sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Novidade Esfera dos Livros: Era uma Vez Lisboa, de Luís Ribeiro

A História de Lisboa é feita de vidas, lugares, paixões, tragédias, confrontos, conspirações. Conhecer Lisboa é também recuar no tempo e descobrir a cidade que passou pelas piores calamidades desde o terramoto de 1755, passando pela Peste Negra, até ao dilúvio que matou centenas de lisboetas - mas que sempre se ergueu.

Uns, como Calouste Gulbenkian, vieram de fora e apaixonaram-se perdidamente, outros, como o Marquês de Pombal, fizeram-na renascer das cinzas. Mas Lisboa é feita também de vilões e de heróis. Dos primeiros reza a história que matavam em série e, como Diogo Alves, que, em 1841, foi acusado de assassinar 70 pessoas, ou que burlavam os mais incautos. Já os heróis ficarão para sempre na memória dos lisboetas e Martim Moniz ou os Mártires da Pátria não são apenas topónimos desta cidade, mas, acima de tudo, heróis que deram a vida por aquilo em que acreditavam.

O amor também corre pelas ruas e vielas da capital: o conde de Vimioso perdeu-se de amores pela fadista Severa, e Sá-Carneiro apaixonou-se na amena Lisboa por uma «princesa nórdica num esquife de gelo». As «estórias» lisboetas são tantas que muitas se perderam no tempo, mas nada como recuperá-las: a tentativa do rei D. Manuel I para realizar um combate entre um rinoceronte e um elefante, ou o facto de o embaixador francês em Lisboa Jean Nicot ter sido responsável por pôr o resto do mundo a fumar, ao tornar-se o primeiro importador de tabaco no século XVI.

Estas são algumas das histórias que o jornalista Luís Ribeiro nos apresenta num livro que nos revela uma cidade única e singular que tantas vezes calcorreamos, mas da qual, por vezes, tão pouco sabemos.



LRLuís Ribeiro nasceu em Lisboa em 1976. Vinte e três anos mais tarde, em 1999, integrou os quadros da revista Visão. Teve o seu batismo de fogo quatro meses depois, ao ser enviado para São Jorge, nos Açores, para cobrir o acidente do voo ATP SP530M, que matou 35 pessoas. Daí para cá, já fez reportagens na Gronelândia e em Svalbard, onde assistiu, em direto, às consequências do aquecimento global no Ártico; viajou para o Paquistão, de onde escreveu a história do atentado que matou Benazir Bhutto; passou pelo deserto do Saara e pelas bases militares da NATO em Sarajevo e no Kosovo; cobriu as trágicas enxurradas de 2007 em Moçambique e de 2010 na Madeira. Entretanto, em 2004, venceu o prémio nacional de imprensa «Jornalismo pela Tolerância», atribuído pelo Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas, com a reportagem «De Portugal, com amor», feito na Ucrânia durante a Revolução Laranja. É casado e tem um filho.


Porto Editora publica o romance de estreia de Mário de Carvalho

Título: O livro grande de Tebas navio e Mariana
Autor: Mário de Carvalho
Págs.: 296
PVP: 15,50 €

Nova edição de O livro grande de Tebas navio e Mariana chega esta semana às livrarias.
Em 1982 Mário de Carvalho publicava o seu primeiro romance, O livro grande de Tebas navio e Mariana, aquele que seria o ponto de partida para a obra do autor que, na altura, «já era escritor». Quem o diz é Manuel Frias Martins no prefácio à nova edição deste livro, que a Porto Editora publica a 2 de fevereiro. Em O livro grande de Tebas navio e Mariana, história de peripécias, numa demanda por uma cidade mítica inalcançável, é já possível encontrar referências, imaginários e angústias que o autor recuperará noutros livros, mais tarde. Mário de Carvalho encontrará diferenças, hoje, do jovem escritor da altura, mas reconhece essa matriz que marcará a sua obra, como o próprio defende no texto que introduz esta edição.

Sinopse:
Era um navio-resumo de todos os navios que em todos os tempos houve 
Uma perturbada viagem, por mar e terras do longe, em busca do sentido último da história colectiva e do destino individual do homem: a demanda de uma cidade mítica, envolta em espessa bruma, nem fria nem quente, nem seca nem húmida, guardada ao alto por cem torres escuras e quadradas, defendida por mil portas pequenas e gradas e há muitos mil anos cercada por infindas legiões de silentes, serenos, solenes guerreiros.

Sobre o autor_
Mário de Carvalho nasceu em Lisboa em 1944. O seu primeiro livro, Contos da Sétima Esfera, causou surpresa pelo inesperado da abordagem ficcional e pela peculiar atmosfera, entre o maravilhoso e o fantástico. Desde então, tem praticado diversos géneros literários, percorrendo várias épocas e ambientes, sempre em edições sucessivas. Nas diversas modalidades de Romance, Conto e Teatro, foram atribuídos a Mário de Carvalho os prémios literários portugueses mais prestigiados (designadamente os Grandes Prémios de Romance, Conto e Teatro da APE, o prémio do PEN Clube e o prémio internacional Pégaso). Os seus livros encontram- -se traduzidos em várias línguas.
Página do autor: www.mariodecarvalho.com


Catherine Bybee está de regresso com «Conquistada até Terça»

Título: Conquistada até Terça
Autor: Catherine Bybee
Género: Literatura / Romance
Tradução: Marta Teixeira Pinto
N.º de páginas: 312
Data de lançamento: 4 de fevereiro
PVP: € 15,50

Um livro repleto de romantismo e com um ligeiro toque de erotismo. Disponível nas livrarias a partir do dia 3 de fevereiro
Catherine Bybee, autora best-seller do New York Times, está de regresso com o livro Conquistada até Terça, um romance que chega às livrarias, hoje, dia 3 de fevereiro. Este é o quarto livro da autora norte-americana a ser publicado em Portugal com o selo editorial da Bertrand Editora. Conquistada até Terça insere-se na série The Weekday Brides (Noivas dos Dias da Semana), que tem conquistado inúmeros fãs em todo o mundo, inclusivamente em Portugal. Conquistada até Terça é um livro repleto de romantismo e com um ligeiro toque de erotismo. Judy Gardner e Rick Evans são os protagonistas desta história. Ela é uma promissora arquiteta e ele é um musculado e atraente guarda-costas, que só tem olhos para Judy.
«Ela pôs-lhe a mão no peito e ergueu os lábios para os dele.
- A honestidade é uma coisa boa.
Ele moldou o seu corpo ao dela e ofereceu-lhe um sorriso.
- O que queres fazer o resto da noite, Judy?
Ela inspirou profundamente, para ganhar coragem, ou talvez estivesse à procura de oxigénio naquele ar mais rarefeito do que era habitual, como ele.
- Quero ver-te… todo – afirmou ela.»

Sinopse:
– Judy Gardner – Judy acabou de se formar e está pronta para conquistar o mundo… isto se conseguir arranjar trabalho, claro. A sua esperança é passar de aspirante a arquiteta para famosa arquiteta o mais depressa possível, por isso muda-se para Los Angeles, para casa do seu famoso irmão, Michael Wolfe. Mas é difícil para Judy concentrar-se no trabalho quando o sedutor guarda-costas por quem ela se apaixonou no verão passado está sempre a aparecer no seu caminho. – Rick Evans – Com o seu físico musculoso, olhos verdes e sorriso fácil, Rick podia ter qualquer mulher que quisesse. Mas o antigo fuzileiro que agora é guarda-costas só tem olhos para Judy e a sua maneira de ser temperamental. Quando um marginal anónimo ataca Judy, Rick decide que nada o vai deter até encontrar o monstro que persegue a mulher que ele ama.


Sobre o autor:
Catherine Bybee é autora best-seller do New York Times. Nasceu em Washington, mas mudou-se para a Califórnia depois do liceu, na esperança de vir a tornar-se atriz. Em lugar disso, licenciou-se em enfermagem e fez a sua carreira sobretudo em urgências hospitalares. Atualmente, é escritora a tempo inteiro. Vive na Califórnia com o marido e os dois filhos.
www.catherinebybee.com


Porto Editora: José Saramago - "Caim" e "Cadernos de Lanzarote III

Título: Caim
Págs.: 146
PVP: 16,60 €
Caligrafia da capa: Clara Ferreira Alves

Título: Cadernos de Lanzarote – Diário III
Págs.: 224
PVP: 17,70 €
Caligrafia da capa: José Carlos de Vasconcelos

Em 2017, a Porto Editora continua o seu trabalho de reedição da obra de José Saramago e, a 2 de fevereiro, chegam às livrarias Caim e Cadernos de Lanzarote III.
Caim é um dos romances mais controversos de José Saramago, o último que publicou em vida, e nele regressa aos primeiros livros da Bíblia e faz de Caim, irmão de Abel, protagonista. Num itinerário heterodoxo, este percorre cidades decadentes e estábulos, palácios de tiranos e campos de batalha pela mão de conhecidas personagens do Antigo Testamento, imprimindo ao texto o humor refinado que caracteriza a sua obra.
Em Cadernos de Lanzarote III, que corresponde ao seu diário entre 1993 e 1995, Saramago escreve-nos sobre os bastidores dos prémios literários internacionais, a cumplicidade com amigos escritores como Jorge Amado, a luta contra o obscurantismo político e religioso que condena as suas obras como subversivas e blasfemas, os impasses íntimos do escritor diante do seu trabalho. Alternando a serenidade de quem já viveu muito com a indignação de quem não se cansa de lutar contra o que julga estar errado, Saramago dá neste livro um testemunho único de entrega à literatura e à vida.

Sobre o autor:
Autor de mais de 40 títulos, José Saramago nasceu em 1922, na aldeia de Azinhaga. Até 2010, ano da sua morte, a 18 de junho, em Lanzarote, José Saramago construiu uma obra incontornável na literatura portuguesa e universal, traduzida em todo o mundo. José Saramago recebeu o Prémio Camões em 1995 e o Prémio Nobel de Literatura em 1998.


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Apresentação de "A Rainha Perfeitíssima" de Paula Veiga


Chiado Editora publica segundo romance de Fátima Torres

Título: “Diamantes de Cristal e Pérolas Perdidas”

“Diamantes de Cristal e Pérolas Perdidas”, o segundo romance da escritora vianense Fátima Torres fala sobre dois irmãos com destinos antagónicos, até ao dia em que a vida se intromete e os reeduca agressivamente, dando-lhes uma nova oportunidade para desempenharem as suas missões de vida.

Matias, jovem emigrante português, luta por um império auspicioso até conhecer Carolina, menina da cidade, herdeira de uma grande fortuna mas dona de sentimentos de solidão e vazio interior. O caminho dos dois jovens cruza-se inesperadamente e, juntos, aprendem a amar e, de forma atroz e injusta, conhecem o desapego.

A Rogério competia-lhe uma vida mais dura e sofrida. Desde tenra idade vive momentos de dor e de luto, resistindo e reerguendo-se perante as adversidades. Padrões de acontecimentos repetem-se arduamente, mas a sua garra e simplicidade na vida ensinam-no a sobreviver, mesmo quando tudo parece perdido.

Em “Diamantes de Cristal e Pérolas Perdidas”, a autora mostra-nos que a vida se resume a meros compassos de segundos, em que tudo se transforma repentinamente sem que nada o faça prever. Importa, pois, desenvolver a arte de viver a vida com grandeza na alma.

Sobre a autora:
Nascida em Arcos de Valdevez, Fátima Torres (n. 1982) é Terapeuta Holística em Reiki e Reconexão, tendo especial interesse por terapias alternativas bem como o estudo da Parentalidade Consciente e outras abordagens educacionais infantis. A sua estreia no mundo do romance deu-se em 2013, com o lançamento de “Mão na mão, lado a lado” sob a chancela Chiado Editora.



