sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Cidade Líquida - João Tordo [Opinião]

Título: Cidade Líquida (DN Contos Digitais #2)
Autor:
João Tordo


O conto Cidade Líquida recupera as personagens de um outro conto do autor, Águas Passadas, que decorre em Veneza. Agora em Lisboa, as mesmas personagens - o narrador e Roque dos Santos, um realizador de cinema - tornam a encontrar-se. 


A minha opinião: 
Esta foi a minha estreia com João Tordo e, apesar de ter achado o conto um pouco estranho até que gostei. 
Perdido entre a realidade e a ficção o protagonista, um professor de filosofia obcecado por Roque dos Santos, um realizador estranho, comparado (pelo professor) a George Harrison dos Beatles. 
Com a mulher ausente da sua vida, e completamente só do restante mundo, leva-o a arrendar uma casa na baixa e a recordar Veneza e um filme passado lá, Cidade Líquida, cujos protagonistas o marcaram para a vida. 
Para os curiosos, este conto tem as mesmas personagens de um outro conto anteriormente publicado por João Tordo, Águas Passadas, que decorre em Veneza, e onde o protagonista conhece Roque dos Santos. Eu fiquei curiosa. Alguém me sabe dizer onde o posso encontrar?



Excerto:
"...a vida é uma ficção escrita diariamente na qual tudo se torce e retorce de acordo com a vontade de alguém"
 

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Mudanças - Mo Yan [Opinião]

Titulo: Mudanças
Autor:
Mo Yan
Páginas: 155
ISBN: 978-989-863-3002
Preço: € 14,90

Em Mudanças, Mo Yan descreve, na primeira pessoa, as alterações políticas e sociais no seu país ao longo das últimas décadas, num romance disfarçado de autobiografia, ou vice-versa. Ao contrário da maioria dos escritos históricos sobre a China, que se limitam a narrar acontecimentos políticos, Mudanças conta a história do povo, numa perspectiva mais intimista de um país em transformação. Avançando e recuando no tempo, Mo Yan dá vida à História, descrevendo com acutilância e muito humor os efeitos dos acontecimentos do dia-a-dia na vida do cidadão comum.




A minha opinião:
Romance de estreia da nova editora portuguesa Divina Comédia, devo dizer que acertou em cheio, já que o primeiro livro que publica é do Prémio Nobel da Literatura 2012. Com uma qualidade gráfica e visual a saltar à vista, torna-se aliciante comprar livros desta editora, caso continuem assim. Estreia também para mim, já que nunca tinha lido Mo Yan, o que se viria a revelar numa agradável surpresa. De fácil leitura e com um tema que me agradou bastante, a história política da China, consegui lê-lo em pouco tempo e deliciar-me com a sua escrita.

Mudanças é um relato autobiográfico, um tanto ou quanto romanceado, que nos ajuda a percorrer, juntamente com o autor, a China dos anos 50 até à actualidade. Vamos acompanhando as dificuldades pelas quais passa o povo chinês ao longo destes anos, as desigualdades económicas, e uma sociedade que funcionava à base de interesses. Mo Yan viveu numa altura em que a entrada para a faculdade se baseava não em exames, mas em recomendações feitas por camponeses pobres e da classe média-baixa.

Sem possibilidade de continuar a estudar e uma vez que foi expulsod a escola no 5.º ano, Mo decid enveredar pela carreira militar, mostrando um claro apoio à política vigente. No entanto, anos mais tarde, e ao escrever estas memórias, não deixa de criticar a corrupção reinante no seu pais, que tornou alguns dos seus amigos ricos.

Um retrato cuja personagem principal é o próprio autor, a que se junta uma outra, fundamental para o enredo: um camião,
um Gaz 51, de fabrico soviético, que fascinava todas as crianças colegas de Mo Yan quando frequentavam a primária.

Planeta: Primeiras Novidades de Janeiro 2013


Título: Sussurros Ousados
Autor: Emma Wildes
N.º de Páginas: 320 
PVP: 17,76 €
Disponível a partir de 4 de Janeiro


 «Uma leitura voluptuosa e sensual. Deliciosamente escandalosa e, ao mesmo tempo, ternamente romântica… Apetecia-me que não terminasse!»
New York Times


SEXO. AMOR. SEDUÇÃO.
Para ler sem preconceitos.
Uma história soberbamente sensual e deliciosamente erótica. Uma escrita envolvente da autora que é uma referência no romance histórico erótico, já com 5 títulos publicados.  


