segunda-feira, 21 de maio de 2018

Deste mundo e do outro, que a Porto Editora publicou a 17 de maio, reúne crónicas que José Saramago

Título: Deste mundo e do outro
Autor: José Saramago
Págs.: 224
PVP: 16,60 €
Caligrafia da capa: Maria de Medeiros

Deste mundo e do outro, que a Porto Editora publicada a 17 de maio, reúne crónicas que José Saramago escreveu para o jornal A Capital entre 1968 e 1969. Aqui encontramos textos como “Carta para Josefa, minha avó”, “Três horas da madrugada”, sobre Lisboa, “O sapateiro prodigioso” e outras histórias «das pessoas feitas de lágrimas, alguns risos, umas tantas pequenas alegrias e uma grande dor final», havendo ainda uma crónica sobre o livro que Saramago levaria para uma ilha deserta: Dom Quixote.
Fundamentais para a obra de Saramago, o autor defendia que os seus livros não poderiam ser realmente entendidos sem as suas crónicas: «De todo o modo, os factos estão à vista: entre a primeira linha da primeira crónica e a última linha do último romance, parece ser discernível um fio contínuo ligando tudo, ao mesmo tempo que se identifica uma lógica condutora que em tudo reconhece um sentido.»

Sobre o autor: 
Autor de mais de 40 títulos, José Saramago nasceu em 1922, na aldeia de Azinhaga. Em 1947 publicou o seu primeiro livro que intitulou A Viúva, mas que, por razões editoriais, viria a sair com o título de Terra do Pecado.
Até 2010, ano da sua morte, a 18 de junho, em Lanzarote, José Saramago construiu uma obra incontornável na literatura portuguesa e universal, com títulos que vão de Memorial do Convento a Caim, passando por O Ano da Morte de Ricardo Reis, O Evangelho segundo Jesus Cristo, Ensaio sobre a Cegueira, Todos os Nomes ou A Viagem do Elefante, obras traduzidas em todo o mundo.
José Saramago recebeu o Prémio Camões em 1995 e o Prémio Nobel de Literatura em 1998. No ano de 2007 foi criada em Lisboa uma Fundação com o seu nome, que trabalha pela difusão da literatura, pela defesa dos direitos humanos e do meio ambiente, tomando como documento orientador a Declaração Universal dos Direitos Humanos.


Sem comentários: