sexta-feira, 2 de outubro de 2015 | By: Maria Manuel Magalhaes

Peregrino - Terry Hayes [Opinião]

Sinopse:

UMA CORRIDA VERTIGINOSA CONTRA O TEMPO E UM INIMIGO IMPLACÁVEL.

Uma jovem mulher brutalmente assassinada num hotel barato de Manhattan.

Um pai decapitado em praça pública sob o sol escaldante da Arábia Saudita.

Os olhos de um homem roubados do seu corpo ainda vivo.

Restos humanos ardendo em fogo lento na montanha de uma cordilheira no Afeganistão.

Uma conspiração para levar a cabo um crime terrível contra a Humanidade.

E um único homem para descobrir o ponto preciso onde estas histórias se cruzam: Peregrino.

A minha opinião:
Mais uma vez fui uma das privilegiadas por receber um exemplar de avanço de um excelente livro que só sairá para as livrarias no próximo dia 26 de outubro: Peregrino de Terry Hayes.


Talvez por Hayes vir do cinema, (foi argumentista de filmes) consegue prender o leitor logo nas primeiras páginas, ao mostrar um assassinato brutal de uma mulher cuja identidade não se consegue identificar porque os agentes não conseguem ter acesso nem as impressões digitais por o seu corpo ter sido mergulhado em ácido, nem pelos dentes, porque o assassino lhos retirou todos.

À medida que vão investigando dentro da casa e tentando recolher algumas provas os agentes deparam-se com um homicídio perfeito, digno de um assassino profissional. No local, está Peregrino que apesar de pretende reformar-se definitivamente do mundo do crime e da investigação, reconhece imediatamente aquela cena: foi inspirada no seu próprio livro!

"...percebi que assumir outra identidade, disfarçar tanto que se é e o que se sente, era o treino ideal para o mundo secreto."

Ao mesmo tempo, do outro lado do mundo, Sarraceno, o anjo mau da história, tece um plano maquiavélico para destruir o inimigo. Para tal viaja entre a Arábia Saudita, Afeganistão, Bodrun na Turquia, local onde se passa a maior parte da história e Estados Unidos.

"Quando me preparava para ir dormir depois de ter acordado normalmente naquela manhã, encontrava-me num planeta diferente: o mundo não muda à minha frente, muda por trás das nossas costas."

A luta entre o bem e o mal acaba por ser entre Peregrino e Sarraceno que como dois titãs mostram o quão inteligente são, através de várias táticas de guerra e espionagem. E os dois são muito bons no que fazem, oh se são bons.

Obviamente que a morte misteriosa da jovem não identificada não é a única coisa que aparece em Peregrino. Muito mais vai prender o leitor às mais de 600 páginas deste livro.
A decapitação de um muçulmano por suposta traição, o assassinato de um jovem multimilionário na Turquia, uma mulher dada como morta no ataque ao World Trade Center... tudo isso condensado neste livro fabuloso que me acompanhou em menos de uma semana e que me deixou num profundo vazio. Quero mais, muito mais.