quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Entre 7 e 9 de dezembro, Matosinhos volta a ser a capital da Poesia

Entre 7 e 9 de dezembro, Matosinhos volta a ser a capital da Poesia.


A Festa da Poesia é um projeto âncora da Câmara Municipal de Matosinhos. Iniciada em 2005, ano da construção do novo edifício da Biblioteca Municipal Florbela Espanca, esta Festa assinala o dia 8 de dezembro, um dia duplamente marcado pelo nascimento e morte desta poetisa portuguesa (1894-1930).

Em 2014, passados 84 anos sobre a morte de Florbela Espanca em Matosinhos e 120 do seu nascimento, a Câmara Municipal de Matosinhos voltará a assinalar este dia, homenageando e celebrando os poetas e a poesia em língua portuguesa. Pretende levar-se a poesia a vários espaços do concelho, da tarde de domingo, 7 de dezembro, à manhã de terça-feira, 9, sempre sob o lema «Poemas para Salvar a Vida». Durante a edição de 2014 da sua Festa, a Poesia fará de tudo para chegar a todos: do Lar de Sant’Ana à prisão de Custoias, passando pela zona circundante à Biblioteca Municipal.

Além das habituais leituras públicas e das conversas em torno de odes, musas e versos, a edição deste ano quer dar primazia à palavra. Nesse sentido, faz parte da programação o espetáculo «Poemas no Quarto Escuro», que terá lugar segunda-feira, dia 8, pelas 18.30. Apelando ao poder da palavra dita e potenciando esse poder pela via sensorial, Adolfo Luxúria Canibal, Capicua, Daniel Jonas e Renato Filipe Cardoso estarão em cena no auditório da Biblioteca Municipal Florbela Espanca com as luzes totalmente apagadas. Nesta sessão, o som dos poemas na escuridão fica no centro das atenções, dispensando artifícios e figurinos. Não é aconselhável a viciados no Instagram.

Atenta às novas expressões da poesia, a edição deste ano abraça também uma tendência emergente nos centros urbanos: a poetry slam. Numa sessão noturna, pelas 23.00, no Café da Praça (junto à Biblioteca Municipal), que pretende dar a conhecer este novo uso da palavra, estarão presentes alguns dos mais representativos intérpretes nacionais desta arte de dizer, como Alexandre Sá, Cláudia Amorim, Figas de Saint-Piérre de La Buraque e Maria Filigrana, num espetáculo original e irrepetível. No dia seguinte, outras surpresas percorreram aquele espaço.

Num dia de lazer como é o feriado do dia 8, segunda-feira, as famílias serão convidadas a participar, pelas 11.00, na oficina de rimas dinamizada por Adélia Carvalho, que terá lugar na Biblioteca Municipal Florbela Espanca. Uma atividade que visa despertar nos mais novos o interesse pela palavra escrita e falada.

Para terminar, uma pergunta: poderá a poesia ser tábua de salvação em tempos como os que vivemos? Do cardápio de atividades previstas, e tentando responder a esta pergunta, destaca-se a apresentação da antologia Cem Poemas para Salvar a Nossa Vida, às 21.30 de domingo, dia 7, compilada especialmente para esta edição da Festa da Poesia. A apresentação da antologia ficará a cargo do editor e organizador da antologia Francisco José Viegas. Nessa ocasião, Daniel Jonas e João Luís Barreto Guimarães serão convidados a ler poemas publicados nesta edição única, após o que se iniciará o debate, já com a participação de Mário Cláudio, em volta da Palavra e do seu papel na salvação da humanidade.

Sem comentários: