sábado, 12 de janeiro de 2019

«Imortalidade», de Rachel Heng, é um romance que abala os cânones da humanidade

Título: Imortalidade
Autor: Rachel Heng
Género: Literatura / Romance
Tradução: Maria Dulce Guimarães da Costa
N.º de páginas: 304
PVP: € 17,70

No seu romance de estreia, Rachel Heng aborda um tema que está na ordem do dia: a manipulação genética. Em Imortalidade, a esperança média de vida ronda os 300 anos, contrastando com aquilo que ainda é os nossos dias. Rachel Heng traça um retrato daquilo que pode vir a ser o nosso futuro mais próximo, em que uma alimentação rigorosa e a uma atividade física pensada em detalhe aliadas aos extraordinários avanços genéticos constituem o cocktail perfeito. Se notícias mais recentes já dão conta de alterações genéticas em embriões para os dotar de resistência a vírus, Rachel Heng vai ainda mais longe. Mas irá assim tão mais longe do que a realidade já auspicia ou de facto a perfeição genética está a apenas um passo? Este romance, que faz abalar os cânones da humanidade, apresenta uma ficção distópica que levanta algumas questões provocadoras sobre a raça humana, a vida e a morte.

Sinopse:
Um romance que se desenrola no futuro próximo, em Nova Iorque, onde a esperança de vida ronda os 300 anos e a imortalidade é o único valor que verdadeiramente importa. É neste contexto que Lea tem de decidir entre o seu pai ou viver eternamente. Lea Kirino tem um conjunto de dados genéticos que lhe confere um potencial de eternidade se fizer tudo bem feito. E Lea é muito bem-sucedida. É uma corretora de sucesso na Bolsa de Nova Iorque onde, em vez de ações, se transacionam órgãos humanos, tem um apartamento sublime e um noivo que rivaliza com ela em perfeição genética. Com a ajuda adequada da HealthTech, uma rigorosa dieta de sumos e exercícios de baixa intensidade, tem a vida eterna ao seu alcance. Mas a vida perfeita de Lea sofre uma reviravolta quando, num passeio cheio de transeuntes, se cruza com o pai, supostamente distante. O seu regresso desencadeia uma profunda mudança no comportamento de Lea, que se vê atraída para o mundo misterioso do Clube do Suicídio, uma rede de pessoas poderosas e revoltadas que rejeitam a busca
da imortalidade pela sociedade e que preferem viver, e morrer, nos seus próprios termos. Neste mundo futuro, a morte não é só um tabu, mas também altamente ilegal, e Lea tem de escolher entre uma existência imortal asséptica e um tempo curto e agridoce com um homem que é a sua única família no mundo…

Sobre a autora:
Rachel Heng nasceu e cresceu em Singapura e este é o seu romance de estreia. Depois de se licenciar em Literatura Comparada e Sociedade pela Universidade de Columbia, trabalhou vários anos numa empresa financeira em Londres. Atualmente reside em Austin, onde frequenta uma pós-graduação em Ficção e Guionismo no Michener Center for Writers da Universidade do Texas. Os seus contos foram sempre muito aclamados pelas mais diversas publicações literárias, nomeadamente por The Offing, Prairie Schooner, The Adroit Journal e The Minnesota Review. Assim, não surpreende que também a sua ficção tenha sido bem recebida, recomendada e premiada com uma Menção Especial do Pushcart Prize e com o Prairie Schooner's Jane Geske Award.




Sem comentários: