daqueles que efetivamente contribuem para a sociedade.

Alice é uma Consumidora Média. Depois do desaparecimento de Philip, arrisca-se a perder a casa e o seu estatuto social, começando a pôr em causa a sociedade em que foi criada e que o próprio marido ajudou a construir. Na demanda pelo paradeiro de Philip, ela acaba por descobrir algumas verdades horrendas acerca do que aconteceu à sua família no passado e da crueldade que se esconde por detrás da nova hierarquia social.

Terra de Lobos é uma poderosa visão distópica, no espírito de Black Mirror, que agradará a fãs de História de Uma Serva e Nunca me Deixes.



Título: Serás Real?
Autor: Francesca Zappia
N.º de Páginas: 400

Sinopse: 
Finalista Prémio Goodreads Melhor Romance Young Adult

Nem sempre é possível confiar no que se vê.

«Às vezes, acho que as pessoas tomam a realidade por garantida. Quer dizer, como é que se percebe a diferença entre sonho e vida real?»

A Alex enfrenta uma luta diária: distinguir entre realidade e alucinação. Munida de uma atitude destemida, uma bola mágica e uma máquina fotográfica que lhe permite captar o mundo exterior, ela trava uma batalha contra a esquizofrenia, enfrentando tudo e todos para não se deixar definir nem limitar pela sua doença.

O seu plano parece correr-lhe de feição ao iniciar uma nova vida numa nova escola. Mas, um dia, a Alex conhece o Miles e, de um momento para o outro, começa a viver os ritos de passagem próprios da juventude: faz amizades, vai a festas, apaixona-se...

Porém, o mundo da Alex está repleto de cores, objetos, pessoas e sons que podem ou não ser reais. A memória e os sentidos mentem-lhe constantemente, semeando a dúvida: será que o Miles existe mesmo? E estará ela preparada para ter uma vida normal?

Um livro provocador e intrigante sobre a doença mental e o significado de ser adulto.



Título: A Escuridão
Autor: Ragnar Jónasson
N.º de Páginas: 288

Sinopse:
Abrangendo as ruas geladas de Reiquiavique, os fiordes isolados e as Terras Altas da Islândia, A Escuridão é o novo romance de um dos nomes mais entusiasmantes do policial nórdico atual.

Aos 64 anos, a inspetora Hulda Hermannsdóttir, da Polícia de Reiquiavique, está prestes a ser forçada a reformar-se, mas antes quer levar a cabo uma última investigação: Elena, uma jovem refugiada proveniente da Rússia, foi encontrada sem vida numa enseada rochosa em Vatnsleysuströnd, na Islândia.

Assim que começa a fazer perguntas, Hulda não demora muito a perceber que não pode confiar em ninguém. Elena não foi a única mulher a desaparecer naquela altura, e ninguém parece estar a contar a história toda. Quando os próprios colegas tentam pôr um travão na investigação, Hulda tem muito pouco tempo para desvendar a verdade, mas está determinada a descobrir quem é o assassino. Ainda que isso signifique colocar a própria vida em risco.


Título: A Rapariga da Carta
Autor: Emily Gunnis
N.º de Páginas: 352

Sinopse:
No inverno de 1956, a jovem Ivy Jenkins engravida e é enviada em desgraça para St. Margaret, uma sombria casa de acolhimento para mães solteiras, no sul de Inglaterra. A bebé é adotada contra a sua vontade, e Ivy teme nunca sair daquele lugar aterrador. Sessenta anos mais tarde, Samantha Harper, uma jornalista desesperada por um furo, depara-se com uma carta do passado, e o seu conteúdo chocante comove-a. A carta é de Ivy, uma jovem mãe que implora para ser resgatada de St. Margaret… antes que seja tarde demais. Samantha é arrastada para esta história trágica e descobre uma série de mortes repentinas e inexplicáveis em torno daquela rapariga e da sua filha.

Com o edifício antigo de St. Margaret prestes a ser demolido, Samantha tem apenas algumas horas para desvendar os terríveis segredos que aquele lugar esconde, antes que a verdade, perturbadoramente perto de si, se perca para sempre…



Título: Três Pequenas Mentiras
Autor: Laura Marshall
N.º de Páginas: 336

Sinopse:
Alguém andou a mentir.
Alguém sabe a verdade.
Alguém está de olho em ti.

