quarta-feira, 8 de junho de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Heróis do Mar - História dos Símbolos Nacionais, de Nuno Severiano Teixeira

A poucos dias do início do Campeonato Europeu de Futebol, que por acaso ocorre no Dia de Portugal, é interessante pensar se conhecemos o significado dos maiores símbolos nacionais, a bandeira e o hino?

A Portuguesa, nome do hino nacional, composto por Alfredo Keil e Henrique Lopes de Mendonça, em 1890, nasce como uma marcha patriótica. E como é que a marcha patriótica se transforma em hino nacional? E, como todos os símbolos, também a história da bandeira nacional se abre sobre um duplo enigma: quais as suas origens e o seu significado? Qual a origem do cromatismo verde e vermelho e das armas nacionais?



Neste livro, o professor Nuno Severiano Teixeira responde a estas e outras questões relacionais com os símbolos nacionais e ajuda-nos a perceber porque é que o canto em uníssono de um hino pode provocar tanta emoção e patriotismo. E como é que o desfraldar de uma bandeira pode mobilizar tanta força.

Sinopse
No dia 5 de Outubro de 1910, em Lisboa, pelas nove horas da manhã, os militares revolucionários desceram da Rotunda, em direcção à Praça do Município para assistir, vitoriosos, à Proclamação da República, que tinham acabado de implantar. Avenida da Liberdade abaixo, aclamados pelos populares, a marcha triunfal é feita ao som da Portuguesa. E, à passagem pelo Rossio, no alto do castelo de São Jorge, ondulava, já, uma bandeira verde e vermelha. Há uma história antes e uma história depois. Mas este é, política e simbolicamente, o momento fundador. Da bandeira e do hino, que mais de um século depois, ainda hoje, continuam a ser os símbolos de Portugal. Mas como é que um pedaço de pano se transforma numa bandeira nacional? Como é que um simples canto se transforma num hino nacional? E como é que o desfraldar de uma bandeira ou um canto em uníssono de um hino, podem provocar tamanha emoção, incendiar tanta paixão e mobilizar tanta força? Ou seja, o que são e como funcionam os símbolos nacionais? Nuno Severiano Teixeira responde a estas questões explicando os símbolos nacionais no contexto histórico do Portugal contemporâneo; as suas origens e o seu significado, a suas funções social e política; enfim, a evolução da relação dos símbolos nacionais - a bandeira e o hino - com o Estado e a nação, Portugal e os portugueses.
                                                                                         

Sobre o autor:
Nuno Severiano Teixeira é Professor Catedrático e Vice-Reitor da Universidade Nova de Lisboa. É Director do Instituto Português de Relações Internacionais Doutorado em História das Relações Internacionais pelo Instituto Universitário Europeu, Florença e Agregado em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa. Foi Visiting Professor na Universidade Georgetown (2000) e Visiting Scholar na Universidade de Califórnia, Berkeley (2004) e Senior Visiting Scholar no Instituto Universitário Europeu, Florença (2010). Foi Director do Instituto de Defesa Nacional (1996/2000). Foi Ministro da Administração Interna (2000/2002) e Ministro da Defesa (2006/2009) do governo português. Tem obra publicada sobre história militar, história das relações internacionais, história da construção europeia e questões de política externa, segurança e defesa. As suas últimas publicações são: 2011, The International Politics of Democratization, Routledge; 2012, The Europeanization of Portuguese Democracy, SSM-Columbia University Press (Em colaboração com António Costa Pinto); 2014, A Crise do Liberalismo 1890-1930, Fondación Mapfre, ( coordenação)