quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Sextante Editora - Novo livro de Rubem Fonseca

Título: O selvagem da ópera
Autor: Rubem Fonseca
Págs.: 288
PVP: € 16,60

No dia 17 de setembro, chega às livrarias O selvagem da ópera, um livro de Rubem Fonseca até agora inédito em Portugal. Conjugando entre si o romance histórico, a biografia e o guião cinematográfico, o autor dá a conhecer a vida de Antônio Carlos Gomes, o maior compositor lírico brasileiro de sempre, ao mesmo tempo que faz um retrato do Brasil e de Itália na segunda metade do século XIX, numa viagem que passa ainda por território português. Neste livro, escrito de forma original e cativante, o leitor irá cruzar-se com figuras como Verdi, Puccini e o imperador D. Pedro II, encontrar a vida boémia e artística de Milão, passear por palcos famosos e sentir a agitação dos seus bastidores.
Esta edição de O selvagem da ópera inclui dois textos finais, sobre o livro e sobre o compositor, da autoria de Sérgio Augusto e de Antonio Callado.

Sobre o livro:
Romance, biografia, argumento cinematográfico: O selvagem da ópera é tudo isto, pela pena brilhante de Rubem Fonseca. Tem como protagonista o compositor Antônio Carlos Gomes, autor de O guarani e de outras óperas outrora famosas e hoje esquecidas, como Fosca, Salvator Rosa, Maria Tudor e Il schiavo.
Ao relatar a trajetória do músico brasileiro – a sua partida do Rio de Janeiro imperial, sob os auspícios do imperador D. Pedro II, a sua ida para Milão, os seus inúmeros casos amorosos, o reconhecimento da sua arte pelos maiores nomes da ópera de então, compositores, maestros e cantores, garantindo o seu lugar num mundo em que circulam Verdi, Puccini, Ponchielli e Wagner, e os difíceis anos finais marcados por tragédias familiares e esterilidade criativa –, Rubem Fonseca faz-nos entrar no extraordinário panorama do mundo operático do final do século XIX e descreve as vicissitudes da vida de um grande artista que, tal como nas grandes óperas dramáticas, tocou os extremos do êxito e da tragédia.

Sobre o autor:
Carioca desde os oito anos, Rubem Fonseca nasceu em Juiz de Fora, a 11 de maio de 1925. Contista, romancista, ensaísta, guionista e «cineasta frustrado», é um dos mais originais prosadores brasileiros contemporâneos.
Em 1963, a primeira coletânea de contos, Os prisioneiros, foi reconhecida pela crítica como a obra mais criativa da literatura brasileira em muitos anos; quatro anos depois, Lúcia McCartney, tornou-se um bestseller e ganhou o maior prémio para narrativas curtas do Brasil. Já era considerado o maior contista brasileiro quando, em 1973, publicou o seu primeiro romance, O caso Morel. Em 2003, ganhou o Prémio Juan Rulfo e o Prémio Camões, o mais importante da língua portuguesa. Recebeu seis vezes o Prémio Jabuti e, em 2012, foi-lhe atribuído o Prémio Correntes d'Escritas/Casino da Póvoa para o romance Bufo & Spallanzani.
Com várias das suas histórias adaptadas ao cinema, ao teatro e à televisão, Rubem Fonseca já publicou dezassete coletâneas de contos, doze romances e O romance morreu, que reúne crónicas publicadas no Portal Literal.



Sem comentários: