domingo, 3 de junho de 2018

Uma pequena jóia da literatura portuguesa...

Título: Obras do Diabinho da Mão Furada
Autor: António José da Silva (O Judeu)
N.º de Páginas: 136
PVP: 11,90 €
Ficção/Literatura Portuguesa
Nas livrarias a 05 de Junho
Guerra e Paz Editores

Sinopse: 
O soldado Peralta, vindo das guerras da Flandres, dirige-se a Lisboa. No Alentejo, encontra um ser demoníaco, o Diabinho da Mão Furada, que o irá acompanhar na viagem, tentando-o ao pecado. Conseguirá Peralta resistir?
Pelo caminho, o demónio faz das suas: cria divisões, espalha a confusão, faz travessuras, divertindo-se sempre. Peralta depara-se com personagens excêntricas e situações insólitas. Viaja até ao Inferno, vê os tormentos por que passam as almas pecadoras. Visita o palácio onde se encontram os sete pecados capitais. Foge da casa da Cobiça. O real e o sobrenatural misturam-se em pleno Alentejo, numa verdadeira novela diabólica.
O livro Obras do Diabinho da Mão Furada é uma pequena jóia da literatura portuguesa. Foi escrito no século XVIII, quando em Portugal ainda as garras da Inquisição se faziam sentir. A Inquisição vitimou, aliás, o autor, António José da Silva, conhecido como O Judeu, queimando-o, em auto de fé, em Lisboa, em 1739.
ESTA EDIÇÃO INCLUI: Nota introdutória ∙ O Fradinho da Mão Furada ∙ Lista de personagens

Sobre o autor: 
António José da Silva. António José da Silva Coutinho, de ascendência judaica, foi poeta, comediógrafo e advogado, dito o Judeu, e nasceu no Rio de Janeiro em 1705. Oriundo de uma família de cristãos-novos que se refugiara no Brasil, vem para Portugal com a família. Formou-se em Direito (1728), em Coimbra. É considerado o dramaturgo português mais importante entre Gil Vicente e Almeida Garrett. É autor de várias peças teatrais destinadas a serem representadas por bonifrates.
Negou sempre a acusação de praticar actividades judaizantes, mas não convenceu a Inquisição que o queimaria vivo, em 1739, quando já era o mais popular comediógrafo de Lisboa. É autor de Esopaida ou Vida de Esopo (1734), Os Encantos de Medeia (1735), Labirinto de Creta (1736) e Guerras de Alecrim e Manjerona (1737).


Sem comentários: