quarta-feira, 12 de abril de 2017 | By: Maria Manuel Magalhaes

Tânia Laranjo escreve "Mãe, não desistas de viver"

Quantas histórias já ouvimos e lemos sobre pais que matam os filhos para se vingarem dos seus cônjuges, para mostrarem que são capaz de provocar tal sofrimento?

Mãe, não desistas de viver é a histórica verídica de Ana. Uma menina de sete anos morta por um pai para se vingar da mulher que o abandonou. É também a história de Carolina, a mãe, e da sua viagem ao inferno. E de João, esse pai que ninguém conhecia verdadeiramente, e que foi capaz de matar quem amava.

Esta história é a junção de muitas histórias reais. Todos os anos há crianças que são assassinadas em contextos de divórcios litigiosos. Pais ou mães que matam os filhos por vingança, para provarem que ganharam. Para castigarem quem só queria ter outra vida. Depois de vários anos de jornalismo e a fazer reportagens de violência doméstica, Tânia Laranjo continua sem respostas perante a morte de crianças. E, com esta obra poderosa e muito pessoal, leva-nos a questionar como é possível o amor andar de mãos dadas com a mais pura das maldades.