terça-feira, 27 de maio de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Os Aromas do Amor - Dorothy Koomson [Opinião]

Título: Os aromas do amor
Autor:
Dorothy Koomson
Tradução: Irene Ramalho
Págs.: 472
Capa: mole com badanas
PVP: 16,60 €

Sinopse:
Procuro a combinação perfeita de aromas; o sabor que eras tu. Se o encontrar, sei que voltarás para mim. Há 18 meses atrás, Joel, o marido de Saffron, foi assassinado, e o culpado nunca foi descoberto. Agora, fazendo os possíveis para lidar com a perda, Saffron decide terminar Os aromas do amor, o livro de receitas que Joel tinha começado a escrever antes da sua trágica morte.
Quando, finalmente, tudo parece ter voltado à normalidade, a filha de 14 anos de Saffron faz uma revelação chocante que abala a relação entre ambas. E, ao mesmo tempo, o assassino de Joel começa a enviar cartas afirmando a sua inocência.
Será um grande amor capaz de sobreviver à maior das perdas?


A minha opinião:
Quando pego num livro de Dorothy Koomson estou sempre à espera que este me proporcione uma excelente leitura. Os aromas do amor não foi excepção, mas depois de ter lido A Praia das Pétalas de Rosa no ano passado, era muito difícil encontrar um livro melhor.

Koomson pega na solidão de uma mulher, que sem que nada faça prever perde o marido de uma forma atroz: é assassinado!

Dezoito meses depois ainda não se descobriu o assassino e Saffron Mackleroy terá de assumir várias provações na sua vida. A sua filha mais velha, de 14 anos, tem uma revelação a fazer e como se não bastasse a tia do seu falecido marido é expulsa do lar da terceira idade onde estava, e terá de viver com eles.

Saffron sente-se cada vez mais sozinha. Ter de lidar com a gravidez indesejada da sua filha Phoebe, e não poder tomar decisões por ela; ser olhada de lado por grande parte da comunidade escolar e vizinhos por não ter evitado que tal acontecesse, faz com que a protagonista se sinta incapaz. Vê no melhor amigo do marido, Fynn, o seu ponto de apoio, mas uma acção mais precipitada também vai colocar tudo a perder.

Como se não bastasse, a tia excêntrica de Joel, é apanhada a ter relações sexuais num local público do lar e acaba por ser expulsa.

A par disso, Saffron começa a receber cartas anónimas da assassina do seu marido!

Com uma história que prende desde as primeiras páginas do livro, com enredos a que já habituou os seus leitores, Dorothy Koomson não desilude.

Ao longo das páginas vamos acompanhando a vida de todas as personagens e vamos revivendo o que se passou durante toda a vida da protagonista, os momentos antes e depois do crime, os momentos em que Saffron e Joel se conheceram, se apaixonaram, o momento em que foram pais, e muitas coisas se vão desvendando ao longo da trama. As cartas anónimas ajudam ao evoluir da história, fazendo que a sua leitura seja ainda mais interessante.

A parte emotiva, as fragilidades de cada uma das personagens, faz com que o livro evolua e se torne numa leitura viciante.

Recomendo.

Excerto:
"Por vezes, uma mentira é a única forma de evitar um desastre."