sexta-feira, 11 de julho de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

José Manuel Saraiva regressa ao romance histórico

Título: A Última Carta de Carlota Joaquina
Autor:
José Manuel Saraiva
Págs.: 176
PVP: 14,40 €

A Porto Editora publica o mais recente livro de José Manuel Saraiva, A Última Carta de Carlota Joaquina, uma novidade que marca o regresso do autor ao romance histórico. Nesta história, o autor do bestseller Rosa Brava narra a derradeira viagem da polémica Carlota Joaquina para o Brasil, onde chegará a ser imperatriz, e acompanha os seus dilemas, dúvidas e ambições relativamente ao seu marido, D. João VI, e à sua «louca» sogra, D. Maria. De personalidade forte, impetuosa e ninfomaníaca, Carlota Joaquina escreve à mãe uma carta que nos permite conhecer não só a atribulada travessia, mas também todo o contexto histórico de Portugal no início do século XIX e seus protagonistas.

Sinopse:
A Princesa Carlota Joaquina não era uma mulher bela nem sequer delicada, mas o que lhe faltava em graciosidade tinha de sobra em ambição, inteligência e firmeza. Entre o abandono de um marido fraco e beato e o desprezo por uma sogra louca, Carlota Joaquina procurou sempre satisfazer, sem olhar a meios, os seus anseios pessoais, as suas aspirações políticas e os seus apetites sexuais…
Com uma escrita elegante e o inconfundível estilo satírico a que já nos habituou com os seus bestsellers Rosa Brava e Aos olhos de Deus, José Manuel Saraiva relata-nos agora, de forma notável, como terá decorrido essa extraordinária aventura que foi a viagem marítima da Corte Real para o Brasil, naquele ano de 1808….

Sobre o autor:
José Manuel Saraiva (Santo António d'Alva, em 1946), foi jornalista pertencendo aos quadros de O Diário, Diário de Lisboa, Grande Reportagem e Expresso. É autor de dois comentários sobre a Guerra Colonial, produzidos pela SIC, um dos quais foi transmitido pelo canal Arte em França e na Alemanha. É sua igualmente a história que deu origem ao telefilme A Noiva, de Luis Galvão Teles.
Em 2001, publica a sua primeira obra, As Lágrimas de Aquiles. Seguiram-se os romances Rosa Brava (2005), Aos Olhos de Deus (2008) e A Terra Toda (2011), que o consagraram como um dos mais populares autores portugueses.