«De todos os autores que li, penso que Emma Wildes é a minha indiscutível favorita… Mostrou mais uma vez a sua capacidade para apresentar novas variações do romance em todas as suas infinitas formas. Esteja preparado para sentir crescer as suas paixões, ao ler as cenas de amor maravilhosamente escritas.» Just Erotic Romance Reviews

Na sociedade do período da Regência, espera-se que as mulheres casem jovens, governem a casa e sejam vistas, não ouvidas. No entanto, estas
senhoras dificilmente fazem o que se espera delas…
Lady Cecily Francis está resignada a tornar-se esposa de Lorde Drury, o homem por quem desconfia que a irmã nutre uma paixão secreta.

  
Porém, depois do seu primeiro encontro escandaloso com o exótico conde de Augustine – o americano de quem toda a gente fala em surdina –, Cecily fica intrigada com a possibilidade de uma vida mais excitante. Se ao menos conseguisse arranjar casar com o pouco convencional conde…
É conhecido na cidade por Conde Selvagem. Embora tenha herdado o título de forma legítima – e, com ele, a responsabilidade pelas suas três meias–irmãs –, Augustine é meio-americano e meio-iroquês. Mal pode esperar para pôr em ordem o património do pai, casar as irmãs e regressar à sua terra natal. Até que a encantadora Lady Cecily o leva a considerar uma prolongada estada em Inglaterra…


«Este romance escandalosamente excitante atrai-lo-á e apoderar-se-á do seu coração.» USA Today 

«Perversamente deliciosa e ousada, a narrativa de Emma Wildes cativa com uma fantasia erótica que é ao mesmo tempo um romance da época da Regência habilmente trabalhado. A autora apresenta uma obra  irresistível que capta a época, os costumes e o comportamento escandaloso que se esconde abaixo da superfície.» Romantic Times

Sobre a autora:
Emma Wildes cresceu a devorar livros e a escrita nasceu naturalmente. A autora costuma dizer que adora escrever porque adora ler. Estudou na Universidade de Illinois é e licenciada em Geologia.Vive em Indiana com o marido e três filhos. Foi a autora n.º 1 do Fictionwise, WisRWA Reader’s Choice Award, vencedora na categoria de Romance Histórico em 2006, do Lories Best Published, e em 2007 vencedora do Eppie para o melhor romance erótico. 

Descubra mais sobre a autora no seu sítio na internet: www.emawildes.com

Título: Um anjo falou comigo
Autor: Theresa Cheung
PVP: 16,65€ 
N.º de Páginas: 240 páginas
À venda a partir de 04 de Janeiro 



Depois do êxito dos guias espirituais Um Anjo Chamou por Mim, Um Anjo ao Meu Lado e Como Ver, Ouvir e Sentir os Nossos Anjos, Theresa Cheung, a autora dos best-sellers mais lidos do jornal Sunday Times, regressa com uma nova colectânea de surpreendentes relatos verídicos de pessoas com experiências angélicas.
Uma adolescente recebe um bilhete escrito pelo pai, depois da sua morte.
Uma voz nítida e calma ajuda uma mãe a salvar a vida do filho às portas da morte. Uma premonição evita que um jovem casal entre num autocarro de turismo que se despenha, matando dezenas de pessoas.
Estes e outros relatos notáveis contidos neste livro são uma prova de que coisas extraordinárias podem acontecer, e acontecem mesmo, a pessoas comuns, curando e transformando as suas vidas durante esse processo.
Vindos do nada, no nosso mundo conturbado, os nossos anjos podem enviar-nos do outro lado mensagens necessárias de conforto, de compaixão, de bondade e de amor. Com este guia, a especialista em anjos Theresa Cheung ensina a reconhecer a presença destes seres na vida diária e a compreender as mensagens angélicas que nos ajudam a fazer escolhas.


Juntamente com informações sobre anjos-da-guarda, arcanjos, espíritos e entes queridos que partiram, podemos também ficar a saber muito sobre a natureza e propósito destas entidades divinas, o que podem e não podem fazer e como chamá-las em tempos de crise.
Theresa Cheung é uma estudiosa de anjos, guias espirituais, sonhos e visões da outra vida, e sente que os anjos guiam e orientam a sua vida e escrita. Ela própria teve também várias experiências angélicas, algumas das quais partilha neste livro. 


Sobre a autora:

Theresa Cheung nasceu numa família de espiritualistas com poderes psíquicos. Desde que se formou no King’s College, em Cambridge, tem estado envolvida no estudo sério dos fenómenos paranormais, há mais de 25 anos, tendo sido aluna do College of Psychic Studies, em Londres.
É autora de diversos livros, incluindo o best-seller internacional The Element Encyclopedia of 20,000 Dreams, bem como The Element Encyclopedia of the Psychic World, The Element Encyclopedia of Birthdays e Working with Your Sixth Sense. Os seus livros já foram traduzidos em mais de 20 línguas e objecto de artigos nas revistas It’s Fate, Spirit and Destiny e Prediction. Colaborou também em livros de Derek Acorah, Yvette Fielding e Tony Stockwell. Editou em Portugal, na Planeta, os livros Um Anjo Chamou por Mim, Um Anjo a Meu Lado e Como Ver, Ouvir e Sentir os Nossos Anjos


Título: Amores Altamente Perigosos
Autor: Walter Riso
PVP: 14,95€ 
N.º de Páginas: 208 
Disponível a partir de 4 de Janeiro

«Amar não é sofrer e ninguém deveria abrir mão de ser amado e feliz. Este é o bem-estar supremo que ninguém nos poderá tirar, nem que seja em nome do amor.»
Walter Riso, especialista em relações de casais


Por que falhamos tanto no amor?
Por que tanta gente escolhe a pessoa errada e mergulha em relações tão perigosas e irracionais?
Por que nos resignamos a relações dolorosas?
Para dar resposta a todas estas perguntas, o reconhecido psicólogo e especialista em relações de casais, Walter Riso dá-nos as ferramentas e as estratégias para ajudar a identificar e a enfrentar os amores mais perigosos.
Não encontrará aqui as melhores regras para viver com certo tipo de pessoa, mas aprenderá a estabelecer tempos de reflexão para compreender melhor a sua relação e deslindar até onde se justifica lutar ou não por ela.


«Não é um livro de auto-ajuda tradicional nem de receitas milagrosas. Nele se explicam oito tipos afectivos muito nocivos e pelos quais seria melhor não se apaixonar: o atormentado, o paranóico, o subversivo, o narcisista, o obsessivo, o anti-social, o solitário e o caótico» Walter Riso


Em cada capítulo do livro são explicados oito perfis psicológicos:  

As principais características de cada estilo afectivo e as suas implicações na vida do casal;
As vulnerabilidades pessoais que explicam por que mantêm as pessoas este tipo de relações;
Até onde é possível manter uma relação saudável com cada estilo afectivo doentio e quais serão os custos;
Como reconhecer estas formas de amar, antes de se apaixonar.


Acreditamos que o amor é infalível e esquecemos algo elementar para a sobrevivência amorosa: nem todas as propostas afectivas são convenientes para o nosso bem-estar.
Gostemos ou não, algumas formas de amar são francamente insuportáveis e esgotantes. Escrito numa linguagem simples, clara e acessível, Amores Altamente Perigosos é dirigido a qualquer pessoa que queira repensar a sua vida afectiva e fazer do amor uma experiência satisfatória. 


Sobre o autor:
Walter Riso nasceu em Itália, em 1951. Era ainda muito jovem, quando a família emigrou para a Argentina e aí cresceu num bairro multiétnico, no seio de uma comunidade de emigrantes italianos.
Estudou psicologia na Universidade de Colômbia, movido pela sua constante curiosidade e inquietação. Especializou-se em terapia cognitiva e fez um mestrado em bioética. Desde há trinta anos, exerce psicologia clínica, actividade que alterna com o exercício da cátedra universitária e a realização de publicações científicas e de divulgação em diversos meios.
Os seus livros cumprem o objectivo a que se propôs: o de criar uma vacina contra o sofrimento humano, ao propor estilos de vida saudáveis nas diferentes etapas da vida. O êxito dos livros de Walter Riso é esmagador. Actualmente reside em Barcelona.
Consulte o sítio do autor: www.walter-riso.com

Hilary Mantel vence Costa Book Award com Bring Up the Bodies

Após vencer os prestigiados Man Booker e o National Book Award (no Reino Unido), a britânica Hilary Mantel volta a surpreender ao conquistar mais um reputado prémio com o seu novo romance, Bring Up the Bodies. No espaço de três meses, a autora de Wolf Hall, editado em 2009, conquistou, ambos pela segunda vez, o National Book Award na categoria ‘Autor do Ano’ e o Man Booker na categoria de ‘Melhor Romance’. Bring Up the Bodies vai ser publicado em 2013 com a chancela da Civilização Editora.
A escritora britânica, que agora venceu o ‘Costa Novel of the Year’ (o antigo Whitbread, que existe desde 1971), é o primeiro autor a conseguir receber no mesmo ano o prémio literário Man Booker e o prémio Costa para melhor romance. Em outubro, Hilary Mantel fez história ao ser o primeiro autor britânico – e a primeira mulher – a receber duas vezes o Prémio Man Booker e o seu livro, Bring Up the Bodies, ser a primeira sequela a vencer a prestigiada distinção literária nos seus 43 anos de história. O romance Wolf Hall, em 2009, e agora Bring Up the Bodies, a publicar em 2013, são dois títulos com a chancela da Civilização.
Na cerimónia de entrega do Man Booker, em outubro, ironizou: “Não sei. Espera-se vinte anos pelo Prémio Booker e, de repente, surgem dois ao mesmo tempo”. O romance premiado, Bring Up The Bodies, que tem merecido ótimas críticas por parte da crítica internacional, é um romance sobre a queda de Ana Bolena vista pelos olhos de Thomas Cromwell, o ambicioso primeiro-ministro de Henrique VIII. Segundo o júri, este livro é ainda mais impressionante que o seu antecessor, Wolf Hall, vencedor do mesmo prémio em 2009.
Hilary Mary Mantel, escritora e crítica literária britânica, nasceu em Derbyshire (Inglaterra) em 1952. Com mais de uma dezena de obras publicadas, Hilary Mantel foi já distinguida com diversos prémios e condecorações ao longo da sua carreira. Em 1987 venceu o Shiva Naipaul Memorial Prize; em 1990 venceu o Southern Arts Literature Prize, o The Cheltenham Prize e o Winifred Holtby Memorial Prize pelo seu livro Fludd. Ainda na década de 1990, a autora ganhou o Sunday Express Book of the Year e o Hawthornden Prize. Em 2006, Hilary Mantel foi finalista do Commonwealth Writers Prize (Eurasia Region, Best Book) e do Orange Prize for Fiction com o livro Beyond Black.

A Musa Irrequieta - Pedro Paixão [Opinião]

Título: A Musa Irrequieta (DN Contos Digitais #1)
Autor: Pedro Paixão

"Ainda é relativamente fácil escolher uma entre múltiplas marcas de iogurte, mas não escolhemos a língua onde nascemos, nem a pessoa que nos assalta a vida."

A minha opinião:

Desde Outubro de 2012 que tenho vindo a fazer download dos contos que vão sendo disponibilizados do DN todas as quartas-feiras e sábados. Depois de devidamente registados no site do jornal podem aceder aos contos aqui.
Apesar da curiosidade pela maioria dos autores portugueses, que desconheço relativamente à leitura dos seus livros, apenas comecei hoje com a leitura dos seus contos. Começo com Pedro Paixão. E porquê? Primeiro porque já conheço alguns livros de Pedro Paixão e segundo porque gosto bastante do autor.

Em jeito autobiográfico Pedro Paixão escreve como ninguém esta história de amor entre professor e aluna. Um amor, inicialmente platónico, mas que depressa passa para a realidade, cabendo a Eva, a musa irrequieta, dar o primeiro passo. O professor é um homem inseguro, insatisfeito com a sua profissão, e que vê naquela aluna um meio de salvação no campo sentimental, mas a idade é um impedimento de querer algo mais. Eva é da idade do seu filho...

Para conto não está mal, mas esperava mais desta história, que terminou de uma forma abrupta.

Excerto:
"Eu tinha idade para saber que a paixão promete o que não pode: durar eternamente. Pelo contrário, consome-se, e quanto mais violenta mais célere."

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Desaparecida - Lisa Gardner [Opinião]

Título: Desaparecida
Autor:
Lisa Gardner
N.º de Páginas: 288
PVP: 17,49€

Sinopse:
Um carro abandonado numa noite de tempestade na zona rural de Oregon. No interior é encontrada apenas a carteira, mas não há vestígios da condutora. O que pode parecer um banal acidente acaba por revelar um mistério de intrincados contornos. Pierce Quincy, profiler do FBI, é chamado para investigar. Aquele é o carro da sua mulher, uma alcoólica que sofreu uma recaída e que tinha todas as razões do mundo para querer desaparecer. Apesar de separados, eles investigavam um duplo homicídio, e o abandono do carro em plena estrada, sem mensagens nem pistas, pode ter sido engendrado como uma terrível vingança. Um intenso thriller psicológico assinado por Lisa Gardner.

A minha opinião:

Para quem gosta tanto de Lisa Gardner como eu, este Desaparecida foi uma desilusão. A autora pega no rapto da companheira de Quincy, profiler do FBI já conhecido dos leitores de Gardner, e pensei que ia ser um livro emocionante. Pelo contrário, a sua leitura foi extremamente chata, com períodos que não desenvolviam a trama, e nada a acrescentar para o desenrolar da acção.

Tudo começa quando o carro de Rainie é encontrado. Ainda se encontra com as luzes ligadas e o motor em funcionamento. Mas de Rainie nem sinal. Ao investigar a cena onde se encontra o carro, os detectives não conseguem chegar a uma conclusão: será suicídio, acidente, ou Rainei foi sequestrada? Quincy é o principal suspeito já que o casamento não andava nos melhores dias e Rainie tinha uma dependência pelo álcool. Mas com o desenrolar dos acontecimentos, e com a chegada de uma nota de resgate, as dúvidas dissiparam-se e tudo se juntou para encontrar a melhor de Quincy. E quando desaparece um jovem rapazinho, conhecido de Rainie, as coisas parece que vão complicar ainda mais.

Penso que este livro tinha tudo para dar certo, uma boa história, o envolvimento de uma parente próxima de Quincy, mas Gardner não soube dar ritmo à narrativa, infelizmente...

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A Sua Última Duquesa - Gabrielle Kimm [Opinião]

Título: A Sua Última Duquesa
Autor:
Gabrielle Kimm
N.º de páginas: 336
PVP: 19,95€

Quando Lucrécia de Médici, de dezasseis anos, casa com o quinto duque de Ferrara, Afonso d’Este, imagina que a vida com o seu vistoso marido será idílica.
Mal ela sabe que é um homem muito complicado. O casamento é fértil em dificuldades desde o início e, à medida que o tempo passa, Lucrécia torna-se cada vez mais distante. Para Afonso, a pressão aumenta quando o Vaticano ameaça reclamar o seu título se o casal não conseguir gerar um herdeiro. Só a amante, Francesca, parece capaz de domar a sua fúria crescente.
Mas o ressentimento de Afonso para com a sua duquesa depressa se torna insuportável, e começa a urdir um plano inacreditável para fugir aos seus problemas.
Um plano com consequências nefastas que culmina com o desaparecimento até hoje questionado pelos historiadores.


A minha opinião:

Com apenas dezasseis anos Lucrécia de Médici casa com Afonso d'Este, um conde conhecido de seus pais e eleito para futuro esposo. Apesar de ser um casamento combinado, Lucrécia carrega grandes esperanças no seu casamento, talvez fruto de ser jovem e ingénua. Ainda com dezasseis anos Lucrécia elegia como passatempo preferido as brincadeiras com o seu primo Giovanni no jardim da moradia.

Mas o seu casamento, que tudo tinha para ser edílico já que Afonso é uma homem bonito, vai ser tudo menos bom.
 

Apesar de se sentir atraído pela sua jovem mulher, Afonso não consegue consumar o casamento, e, logicamente, não consegue conceber o tão almejado herdeiro. Quando recebe uma ameaça por parte do Papa, que lhe diz tomar posse de tudo o que possui caso não haja herdeiro, Afonso desespera e começa a nutrir um ódio cada vez maior pela sua mulher.

Ao mesmo tempo, Afonso decide contratar um grupo de pintores com o intuito de realizarem um fresco em sua casa. Acumplicidade entre Lucrécia e um dos jovens pintores é evidente, adivinhando-se o que se passaria futuramente entre os dois. 


Este livro foi uma enorme surpresa. Gostei da forma como foi desenvolvida a história, a descrição do ambiente da época, do método de pintura aplicada na altura, a forma como as mulheres eram tratadas como meros objectos, assim como os criados e, sobretudo, gostei de saber mais sobre Lucrécia de Médici. 


Pena é que ainda não se tenha descoberto o que foi feito desta mulher surpreendente, cujo amor a levou provavelmente à morte. 

Balanço do ano 2012 - Top Ten


Imagem retirada da Internet
Findo o ano de 2012 resta-me fazer o balanço daquelas que foram as melhores leituras do ano 2012. Foi um ano com excelentes livros lidos, mas os escolhidos para Top 10 são: 
1 - As horas distantes - Kate Morton
2 - Irmã - Rosamund Lupton
3 - Os monstros também amam - Clara Sánchez
4 - O Inverno do Mundo - Ken Follett 
5 - Morte no bosque - Harlan Coben 
6 - Frágil - Jodi Picoult
7 - Seita Maldita - Tess Gerritsen
8 - Salvar a Pele - Lisa Gardner
9 - O Monstro de Florença - Douglas Preston, Mario Spezi
10 - Um dia naquele Inverno - Sveva Casati Modignani 

Uma excelente surpresa:
No Calor dos Trópicos - Flávio Capuleto

Decepções: 
Passeio à beira-mar - Joan Anderson
2.º e 3.º volumes da trilogia de As Cinquenta Sombras de Grey