segunda-feira, 15 de agosto de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Verdade Escondida - Mary Kubica [Opinião]

Título: Verdade Escondida
Autor: Mary Kubica
Editor: TopSeller
Páginas: 336

Sinopse:
NÃO IMPORTA O QUÃO RÁPIDO
CONSEGUIMOS CORRER…
O PASSADO ACABA SEMPRE
POR NOS ALCANÇAR.

Quinn Collins acorda e não encontra a amiga com quem partilha a casa na cidade de Chicago. O quarto dela tem a cama vazia e a janela aberta, e Quinn recorda-se vagamente de ter ouvido um rangido durante a noite. Esther Vaughan desapareceu sem deixar rasto. Entre os pertences da amiga encontra uma carta enigmática, assim como outros objetos que colocam em dúvida se Esther será a pessoa que Quinn julgava ser.
Entretanto, numa pequena cidade perto de Chicago, uma rapariga misteriosa aparece num café onde um jovem chamado Alex Gallo trabalha. Alex sente-se desde logo atraído por ela, mas acaba por descobrir algo obscuro e sinistro que porá em causa os seus sentimentos.
Enquanto Quinn continua em busca de respostas para o desaparecimento de Esther, e Alex tenta saber mais sobre a rapariga desconhecida, forma-se um enredo de ilusões que ameaça esconder uma dura e chocante verdade. Quem será aquela estranha rapariga?

A minha opinião: 
Depois de Vidas Roubadas, lido no final do ano passado, estava com grandes expectativas em relação a um novo livro de Mary Kubica. Vidas Roubadas foi um dos melhores livros lidos em 2015, o que me levou a ficar de olho na escritora norte-americana.
Mas Verdade Escondida revelou-se uma verdadeira desilusão.

Contada a duas vozes: Quinn companheira da desaparecida Esther, e Alex, jovem morador numa localidade pequena, depressa nos questionamos o que estas duas personagens poderão ter em comum para o desenrolar da história.

Quinn é uma rapariga despreocupada com a vida. Tem frequentes affairs, ganha um ordenado miserável, e cozinha muito mal. Vive com uma companheira de casa Esther, que facilmente se torna a sua melhor amiga. Depois de mais uma noite em bares, que resulta numa noite de sexo com uma desconhecido, Quinn vai ao quarto de Esther e percebe que a sua amiga não está em casa. Recorda que na noite anterior Esther estava um pouco em baixo e ao ver a janela do seu quarto aberta teme o pior. Participa o seu desaparecimento, mas ao não obter grandes resultados, decide fazer uma investigação pessoal. E descobre uma carta enigmática que a leva a questionar sobre a sua amiga e os segredos que ela esconde.

Do outro lado da narrativa aparece Alex, um jovem que trabalha num café/restaurante numa pequena cidade perto de Chicago onde não se passa nada. Até que numa manhã, entra no café uma rapariga, que desde logo o atrai.

Com pouco desenvolvimento até praticamente ao final do livro, vamos lendo o desenrolar da história sob o ponto de vista destas duas personagens. Mas nada de relevante advém daí, o que torna a leitura penosa, para quem deseja saber o final.

Para quem já leu os dois livros anteriores da escritora vai decepcionar-se com este, que não traz nada de novo.

Um bom final, mas a história não me agarrou.