Quando Sasha entra na vida de Ellen, esta fica imediatamente deslumbrada por ela. Por isso, quando Ellen começa a frequentar a casa da amiga, é incapaz de ver a escuridão que se esconde por detrás do estilo boémio daquela família.

Até que um ataque brutal tem lugar na noite de Ano Novo, mudando para sempre a vida de todos. Dez anos depois, Ellen e Sasha, ainda unidas pelo que aconteceu naquela trágica noite, partilham um apartamento em Londres. Quando Sasha desaparece, Ellen teme o pior. A polícia não a leva a sério, mas os acontecimentos do passado dão-lhe boas razões para ter medo.

O que aconteceu realmente? Quem está a dizer a verdade? Será que Ellen conhece, de facto, Sasha? Ellen terá de procurar respostas a estas perguntas para conseguir encontrar a amiga. Mas alguém sabe que andam a remexer no passado… e esse alguém não quer que a verdade venha ao de cima.


Título: Os Winters
Autor: Lisa Gabriele
N.º de Páginas: 320

Sinopse:
Depois de um romance tão rápido como avassalador, uma jovem mulher fica noiva do abastado Max Winter e aceita ir viver com ele para a sua mansão recôndita em Long Island, onde conhece uma vida de luxo que nunca tivera. Mas em Asherley nem tudo é o que parece, e o que a espera não é um mar de rosas.

A casa está cheia de recordações de Rebekah, a bela primeira mulher de Max, que assombram a imaginação da jovem e alimentam as suas incertezas, ao mesmo tempo que Dani, a filha adolescente de Max, lhe transforma a vida num inferno. À medida que o seu amor por Max cresce e a relação com Dani se torna mais tensa, a sombra de Rebekah faz com que a futura Sra. Winter seja arrastada para os mais obscuros segredos da família — segredos esses que poderão até pôr a sua vida em perigo.

Uma cativante história de amor e suspense sobre memórias que se recusam a manter enterradas e consequências às quais não se pode escapar.


segunda-feira, 13 de maio de 2019

Novidade Esfera dos Livros: SOPHIA de Mello Breyner Andresen, de Isabel Nery

SOPHIA é sinónimo de figura maior da literatura portuguesa, de poesia luminosa e despojada, de contos infantis que continuam a marcar gerações, mas também de poeta que pendurou palavras na ponta das espingardas para chamar «velho abutre» ao ditador; que usou de pontaria certeira enquanto deputada na Assembleia Constituinte, onde lembrou que só haveria liberdade se houvesse justiça e que um país mais justo passava por um Portugal mais culto; que teve a coragem de dizer adeus às armas quando constatou que, depois do 25 de Abril, a poesia esteve na rua, mas rapidamente voltou para dentro de casa.

No ano em que se assinala o centenário do seu nascimento, a jornalista Isabel Nery percorre lugares e pessoas que fizeram parte da história de Sophia de Mello Breyner Andresen. Porque não é possível escrever a sua biografia sem visitar o Porto, a Grécia, Lagos, a Travessa das Mónicas na Graça, ou mesmo a pequena ilha de Föhr, no mar do Norte, de onde Jan Andresen, bisavô da poeta, era originário. Ou entrevistar quem com ela privou, o que resultou na recolha de 60 testemunhos: do pescador José Muchacho que levava Sophia a visitar as grutas em Lagos, ao amigo Manuel Alegre, até ao ensaísta Eduardo Lourenço, passando por companheiros das letras e da política, família, tradutores e investigadores. Porque não é possível escrever a sua biografia sem ler os relatórios dos interrogatórios a que foi sujeita na sede da PIDE, sem compreender o contexto histórico em que viveu ou as suas relações familiares.

A biografia que faltava sobre a primeira portuguesa a receber o Prémio Camões. A única mulher escritora com honras de Panteão Nacional, a quem muitos gostavam de ter visto atribuído o Prémio Nobel.

Sobre a autora:
Isabel Nery é jornalista, ensaísta e investigadora em Jornalismo Literário, Isabel Nery é autora de várias obras de não-ficção, entre elas o livro de reportagem As Prisioneiras e o ensaio Chorei de Véspera, ambos adaptados para curtas-metragens pela realizadora Margarida Madeira. Com Sophia de Mello Breyner Andresen, estreia-se agora no género Biografia. A curiosidade pelo outro levou-a a estudar na Alemanha ainda adolescente, e mais tarde em Espanha e nos EUA. A mesma curiosidade levou-a até ao jornalismo, amor à primeira vista, depois da licenciatura em Relações Internacionais e do mestrado em Comunicação. Enquanto jornalista passou pela televisão, diários e semanários, tendo trabalhado quinze anos na revista VISÃO. Atualmente é também vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas. O trabalho de Isabel Nery foi já distinguido com vários prémios, entre eles o Prémio Mulher Reportagem Maria Lamas, o Prémio Jornalismo pela Tolerância, o Prémio Paridade Mulheres e Homens na Comunicação Social, e o Prémio Jornalismo e Integração, da UNESCO.



quarta-feira, 8 de maio de 2019

Magníficos Estranhos - Elizabeth Klehfoth [Opinião]

Título: Magníficos Estranhos
Autor: Elizabeth Klehfoth
Editor: Casa das Letras
N.º de Páginas: 464

Sinopse:
Num magnífico dia de verão, Grace Fairchild, a belíssima mulher do magnata do Mercado imobiliário, Alistair Calloway, desaparece da casa de campo da família sem deixar rasto, deixando para trás a filha de sete anos, Charlie, e uma série de perguntas sem resposta.

Anos mais tarde, Charlie continua a lutar com a obscura herança do nome da sua família e o mistério em torno do desaparecimento da mãe. Decidida a, finalmente, pôr o passado por trás das costas, Charlie mergulha na vida escolar de Knollwood, a prestigiada escola de Nova Inglaterra que frequenta, e rapidamente se integra entre a elite da escola.

Charlie foi igualmente escolhida pelo A, a sociedade secreta de elite da escola, conhecida por aterrorizar a faculdade, a administração e os seus inimigos. Pars se tornar membro da mesma, Charlie terá de participar no Jogo, uma caça ao tesouro de alto risco, durante um semestre inteiro, que comprometerá as suas amizades, a sua reputação e até o seu lugar em Knollwood.

À medida que os acontecimentos do passado e do presente convergem, Charlie começa a temer que poderá não sobreviver à terrível verdade sobre a sua família e colocar a sua vida em risco.

A minha opinião: 
Fiquei rendida a este livro logo pela sinopse. Apesar de ser um livro YA (Young Adult) como thriller funciona extremamente bem. 

Magníficos Estranhos tem como personagem principal a jovem Charlie, uma rapariga forte, pertencente à classe alta, mas cuja mãe, desaparecida quando ela tinha sete anos, continua a ser um mistério. 

Apesar ter ficado curiosa em saber o que se passou com a mãe, Charlie adapta-se cada vez melhor na vida escolar de Knollwood, uma escola de elite em que só estão os melhores, ou melhor, os que têm capacidade monetária para a frequentar. Prestes a entrar numa sociedade secreta dentro da comunidade escolar, Charlie vai ser posta à prova e terá de fazer uma série de jogos para ser aceite.
A cada desafio vamo-nos apercebendo que a sociedade secreta é muito poderosa e cheia de truques para se "desafazer" daqueles que se atravessam à sua frente. Uma sociedade típica de um grupinho de jovens adolescentes que se acham superiores a tudo. 

O tema da sociedade não traz nada de novo à história, até porque se torna recorrente neste tipo de livros, mas o mistério da vida de Charlie prendeu-me desde o início. A sinopse revela um pouco do que poderá ter acontecido na noite em que a mãe de Charlie desapareceu, mas ao mesmo tempo, acabou por me induzir em erro, o que se tornou ainda mais surpreendente. 

Gostei imenso da forma como Elizabeth Klehfoth conduziu a história e como criou cada uma das personagens. E as interligações com o passado foram na dose certa de forma a dar informação ao leitor a cada virar de página, mas ao mesmo tempo fazer com que não desconfiasse logo do tema fulcral da história, do que se passou naquela noite. 

