sexta-feira, 30 de junho de 2017

A estante está mais cheia #53

Junho, mês de Feira do Livro, e consequentemente, mês em que vieram muitos livrinhos cá para casa.
Apesar de prometer a mim mesma conter-me nas compras até porque tenho muitos, imensos livros por ler cá em casa, não consigo resistir às novidades ou a comprar livros que já tenho na minha wishlist há algum tempo. Então, logo que encontre uma oportunidade, um livro mais barato, um leilão, lá estou eu presente.
A Filha Prometida de Jane Shemilt e Sapatos Italianos de Henning Mankell são disso exemplo. Foram boas compras em leilões e chegaram cá a casa impecáveis.
De uma compra de ocasião chegou também o novo livro de Rodrigo Guedes de Carvalho, O Pianista de Hotel e O Sono da Morte de Dick Haskins. 
Café Amargo de Simonetta Agnello Hornby, cuja opinião já se encontra no blogue (aqui) e A Mulher do Camarote 10 de Ruth Ware foram oferta gentil da Clube do Autor. Adorei Café Amargo e estou com grandes expectativas em relação ao de Ruth Ware já que gostei muito do seu livro anterior, Numa Floresta Muito Escura.
A Rapariga no Gelo de Robert Bryndza foi oferta da editora Alma dos Livros e promete ser uma óptima leitura.
Da Guerra e Paz, e já com opinião no blogue, chegou Entre Mortos e Feridos Ninguém Escapa de Peter Brooklyn. Podem ler a minha opinião aqui
O novo livro de Marc Levy, Ela e Elechegou à estante através da oferta da Bertrand e vai ser uma das minhas próximas leituras já que gosto muito do escritor.
A minha leitura atual chegou da Marcador e é um livro que já faz sucesso por cá: Estou a Ver-te, o novo livro de Clare Mackintosh.
Da Topseller chegou O Olhar da Mente de Hakan Nesser, mais um policial que me criou muitas expectativas.
O Porto das Almas da dupla Lars Kepler, cuja opinião está aqui e O Prodígio de Emma Donoghue foram oferta gentil da Porto Editora.
E da FLL, além dos livros infantis que trouxe para a mais pequena, vieram comigo Irmãs de Claire Douglas, Morrer Duas Vezes de Tess Gerristsen e Não me Apanhas de Lisa Gardner.





2 comentários:

Anónimo disse...

A comprar livros roubados??? Não fica nada bem.

Maria Manuel Magalhaes disse...

Olá caro anónimo. Em que se fundamenta para dizer uma coisa com tal gravidade?
E ainda se esconde no anonimato, está claro.