segunda-feira, 14 de maio de 2018

Encontrei-te nas Páginas de Um Livro - Xavier Bosch [Opinião]

Título: Encontrei-te nas Páginas de Um Livro
Autor: Xavier Bosch
Editor: Marcador
N.º de Páginas: 208

Sinopse:
Prémio Ramon Llull 2015

Encontrei-te nas Páginas de Um Livro é um romance sobre a força perdurável do amor.
Jean-Pierre Zahardi, galerista na Rive Gauche, é um espírito livre. Paulina Homs, com uma tranquila vida familiar em Barcelona, chega a Paris para o casamento da prima. Como se o destino o tivesse preparado, entre eles nascerá uma atração inesperada que mudará as suas vidas para sempre. Este livro é a crónica da procura e da reconstrução de uma história de amor, a de Paulina e Jean-Pierre, através das recordações, dos documentos e do testemunho das pessoas que conheceram a paixão clandestina do casal. Será a filha de Paulina, Gina, que descobrirá muitos anos depois da morte da mãe o grande amor que a marcou para sempre.

Aguarda o leitor uma viagem pelas livrarias mais bonitas do mundo, onde estão dispersos os testemunhos misteriosos e comoventes desse amor, e uma viagem no tempo, para descobrir aqueles quatro dias únicos e inesquecíveis. Eternos.

A minha opinião:
A capa belíssima agarra os amantes dos livros e pede que o levem com eles. Mas o seu conteúdo não defrauda quem compra o livro apenas pela capa. Encontrei-te nas Páginas de um Livro é um verdadeiro hino ao amor. Um amor que nasce de uma viagem a Paris e que dura apenas quatro longos e intensos dias e que perdurará para a vida.

E um amor que será descoberto pela filha de Paulina, quando a sua prima morre e a família encontra nos seus pertences três cartas que lhe pertencem. Gina, cuja mãe Paulina morre quando ela tem apenas 8 anos, conhece o verdadeiro amor naquelas cartas e decide ir em busca do homem que arrebatou a sua mãe, aquando da sua viagem a Paris para o casamento da prima.

"Abri um livro é, na minha opinião, descobrir mundos, viver outras vidas, dar sentido à nossa. Viajar para a frente e para trás. Criar histórias. Chorar e rir. Um jornal é sempre a mesma coisa. Os dias são demasiado parecidos.[...] A meu ver, ler livros é, talvez, a única forma de fantasiar um pouco."

Através de 200 páginas vamos viajando entre o passado e o presente, descobrindo uma verdadeira história de amor e da arte, acompanhando a visita dos dois amantes a livrarias parisienses, galerias de arte e restaurantes típicos, mostrando que Paris é mesmo a cidade do amor.

Contrastando com a mãe, Gina é um espírito livre. Apaixonada pela vida e pelos homens, não se liga a nenhum deles. Mas este amor impossível, que terminaria tragicamente, leva a que a jovem nos dê a conhecer a pessoa fantástica que era Jean-Pierre e a sua mãe, que conheceu tão pouco.

"A maior declaração de amor é aquela que não se faz; o homem que sente muito fala pouco."

O amor arrebatador vivido entre as duas personagens é o mote do livro, mas há muito mais para explorar. A visita a algumas das principais livrarias mundiais deixou-me extasiada e com uma vontade imensa de fazer o percurso que Paulina fez, tivesse eu dinheiro para isso! E, apesar de achar Gina um pouco libertina e despida de sentimentos em demasia, também acabei por gostar imenso da sua personagem.

Livro recomendado para os amantes de livros e aos que apreciam um bela história de amor.





Sem comentários: