terça-feira, 5 de agosto de 2014

O Bom Inverno - João Tordo [Opinião]

Título: O Bom Inverno
Autor: João Tordo
Páginas: 292
Editor: Dom Quixote
PVP: 15,90€

Sinopse:
Quando o narrador, um escritor prematuramente frustrado e hipocondríaco, viaja até Budapeste para um encontro literário, está longe de imaginar até onde a literatura o pode levar. Coxo, portador de uma bengala, e planeando uma viagem rápida e sem contratempos, acaba por conhecer Vincenzo Gentile, um escritor italiano mais jovem, mais enérgico, e muito pouco sensato, que o convence a ir da Hungria até Itália, onde um famoso produtor de cinema tem uma casa de província no meio de um bosque, escondida de olhares curiosos, e onde passa a temporada de Verão à qual chama, enigmaticamente, de O Bom Inverno. O produtor, Don Metzger, tem duas obsessões: cinema e balões de ar quente. Entre personagens inusitadas, estranhos acontecimentos, e um corpo que o atraiçoa constantemente, o narrador apercebe-se que em casa de Metzger as coisas não são bem o que parecem. Depois de uma noite agitada, aquilo que podia parecer uma comédia transforma-se em tragédia: Metzger é encontrado morto no seu próprio lago. Porém, cada um dos doze presentes tem uma versão diferente dos acontecimentos. Andrés Bosco, um catalão enorme e ameaçador, que constrói os balões de ar quente de Metzger, toma nas suas mãos a tarefa de descobrir o culpado e isola os presentes na casa do bosque. Assustadas, frágeis, e egoístas, as personagens começam a desabar, atraiçoando-se e acusando-se mutuamente, sob a influência do carismático e perigoso Bosco, que desaparece para o interior do bosque, dando início a um cerco. E, um a um, os protagonistas vão ser confrontados com os seus piores medos, num pesadelo assassino que parece só poder terminar quando não sobrar ninguém para contar a história.

A minha opinião:
O Bom Inverno foi lido há cerca de um mês, numa altura em que estava de férias. Depois disso deixei a opinião para depois, para depois, porque não sei muito o que dizer acerca deste livro.

Gosto de João Tordo, gostei dos últimos livros que li dele, mas este... não foi nada o que estava à espera.

Apesar de várias críticas positivas em relação a O Bom Inverno não achei nada de especial a sua leitura. Achei até um pouco morto e monótono.

O narrador é um escritor problemático e hipocondríaco. Frustrado pelo insucesso da sua obra literária e quase na falência decide aceitar o convite da sua editora e partir a Budapeste numa espécie de conferência que reunirá escritores de diversos países.

É lá que conhece um escritor italiano, também ele um pouco lunático que o convence a ir até Itália, na companhia de mais duas mulheres, a fim de conhecer um produtor famoso, Don Metzger. É na casa deste que decidem ficar, mas ninguém sabe de Don. Até que de manhã aparece morto, sem que aparentemente ninguém saiba quem foi. De referir que a casa de Don estava ainda ocupada com umas tantas personagens estranhas, para condizer com o próprio produtor cuja paixão por balões de ar quente e cinema era arrebatadora.

Começa aí a vontade de um dos elementos, Bosco, em descobrir quem matou Don. Para tal, Bosco isola-se num local da floresta, mas não deixa ninguém sair daquele espaço, que ficam sob ameaça de morte. De facto, quem se insurge contra essa ideia acaba mesmo por morrer.

O lado negro de cada uma das personagens começa a surgir, o que poderia dar mais interesse ao livro. Mesmo assim não me atraiu, nem como policial, nem como romance.


Depois de ter terminado O Bom Inverno só me surge uma constatação: ainda bem que não me iniciei na leitura de João Tordo com este livro. De certeza que não pegaria em nada do autor tão cedo.


Excertos:
"«E o que é que faz um escritor?»stante
«Escreve?»
«Porquê?»
«Porque tem uma pergunta na cabeça para a qual não sabe a resposta.»" - pag. 99

"A beleza pode dar sentido à realidade, mas é transitória." - pag. 101

7 comentários:

Fernando Évora disse...

Ora afinal ainda há esperança. Em mim falo, já que este foi o primeiro livro de João Tordo que li. De resto, partilho da sua opinião sobre "O Bom Inverno". É que para policial tem várias inconsistências e dificilmente o conseguimos ler para além disso.

Maria Manuel Magalhaes disse...

Há sim Fernando. Dê-lhe uma segunda oportunidade. O livro Anatomia dos Mártires e Biografia Involuntária dos Amantes são livros fantásticos.

Fernando Évora disse...

OK. Vou ter o conselho em conta. :)

Dora disse...

Este livro foi uma desilusão. Depois de ter criado enormes expectativas por causa do "As 3 Vidas" esperava outra coisa...

Maria Manuel Magalhaes disse...

Dora este também não gostei por aí além... e tive oportunidade de dizer ao autor... que não gostou muito da crítica, acho eu :). Paciência. Não podemos gostar de tudo. Porém, João Tordo é dos meus autores preferidos e, na mesma altura, tive oportunidade de lhe dizer. "As 3 Vidas", apesar de o ter na estante ainda não o li :( A quantidade de livros por ler é tão grande que ainda não peguei nele... e não tenho perdão... quero ver se leio o último dele e pegar o "As 3 Vidas" que dizem ser uma obra-prima.

Rui Couto disse...

"As três vidas" vale a pena ser lido.
"O bom inverno"... não.

Maria Manuel Magalhaes disse...

As Três Vida ainda não li, apesar de ter o livro na minha estante para ler, mas em relação ao Bom Inverno não podia estar mais de acordo. Foi uma pequena desilusão