sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

«Para Sempre Contigo», de Laurelin Paige, chega às livrarias dia 19 de fevereiro

Título: Para Sempre Contigo
Autor: Laurelin Paige
Género: Literatura Erótica
Tradutor: Ana Cunha Ribeiro
N.º de páginas: 416
Data de lançamento: 19 de fevereiro de 2016
PVP: € 17,70

Best-Seller do New York Times

Para Sempre Contigo é o terceiro e último volume da trilogia ‘Fixed’ de grande sucesso mundial, da autora Laurelin Paige, e que chega às livrarias dia 19 de fevereiro com o selo da Bertrand Editora.
As críticas dos leitores nos principais sites de referência, como Amazon e Goodreads, são altamente positivas, mostrando que a história entre Alayna e Hudson Pierce, protagonistas da trilogia, cativou desde o primeiro instante.
Neste terceiro volume e após a relação entre Alayna e Hudson ter testado a capacidade de ambos para confiar, os dois acabam por decidir que a única maneira de poderem seguir em frente juntos é sendo transparentes e abertos. Não vai ser fácil para os amantes com as suas cicatrizes, mas o seu compromisso é agora mais forte do que nunca. Alayna, em particular, amadureceu muito e é agora uma mulher confiante e fiel ao homem que ama. Mas embora o casal esteja focado no futuro, o passado volta a atacar e ameaça o elo frágil que os une. As promessas feitas são quebradas e Alayna descobre que Hudson ainda tem muitos segredos. Por mais que goste dele, a sua capacidade de perdoar e esquecer é levada ao limite. Embora tenha encontrado o único homem que a pode fazer feliz, um «para sempre» com Hudson é algo que parece cada vez mais fora do seu alcance.

Sobre a autora:
Laurelin Paige é uma autora com um estrondoso sucesso nos Estados Unidos, best-seller do New York Times e do USA Today.

Novidades Gradiva para fevereiro

Título: A Bicicleta do Ourives Ambulante
Autor: Silvério Manata
Coleção: «Gradiva», n.º 159
N.º de Páginas: 232
PVP: € 15,00

Prémio Literário João Gaspar Simões 2015

Uma grande surpresa na fic­ção portuguesa. Um grande li­vro! Portugal do século xx, num romance a duas vozes que se saboreia até à última página, em que se cruzam vidas, se unem destinos e se aproximam geografias distintas. Palavras que trazem cheiros, transpor­tam sensações.

Uma verdadeira revelação.





Título: A Paixão da Física
Autor: Waçter Lewin com Warren Goldstein
Coleção: «Ciência Aberta», n.º 214
N.º de Páginas: 412 
PVP: € 18,50

Lewin, um dos professores de Física com mais fãs no mun­do, desenvolveu a arte e a téc­nica de bem ensinar a discipli­na. O modo divertido como o faz não dispensa o rigor na apresen­tação. A Paixão da Física é um título bem adequado. O autor gosta mesmo de física e faz‑nos gostar de física. «Mudou a mi­nha vida» é uma mensagem que recebe com frequência dos alu­nos. Mude a sua vida, tornando‑se também aluno de Lewin.

Veja aqui as fabulosas lições de Física do autor:

https://www.youtube.com/watch?v=4a0FbQdH3dY
https://www.youtube.com/watch?v=xXXF2C-vrQE
https://www.youtube.com/watch?v=xXXF2C-vrQE


Título: A Aquisição da Escrita
Autor: Michel Fayol
Coleção: «Trajectos», n.º 103 
N.º de Páginas: 136 
PVP: € 13,75

Esta obra apresenta e analisa as principais etapas e dificulda­des na aquisição da linguagem escrita. A expressão escrita re­quer conhecimentos especí­ficos: saber desenhar rápida e eficazmente sinais gráficos, dispor do vocabulário neces­sário, expor a mensagem dese­jada, controlar a respectiva or­tografia, encadear ideias, etc. Este livro mostra resultados de estudos com crianças, abrindo portas a um melhor acompa­nhamento da aprendizagem da escrita. Indispensável a profes­sores e educadores.

Título: A Matemática e Seus Labirintos
Autor: Natália Bebiano da Providência
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 465
N.º de Páginas: 192 
PVP: € 15,00

Abordando múltiplos cruza­mentos da matemática com outras áreas, como a música, a arte ou a literatura, este li­vro é uma fonte de inspiração para quem olha essa área do saber de um modo meramente técnico. De facto, a matemáti­ca faz parte da herança cultural da Humanidade, tal como as belas‑artes, a poesia ou a mú­sica. Esta obra convida à des­coberta de que a matemática vai muito para além da imagem que geralmente fazemos dela.







Novidade Esfera dos Livros: O Melhor Sexo do Mundo de Cristina Mira Santos

A sexualidade é cada vez mais uma prioridade na nossa existência e uma vida sexual ativa e saudável tornou-se parte integrante da lista de projetos pessoais de quase toda a gente. Quem o diz é Cristina Mira Santos, coacher sexual e autora deste livro que, sem qualquer pretensão de ser um manual - na medida em que não existe um passo a passo definido – propõe transformar o sexo numa ferramenta eficaz de empoderamento pessoal, continuando a fazer o que já fazemos, mas de uma forma mais consciente e focada no “aqui e agora”.

O Melhor Sexo do Mundo é uma revisão da matéria, onde as aulas práticas se sobrepõem às teóricas, ajudando a descobrir ou areconstruir uma forte ligação entre sexo e erotismo, sexualidade e espiritualidade, entre corpo e alma, juntando entrega e partilha, dedicação e rendição.
Sobre a autora:
CRISTINA MIRA SANTOS é psicóloga, professora de Psicologia e desenvolve workshops e formações na área da sexualidade. Atualmente trabalha em Sexologia Clínica, onde aplica um método terapêutico por si desenvolvido, chamado Psicoterapia da Consciência, integrando também na sua atividade diversas terapias alternativas, nomeadamente no âmbito da Sexualidade Sagrada.

www.cristinamirasantos.com

perfeitaconsciencia@gmail.com


Novidades Quinta Essência já nas livrarias

Título: Diz-me quem sou
Autor: Sophie Kinsella
N.º de páginas: 392
PVP: 15,90€

O novo livro da autora que escreveu o grande êxito "Louca Por Compras" já está à venda nas livrarias nacionais.

Sobre o livro

E se acordares e a tua vida for perfeita?

E se um dia abrir os olhos e, de repente, a sua vida for perfeita? Por incrível que pareça, esse sonho tornou-se realmente realidade para Lexi Smart. Tinha um emprego mal pago, dentes tortos e uma vida amorosa horrível quando, uma manhã, acorda numa cama de hospital e descobre que a sua esplêndida dentadura deslumbra como um anúncio de pasta de dentes, as suas unhas têm uma excelente manicura, e as suas roupas e acessórios são os de uma mulher muito rica. E como se isso não bastasse, está casada… com um desconhecido!!!

Superada a grande surpresa, Lexi pretende aproveitar o seu novo eu, com o qual poderá comprovar em primeira mão as vantagens e desvantagens que podem resultar de uma inesperada vida perfeita.

Sobre a autora:
Sophie Kinsella tem romances publicados em quarenta países, com um total de 25 milhões de exemplares vendidos. As razões do seu êxito são variadas: Escreve com ritmo, com um estilo ágil, coloquial e direto. Os argumentos são engenhosos e apresentados com graça e encanto. Nada é previsível. Diverte-nos, arrasta-nos num torvelinho e faz-nos rir constantemente. Além disso, as suas histórias são românticas, com protagonistas tão reais que cremos inteiramente neles, apesar dos seus momentos mais disparatados. Sophie Kinsella é assim. 

Título: Estranhos ao Luar 
Autor: Jude Deveraux
N.º de Páginas: 312
PVP 16,60€

Sobre o livro
Quando o calor de um abraço perdura a vida inteira.
Quando Kim Aldredge tinha oito anos, conheceu um rapaz de doze chamado Travis, que estava de visita à sua cidade natal de Edilean, na Virgínia, com a mãe. Embora essa visita tivesse lugar sob circunstâncias misteriosas, isso não impediu que as crianças se tornassem amigas.

Durante duas semanas maravilhosas, andaram de bicicleta, jogaram basebol e leram em voz alta para o outro. Tudo coisas comuns para Kim, mas para Travis bastante extraordinárias. E Travis ajudou Kim a descobrir o seu amor pela criação de jóias, a paixão que se tornou a sua profissão. Antes de partir, ele disse-lhe que um dia iria voltar, e durante anos Kim guardou a foto de ambos, abraçados e sorridentes.


Travis é agora um advogado bem-sucedido em Manhattan, mas há coisas na sua vida que ele não quer tornadas públicas. E embora tenha viajado por todo o mundo, ainda pensa no verão passou em Edilean e na rapariga que lá conheceu. Essas semanas mudaram a sua vida para sempre.

Quando Travis descobre que a mãe regressou a Edilean e tenciona voltar a casar, decide que está na hora de voltar também: não apenas para investigar o futuro marido da mãe, mas para finalmente cumprir a promessa que fez a Kim tanto anos antes...

Sobre a autora
Jude Deveraux é autora de uma vasta obra, com 40 títulos que marcaram presença na lista dos livros mais vendidos do New York Times. Os seus livros, bestsellers em vários países, já venderam mais de 60 milhões de exemplares em todo o mundo.

Jude Deveraux nasceu em 1947 em Fairdale, Kentucky. Licenciou-se em Arte na Universidade de Murray. Foi professora durante alguns anos, antes de se dedicar exclusivamente à escrita. Atualmente vive na Carolina do Norte.


Sérgio Godinho e Valter Hugo Mãe viajam até ao Coliseu Micaelense

Ponta Delgada recebe a última paragem da “Viagem Literária” nas Regiões Autónomas, às 21:30 do dia 20 de fevereiro.

Depois do sucesso da sessão do Funchal, a “Viagem Literária” cruza o Atlântico para efetuar a última paragem nas Regiões Autónomas. No Arquipélago dos Açores, o Coliseu Micaelense, em Ponta Delgada, é o palco escolhido para a 11.ª etapa, à boleia de Sérgio Godinho e Valter Hugo Mãe.
Por motivos pessoais, e ao contrário do inicialmente divulgado, Miguel Esteves Cardoso não poderá participar nesta etapa da “Viagem Literária” e será substituído pelo cantautor e escritor Sérgio Godinho.
No dia 20 de fevereiro, esta emblemática sala recebe um nome que lhe é familiar: Sérgio Godinho, habituado a pisar palcos de grandes salas ao longo de uma carreira de cantautor com mais de 40 anos, que desta vez partilha com o público a sua faceta de escritor, com quatro livros publicados. Com Sérgio Godinho estará Valter Hugo Mãe, um dos mais destacados escritores portugueses da atualidade, recentemente incluído nos finalistas do Prémio Oceanos (um dos mais prestigiados do Brasil) e com nova obra na bagagem, Contos de cães e maus lobos.
Ao “volante” desta viagem, o jornalista João Paulo Sacadura conduz as conversas por entre temas da atualidade, as afinidades e diferenças entre os convidados, os seus livros e a literatura. Pelo meio, há ainda espaço para as questões da plateia e, no final, para as já habituais sessões de autógrafos e contacto mais direto com os escritores.
Na estrada desde abril de 2015, a “Viagem Literária” cumpriu já metade do seu itinerário, tendo completado nove etapas em Portugal continental e uma na Madeira, enchendo grandes teatros.
Depois das duas passagens nas Regiões Autónomas, a “Viagem Literária” segue para Portugal continental e vai continuar a percorrer as capitais de distrito de Portugal até à sua etapa final, em Viana do Castelo, cumprindo a sua missão de levar os escritores ao encontro dos seus leitores, contribuindo para a descentralização e democratização do acesso à cultura.
Cantor, compositor, escritor (para adultos e crianças), ator (de teatro e cinema), realizador, Sérgio Godinho é, para citar uma das suas canções clássicas, o verdadeiro “homem dos sete instrumentos”. Mas, numa carreira artística de invejável longevidade, que se prolonga há mais de 40 anos de modo quase intocável, foi o seu trabalho enquanto cantor-compositor que o tornou num ícone capaz de reunir à volta das suas canções gerações de diferentes idades, vivências e aspirações. “O Primeiro Dia”, “A Noite Passada”, “É Terça-Feira”, “Com um Brilhozinho nos Olhos”, “Espectáculo”, “Cuidado com as Imitações”, “Lisboa que Amanhece”, “Liberdade”, “Coro das Velhas”, “Dancemos no Mundo”, “Barnabé”, “O Velho Samurai” para apenas citar uma dúzia, atestam o seu talento para traduzir de modo pessoal, numa conjugação inseparável de palavras e melodias, experiências e emoções universais.
Valter Hugo Mãe é um dos mais destacados autores portugueses da atualidade. A sua obra está traduzida em várias línguas, merecendo um prestigiado acolhimento em países como o Brasil, a Alemanha, a Espanha, a França ou a Croácia. Publicou seis romances: A desumanização; O filho de mil homens; a máquina de fazer espanhóis (Grande Prémio Portugal Telecom – Melhor Livro do Ano e Prémio Portugal Telecom Melhor Romance do Ano); o apocalipse dos trabalhadores; o remorso de baltazar serapião (Prémio Literário José Saramago) e o nosso reino.
Escreveu alguns livros para todas as idades, entre os quais: Contos de cães e maus lobos; O paraíso são os outros; As mais belas coisas do mundo e O rosto. A sua poesia foi reunida no volume contabilidade, entretanto esgotado.
A “Viagem Literária” tem espaços próprios de contacto com o grande público: no site da Porto Editora, no Facebook e no Instagram.



quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

A Rapariga Dinamarquesa - David Ebershoff [Opinião]

Título: A Rapariga Dinamarquesa
Autor: David Ebershoff
N.º de Páginas: 328
Editor: Porto Editora
PVP: 17,70€

Sinopse
Inspirada na história verídica do pintor dinamarquês Einar Wegener e da sua esposa americana,A Rapariga Dinamarquesa traz-nos um retrato terno e comovente sobre um amor que desafia todos os limites.

Tudo começa com um simples pedido. A modelo que Greta está a pintar cancelou a sessão agendada, na altura em que faltam apenas alguns pormenores para a conclusão do quadro. A pintora pergunta então ao marido se se importa de calçar umas meias e sapatos de senhora por alguns momentos, para ela poder finalizar os últimos detalhes.
Este pequeno favor irá trazer consigo uma série de transformações à vida de Einar, que descobre em si uma identidade até então desconhecida. Com elas, começa uma das mais apaixonantes e invulgares histórias de amor do século XX.

A minha opinião:
Logo que saiu em 2010 que este livro que me tinha ficado debaixo de olho. Gosto de livros baseados em factos reais e a história do pintor Einar Wegener, da qual eu não conhecia nada, cativou-me pela sinopse. Depois, outros livros foram saindo e este livro foi ficando na wishlist e acabou por não sair de lá até agora. A chegada aos cinemas do filme baseado no livro foi o mote para que me viesse parar às mãos. Desde já devo agradecer à gentileza da Porto Editora que prontamente acedeu ao meu pedido e mo enviou para que pudesse ler antes de ter a curiosidade de ver o filme.

Einar Mogens Wegener, ficou conhecido por ter sido, muito provavelmente o primeiro transexual a submeter-se a uma cirurgia genital, tendo abandonado definitivamente o seu nome de baptismo após a realização dessa cirurgia a adoptado legalmente o nome de Lili Ilse Elvenes e parado de pintar. Einar era hermafrodita ou tinha uma sexualidade intermédia e, desde criança, tinha sentido a necessidade de mudança. 
Enquanto adulto, a mudança acentua-se sobretudo quando a mulher lhe pede para que se calce umas meias e pose para ela. Aí Einar passa a ser Lili, o seu alter-ego. 
Gerda Wegeder, a sua mulher, tem um papel preponderante na vida de Einar. Uma mulher muito avançada para a época, anos 20, que apesar de gostar imenso do seu marido, acompanha-o em todo o processo de transformação, levando-o a vários médicos que o aconselham, muitos de forma errada, sobre o que poderá ter. Talvez por Gerda estar inserida no meio artístico (foi também pintora, desenhista e ilustradora) fez com que visse a diferença de uma outra forma. 