Um excelente livro para os fãs de Karen M. McManus. Recomendo sem reservas. 



terça-feira, 7 de maio de 2019

FÁBULA | Frida Kahlo e Nelson Mandela na coleção Pequenos Livros sobre Grandes Pessoas



«Leonardo da Vinci e as Mulheres», de Kia Vahland: Um novo olhar sobre a vida e obra do grande génio no 500.º aniversário da sua morte

Título: Leonardo Da Vinci e as Mulheres
Autor: Kia Vahland
Género: Literatura / Biografia
Tradução: Pedro Garcia Rosado
N.º de páginas: 368
PVP: € 19,90

500.º aniversário da sua morte
Em Leonardo da Vinci e as Mulheres, que chegará amanhã às livrarias portuguesas, a autora e historiadora da arte Kia Vahland dá-nos a conhecer que, séculos antes dos movimentos de emancipação femininos, Leonardo da Vinci desenvolveu na sua pintura a imagem da mulher moderna.
Este génio universal, e criador da lendária Mona Lisa, celebra nos seus quadros e desenhos a persistência, o intelecto, as emoções e a sensualidade femininas – e, com os seus modelos, revela a mulher moderna como a contrapartida do homem, em plena igualdade. Na realidade, Leonardo retratou as mulheres como o mundo ainda não as conhecia, inventando a imagem da mulher autónoma com ideias próprias, a mulher bela e autoconfiante mas também vulnerável que encara diretamente o homem a partir da tela.
Segundo Nicola Kuhn, do Der Tagesspiegel, «A linguagem de Kia Vahland é clara e direta. Recusando perder-se em formulações egocêntricas, trata as coisas pelos nomes, amiúde com um toque de ironia.»
Já Niklas Maak, do Frankfurter Allgemeine Zeitung, diz que «Kia Vahland movimenta-se no mundo académico e jornalístico e escreve sobre a história da arte como se de um romance policial se tratasse. Trabalha com a linguagem como um pintor com as tintas.»
Um livro de leitura obrigatória que chega até nós no ano em que se assinala o 500.º aniversário da morte deste artista.

Sinopse:
Com as suas manifestações de inspiração, perspetivas visionárias, máquinas de sonho e estudos de anatomia, Leonardo da Vinci foi um espírito precursor dos tempos modernos. Mas o elemento mais importante que caracterizou o génio universal e criador da lendária Mona Lisa foi o estilo de pintura que dele fez o artista mais destacado da sua época. Kia Vahland demonstra, nesta abrangente biografia artística, como Leonardo o conseguiu: aliando-se às mulheres. Da jovem orgulhosa que é a Virgem Maria à sábia e circunspecta Mona Lisa, da dinâmica Cecilia Gallerani, pintada com o seu arminho, à benevolente Santa Ana, são as mulheres as personagens principais das suas pinturas. A feminilidade está no centro das suas ideias inovadoras sobre a história natural, a criação e as artes plásticas.
Com base na pintura e nos desenhos de Leonardo, e em textos e outras fontes históricas, Kia Vahland descreve a vida e a obra pictórica, na sua totalidade, deste artista intemporal. Conta também as histórias de importantes personalidades próximas de Leonardo, como Isabella d’Este e Lourenço de Médicis, e relata a via quotidiana e as interligações políticas do Renascimento.
Esta biografia explica como o artista quebrou convicções e, desse modo, desenvolveu uma nova visão da natureza e da arte, das mulheres e dos homens, da ciência, da religião e da política, transformando se numa celebridade cujo significado e importância perduram ainda nos nossos dias.

Sobre a autora:
A historiadora da arte Kia Vahland é especialista no Renascimento e editora de Cultura e Humanidades na secção de opinião do Süddeutsche Zeitung. É professora e autora de obras sobre Sebastiano del Piombo, Miguel Ângelo e Rafael, bem como de diversos ensaios no domínio da história da arte, publicados na revista Geo Epoche. Exerce funções docentes no Institut für Kunstgeschichte da Ludwig-Maximilians-Universität de Munique e na Deutsche Journalistenschule. Recebeu diversos prémios pelos seus trabalhos, incluindo o Prémio da Crítica Michael Althen de 2016 do Frankfurter Allgemeinen Zeitung. Publicou em 2018 Ansichtssachen - Alter Bilder, neue Zeiten.




Novidade Porto Editora: Leonardo da Vinci, a aguardada biografia

No dia em que se assinalam os 500 anos da morte de Leonardo da Vinci, a Porto Editora anuncia a publicação da aguardada biografia dedicada a este génio do Renascimento, assinada por Walter Isaacson, um bestseller internacional que chega a 23 de maio às livrarias portuguesas.

A partir de mais de 7200 páginas de anotações, Isaacson retrata com rigor e entusiasmo a vida de Da Vinci e como era o seu método de estudo e trabalho nas mais diferentes áreas.

De curiosidade obsessiva, Da Vinci casou a observação com a imaginação e as artes com as ciências, o que faz dele um dos grandes inovadores da nossa História. «Ilegítimo, homossexual, vegetariano, canhoto, com facilidade em distrair-se e, ocasionalmente, herético» são alguns dos detalhes menos conhecidos sobre Leonardo da Vinci que este livro nos revela. Uma obra que é, ao mesmo tempo, «um estudo sobre criatividade: como defini-la, como alcança-la… Mais importante, é uma história poderosa de uma vida e de uma mente entusiasmante». (The New Yorker)

Majestoso… Isaacson aceitou o desafio de estudar uma outra figura histórica gigante e complexa e transformou-a em alguém com quem nos podemos identificar.  Kirkus Reviews

Tenho lido muito sobre Leonardo da Vinci nos últimos anos, mas nunca encontrei um livro que abarcasse todas as diferentes facetas da vida e trabalho deste génio. Bill Gates

Sobre o livro:
Arquétipo e símbolo do homem da Renascença, Leonardo da Vinci é universalmente reconhecido como o génio mais criativo e multifacetado da História. A sua criatividade, como aquela de grandes inovadores, nascia na interseção entre as humanidades e a tecnologia. Esfolou rostos de cadáveres, desenhou os músculos que fazem mover os lábios, e depois pintou o sorriso mais memorável da História em Mona Lisa.Explorou a matemática da ótica, mostrou como os raios de luz atingem a córnea e produziu ilusões de perspetivas variáveis em A Última Ceia. No seu eterno entusiasmo pela encenação de espetáculos imaginava máquinas que subiriam aos céus, permitindo ao homem voar como os pássaros.
Filho ilegítimo, à margem de uma educação formal, vegetariano, canhoto, distraído e, por vezes, herético, o Leonardo da Vinci retratado neste livro é uma pessoa real, extraordinária pela pluralidade de interesses e pelo prazer que tinha em combiná-los. Recorrendo a milhares de páginas dos impressionantes cadernos deixados por Leonardo da Vinci, e atendendo às mais recentes descobertas sobre a sua obra e trajetória de vida, Walter Isaacson revela-nos facetas desconhecidas do artista, desfazendo a aura sobre-humana que lhe é atribuída e mostrando como a genialidade de Leonardo se fundamenta em características bastante «humanas», moldadas por uma enorme vontade e ambição e assentes em habilidades que cada um de nós pode cultivar, não isentas de imperfeições e fraquezas.
Um livro indispensável, não só pela forma única de representar um dos grandes génios da História da Humanidade, mas também enquanto demonstração da capacidade humana de inovar, da importância de aprender e questionar, de imaginar e, sobretudo, de pensar de maneira diferente.

Sobre o autor:
Foi diretor-executivo do Aspen Institute, presidente da CNN e editor-executivo da revista TIME. É autor das biografias Steve Jobs, Einstein: His Life and Universe, Benjamin Franklin: An American Life, Kissinger: A Biography, e coautor, com Evan Thomas, de The Wise Men: Six Friends and the World They Made. Vive em Washington, DC. No catálogo da Porto Editora figura já o seu livro Os Inovadores.


quinta-feira, 2 de maio de 2019

O poder da mentira em «Jogos Cruéis», de Jodi Picoult

Título: Jogos Cruéis
Autor: Jodi Picoult
Género: Literatura / Romance
Tradução: Fernanda Oliveira
N.º de páginas: 528
PVP: €19,90
Data de publicação: 01 de março

Muitos dos fãs de Jodi Picoult consideram Jogos Cruéis um dos seus melhores livros. Adaptado ao pequeno ecrã com James Van Der Beek no papel de protagonista (conhecido pela sua participação na série Dawson's Creek), Jogos Cruéis conta a arrepiante e controversa história de como um homem pode ser condenado duas vezes por um crime de abuso sexual que supostamente não cometeu. Através de uma narrativa cheia de reviravoltas inesperadas, Jodi Picoult leva o leitor a refletir sobre o poder da mentira e como esta tem a capacidade real de destruir a vida de pessoas inocentes.
Nas livrarias a 3 de maio.

