segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Crime, Disse Ela - Morte em Savannah - Jessica Fletcher

Título: Crime, Disse Ela - Morte em Savannah
Autor: Jessica Fletcher e Donald Bain
Editor: Edições Asa
Páginas: 272

Sinopse:
A famosa escritora de romances policiais Jessica Fletcher está a ouvir a leitura do testamento da sua querida amiga Tillie, quando é surpreendida por uma das cláusulas. Tillie doará um milhão de dólares à obra de caridade que ambas fundaram... se Jessica descobrir quem foi o responsável pela morte do noivo dela, assassinado numa festa de fim de ano quarenta anos antes. E tem um prazo de trinta dias para o fazer.

Assim que Jessica se instala na mansão de Tillie, percebe que não é bem-vinda. Nenhum dos herdeiros lhe vai facilitar a vida. Consta que a velha casa está assombrada… E, sem arma do crime ou quaisquer pistas, como poderá ela solucionar o mistério? E quais seriam as verdadeiras intenções da amiga, uma vez que nunca saberá a resposta à sua derradeira pergunta?

A minha opinião:
Lembro-me, de a minha juventude ser povoada por personagens como Hercule Poirot, Miss Marple, Perry Mason, e também por Jessica Fletcher, se contarmos com personagens de séries policiais que davam na RTP.

Desde nova que adquiri o hábito de ver estas séries, mas também de ler os livros que as inspiraram. Daí ter ficado extremamente curiosa com a publicação de um livro de Jessica Fletcher na coleção Crime à Hora do Chá, da Asa.

Em Morte em Savannah, Jessica é chamada a investigar uma morte com passado. Na leitura do testamento da sua amiga Tillie, ela reserva uma surpresa. Uma parcela da sua fortuna, um milhão de dólares, irá para Jessica, através de uma doação para a obra que ambas criaram, relacionada com um programa de alfabetização da cidade há duas décadas. A única contrapartida é que Jessica desvende um crime ocorrido há quarenta anos.

A vítima é Wanamaker Jones, noivo de Tillie, morto a tiro em Mortelaine House, na passagem de ano de 1967. 

A partir daí vamos, juntamente com Jessica, conhecer as personalidades principais de uma localidade pequena, mas cujas tradições estão bem patentes, quer na gastronomia, quer na celebração do dia de S. Patrício.

Dona de uma grande fortuna, Tillie era uma mulher cuja força e excentricidade eram a sua imagem de marca. Quando morre, deixa algumas pessoas tristes, mas sobretudo muito abutres que desejam a sua fortuna. E são muitas as personagens detestáveis que vamos descobrindo ao longo do livro. A maior parte deles podia ser o assassino de Wanamaker, o que só me levou à descoberta do criminoso praticamente na recta final do livro.

Engraçado que o livro está muito atual, já que o autor transportou Jessica para os anos 2000. Estava à espera de um livro dos anos 70/80, mas a actualidade resultou muito bem.

Aos fãs de série, mas também aos que desejam conhecer a personagem de Jessica sem que tenham visto qualquer episódio este é uma óptima leitura, que se lê num ápice. 




Sem comentários:

o-homem-de-giz-billboard