De referir que no final do livro o autor menciona que A Rapariga Dinamarquesa é uma obra de ficção e que apenas a história de Einar é baseada em factos reais. Todas as outras personagens são inventadas. O que acaba por ser um grande balde de água fria para quem viveu tão intensamente o livro como eu. Se a história de Gerda era inventada o autor poderia pelo menos ter alterado o seu nome para não induzir em erro o leitor, pelo menos na minha perspectiva. David Ebershoff muda a nacionalidade de Gerda para Californiana, enquanto na realidade ela é Dinamarquesa e, de facto, pouco fala sobre ela. Aliás, mostra-a como uma pintora menor, o que na realidade não se traduz. Não a mostra com uma pintora erótica, nem como uma possível lésbica, como mais tarde vim a pesquisar.
À parte isso, adorei a caracterização que o autor fez de Einar, um homem triste num corpo que não era o seu, mas ao mesmo tempo obstinado para alcançar o seu sonho, o de se tornar uma mulher. 
Recomendo. 

  

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

A estante está mais cheia #36


No mês de janeiro vieram para a estante uma edição de colecionador de O Principezinho, (já tenho alguns exemplares do livro de Antoine de Saint-Exupéry), mas não resistir comprar este com comentários manuscritos do escritor José Luís Peixoto, acompanhando nas margens o texto do próprio Saint-Exupéry e ilustrações concebidas pelo ilustrador e tatuador Hugo Makarov. 
Ler Não é uma Seca foi oferta da escritora Raquel Medeiros, um livro destinado ao publico juvenil, que vou ler muito brevemente. 
O Que fazem Mulheres de Camilo Castelo Branco foi oferta da Guerra & Paz. Proporcionou-me um regresso aos clássicos. Já o li e em breve sairá opinião no blogue. 
Da editora Livros Horizonte veio o livro de Isabel Stilwell, Filipa de Lencastre. Será uma das próximas leituras do blogue. 
A Rapariga Dinamarquesa de David Ebershoff foi uma oferta da Porto Editora e veio bem a propósito porque estou muito curiosa em relação ao filme. Já li o livro, gostei muito. Resta saber se o filme lhe faz jus. 
Da Saída de Emergência chegou Uma Praça em Antuérpia de Luize Valente, um livro que se passa na Segunda Guerra Mundial e que quero ler muito brevemente. 
Nós os Dois, de Andy Jones foi uma oferta da Suma de Letras e é um romance que promete... outro livro que quero ler proximamente.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Novo livro da autora bestseller Elizabeth Edmondson (1948-2016) é lançado esta semana pela ASA

Título: Um Caso Tipicamente Inglês
Autor: Elizabeth Edmonson
(1948-2016)
Páginas: 368
PVP: 16,90€

A Asa anuncia a publicação de Um Caso Tipicamente Inglês de Elizabeth Edmonson , a carismática autora de Uma Villa Em Itália cujo recente e súbito falecimento surpreendeu e consternou editores e leitores em todo o mundo.

Escritora muito estimada pelos leitores portugueses, Elizabeth Edmondson vendeu mais de 45.000 livros no nosso país. Da sua obra, destacam-se igualmente os romances Uma Menina de Boas Famílias, A Arte de Amar, A Casa do Lago e Uma Mansão Na Bruma. Após o falecimento do marido, Elizabeth Edmondson interrompeu a sua carreira. Regressou às letras em 2015 com a Série Selchester que a ASA publica este ano em sua homenagem.

Com a elegância de Downton Abbey e a astúcia de Agatha Christie, Um Caso Tipicamente Inglês é o primeiro volume da série Selchester que ficará completa com a publicação do livro Uma Questão de Herança (a ser lançado no segundo semestre de 2016).

Sobre o livro:
Numa encantadora vila rural inglesa, o Castelo de Selchester definha. A II Guerra Mundial terminou há pouco, e nos imponentes salões restam apenas os ecos de glórias passadas. É um destino pouco apetecível para Hugo Hawksworth, oficial dos Serviços Secretos a quem é confiada a missão de organizar os arquivos do castelo. O jovem chega acompanhado pela irmã mais nova, Georgia, por quem é responsável desde a morte dos pais. Ambos antecipam uma estadia entediante e desconfortável. Estão enganados.
A vida no campo é uma surpresa. Rodeados de aristocratas altivos e grandiosas mansões, empregados excêntricos e vizinhos indiscretos, os irmãos sentem que mergulharam noutra era. Mas rapidamente se deparam com segredos, intrigas familiares, uma ou outra traição e... o esqueleto do Conde de Selchester, cujo desaparecimento numa noite de tempestade permanecia envolto em mistério. A polícia encerra o caso sem grandes demoras. Hugo, no entanto, não se deixa convencer. Com a ajuda de Freya Wryton, a tentadora sobrinha do conde, lança-se numa investigação cujas sombrias implicações irão agitar todos os que o rodeiam.

Sobre a Série Selchester 
Escrevo aquilo a que gosto de chamar Mistérios Vintage, uma vez que se passam nos anos trinta, quarenta e cinquenta do século XX. 
São histórias de amor e de casamentos, famílias e amizades, nas quais as lealdades, desentendimentos, segredos e traições do passado lançam sombras que se estendem até ao presente. Sou fascinada por personagens excêntricas, misteriosas, divertidas, inesperadas e interessantes, e quero que o leitor partilhe, tal como eu, as suas alegrias e tristezas.
Quero cativar e divertir os leitores à medida que são transportados para uma era diferente...
Elizabeth Edmondson

Sobre a autora: 
Elizabeth Edmondson (1948-2016) nasceu no Chile e cresceu em Calcutá e em Londres, antes de ir estudar para Oxford. Fixou-se em Oxford, onde exerceu a sua actividade de escritora e se tornou uma ávida tocadora de sinos de igreja. Na ASA estão também publicados com grande sucesso os seus romances Uma Villa em Itália, Uma Menina de Boas Famílias, A Arte de Amar, A Casa do Lago e Uma Mansão Na Bruma.


Ilustradora Carol Rossetti em Portugal para promover "Mulheres"

Março ainda vem longe, mas a Saída de Emergência vai assinalar o mês da Mulher com a publicação do livro Mulheres da conhecida ilustradora brasileira Carol Rossetti. O livro vai para as livrarias a 5 de Fevereiro.

Com este livro a autora pretende passar uma mensagem de respeito, dignidade e auto-estima para todas as mulheres que sofrem com preconceitos e pressões instituídas pela sociedade. Esta obra mostra que é possível a Mulher gostar de si mesma tal como é.

Para isso, convidaram a autora para vir a Lisboa nos dias 7, 8 e 9 de Março.

Sinopse:
Existem mulheres negras, brancas, morenas, latinas, asiáticas, indianas, indígenas. Existem engenheiras, donas de casa, prostitutas, ministras, artistas, executivas, atrizes. Há mulheres cegas, surdas, mudas. Mulheres bipolares, deprimidas, ansiosas.

Existem heterossexuais, lésbicas, bissexuais, arromânticas, pansexuais, assexuais. Mulheres cristãs, ateias, budistas, muçulmanas.

Há mulheres que não são ativistas, que nunca ouviram falar em feminismo, que nunca discutiram racismo. Mulheres que lutam de formas diferentes, a partir de ideias que não conhecemos. Existem mulheres que têm vergonha de partilhar as suas escolhas por medo de serem julgadas. E existem mulheres que discordam de tudo o que eu disse até aqui.

Cada Mulher tem a sua própria história, e acredito que todas merecem ser ouvidas e representadas. A minha abordagem será abrangente, convidando todos os que partilhem comigo essa ideia de liberdade a celebrar a diversidade do ser humano.


Sobre a autora:
Carol Rossetti decidiu ser ilustradora aos 4 anos, quando os seus pais lhe ofereceram uma caixa de lápis de cor.

Mais tarde, resolveu que queria estudar design gráfico, área na qual se formou em 2011. Mora em Belo Horizonte e concilia os seus projetos autorais de ilustração com o estúdio Café com Chocolate Design, projeto criado por ela com três amigos. As suas ilustrações já foram traduzidas para mais de 15 idiomas e divulgadas nos média internacionais como CNN,Cosmopolitan e Huffington Post. Carol foi destacada pelo Facebook Stories como um exemplo de mulher que faz a diferença na sua comunidade e a nível global. Até aos dias de hoje, Carol adora receber cadernos e delicia-se com as infinitas possibilidades de um papel em branco.


Já viram os sacos da Bertrand?

Difícil não trazer todos para casa.










sexta-feira, 29 de janeiro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Planeta: Novidades Fevereiro

FICÇÃO

Título: MAIS MALDITO KARMA
Autor: David Safier
N.º de Páginas: 288
PVP: 17,76 €
Disponível a partir de 3 de Fevereiro

Mais Maldito Karma é uma fábula divertida e engenhosa, que nos ensina a lição mais importante da vida: não vale a pena viver se não o fazemos em pleno.
Baseado em algumas premissas bastante bizarras e absurdas, David Safier constrói um romance com duas camadas: uma exterior, divertida e superficial; outra interior, que nos faz pensar quais são as nossas prioridades na vida e se valem a pena.
Esta sequela de Maldito Karma, traz novas personagens hilariantes, como Daisy Becker, uma actriz falhada e maluca, que bebe, fuma e rouba os companheiros de casa; e o actor Steve Barton, supersexy, mas bastante estúpido.
Maldito Karma vendeu mais de 1,5 milhão de exemplares na Alemanha.
Em Portugal, em poucos meses, chegou às 5 edições.

Daisy Becker é uma actriz de segunda, a sua carreira está acabada e a vida pessoal é um caos. A ponto de ficar na rua porque não consegue pagar a renda.
Daisy conhece a estrela de Hollywood do momento, o arrogante Marc Barton, que está em Berlim a rodar o novo filme de James Bond. A sua relação começa da pior maneira.
E piora quando, depois de morrerem num acidente de carro, recebem o castigo por acumularem mau durante a vida: voltam a nascer como formigas.
Nenhum deles tem muita vontade de partir para a guerra como insectos. Além disso inteiram-se que o melhor amigo de Daisy e a mulher de Marc estão a sair juntos. 
Que fazer? Ir em busca de bom e subir os degraus da escada da reencarnação até voltarem a ser humanos. Mas não é assim tão fácil, principalmente com as armadilhas amorosas.
Sobre o autor
Nasceu em Bremen, em 1966. Conhecido guionista de séries de televisão de êxito, como Mein Leben und Ich (A Minha Vida e Eu), Nikola e Berlim, Berlim, foi galardoado com o Prémio Grimme e com o Prémio TV da Alemanha, bem como com um Emmy, nos Estados Unidos. Vive e trabalha em Bremen.
Maldito Karma (Planeta, 2011), o seu primeiro romance, foi um êxito internacional, que vendeu mais de um milhão e quinhentos mil exemplares na Alemanha e que conta com várias edições em diversos países. Em Portugal, em poucos meses chegou às cinco edições.
Depois de Jesus Ama-me, Uma Família Feliz e 28 Dias, Mais Maldito Karma é a nova aposta do autor na Planeta, um livro com uma história que não nos deixará indiferentes.

Sobre o autor:
«O esforço de escrita é muito maior para escrever uma linha com graça do que uma com emoção.»
O humor é sem dúvida o ingrediente-estrela dos seus romances. Mas os alemães não são conhecidos pelo seu humor. Abriu caminho na literatura alemã para este género? É difícil escrever com humor?
Bom, temos alguns escritores que escrevem com humor, eu não sou o único.
No entanto, o que distingue os meus romances é que para além do humor falam muito sobre emoções. Escrever com humor é muito difícil, o esforço de escrita é muito maior para escrever uma linha com graça do que uma com emoção.
Nos seus romances há sempre uma personagem que vive uma experiência extraordinária que a faz encontrar a si própria e a descobrir o segredo da felicidade. Considera que os seus livros seguem uma espécie de padrão? Têm algo em comum?
Todos eles, incluindo o meu romance sobre o Holocausto - 28 Dias - são sempre sobre como queremos viver uns com os outros e o que torna a vida boa e má.
Os seus romances estão narrados do ponto de vista feminino e consegue que o leitor se sinta na pele das protagonistas.
Sendo homem, onde se inspira para ir buscar esse lado feminino?
Eu tenho uma visão bastante incomum do mundo. Acho que os homens e as mulheres não são assim tão diferentes. Pode ser uma surpresa para as leitoras, mas nós homens também temos sentimentos.
Temos é dificuldade em expressá-los. Para mim é muito natural que eu escreva sob a perspectiva de uma mulher, porque os meus romances são sobre sentimentos.
Neste romance, Mais Maldito Karma, volta a recuperar o tema da reencarnação. Há alguma razão especial para o fazer? Foi um risco calculado esta sequela?
Logo a seguir ao meu primeiro romance, as pessoas perguntaram-me:
‘Quando é que escreves um segundo?’. A minha resposta foi: ‘Quando eu tiver uma grande ideia!’. Levei oito anos para ter uma. Por isso, e como podem ver, não sou muito rápido a pensar.
Na sua opinião em quem encarnaria Angela Merkel?
As pessoas de esquerda diriam numa formiga, por causa da sua política financeira. Muitas pessoas diriam que seguirá o caminho do Nirvana por ser uma boa alma, e ter ajudado todos os refugiados. As pessoas de direita pensariam o oposto. Pessoalmente, penso que é no meio que está a virtude e a verdade, e, por isso, Angela Merkel encarnaria provavelmente num peixinho dourado.
Os seus livros além de fazerem rir também fazem pensar o leitor. Neste livro que mensagem quer fazer passar?
Este livro é sobre não ter medo do amor, porque a vida é demasiado curta para termos medo dos nossos próprios sentimentos.
Já recebeu ofertas para adaptar os seus livros ao cinema?
Jesus Ama-me já foi filmado. Uma Família Feliz vai ser um fantástico filme de animação – como os da Pixar – em 2017. E 28 Dias está a ser produzido.
Quanto ao Karma, veremos…
É guionista e jornalista. O processo de escrita de romances é diferente?
Qual prefere?
Escrever romances dá-me muito mais liberdade. Não preciso de pensar em orçamentos, pois uma página impressa custa o mesmo, não importa o quê.
Todo o escritor tem um autor em que se inspira e um livro que o marcou. Quais são os seus?
Quando tinha 17 anos vi num supermercado em Amesterdão a brochura de À Boleia pela Galáxia, de Douglas Adams. Li as primeiras páginas ali mesmo no supermercado e soube a partir desse momento que queria fazer da escrita o meu modo de vida, como aquele escritor.
Que conselhos daria a todos os que sentem uma paixão pela escrita?
Escrevam, escrevam, escrevam. Escrever é como um músculo que precisa de ser treinado.

NÃO FICÇÃO
Título: COMO ENCONTRAR O CÉUAutor: Theresa Cheung
PVP: 17,76€ 
N.º de Páginas: 280
Nas livrarias a partir de 3 de Fevereiro

Quase nove em cada dez pessoas acreditam na promessa do paraíso ou na vida após a morte.
Mas o que é o céu e como o pode encontrar?
Há prova de que o céu existe?
É possível conversar com os seus entes queridos falecidos?
É possível encontrar o paraíso na Terra?
Teresa Cheung oferece respostas a todas estas perguntas eternas e mais.
O livro trata da antiquíssima busca para o sentido da vida até hoje com conselhos sobre como reconhecer a presença de espíritos na vida quotidiana e decifrar as mensagens divinas que nos enviam constantemente.
Com diversas informações sobre o caminho para o céu que pode ser tomado (com ou sem credo ou crença em Deus), os leitores irão aprender que o céu não é só «lá fora», mas que também pode ser descoberto dentro de nós. Qualquer pessoa que anseie por orientação espiritual que transcenda a religião encontrará neste livro um guia de referência e uma constante fonte de alimento e inspiração.
A obra tem como tema uma viagem, apresentando a procura do céu como a busca de um tesouro escondido – fácil de descobrir se tiver o mapa certo – e pode ser usado para força, orientação e incentivo, sempre que tiver necessidade de conforto, esperança e amor.
Sempre que precisar de se lembrar que o céu existe e que pode encontrá-lo sempre que desejar, aqui e agora.
Theresa Cheung é uma estudiosa de anjos, guias espirituais, sonhos e visões da outra vida, e sente que os anjos guiam e orientam a sua vida e escrita. Ela própria teve também várias experiências angélicas, algumas das quais partilha neste livro.

Sobre a autora
Theresa Cheung nasceu numa família de espiritualistas com poderes psíquicos. Desde que se formou no King’s College, em Cambridge, tem estado envolvida no estudo sério dos fenómenos paranormais, há mais de 25 anos, tendo sido aluna do College of Psychic Studies, em Londres.
É autora de diversos livros, incluindo o best-seller internacional The Element Encyclopedia of 20,000 Dreams, bem como The Element Encyclopedia of the Psychic World, The Element Encyclopedia of Birthdays e Working with Your Sixth Sense.
Os seus livros já foram traduzidos em mais de 20 línguas e objecto de artigos nas revistas It’s Fate, Spirit and Destiny e Prediction.
Colaborou também em livros de Derek Acorah, Yvette Fielding e Tony Stockwell.
Se já teve uma experiência angélica e deseja partilhá-la com Teresa, ela terá muito gosto que lhe escreva. Por favor contacte-a ao cuidado de HarperElement, Editorial Department, 77-85 Fulham Palace Road, London W6 8JB ou envie-lhe directamente quaisquer histórias inspiradoras e exaltantes para: angeltalk710@aol.com

JUVENIL 
Título: A FEITICEIRA DAS TEMPESTADES
Autor: Tea Stilton
N.º de Páginas: 280 + 16 páginas a cores
PVP: 16,65€
Nas livrarias a partir de 3 de Fevereiro
Após a derrota do Príncipe sem Nome, as princesas têm de enfrentar um novo e aguerrido inimigo: as Feiticeiras Cinzentas.
Antigas aliadas do Rei Malvado, estas criaturas sem tempo estão determinadas a combater as Princesas com as armas da Magia sem Cor.
Numa batalha sem precedentes, as cinco filhas do Rei Sábio irão descobrir que algo no passado das feiticeiras, um segredo escondido no tempo, será revelado para as poder derrotar.

Neste novo livro, o céu está a ficar escuro, e o vento fustiga as nuvens: o feitiço da Tempestade Final está para começar.
Chegou a hora de as Princesas enfrentarem a terrível Feiticeira Etérea, Senhora das Tempestades e Soberana do Raio…
Uma clássica luta entre o Bem e o Mal, recheada de valores de solidariedade, bravura e romantismo, onde o amor à natureza, a fraternidade e a valentia vencem os maiores obstáculos.
Recomendado para crianças a partir dos 8 anos.
Este livro, tal como os anteriores da série, é ilustrado a preto e branco, e inclui dezasseis páginas a cores com todos os segredos da Rainha.
E há mais uma surpresa: a parte interior da sobrecapa transforma-se num fantástico poster da Feiticeira.
Mais de 35.000 exemplares vendidos em Portugal desta colecção
Desta colecção Princesas do Reino da Fantasia fazem parte os seguintes livros:
Princesa dos Gelos;
Princesa dos Corais;
Princesa do Deserto;
Princesa das Florestas;
Princesa da Escuridão;
Rainha do Sono;
Feiticeira das Marés;
Feiticeira das Chamas;
Feiticeira do Som.


No dia 4 de fevereiro, a Porto Editora lança A Sala Magenta, um romance de Mário de Carvalho

Título: A Sala Magenta
Autor: Mário de Carvalho
Págs.: 184
PVP: 14,40 €

No dia 4 de fevereiro, a Porto Editora lança A Sala Magenta, um romance de Mário de Carvalho sobre uma paixão devastadora e obsessiva, protagonizada por um homem derrotado e uma mulher inalcançável. Neste livro, vencedor do Prémio Fernando Namora, o autor procurou «começar a construir um universo ficcional povoado de homens mal-amados, sobre a relação sobremaneira equivocada e frustrante entre homens e mulheres. Sobre o desconsolo. Sobre a tristeza. Sobre todos nós». Retratando uma geração de artistas falhados, de intelectuais boémios iludidos, A Sala Magenta é um marco na obra de Mário de Carvalho e romance de que o autor mais se orgulha de ter escrito. Deixa porém uma advertência: «Procurar moldes da vida real para acontecimentos e personagens é ter em má conta a imaginação do autor. Pode ser que ele o mereça, mas não os lesados por equívocos de leitura.» A Sala Magenta vai ser publicado em França este ano pela editora Les Allusifs, numa tradução de Marie-Hélène Piwnik.

Sinopse:
Paixão, luxúria e erotismo. Raiva, crueldade e regelo. Dois tempos. O presente, numa casa na floresta, perto da Lagoa Moura, onde pena Gustavo Miguel Dias, um cineasta em fim de carreira, lambendo as suas feridas e rememorando tempos gloriosos. O passado, impante na capital. As festas. O álcool. Os quartos de hotel. O rol interminável de mulheres e amantes. E aquela sala magenta, duma tal Maria Alfreda, antecâmara da felicidade, conchego alcatifado, jogo perverso entre o desdém, o apaziguamento e a ameaça.

Sobre o autor:
Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico. Desde então, tem praticado diversos géneros literários, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do PEN Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram-se traduzidos em várias línguas.
Página do autor: www.mariodecarvalho.com


Novidade Booksmile: O Pombo mais rebelde e teimoso está de regresso!

Título: O Pombo Precisa de um banho!
N.º de Páginas: 40
PVP: 9,99€ 
Saída 1 fevereiro

O pombo mais rebelde, mais teimoso, e que quer, porque quer, fazer coisas que não pode, está de volta para continuar a causar confusão!

Com mais de 7 milhões de livros vendidos, os livros do Pombo, de Mo Willems, são um êxito mundial. Todos os volumes já editados foram bestsellers do New York Times. Não Deixes o Pombo Guiar o Autocarro, já editado pela Booksmile, foi considerado um dos 100 melhores livros para crianças pela revista Time.
Mo Willems é um autor e ilustrador que já ganhou três menções honrosas do Caldecott Award, o mais importante prémio de literatura infantil nos EUA.
Começou a sua carreira na Rua Sésamo, onde ganhou seis prémios Emmy como argumentista. Os seus desenhos e esculturas já foram exibidas em inúmeras galerias e museus nos EUA, incluindo The Eric Carle Museum of Picture Book Art, o High Museum, em Atlanta, e no The New York Historical Society. A novela gráfica que fez para a DC Comics, sobre a experiência da sua família durante o 11 de novembro, integra uma coleção permanente na Livraria do Congresso. Vive com a família, e o Pombo, no estado do Massachusetts, nos EUA.
Curiosidade: Em todos os livros que Mo Willems ilustrou existe um pombo escondido. 
«O Pombo odeia os livros que não são sobre ele. Por isso, ele esconde-se em todos os livros que eu ilustro.» - Mo Willems.
O Pombo está mesmo sujo! Não achas que ele está a precisar de um banho? O problema é que ele é tão teimoso que vai arranjar mil e uma desculpas para fugir da água. Será que vais conseguir convencer o Pombo a entrar na banheira?


Guerra & Paz: Vem aí um livro sem papas na língua

Título: O Livro do Filho da Puta
Autor: Manuel Maria Tolentino
N.º de Páginas: 112
PVP: 12,00 €
Nas livrarias a 3 de Fevereiro
Guerra e Paz

Sinopse
Este livrinho não é um tratado, uma tese ou uma bio­grafia. É somente um guia prático, o que significa que vai guiar-nos através do singular mundo do F. da P. Extraordinário livro que nos ajuda a conhecer melhor o país, o nosso tempo e até todos os sexos (os poli­valentes e os de multiusos) que proliferam nas nossas cidades. Embora possa não parecer, trata-se de um livro afectuoso que deve ser lido em Portugal ou em qualquer país.

Inclui 14 admiráveis listas, que vão da lista de «Des­tinos turísticos filhos da puta» até à «Lista com que o filho da puta exemplifica o seu humor raivoso».

Sobre o autor:
Não tem pai, nem mãe. É au­tor de um livro filho da puta. Ou, dito de outra ma­neira para que se guarde o conveniente pudor e um sossegado bom gosto, um livro F. da P. Tomando por imprestáveis os ensinamentos de Eça, Manuel Maria Tolentino escreveu este livro, mas recusou-se a plantar uma árvore e, sobretudo, a fazer filhos. Dele dir-se-á, no futuro: não deixou descendência e levou vida quase conventual em Lisboa.


Coolbooks publica Padre-homem, segundo volume de trilogia de Carlos Soares

Título: Padre-homem
Autor: Carlos Soares
Formato: e-wook
N.º páginas (estimado): 272
PVP: 5,99 €

Padre-homem, segundo volume da trilogia de Carlos Soares (publicada postumamente) que explora de forma desassombrada as fantasias ocultas na nossa sociedade, está agora disponível em coolbooks.pt e na livraria virtual wook.pt.
Esta obra transporta os leitores para o Portugal rural do final dos anos 50, num cenário em que a influência da religião molda a moral e os costumes do dia a dia. Raul, o jovem pároco de Pedra Grande, vê as suas crenças serem abaladas quando conhece Susana e cede perante a sua condição de homem. Criada com a disciplina rigorosa de um convento, Susana desde cedo encontrou formas pouco ortodoxas de escapar à rotina enfadonha, tornando-se manipuladora, independente e impulsiva. O romance tórrido une-os em sentimentos de culpa, proibição e fragilidade. Poderá o amor florescer no isolamento e na aridez emocional imposta pelas obrigações eclesiásticas? A trilogia dedicada às parafilias e tabus é completada por A menina (obra já publicada em 2015) e Pontos de não-retorno (a publicar no final do primeiro semestre).

Sobre o autor:
Falecido em 2011, aos 76 anos, Carlos Soares levou uma vida ligada ao mundo da comunicação. Mário Zambujal elogiou o seu «rigor de jornalista, pelo domínio sábio do sentido de cada palavra» e, como demonstram as obras agora publicadas pela Coolbooks, a «arte de bem escrever». Para ler um excerto deste ebook, clique nesta ligação.
Carlos Soares dedicou toda a sua vida ao jornalismo, tendo trabalhado, entre outros, no jornal O Século, na RTP e na produtora televisiva de Manolo Bello. Um AVC quando o autor tinha 45 anos foi ensejo para afadigado escrever-escrever visando a recuperação possível. O erotismo e as parafilias marcaram a sua escrita, num controverso e precioso legado agora publicado pela Coolbooks.