Sinopse:
«Senhor St. Bride», repetiu o juiz, «admite que teve conscientemente contacto sexual com Catherine Marsh para satisfazer os seus próprios desejos?» […] «Sim, Meritíssimo», respondeu Jack com uma voz que continuava a não ser a sua. «Confesso.»
Depois de cumprir pena por um crime de abuso sexual – que não cometeu – contra uma adolescente, Jack St. Bride decide refazer a vida na primeira cidade onde o seu instinto lhe diz para parar. Mas o passado não se apaga facilmente. Em Salem Falls, cidade maldita onde, em 1692, as famosas bruxas com o mesmo nome foram perseguidas... o destino tem reservado um desafio cruel para Jack.

Sobre a autora:
Jodi Picoult nasceu e cresceu em Long Island. Estudou Inglês e Escrita Criativa na Universidade
de Princeton e publicou dois contos na revista Seventeen enquanto ainda era estudante. O seu
espírito realista e a necessidade de pagar a renda levaram-na a ter uma série de empregos
diferentes depois de se formar: trabalhou numa corretora e numa editora, foi copywriter numa
agência de publicidade e foi professora de Inglês. Em 2003, foi galardoada com o New England
Bookseller Award for Fiction e a esta consagração muitas outras se seguiram. Com mais de
catorze milhões de exemplares vendidos, está traduzida em 34 idiomas.



Novo livro de Luis Sepúlveda – “História de uma baleia branca”

A 9 de maio chega às livrarias uma nova fábula de Luis Sepúlveda, História de uma baleia branca, ilustrada por Paulo Galindro. Desta vez o escritor dá-nos a conhecer o Povo do Mar, da ilha chilena Mocha, cuja costa é protegida por uma imponente baleia branca. É essa baleia a protagonista e narradora desta fábula sobre a violência do Homem e sobre a sua perigosa influência no nosso planeta.

Inspirando-se em Moby Dick, onde a baleia é retratada como uma temível assassina, Luis Sepúlveda transforma-a numa heroína, defensora do Oceano e de uma vida mais ligada à Natureza, revelando uma vez mais a sua preocupação pela preservação do meio ambiente e pelas tradições culturais do seu país.

Numa colaboração de já quatro livros, Luis Sepúlveda e Paulo Galindro vão reencontrar-se mais uma vez na Feira do Livro de Lisboa, a 15 e 16 de junho.

Sobre o livro: 
De uma concha apanhada por uma criança numa praia chilena, ao Sul do Mundo, uma voz se eleva, cheia de lembranças e sabedoria. É a voz da baleia branca, o mítico animal que durante décadas tem guardado as águas que separam a costa de uma ilha sagrada para os povos nativos daquele lugar, o Povo do Mar. O cachalote da cor da lua, a maior das criaturas do oceano, conheceu a imensa solidão e a imensa profundidade do abismo e dedicou a sua vida a cumprir fielmente a tarefa misteriosa que lhe foi confiada por um cachalote-ancião, resultado de um pacto há muito tempo estabelecido entre baleias e marinheiros. Para cumpri-lo, a grande baleia branca teve de proteger aquele mar de outros homens, estranhos, que com os seus navios ali chegavam para tirar tudo sem respeitar nada. Foram sempre eles, os baleeiros, a contar a história da temida baleia branca, mas agora é chegado o momento de ouvirmos a sua voz na velha língua do mar. 

Sobre os autores: 
Luis Sepúlveda
Nasceu em Ovalle, no Chile, em 1949. Da sua vasta obra (toda ela traduzida em Portugal), destacam-se os romances O Velho que Lia Romances de Amor e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar. Mas Mundo do Fim do Mundo, Patagónia Express, Encontros de Amor num País em Guerra, Diário de um Killer Sentimental ou A Sombra do que Fomos(Prémio Primavera de Romance em 2009), por exemplo, conquistaram também, em todo o mundo, a admiração de milhões de leitores. Em 2016, recebeu o Prémio Eduardo Lourenço. Conheça a obra do autor na Porto Editora aqui.

Paulo Galindro
Nascido em 1970 e licenciado em arquitetura, Paulo Galindro é autor de diversos livros ilustrados, feitos em parceria com alguns dos mais importantes escritores nacionais e internacionais, como Luis Sepúlveda, António Mota, David Machado, entre outros. Viu a sua obra premiada por diversas vezes. Juntamente com Natalina Cóias criou o coletivo de ilustração Pintarriscos.