domingo, 22 de janeiro de 2017 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Homem Ausente - Rosenfeldt e Hjorth [Opinião]

Título: O Homem Ausente
Autor:  Hans Rosenfeldt e Michael Hjorth
Editor: Suma de Letras
Páginas: 522

Sinopse:
O aguardado 3º volume da série policial nórdica de maior sucesso internacional!
Na ladeira das montanhas de Jämtland, na Suécia, seis corpos são encontrados.
No início, Sebastian vê o caso como uma oportunidade de escapar da ex-namorada e passar algum tempo com a filha, Vanja.
Mas rapidamente descobre que está mais envolvido no caso do que gostaria de estar.

A minha opinião: 
A dupla sueca Hjorth & Roselfeldt já fazem parte das minhas preferidas quando penso em romances policiais. A série Sebastian Bergman é soberba e quando sei da novidade que mais um livro está para chegar fico em pulgas.

Aconteceu isso mesmo com este último, O Homem Ausente. Logo que chegou a casa desejei terminar o mais rapidamente possível a leitura do livro que estava a folhear para começar com este. É que sei, garantidamente, que vai ser uma leitura apaixonante que não me vai decepcionar.

Sebastian Bergman continua a ser a personagem central da história, como não podia deixar de ser, e acaba mesmo por se suplantar ao desvendar de mais um brutal achado. Seis cadáveres de pessoas são encontrados na montanha de Jamtland o que obriga a Riksmord a deslocar-se ao local. Os problemas pessoais de alguns dos membros vão afectar o grupo, mas quem mais sofre é Sebastian que descobre que a sua filha quer dar um rumo diferente à sua vida. 
É precisamente o relato do dia a dia desta equipa que me fascina nesta série. Os autores não se limitam a criar um crime e a ir revelando a solução do mesmo. Fazem com que o leitor crie empatia com os investigadores pertencentes à Riksmord o que imprime uma veracidade ainda maior na história, enriquecendo a série. 

"Se não acreditamos que tudo está pré-ordenado, que nada daquilo que fazemos tem um efeito qualquer, então a mudança significa sempre que temos de olhar atentamente para nós próprios."
Além disso, Sebastian não é um herói comum. Tem defeitos, muitos defeitos, e por várias vezes age erradamente, o que para ele se aplica a máxima "os fins justificam os meios". À primeira vista isso poderia criar um certo ódio pela personagem principal da série, mas comigo dá-se precisamente o contrário. Desprezível em algumas situações e amoroso noutras, Bergman, consegue contrabalançar perfeitamente o gosto que o leitor tem por ele.

A par disso, vamos conhecendo a história de uma família afegã, mãe e dois filhos, que vive desesperada com o desaparecimento do patriarca. Said Balkhi desapareceu há nove anos, quando a esposa estava grávida do filho mais novo e não deixou rasto. A mulher sente que alguma coisa terá de ter acontecido a Said, não acreditando que ele tenha fugido para o seu país de origem. Persistente, faz tudo para que a verdade seja revelada.

Esta terceira história não me impulsionou tanto a leitura como do livro anterior, mas não podia deixar de dar as minhas 5 estrelas. E, mais uma vez, o final deixa-nos com uma vontade imensa de ler o quarto livro. Desejo que esteja para breve.