sábado, 18 de fevereiro de 2017 | By: Maria Manuel Magalhaes

Sextante Editora - "Ei-los que partem" - O romance da nova emigração portuguesa


Título: Ei-los que partem
Autor: Júlia Nery
Págs.: 256
PVP: € 16,60

Ei-los que partem, o novo romance de Júlia Nery
Um desafio literário sobre a contemporaneidade: a nova emigração portuguesa.
A 23 de fevereiro a Sextante Editora publica o novo livro de Júlia Nery, Ei-los que partem. Ao contrário dos seus livros anteriores, este romance descreve uma problemática atual, a nova emigração, e é protagonizado por um grupo de jovens amigos que se vê obrigado a sair de Portugal em busca de realização profissional. Num mundo globalizado, o isolamento e as diferenças culturais que irão sentir vão dificultar o acesso à tranquilidade desejada para o dia-a-dia, fazendo da busca pela felicidade uma tarefa incomensurável (“O passado já não existe, o futuro ainda não é”, Santo Agostinho).
Júlia Nery apresentará o seu novo livro – o quarto da autora na Sextante Editora – no dia 23 de fevereiro, no encontro Correntes d’Escritas, na Póvoa de Varzim, e a 2 de março, em Lisboa, no El Corte Inglés.

Sobre o livro:
A história de um grupo de amigos que, após o culminar de uma juventude de estudo e formação superior, saem de Portugal forçados pela necessidade de encontrar trabalho e realização profissional e se espalham pelo mundo para construir uma vida, sozinhos ou a dois.
Os desafios são enormes, os países que os acolhem podem ser hostis, falta a família portuguesa, a cultura portuguesa, mas há também extraordinárias oportunidades, e uma amizade persiste, à distância, como suporte indispensável. Amadurecerão ou morrerão os amores, e o regresso e a felicidade serão sonhos durante muitos anos acalentados. Amanhã, talvez… Uns voltarão, outros não. Mas o mundo mudará e cada um desempenhará o seu papel.

Sobre a autora:
Júlia Nery, de raízes beirãs, nasceu em Lisboa em 1939 e vive numa aldeia perto de Cascais, onde foi professora do ensino secundário e deputada à Assembleia Municipal. Publicou a sua primeira obra de ficção em 1984: Pouca terra… poucá terra... Conciliando o seu trabalho de professora, de formadora na área específica da Didática da Língua e de dinamizadora de oficinas de escrita, continuou a publicar obras de ficção e de teatro: O cônsul, O plantador de naus a haver (Prémio Eça de Queirós, 1994), Na casa da língua moram as palavras, Infantas de Portugal, Valéria,Valéria, www.morte.com, O segredo perdido, Crónica de Brites, Aquário na gaiola, Da Índia com amor, os três últimos editados pela Sextante.
Tem obra traduzida em francês e alemão.