Novidade Temas e Debates: «Lenine no Comboio» de Catherine Merridale

Título: Lenine no Comboio
Autor: Catherine Merridale
Género: História
N.º de páginas: 344
PVP: 19,90€
Em livraria: 3 fevereiro 2017

Em plena Primeira Guerra Mundial, o relato empolgante de como o maior revolucionário russo foi levado num comboio selado através da Europa para mudar a história do mundo.
Em 1917, a guerra na Europa parecia ser eterna. Os dois contendores procuravam armas, táticas e ideias novas para quebrar o impasse. No governo alemão, um pequeno grupo de homens teve uma ideia brilhante: porque não semear a confusão numa Rússia cada vez mais caótica? E se se arranjasse uma maneira de Vladimir Ilitch Lenine, o mais célebre extremista revolucionário, que se encontrava então retido na Suíça neutra, voltar a casa?
Este livro recria a extraordinária viagem de Lenine a partir do exílio em Zurique, cruzando uma Alemanha a desmoronar-se devido às privações da guerra, em direção ao norte até à orla da Lapónia, até à extática receção final, pelas multidões de revolucionários, na Estação Finlândia de Petrogrado.

«Catherine Merridale é uma das principais especialistas na história da Rússia, combinando visões irónicas com uma simpatia profunda pelos seres humanos vítimas das tragédias sobre as quais escreve.» The Economist
«Uma história preciosa, que parte de um episódio do penúltimo ano da Grande Guerra para lançar luz sobre um continente, uma revolução e uma série de personagens num período de cataclismo e consegue-o com argúcia, equilíbrio e sensibilidade [...]. Catherine Merridale é uma historiadora cuja obra nos permite compreender sempre algo mais sobre o mundo que habitamos.» The Times

Sobre a autora:
Catherine Merridale, historiadora, publicou títulos como Night of Stone: Death and Memory in Russia (Heinemann Prize of Literature, selecionado para o Samuel Johnson Prize), Ivan’s War: The Red Army, 1939-45 e Fortaleza Vermelha: O Coração Secreto da História da Rússia publicado pela Temas e Debates/ Círculo de Leitores e distinguido com o Wolfson Prize for History e o Russian Book Prize da Pushkin House.


terça-feira, 31 de janeiro de 2017

A estante está mais cheia #48

Da Guerra & Paz chegou o clássico As Pupilas do Senhor Reitor de Júlio Dinis. Já o tinha lido há uns bons anos, mas decidi relê-lo e em boa hora o fiz. Adorei o romance e esta edição da Guerra & Paz é imperdível.
O Trilho da Morte foi comprado em segunda mão e, apesar de não ter adorado o primeiro livro de Sara Blaedel, fiquei curiosa com a sinopse, e decidi dar uma segunda oportunidade à autora.
Um Desconhecido em Mim foi oferta da autora, Cristina Lourenço e da Chiado Editora. A minha opinião sobre o livro pode ser lida aqui.
A Quinta dos Animais de George Orwell veio com a revista Visão, que lançará um clássico uma vez por mês. Este também foi lido há uns anitos, quando andava na faculdade, mas como foi um empréstimo quis ter um exemplar para a estante.
Isto é mais que um Diário de Adam J. Kurtz e O Homem Ausente da dupla Hjorth & Rosenfeldt foram ofertas da Penguin Random House. O primeiro tem um interior lindo que puxa pela criatividade do leitor. O segundo já foi lido e opinado (aqui) e pertence a uma das séries que mais tenho gostado de acompanhar.
O Templário Negro de Roberto Genovesi foi oferta do Clube do Autor e espero lê-lo muito em breve.
Para o Projecto do Holocausto decidi comprar mais três livros da temática (como se não tivesse ainda muitos livros por ler sobre o tema!!). O Rapaz do Cimo da Montanha, de John Boyne, Canção de Embalar de Auschwitz de Mario Escobar e As Primeiras Vítimas de Hitler que veio comigo por estar apenas a 6 euros na note!