quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Novidades Editoriais do Grupo BertrandCírculo



Até dezembro ficará disponível mais de meia centena de novos títulos na Bertrand, Quetzal, Temas e Debates, Pergaminho, GestãoPlus e ArtePlural.

Este ano, a Temas e Debates, dirigida por Guilhermina Gomes, celebra 20 anos de atividade. Entre os títulos que são publicados por esta chancela está O Capital no século XXI, do economista francês Thomas Piketty, apontado como o melhor livro de economia desta década: ao alcance dos leitores portugueses em outubro. No mesmo mês chega às livrarias A República dos Sonhos, de Nelida Piñon, numa celebração do 30º aniversário de um dos livros mais aclamados da escritora, e também o novo título de um autor que tem vindo a publicar com a Temas e Debates: Cartas e Intervenções Políticas do Exílio junta textos de Mário Soares escritos antes de abril de 1974. Em novembro, publica-se O Passageiro Clandestino, ensaio de Leonor Xavier, e Bom dia, Sr. Mandela, o testemunho de como pequenas escolhas podem determinar uma vida: Zelda de la Grange conta como viu a sua vida e o seu mundo de africander serem influenciados por Nelson Mandela, de quem foi assistente.
O primeiro romance de José Luís Peixoto trazia também o carimbo da Temas e Debates, mas nos últimos anos o autor de Livro tem publicado com a Quetzal. Este ano, José Luís Peixoto publica um novo romance: sairá em outubro. Na senda do que tem vindo a fazer, a Quetzal publica também o primeiro romance de J. Rentes de Carvalho, devolvendo aos leitores portugueses a possibilidade de lerem Montedor, obra de 1968. A chancela dirigida por Francisco José Viegas continua a publicar autores portugueses e apresenta em setembro Mustang Branco, o primeiro romance de Filipa Martins na casa, mas o terceiro desta escritora distinguida em 2004 com o Prémio Revelação APE. Em outubro chega VidaDupla, a estreia de Sérgio Godinho na ficção. Herzog de Saul Bellow, em setembro, e O Rei Pálido, o romance inacabado de David Foster Wallace, em novembro, completam a oferta de ficção traduzida na Quetzal. Foram ainda anunciados os novos títulos de Eduardo Paz Ferreira: Da Europa de Schumann à Não Europa de Merkel; de Ricardo Saavedra: O Puto; e a biografia de Marcello Caetano por Luís Menezes Leitão, todos não-ficção. No mesmo género, traduzido, a Quetzal publica ainda em outubro, e de uma enorme atualidade, A Mística de Putin, de Anna Arutunyan.

Este é também ano de Daniel Silva. Desta feita, o livro que saiu na rentrée nos Estados Unidos chega em versão portuguesa, publicada pela Bertrand Editora poucos meses depois, em novembro, com o título O Assalto. Vítor Pavão dos Santos leva quem o lê numa viagem ao mundo do fado e da poesia, letra a letra analisa os poemas cantados por Amália Rodrigues e recorre à sua memória para reconstruir a história de cada fado, em O Fado da Tua Voz. Amália e os Poetas., a publicar, também, em novembro. E para não se terminar o ano sem um título de Aquilino Ribeiro, em outubro publica-se novamente a tradução que o escritor português fez de A Retirada dos Dez Mil, de Xenofonte. Nesta edição, o escritor Mário de Carvalho assina o prefácio.
Depois de anunciar a publicação em outubro do vencedor do Man Booker Prize mais recente, Os Luminares, de Eleanor Catton, Eduardo Boavida falou ainda de autores de ficção que fazem parte do catálogo habitual da Bertrand Editora como Stephen King, John Grisham, Steven Saylor, Colleen McCullough e Julia Navarro. Ainda no que à literatura traduzida diz respeito, três anos depois do sucesso de Ferrugem Americana, o jovem ficcionista Philipp Meyer regressa às livrarias com O Filho, um épico do Oeste americano que o New York Times descreve como «magistral». Nigelissima (Bertrand), o livro de inspiração italiana de Nigella Lawson, Petiscos do Ramsay (ArtePlural) e o novo título da Bimby com receitas de chefes internacionais (In the Mix, no original), completam o cardápio.
Guilhermina Gomes deu também conta aos presentes da publicação dos últimos três livros da Obra Completa de Padre António Vieira (trinta volumes) e do início de uma nova coleção dedicada à literatura tradicional portuguesa, da autoria de José Viale Moutinho – no Círculo de Leitores.

Sem comentários: