sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Marcada para Morrer - Peter James [Opinião]

Título: Marcada para Morrer
Autor: Peter James
Editor: Clube do Autor
N.º de Páginas: 472

Sinopse:
Se há livros capazes de suspender a respiração normal do leitor, este é um deles. Tal como a obra anterior de Peter James, Marcada para Morrer é um thriller que promete dar que falar (e noites sem dormir).

Escutou-a a gritar. Um grito aterrador. Depois, surgem os corpos assassinados, uns no passado e outros no presente. No final, a perversidade por trás destes crimes vai surpreendê-lo e arrepiá-lo.

Até que ponto um passado tortuoso é capaz de gerar uma mente monstruosa e vingativa? O que fazer quando o pior mal existe naqueles em quem mais confiamos?

A minha opinião: 
Peter James não é novato no que toca a thrillers. Prova disso é Marcada para Morrer, 11.º livro da série Roy Grace. Apesar de tudo, foi a minha estreia com o autor, embora tenha por ler na estante o anterior a este: Quero-te Morta. 

O inconveniente de apanhar uma série a meio é não saber muitos aspectos da vida da protagonista. Neste livro Roy Grace está casado com a segunda mulher, Cleo, mas sabemos que a primeira mulher se encontra desaparecida. Provavelmente nos livros anteriores é explicado como era a vida dos dois como casal até a mulher desaparecer. Essa é, de facto, uma informação que não temos e que é relevante para criarmos empatia com Roy. Até porque pela leitura deste livro constatamos que a primeira mulher, Sandy, ainda é bastante importante para o detective. 

Em Marcada para Morrer, Peter James leva-nos a um assassino em série duro e implacável. Sem querer entrar muito na história para não fazer perder o interesse aos leitores, posso dizer que vamos caminhando na investigação de um rapto que poderá ter um desfecho trágico. O início do livro é fantástico, revelando os últimos minutos da vítima, desde o momento em que tem um mau pressentimento, até ao momento em que desaparece sem deixar qualquer rasto. 

À medida em que a investigação evolui descobre-se um esqueleto com mais de 30 anos enterrado numa obra. Será que estamos a falar do meu criminoso? Ou será um caso em paralelo?

Este caso vai apanhar Roy no meio de uma mudança de casa, mostrando que tem em Cleo uma boa e compreensiva companheira. Sem tempo para a ajudar nas mudanças, Roy vive única e exclusivamente para o caso, tendo o apoio de toda a equipa, que está de luto pela morte de um dos seus membros.

A escrita de Peter James é excelente e revela experiência. Prende o leitor desde o momento em que Logan é raptada e sabe fazê-lo bem. É daqueles livros que não queremos mesmo largar. 

Muito bom. 



2 comentários: