terça-feira, 7 de junho de 2016

Porto Editora publica no dia 9 de junho Victor e Macha, o novo romance de Alona Kimhi

Título: Victor e Macha
Autor: Alona Kimhi
Tradução: Joana Cabral
Págs.: 440
PVP: 16,60 €

A Porto Editora publica no dia 9 de junho Victor e Macha, o novo romance de Alona Kimhi, uma das principais escritoras israelitas da atualidade. Tendo como cenário a cidade de Haifa dos anos 70, na altura a porta de entrada da vaga de imigrantes, Alona Kimhi desafia os tabus relacionados com a difícil integração destes na sociedade israelita e com o preconceito de que foram vítimas, baseando-se na sua própria experiência. Victor e Macha é um romance sobre o desenraizamento e a sobrevivência, protagonizado por um irmão e irmã adolescentes, órfãos e com uma relação de amor-ódio, tanto imprescindível quanto perversa. De acordo com o Le Monde, é «impressionante pela sua profundidade e subtileza, também intenso na introspeção psicológica e no retrato de um país e de uma época».

Sinopse:
Victor, dúvida e duplicidade, e Macha, provocação e maldade, têm apenas 16 e 17 anos, mas há muito que conhecem as vicissitudes da vida. Emigrantes em Israel, regressados da Diáspora na antiga União Soviética nos anos setenta, a morte dos pais lançá-los-á numa roda-viva entre kibutz e internatos. Como corda esticada ao máximo, prestes a quebrar, irmão e irmã desenvolvem uma cumplicidade que, de tão intensa e ambivalente, pode ter consequências devastadoras.
Esta tensão familiar, que se completa com a avó, Catherine, nada fica a dever àquela que permeia a sociedade e cultura israelitas, onde os novos-imigrantes e aqueles nascidos no Estado de Israel encetam um débil equilíbrio. A tolerância mascara o ressentimento e a generosidade esconde o desprezo, num retrato cru de uma sociedade cada vez mais heterogénea mas que busca sem cessar um sentido de unidade.

Sobre a autora:
Alona Kimhi nasceu em Lvov, na Ucrânia, em 1966 e emigrou para Israel com a família em 1972. Estudou Teatro e trabalhou como atriz, jornalista, argumentista, dramaturga e encenadora.
Victor e Macha assinala o seu grande regresso, após o sucesso de obras como Susana em Lágrimas, um bestseller mundial galardoado com o Prémio Bernstein para o melhor romance de Israel de 1999, e Lili la Tigresse, ambas publicadas em Portugal.

Imprensa:
Inteligente, insolente, irónico, divertido e doloroso. Zeruya Shalev, Prémio Femina Étranger 2014
Victor e Macha marca o grande regresso de Alona Kimhi ao romance. Livres Hebdo
As guerras surdas e domésticas levadas a cabo pelas crianças exasperadas por um amor que não podem admitir, nada ficam a dever à violência e paixão do seu país. […] Terrivelmente bom. Le Figaro
É através de uma veia intimista que a escritora, precisa e cortante, alcança uma dimensão política, esforçando-se por permanecer sempre mais perto dos pensamentos, paixões e angústias de Macha e Victor, e dos receios e renúncias de Catherine. Télérama



Sem comentários: