quinta-feira, 24 de julho de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Enquanto Dormes - Alberto Marini [Opinião]

Título: Enquanto Dormes
Autor:
Alberto Marini 
N.º de Páginas: 304
PVP: 17,76 €

Sinopse:
Cillian, porteiro de um edifício de Nova Iorque, sente prazer em prejudicar as pessoas que o rodeiam. Ele conhece a fundo todos os inquilinos do prédio. Controla as suas idas e vindas, estuda-os, descobre os seus pontos fracos, os seus segredos.
Clara, a condómina do 5.º B, é a sua próxima vítima, e ele não parará enquanto não conseguir destruir-lhe a vida. Todas as manhãs, Cillian faz um jogo consigo próprio a que chama «roleta russa»: coloca a sua vida no abismo, procurando um motivo para viver mais um dia. Incapaz de ser feliz, o seu único conforto é impedir que os outros o sejam.
Clara é a sua antítese: uma mulher feliz, em paz, que reage com um sorriso a tudo o que a vida lhe oferece. A sua indestrutível vitalidade transtorna Cillian, que levará o seu jogo ao extremo. Um jogo que se revelará mais complexo do que alguma vez podia imaginar.

A minha opinião:
Cillian, porteiro de um edifício de luxo em Nova Iorque é uma pessoa obsessiva. Vive apenas para fazer mal aos outros, desejando vê-los com cara triste e desolados. Deprimidos como ele próprio. Todos os dias te uma provação, todos os dias deseja a sua própria morte e todos os dias vai até ao terraço do edifício onde é porteiro e desafia a morte. Durante todo esse tempo ele arranja motivos para não morrer naquele dia e o motivo que o ensombra mais é uma espécie de vingança em relação à condómina do 8.ºA, uma jovem alegre e de bem com a vida.

Clara será mesmo a obsessão de Cillian, mas não a única. Ao longo de 300 páginas vamos conhecendo alguns dos inquilinos do prédio. Uma idosa com paixão por cães que vive os fins dos dias isolada de todos. Um jovem acamado, vítima de um acidente quando fazia parkour, uma adolescente inteligente que vai topando os esquemas do porteiro e que o chantageia...

Cillian é, pois, o personagem principal e o vilão. Vamos conhecendo o dia a dia do prédio e das pessoas que lá habitam pelos olhos deste peculiar porteiro que, ao ocupar este cargo, tem acesso a quase tudo das suas vidas, inclusive, a entrada nas suas próprias casas. É aqui que o livro começa a ser mais perturbador, porque Cillian vive um romance com a Clara, sem que esta o saiba. O que lhe faz diariamente chega a ser macabro e revoltante.



Não dá para falar muito mais sobre a personagem principal sem revelar o que vai acontecendo ao longo da narrativa, mas, ao contrário de outros policiais que tenho lido, Enquanto Dormes não tem sangue, nem vítimas mortais. O que o vilão faz é mais violência psicológica do que propriamente física. Isso poderá ser mesmo o ponto fulcral do livro.


Não me encheu as medidas devido a partes um pouco repetitivas e monótonas, além de não ter criado qualquer empatia com o protagonista. Mas por ser um livro completamente diferente dos demais recomendo a leitura aos amantes de policiais e thrillers psicológicos.

Excerto:
"Byron dizia que a recordação de um casamento feliz não passa de uma doce recordação. Mas a recordação de um momento doloroso é pura dor."