quarta-feira, 28 de setembro de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

A Livros do Brasil publica amanhã Batalha Incerta, de John Steinbeck

Título: Batalha Incerta
Autor: John Steinbeck
Tradução: Fernanda Pinto Rodrigues
N.º de Páginas: 328
PVP: 16,60 €
Coleção: Dois Mundos

A Livros do Brasil publica a 29 de setembro Batalha Incerta, de John Steinbeck, um romance empolgante que é ao mesmo tempo um olhar sobre a agitação social e política e a história de um jovem que procura definir a sua identidade. Batalha Incerta foi um dos primeiros títulos escritos por John Steinbeck – lançado em 1936 – e desde logo revelador de alguns dos temas que mais marcariam a sua obra: o comportamento de grupo, a luta de classes, a injustiça social e a falta de solidariedade entre os homens.

Sinopse:
Nos campos de Torgas Valley, na Califórnia, os apanhadores de maçãs estão decididos a pôr fim às práticas gananciosas impostas pelo pequeno grupo de proprietários rurais e a greve é declarada.
No meio da insurreição, Jim Nolan, rapaz solitário desesperado por dar um sentido à sua existência, rapidamente se vê à frente das operações. Mas à medida que a luta cresce, a violência impõe-se de um modo implacável e a defesa pelo reconhecimento dos direitos fundamentais dos trabalhadores transforma-se num fanatismo cego, que ameaça esmagar a vida daqueles que se entregaram ao seu serviço.

Sobre o autor:
John Steinbeck nasceu em Salinas, na Califórnia, em 1902, numa família de parcos haveres. Chegou a frequentar a Universidade de Stanford, sem concluir nenhuma licenciatura. Em 1925 foi para Nova Iorque, onde tentou uma carreira de escritor, cedo regressando à Califórnia sem ter obtido qualquer sucesso.
Alcançou o seu primeiro êxito em 1935, com O Milagre de São Francisco (Tortilla Flat na edição original), confirmado depois, em 1937, com a novela Ratos e Homens. Em 1939, publicaria aquela que, por muitos, é considerada a sua obra-prima, As Vinhas da Ira. Entre os seus livros, destacam-se ainda os romances A Leste do Paraíso e O Inverno do Nosso Descontentamento, bem como Viagens com o Charley, em que relata uma viagem de três meses por quarenta Estados norte-americanos. Recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1962. Faleceu em Nova Iorque, a 20 de dezembro de 1968.