sexta-feira, 11 de maio de 2018

A Resignação - A obra póstuma de Luís Miguel Rocha

No próximo dia 24 de maio, a Porto Editora publica A Resignação, o último romance de Luís Miguel Rocha.
A 11 de fevereiro de 2013, Bento XVI anuncia a sua renúncia à liderança da Igreja Católica, que justifica com a avançada idade e com a falta de capacidade física para exercer o cargo. Em várias entrevistas e declarações públicas realizadas na altura, Luís Miguel Rocha afirmou que aquele momento e as verdadeiras motivações para a decisão de Joseph Ratzinger tinham todos os ingredientes para um bom romance – mistério, segredo e intriga – e que esse seria o tema do seu próximo livro, A Resignação.
Ainda que considerasse um desafio escrever sobre um evento cujas implicações ainda não estavam completamente terminadas, o autor inicia imediatamente a escrita deste livro. A doença e a sua morte prematura, a 26 de março de 2015, não permitiram que terminasse aquele que seria o seu quinto romance sobre os segredos do Vaticano.
Cumprindo a vontade manifestada pelo autor, a família decide concluir o original inacabado. Para dar sequência ao enredo idealizado, foram convidados dois escritores seus amigos, Porfírio Silva e Rui Sequeira, que, com base nas várias notas deixadas, escreveram o desfecho de A Resignação.

Sessão de lançamento
No dia 25 de maio, dia de abertura da 88.ª edição da Feira do Livro de Lisboa, a Porto Editora organiza uma sessão de tributo a Luís Miguel Rocha, no Espaço “Autores que nos unem”, a partir das 18:30. Este é o palco para o lançamento de A Resignação e também para a apresentação do Prémio Literário Luís Miguel Rocha, instituído recentemente pela Câmara Municipal de Viana do Castelo.
Naquela que é a cidade natal do autor está marcada uma sessão de homenagem, no dia 1 de junho, às 21:30, na Biblioteca Municipal de Viana do Castelo. 

Título: A Resignação
Autor: Luís Miguel Rocha
Coautores: Porfírio Silva e Rui Sequeira
Págs.: 296
PVP: 18,80 €

Sinopse: 
Em dezembro de 2012, Bento XVI recebeu de uma comissão de cardeais um relatório de 300 páginas sobre o mediático caso “Vatileaks”.
Dois meses depois, no dia 11 de fevereiro de 2013, evocando razões de saúde, e ciente da gravidade da sua decisão, o Papa anunciou ao mundo que resignaria ao trono de São Pedro. Não se sentia capaz, física e espiritualmente, para continuar a exercer o cargo.
Que segredos comprometedores guarda o extenso relatório? A resignação terá acontecido por razões de saúde, como Bento XVI anunciou, ou por pressões políticas que jamais serão tornadas públicas?
Os mistérios de tão inesperada decisão serão agora revelados.

Sobre o autor: 
Luís Miguel Rocha nasceu na cidade do Porto, em 1976. Foi técnico de imagem, tradutor, editor e guionista, até se dedicar em exclusivo à escrita. Publicou seis títulos: Um País Encantado, O Último Papa, Bala Santa, A Virgem, A Mentira Sagrada e A Filha do Papa. A título póstumo foi publicada a sua obra de não ficção Curiosidades do Vaticano. As suas obras estão traduzidas em mais de 30 países. O Último Papa marcou presença no top do The New York Times e vendeu meio milhão de exemplares em todo o mundo. Luís Miguel Rocha morreu a 26 de março de 2015, em Viana do Castelo.

Os Coautores: 
Porfírio Pereira da Silva é fundador e diretor do jornal Foz do Lima e da revista Íbis. Entre 1999 e 2005, foi presidente da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Alto Minho. Atualmente desempenha funções de técnico superior na Biblioteca Pública Municipal de Viana do Castelo. É autor de obras de poesia, romances e livros de História e colabora assiduamente com a imprensa regional.
Rui Sequeira é um entusiasta da cultura e dos povos, um apaixonado por História, nomeadamente da Antiguidade. Essa paixão reflete-se na sua escrita, que combina a História com o fantástico. É autor de O Segredo de Tutankamon. A escrita é um escape da vida stressante de uma profissão ligada aos ERP de Gestão.


Sem comentários: