segunda-feira, 9 de abril de 2018

Tu Não és Como as Outras Mães, de Angelika Schrobsdorff, um livro sobre uma mulher que ousou quebrar regras no tempo do nacional-socialismo

Título: Tu Não És Como as Outras Mães (nas livrarias a 17 de Abril)
Autor: Angelika Schrobsdorff
Editora: Alfaguara
N.º de Páginas: 568
PVP: 24,50€

Dia 2 de Maio, chega às livrarias o romance biográfico TU NÃO ÉS COMO AS OUTRAS MÃES, de Angelika Schrobsdorff. A autora escreve sobre a sua mãe, uma mulher que ousou viver a sua vida de uma forma livre e independente, colocando em causa os paradigmas de uma educação burguesa, numa Europa onde ascendia o nacional-socialismo.

«A autora deste livro não poderia dar-lhe um título melhor. E pode-se acrescentar: você, leitor, leitora, nunca leu um livro como este. É um livro fascinante, avassalador, único.» Andrés Trapiello, El País
Prémio Livro do Ano (Grémio dos Livreiros de Madrid)

Sobre o livro:
Enquanto jovem mulher, Else, uma menina mimada da burguesia de Berlim, fez duas promessas a si mesma: viver a vida intensamente e ter um filho de todos os homens que amasse.

Tu não és como as outras mães é a história real dessa vida intensa, extravagante, inconformista que foi a de Else Kirschner, uma mulher verdadeiramente livre, e uma mãe diferente de todas as outras. Nascida na conservadora burguesia judia de Berlim, Else estava prometida para casar com um bom partido. Mas os encantos de um artista cristão - «o maior amor e pior partido da sua vida» - foram o trampolim que procurava para renunciar ao conforto da casa paterna e ser dona do seu destino num mundo cheio de promessa.

Corriam os loucos anos vinte, dias efervescentes numa Berlim que parecia a capital do mundo, um tempo irrepetível de cultura, esplendor e liberdade. Else vivia no centro dessa boémia, incapaz de suspeitar que uma ameaça arrepiante cercava inexoravelmente a sua família. Quando as sombras do Nacional Socialismo tingiram a Europa de negro, Else, judia, teve de fugir com a família da cidade que tanto amava. No exílio, na Bulgária, tudo é miserável, tudo é muito pouco quando comparado com a primeira vida. Nessa segunda vida, Else arrepender-se-á de não ter protegido a família da calamidade, que se revela trágica para alguns.

Esta é a história de uma vida maior que a vida, um retalho de História extraordinário. Quem nos conta a história é Angelika Schrobsdorff, importante escritora de origem alemã. Era filha de Else e demorou quinze anos a pôr no papel a história da mãe, sem sentimentalismo mas com o amor e a admiração inevitáveis, criando um pedaço de grande literatura, um clássico do nosso tempo.

O que diz a imprensa:
«Um romance tremendamente importante, necessário e significativo.» Johannes Mario Simmel, Frankfurter Allgemeine Zeitung

«Terminada a leitura, sentimos que avançámos quilómetros no conhecimento da História e da alma humana, como acontece na boa literatura.» Isabel Verdú, Heraldo de Aragón

«Um retrato complexo, subtil, doloroso, mas tão comovente como as primeiras linhas que, no Dia da Mãe, um filho dedica à sua mãe numa folhinha pautada.» Luis Alemany, El Mundo

«As observações sinceras e inteligentes de Schrobsdorff criam um retrato compassivo, mas nada sentimentalista, de uma mãe que, trágica e gloriosamente, não era como as outras mães.» Publishers Weekly

«Um romance magnífico e torrencial.» Iñaki Ezkerra, El Correo

«Um soberbo romance expressionista, que parece clássico mas não é. Tal como não o são as partituras de Mozart.» Robert Saladrigas, La Vanguardia

«Um documento comovente sobre a Berlim de entre guerras que merece o enorme êxito que teve.» Le Nouvel Observateur

«A literatura alemã tem na escritora Angelika Schrobsdorff uma das suas mais brilhantes representantes, possivelmente a mais interessante de todos neste momento, sobretudo pelo carácter extremamente pessoal dos seus livros, em especial este Tu não és como as outras mães.» Antonio Bordón, La Provincia

Sobre a autora:
Angelika Schrobsdorff nasceu em Freiburg, na Alemanha, em 1927. Emigrou para a Bulgária em 1939 com a mãe e regressou à Alemanha em 1947, terminada a Segunda Guerra Mundial. Casou-se, em 1971, com o cineasta francês Claude Lanzmann, realizador do célebre documentário Shoah, com quem se mudou para Israel em 1983, depois de uma década a viver entre Paris e Munique. Viveu em Israel até 2006. Morreu em 2016, em Berlim, meses antes de cumprir noventa anos.

Converteu-se numa figura mítica na Alemanha, sobretudo graças ao romance autobiográfico que temos nas mãos, mas também graças à publicação do seu primeiro romance – Die Herren – que causou um escândalo na Alemanha e a celebrizou de imediato. É autora de dez romances e dois livros de contos que marcaram a história do romance da segunda metade do século XX.

Tu não és como as outras mães teve uma forte repercussão na Alemanha, conquistando mais de 500 mil leitores e inspirando um filme. Em Espanha arrebatou a crítica e os leitores e arrecadou o prémio de melhor livro do ano atribuído pelos livreiros de Madrid.




Sem comentários: