quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

20l20 Editora:novidades editoriais para 2016


2016 ficará marcado, inevitavelmente, pela publicação de dois livros da Prémio Nobel de Literatura Svtelana Aleksievitch. Seguem, por chancela, algumas das apostas para 2016.

ELSINORE (Ficção e Não-ficção literária)

Em 2016, a Elsinore publicará dez novos títulos, entre os quais estarão estreias arrojadas e disruptivas (Eimear McBride, Uma Rapariga É Uma Coisa Inacabada, tradução de Daniel Jonas), obras indiscutíveis (Vozes de Chernobyl e A Guerra Não Tem Rosto de Mulher, de Svetlana Alexievich, Prémio Nobel de Literatura 2015, com tradução, do russo, de Galina Mitrohovitch), escritores marcantes para a literatura da segunda metade do século xx (Crash e Kingdom Come, de J. G. Ballard, com tradução de Maria do Carmo Figueira), e, pela primeira vez, autores nacionais (começando por Extremo Ocidental e Depois do Fim, de Paulo Moura, um dos mais prestigiados repórteres portugueses).

Serão ainda publicadas mais três novidades, de perfis idênticos aos indicados, anunciadas brevemente. A aposta em jovens ilustradores para as nossas capas de ficção, com destaque para o trabalho, justamente elogiado, de Lord Mantraste, será mantida.

Dia 29 de fevereiro chega às livrarias Vozes de Chernobyl, de Svetlana Alexievich, Prémio Nobel de Literatura de 2015. Trata-se de uma das obras mais elogiadas da autora, tida como a mais dura e impactante. Trata-se da primeira obra a apresentar relatos pessoais do desastre de Chernobyl, através de monólogos de centenas de pessoas que viveram a tragédia nuclear de abril de 1986 direta ou indiretamente: desde cidadãos inocentes aos bombeiros chamados para limpar a zona do desastre, bem como membros do governo e forças do regime soviético que tentaram silenciar o ocorrido. Esses relatos, que resultam de um trabalho jornalístico de fundo, não são uma mera citação contínua dos entrevistados, sendo antes transformados pela autora em textos apresentados na primeira pessoa, tecidos entre si apesar da disparidade e dos contrastes brutais revelados. O livro descreve assim a tragédia psicológica e pessoal de Chernobyl, sempre na primeira pessoa, explorando a forma como a catástrofe afetou as vidas das pessoas narradas em três partes: «A Terra dos Mortos», «A Terra dos Vivos» e «Engolidos pela Tristeza». Vozes de Chernobyl é um trabalho crucial, de enorme sensibilidade, inesquecível no seu poder emocional, na sua tremenda carga factual e honestidade.

Uma Rapariga é Uma Coisa Inacabada, de Eimear McBride, chega às livrarias em março. Um romance muito elogiado pelos críticos, entre os quais James Wood (McBride has written a blazingly original novel, conveying her protagonist’s psychic collapse in unflinching prose, fuelled by fractured, adventurous language and raw emotion. – James Wood), e que venceu múltiplos prémios. Romance breve, mas exigente, elogiadíssimo pela crítica e vencedor de vários prémios. É narrado por uma jovem acossada por uma família profundamente disfuncional. Logo nas primeiras páginas, o pai abandona a família. A mãe é uma católica fanática que, entre as orações, maltrata a filha. O irmão tem um tumor cerebral. Um tio começa a abusar da narradora quando ela tem 13 anos. Este é apenas o início de uma descida aos infernos, quando a jovem narradora tenta anestesiar a sua existência entregando ao abuso e à violação por estranhos. É tudo contado na primeira pessoa, numa espécie de fluxo de consciência cheio de elipses e incoerências, que reflete o estado de quebra mental e emocional da narradora.

Crash, de J. G. Ballard, chega em Abril. Considerado um dos seus livros mais controversos, Crash é um romance pós-moderno, uma mistura de violência, transgressão e erotismo. Publicado pela primeira vez em 1973, continua a ser uma das mais chocantes obras do século XX. Crash foi, recorde-se, adaptado ao cinema por David Cronenberg, um filme igualmente controverso. O relatório de leitura de Crash da primeira leitora da editora, que era mulher de um psicólogo, rejeitava liminarmente o romance e recomendava que o escritor fosse internado. Esta será a segunda obra de J. G. Ballard editada sob a chancela da Elsinore depois do elogiado Arranha-Céus.

Em maio chega às livrarias Extremo Ocidental, o primeiro livro na Elsinore de Paulo Moura, jornalista português de reputação internacional. Extremo Ocidental aborda a costa ocidental portuguesa como elemento fundador da identidade portuguesa, apresentando histórias interessantes e incomuns. Será, no fundo, um livro de viagens que apresentará a importância da nossa costa para o país e o mundo através de um ensaio em forma de jornalismo literário.

A Guerra Não Tem Rosto de Mulher, o livro de estreia de Svetlana Alexievich, o segundo editado pela Elsinore, é publicado em setembro. Publicado em 1985 e marcante na obra da Prémio Nobel de Literatura de 2015, A Guerra Não Tem Rosto de Mulher revela a intervenção, que a história silenciou, das mulheres durante a Segunda Guerra Mundial – na linha da frente, em plena guerra, e em casa –, mostrando, através de relatos na primeira pessoa, como é marca da escrita da autora, o papel fundamental das mulheres para o desfecho da guerra. Aquando da publicação do livro, Svetlana Alexievich foi processada pelo governo, acusada pelas autoridades comunistas de pacifismo e deturpação do heroísmo da mulher soviética, tendo sido ordenada a destruição da obra. Só a renovação do regime, iniciada por Mikhail Gorbachev, impediu que as consequências se agravassem.

Ainda em setembro, a Elsinore lança Kingdom Come, o último livro publicado por J. G. Ballard, inédito em Portugal. Em outubro chega as escaparates o segundo livro de Paulo MouraDepois do Fim. Trata-se da história dos conflitos armados dos últimos 25 anos, na Europa, na Península Arábica, nos Estados Unidos da América e em África, contada na primeira pessoa e escrita através da experiência de um dos mais conceituados repórteres portugueses e internacionais. A Revolução na Argélia, em 1991; a primeira guerra do Iraque, em 1993; a invasão da Tchetchénia pelos russos, de 1994 a 1996; a guerra do Kosovo, em 1999; o ataque às Twin Towers, em 2001; a guerra contra os Taliban no Afeganistão, em 2001; os atentados em Madrid, em 2004; o conflito do Darfur e as Primaveras Árabes, a partir de 2011; a guerra civil da Síria, em 2015. Paulo Moura esteve lá, viajou para os locais, acompanhou os protagonistas, entrevistou os cidadãos. Os acontecimentos do último quarto de século são relatados por dentro, não na perspetiva da geopolítica e das chancelarias, mas da vida dos seres humanos que os sofreram, nos vários lugares. 

BOOKSMILE (Infantojuvenil)

Os benefícios da leitura no desenvolvimento das crianças é um facto indiscutível. Por isso, incentivá-las a ler desde cedo é um dever de pais e educadores. Para ajudar nesta valiosa missão, a Booksmile vai manter-se concentrada na sua missão de editar livros de qualidade para crianças e jovens. Começando pelo fim, a grande novidade de 2016 será, claro, o lançamento do 11.º livro da coleção O Diário de um Banana, a mais vendida em Portugal, previsto para novembro.

Até lá, vão chegar às livrarias livros da nova série Lego NEXO Knights e dois novos títulos do clássico Dr. Seuss - Green Eggs and Ham e The Cat in the Hat. Crescem, também, as coleções juvenis do autor mais bem-sucedido em todo o mundo, James Patterson - Eu Cómico na TV: O Maior Maluco do Riso! 4 e A Casa dos Robots 2, e do português Nuno Caravela, com três novos títulos d’O Bando das Cavernas (n.º 12, 13 e 14).

Novas coleções vão nascer, como Alice, para crianças a partir dos 4 anos, com textos de Rita Vilela e ilustrações de Ana Afonso. José Fanha, Margarida Fonseca Santos e Maria Inês de Almeida também terão novas histórias a chegar às livrarias. 

TOPSELLER (Ficção)

Mantendo a aposta em autores que têm vindo a conquistar milhões de leitores em todo o mundo, a Topseller arranca em janeiro com uma autora que já conquistou as leitoras em Portugal: Tessa Dare. A Prometida do Capitão é a conclusão da trilogia Castles Ever After, da autora vencedora do prémio RITA 2015 (Romance Writers of America) para Melhor Romance Histórico. Ainda em janeiro, chega às livrarias Os 100: 21 Dias Depois, de Kass Morgan, segundo livro da série de grande sucesso mundial. Os 100: Homecoming - o terceiro e último livro da série - é publicado em junho.

Chama-me, de J. Kenner é o primeiro livro de uma nova trilogia excitante, marcando um regresso ao universo Stark, com novas personagens e uma nova história escaldante, da escritora que conquistou os fãs de EL James e Sylvia Day. Chama-me está nas livrarias em fevereiro, e segundo livro, Recebe-me, será publicado em julho. Ainda em fevereiro chega PS: Ainda Te Amo, de Jenny Han. Trata-se da continuação do livro A Todos os Rapazes que Amei. Uma história delicada e encantadora, que vai mostrar que o amor não é fácil, mas talvez por isso mesmo apaixonar-se seja tão fascinante. Nomeado para Melhor Livro de Young Adult pelo Goodreads Choice Award, em 2015.

Em março, M. J. Arlidge regressa com Liar, Liar. Arlidge tem vindo a consolidar-se como num nome incontornável do género thriller. Neste livro, os três incêndios que iluminam os céus da cidade são mais do que uma mera coincidência, e uma série de cuidadosos e calculosos crimes começam a acontecer. Ainda em março, destaque para The Crucifix Killer, de Chris Carter. Nascido no Brasil, o autor transpôs para este intenso policial a sua vasta experiência enquanto psicólogo criminal, na descoberta dos meandros da mente de um criminoso que marca todas as suas vítimas com um cruxifixo no pescoço.

Em maio chega Dominus, de Tom Fox. Conhecedor profundo dos meandros do Cristianismo, resultado de vários anos de estudo na academia, Tom Fox explora os negócios corruptos do Vaticano. Nesta grande estreia literária, bem ao gosto dos fãs de Dan Brown, acontece ainda a segunda vinda de Cristo à Terra. J. Kenner regressa com Incendeio-te, terceiro volume da série Most Wanted, da autora vencedora do prémio para Melhor Romance Erótico em 2014. The Mona Lisa Virus, de Tibor Rode, é um dos thrillers que os fãs do género não vão querer perder. Uma história sobre a obsessão com a beleza e que traz à superfície o seu lado mais diabólico.

Em junho já faz calor e apetecem os romances. Tessa Dare está então de volta com os com A Night to Surrender, primeiro volume de uma nova série, Spindle Cove Series. O segundo livro, A Week to be Wicked, chegará em outubro. Em Outubro teremos, ainda, um novo romance histórico de Maria João Fialho Gouveia

VOGAIS (Não-ficção) 

Preparem-se os fãs da Lego, pois em fevereiro chega um livro que miúdos, mas sobretudo graúdos, não vão querer perder. As Figuras que Fazes, de David Scarfe, é um livro recheado de ideias para construir objetos originais e incrivelmente aliciantes. Ainda em fevereiro, chega às livrarias uma espécie de Dowtown Abbey sobre a Casa Branca. A Casa Branca: O Mundo Privado dos Presidentes dos Estados Unidos: fala dos bastidores da vida dos casais presidenciais, pela voz e experiência de quem lá trabalhou. Exemplos? A surpresa que foi para os funcionários terem visto Obama e Michelle a dançar ao som de Mary J. Blige na sua primeira noite na Casa Branca; as discussões dos Clinton marcadas por berros e objetos voadores; os caóticos dias que se seguiram à morte de JFK.

Em março é a vez de dar a voz a Diogo Lopes, um jovem de 15 anos portador de uma doença neurodegenerativa rara que, através da música e da escrita, revela uma forma de estar invulgar. Trata-se de uma obra autobiográfica que irá marcar jovens e adultos e será, acreditamos, um dos lançamentos mais aliciantes e reveladores de 2016. Ainda em março, um lançamento bastante esperado na área da gestão, a biografia Elon Musk: Inventing the Future, de Ashlee Vance. Elon Musk, fundador da PayPal e atual gestor e inventor da Tesla é, após a morte de Steve Jobs, a mais excitante figura no mundo empresarial e das novas tecnologias.

Em maio vamos viajar pela cozinha tradicional portuguesa com o paladar da chef Justa Nobre e imagens do fotógrafo Mário Cerdeira. Semear Sabor e Colher Memórias traz-nos receitas tradicionais portuguesas e versões modernas das mesmas. Em junho, Educação Sexual para Adultos, um livro prático e arrojado sobre sexualidade feminina, de Carmo Gê Pereira (terapeuta sexual), vai fazer corar, mas tem muito para ensinar.

Em setembro chega um dos livros mais cobiçados na Feira de Frankfurt em 2014, mas que a autora apenas terminou agora: Grit: Passion, Perseverance, and the Science of Success. Angela Ducworth, consultora da Casa Branca, Banco Mundial, Fortune 500 e equipas da NBA e NFL, mostra que o segredo para o êxito não é o talento, mas a persistência e resiliência focada, à qual chama grit.

Depois de Catástrofe 1914: A Europa Vai à Guerra, o conhecido jornalista e historiador Max Hastings regressa, em outubro, com The Secret War. Trata-se de uma obra sobre os espiões e as mensagens em código que tiveram um papel crucial na Segunda Guerra Mundial, numa nova perspetiva sobre o maior conflito da História.

Para outubro estão também reservados dois livros que vão marcar a agenda: a biografia oficial de Diego Maradona, Touched my God, que promete polémica, e The Coach in The Machine, do português João Medeiros, editor de ciência da Wired. Esta última é uma obra comparável a Moneyball e aos livros de Malcom Gladwell. Trata-se de um livro sobre o impacto da ciência e da estatística na análise do rendimento desportivo e empresarial. Ainda em outubro é lançado o novo livro de Johanna Basford, a guru dos livros de pintar para adultos, The Forbidden Jungle.

Para além das novidades acima mencionadas, alguns autores portugueses estreiam-se no catálogo da Vogais como: a jornalista Conceição Queirós (História), Marisa Valadas (Culinária) e o jornalista António Marujo (Biografia do Padre Joaquim Carreira). A psicóloga Rita Castanheira Alves continua a ajudar pais a lidar com os filhos. 

NASCENTE (Desenvolvimento Pessoal, Espiritualidades, Autoajuda)

Religião, Meditação e Mindfulness, Yoga, Reiki, Sumos Detox e Dieta são temas que irão estar em evidência no catálogo de 2016. João Magalhães, Susana Alves, Andy Puddicombe, Doreen Virtue, Louise Hay e Don Miguel Ruiz são alguns dos autores, uns repetentes, outros estreias no catálogo, que contribuirão para manter a Nascente como editora de referência no género.



Sem comentários: