quinta-feira, 25 de maio de 2017

Guerra e Paz na Feira do Livro de Lisboa


Augusto Cury em Lisboa


Saída de Emergência na Feira do Livro de Lisboa




A Mulher Oculta - Karin Slaughter [Opinião]

Título: A Mulher Oculta
Autor: Karin Slaughter
Editor: HARPERCOLLINS
Páginas: 512

Sinopse:
Maridos e esposas. Mães e filhas. o passado e o futuro.
Os segredos unem-nos e os segredos podem destruí-los.

A autora do famoso Flores cortadas regressa com um eletrizante thriller, muito complexo emocionalmente, e que submergirá o protagonista nas obscuras profundidades de um caso que pode destruí-lo.

A descoberta de um assassinato numa obra abandonada, conduz Will Trent e o Bureau de Investigação da Geórgia a um caso que se torna muito mais perigoso quando o cadáver é identificado como sendo o de um ex-polícia.

Depois de fazer a autópsia, Sara Linto, a nova forense do GBI e amante de Will, descobre que a grande quantidade de sangue encontrada não pertence à vítima. Decerto, um rasto de sangue que não encaixa na cena do crime, indica que há outra vítima, uma mulher que desapareceu… e, se não a encontrarem rapidamente, morrerá.

A cena do crime pertence ao habitante mais famoso da cidade: um atleta rico, poderoso e politicamente bem relacionado, protegido pelos advogados mais caros dos Estados Unidos, um homem que já se tinha livrado de um caso de violação, apesar dos esforços de Will para o prender.

Mas o pior ainda está para vir. As provas ligam o passado turbulento de Will ao caso… e as consequências irão arrasar a sua vida com a força de um tornado, causando estragos a Will e a todos os que estão à sua volta, inclusive aos seus colegas, familiares, amigos e também aos suspeitos que persegue.

A minha opinião: 
Quando o corpo de um ex-polícia é encontrado num edifício abandonado de uma antiga discoteca, surge um novo caso para Will Trent, detective fetiche de Karin Slaughter. A autora norte-americana publicou já oito livros da serie, embora no nosso país não tenham sido editados todos, nem sequer sequencialmente, o que desagrada a maior parte dos leitores.

Não sou daquelas leitoras fanáticas pelas séries todas certinhas. Não deixo de ler um livro por não estar a série completa ou porque está desordenada, mas também não gosto de andar a saltitar as histórias pessoais das personagens principais, sobretudo quando gosto bastante delas.

Por cá, o livro saltou do quarto para a oitavo livro da série (A Mulher Oculta é o número oito) e isso deixa algumas lacunas entre as personagens e muito mudou nas suas vidas.

No entanto, a história principal que é o que realmente importa, não perde nada, já que o ritmo é empolgante e muito gráfica.

O ex-detective assassinado é bem conhecido de toda a equipa de investigação. Aliado a isso, o palco onde decorreu o crime é uma discoteca, pertença de um antigo atleta, rico e famoso, acusado anteriormente de violação de uma jovem estudante, embora nunca tenha sido condenado pelo crime.

Sem me querer alongar muito na história, até porque revelaria muito da vida de Will e Sara, (embora a sinopse já revela que estão juntos) este assassinato vai abalar a relação de ambos. Isto porque à medida que a investigação avança vão surgindo novos factos e as análises vão revelar que a mulher que esteve na cena do crime também é conhecida da equipa.

Se Will está com Sara os leitores vão perguntar-se onde andará Angie. Será respondido neste livro? O que trará?

Muito se passou entretanto e tudo é surpresa para quem não leu a série seguida. Mas esta surpresa também acaba por ser boa, porque partimos para a história completamente em branco, o que a torna ainda mais emocionante.

Um livro fantástico, um dos melhores que li este ano, e que me deixa desejosa para que a série seja toda publicada por cá. E já agora pela ordem.

Lançamento de «A Sociedade dos Sonhadores Involuntários», o novo romance de José Eduardo Agualusa - Livraria Ler Devagar


A Dúvida Razoável, de Whitney G. é novidade Topseller

Para gáudio dos leitores que esperavam ansiosamente pela publicação em português da série Reasonable Doubt, de Whitney G., a Topseller publicará toda a trilogia num só volume.

Os fãs não vão ter de esperar pelo segundo volume para continuarem a acompanhar a escaldante história de Aubrey e Andrew.

Sobre o livro:Quando uma relação é construída com base num mistério, poderá a dúvida arruinar o amor?

Thoreau e Alyssa conhecem-se num chat de advogados. A sua ligação é imediata. Trocam sonhos, ideias, questões profissionais e tornam-se amigos. Rapidamente, a sua relação virtual se transforma em algo mais quente. Entre jogos sexuais e provocações, Thoreau confessa a Alyssa um dos seus mais importantes valores: odeia mentiras. Mas omite um pormenor importante: não se chama Thoreau.

Alyssa também não é Alyssa. Na verdade, chama-se Aubrey. E não é advogada. Quando o Dr. Andrew Hamilton, mais um dos vários nomes que Thoreau utiliza, descobre que Aubrey é uma das suas estagiárias, a sua relação rapidamente passa do mundo virtual para a realidade, das palavras para os atos.

Mas a mentira continua a pesar sobre eles. O passado de Andrew volta para o assombrar. Não consegue deixar de se lembrar do quanto as mentiras já o magoaram, do quanto perdeu e foi forçado a deixar para trás. O que levará Andrew a esconder a sua identidade? A criar nomes falsos e a precisar de uma nova vida?

Será a irresistível atração que os une mais forte que a dúvida?

Dúvida Razoável chega às livrarias dia 29 de maio (Ed. Topseller | 320 pp. | 16,99€) e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui.​

Sobre a autora:
Whitney G. é uma jovem escritora norte-americana, que vive obcecada com viagens, chá e café.

É também uma autora bestseller do New York Times e do USA Today, para além de ser fundadora do blogue The Indie Tea, onde procura inspirar jovens autores independentes de literatura romântica.

Quando não está a conversar com os leitores nas redes sociais, provavelmente estará trancada a escrever mais uma história louca.

Saiba mais em www.whitneygbooks.com.





quarta-feira, 24 de maio de 2017

Novidade Topseller A Mulher Desaparecida de Sara Blaedel

Depois de As Raparigas Esquecidas e O Trilho da Morte, a Rainha Dinamarquesa do Thriller brinda os seus leitores com o caso de A Mulher Desaparecida, uma extraordinária aventura onde o desespero e o suspense são absolutamente reais.
Nenhum leitor conseguirá ficar indiferente!

«Sara Blædel brinda-nos com uma das melhores leituras com que já me deparei!» — Michael Connelly
«Uma escrita absolutamente genial e envolvente. Um realismo intransigente que revela o thriller no seu melhor.» —Washington Post

Num bairro familiar e acolhedor nos arredores de Londres, uma mulher foi alvo de um violento assassínio.
Um tiro certeiro de uma caçadeira atravessou a janela da cozinha, onde ela se encontrava com o marido e a filha. A morte foi imediata.
Ao iniciar a investigação, a polícia local descobre que a mulher, de nome Sophie Parker, se tratava na verdade de uma cidadã dinamarquesa que se encontrava desaparecida há 18 anos. Louise Rick, chefe do Departamento de Pessoas Desaparecidas, fica responsável pelo caso. É então que novas e surpreendentes revelações desvendam que fora Eik, seu colega e amante, quem declarara o desaparecimento de Sophie.
Assim que é informado da morte de Sophie, Eik desaparece misteriosamente e, passadas 24 horas, é preso em Inglaterra e acusado de ser o responsável pelo crime.

Sobre a autora:
Sara Blaedel iniciou a sua carreira como fundadora de uma editora especializada em policiais e thrillers. Este trabalho aproximou-a do jornalismo, onde acabou por cobrir uma vasta gama de histórias e julgamentos penais. Foi nesta altura — e enquanto esquiava na Noruega — que começou a imaginar a trama do seu primeiro romance, Green Dust, com o qual venceu o The Danish Crime Academy’s Debutant Award, o primeiro de inúmeros prémios na sua carreira. As Raparigas Esquecidas, publicado pela Topseller em 2016, é o seu livro mais aclamado, e foi galardoado em 2015 com o Gyldne Laurbær, o mais importante prémio literário da Dinamarca. Ainda em 2016, a Topseller publicou O Trilho da Morte, também muito bem recebido pela crítica.
Com 1,8 milhões de livros vendidos na Dinamarca, a imprensa e os fãs nomearam-na por quatro vezes A Rainha Dinamarquesa do Thriller. Os seus livros são bestsellers internacionais e já foram publicados em 33 países.
Saiba mais sobre a autora em: www.sarablaedel.com


Porto Editora publica a 1 de junho Doces Silêncios, o mais recente livro da popular escritora americana Deborah Smith


Título: Doces Silêncios
Autor: Deborah Smith
Tradutor: Elsa T. S. Vieira
Págs.: 344
PVP: 16,60 €

A Porto Editora publica a 1 de junho Doces Silêncios, o mais recente livro da popular escritora americana Deborah Smith.
No centro do romance está a história de amor de Eddie, a filha do Presidente dos EUA, e Davis, que estão longe de ter a tranquilidade que ambicionam. Com uma escrita entusiasmante e bem-humorada, Deborah Smith vem despertar o lado sonhador do leitor e revelar a força redentora do amor.
No catálogo da Porto Editora estão já publicados os livros A Doçura da Chuva, Segredos do Passado e O Café do Amor, que obtiveram assinalável êxito junto dos leitores portugueses.

Sinopse:
Após a morte do marido num trágico acidente, Hush McGillen não se deixou abater. Transformou os pomares de maçãs da família num negócio de sucesso e o filho, Davis, está a estudar na conceituada Universidade de Harvard. Contudo, este idílico paraíso cai por terra quando o filho aparece com uma companhia inesperada: a filha do Presidente dos Estados Unidos. De um momento para o outro, Hush tem de lidar com os Serviços Secretos, a comunicação social e, pior do que tudo, os novos sogros do filho – e a primeira-dama não está nada satisfeita.
Com o agente federal Nick Jakobek, enviado pela família presidencial para resgatar a filha, a trazer ainda mais caos à sua vida, Hush vê-se perante a necessidade de fazer todos os possíveis para salvar o seu negócio, a sua reputação e a sua família – pois o seu passado não é exatamente o conto de fadas que todos julgam.

Sobre a autora:
Deborah Smith é uma das autoras americanas mais lidas em todo o mundo: a sua obra já vendeu mais de três milhões de exemplares. Nomeada para diversos prémios importantes, como o RITA Award da Romance Writers of America e o Best Contemporary Fiction da Romance Reviews Today, foi distinguida com o Prémio de Carreira atribuído pela Romantic Times Magazine.

Imprensa: 
«Uma autora extraordinariamente talentosa.» Mary Alice Monroe, autora bestseller do The New York Times
«Uma narradora excecional.» Booklist
«Uma combinação vencedora de drama romântico, saga familiar e episódios humorísticos sobre a vida quotidiana.» RT Book Reviews
«A escrita de Deborah Smith tem garra; e é isso que a torna tão aprazível.» The Book Haven


Onésimo Teotónio de Almeida apresenta um livro amarelo



José Eduardo Agualusa: Sonhadores involuntários podem fazer revoluções

Título: Sonhadores involuntários podem fazer revoluções
Autor: José Eduardo Agualusa
Género: Literatura / Romance
N.º de páginas: 280
PVP: € 17,70

Agualusa assina uma sátira política que é, ao mesmo tempo, uma homenagem aos 15+2 de Angola
A Sociedade dos Sonhadores Involuntários, de José Eduardo Agualusa, é uma sátira política que nasce da sua relação pessoal com os sonhos e da situação política angolana. Um dos mais importantes autores contemporâneos de Língua Portuguesa inspira-se na prisão de 17 jovens angolanos, que a 20 de Junho de 2015 foram presos em Luanda, quando se reuniam para discutir um livro de filosofia política. A Sociedade dos Sonhadores Involuntários é uma fábula, uma homenagem a estes e a todos os jovens que lutam hoje em dia pelo cumprimento do processo democrático angolano. É também uma crítica à geração que lutou pela independência do país mas depois se resignou, desistindo de concretizar o seu sonho de democracia e liberdade plena. Por outro lado, o livro presta tributo àqueles que, não tendo vivido o conflito armado, não desistem de lutar, questionando o status quo.
Através da personagem de Daniel Benchimol, um jornalista que surgiu inicialmente em Teoria Geral do Esquecimento e que investiga desaparecimentos, José Eduardo Agualusa explora o papel dos sonhos na vida das pessoas. Este foi o livro que mais tempo de escrita lhe exigiu. Um livro que rasga horizontes na realidade de quem se atreve a sonhar.

Sinopse:
O jornalista angolano Daniel Benchimol sonha com pessoas que não conhece. Moira Fernandes, artista plástica moçambicana, radicada em Cape Town, encena e fotografa os próprios sonhos. Hélio de Castro, neurocientista brasileiro, filma-os. Hossi Kaley, hoteleiro, antigo guerrilheiro, com um passado obscuro e violento, tem com os sonhos uma relação ainda mais estranha e misteriosa. Os sonhos juntam estas quatro personagens num país dominado por um regime totalitário à beira da completa desagregação.
A Sociedade dos Sonhadores Involuntários é uma fábula política, satírica e divertida, que desafia e questiona a natureza da realidade, ao mesmo tempo que defende a reabilitação do sonho enquanto instrumento da consciência e da transformação.

Sobre o autor:
José Eduardo Agualusa nasceu na cidade do Huambo, em Angola, a 13 de dezembro de 1960. Estudou Agronomia e Silvicultura. Viveu em Lisboa, Luanda, Rio de Janeiro e Berlim. É romancista, contista, cronista e autor de literatura infantil. Os seus romances têm sido distinguidos com os mais prestigiados prémios nacionais e estrangeiros, como, por exemplo, o Grande Prémio de Literatura RTP (atribuído a Nação Crioula, 1998) e o Independent Foreign Fiction Prize (para O Vendedor de Passados, 2004). Mais recentemente, o romance Teoria Geral do Esquecimento foi finalista do Man Booker Internacional e do International Dublin Literary Award (antigo IMPAC Dublin Award). Também os seus contos e livros infantis foram merecedores de prémios, como o Grande Prémio de Conto da APE e o Grande Prémio de Literatura para Crianças da Fundação Calouste Gulbenkian, respetivamente. A partir de 2013, José Eduardo Agualusa começou a publicar a sua obra na Quetzal.


Por que é que as Bailarinas não Ficam com a Cabeça a andar à Roda?

Sabe porque temos às vezes sensações de déjà vu? E por que temos falsas memórias? Por que é tão difícil deixar de fumar? Ou o que é a inteligência?

O elo comum a todas as perguntas que vai encontrar neste livro – e às respectivas respostas – é o nossocérebro. É dele, dos seus cerca de 85 mil milhões de neurónios, mais de cem mil milhões de outras células e dos muitos biliões de conexões que se estabelecem entre elas, que emanam as explicações para todos os nossos comportamentos, gostos, humores e emoções. Ou não fosse o cérebro a sede de tudo o que somos, percebemos, inventamos ou criamos. É sobre isso este livro: sobre essa complexidade que faz de nós o que somos, e que nos é desvendada pela ciência através dos muitos estudos feitos por neurocientistas de todo o mundo, incluindo de Portugal. As perguntas estão aí, com as suas respostas. Em muitos casos, elas são ainda provisórias, incompletas, mas a ciência e o conhecimento são mesmo assim: nascem de um processo de construção permanente, que nunca está verdadeiramente terminado.

Sobre as autoras: 

Foto Teresa FirminoTeresa Firmino nasceu em Sousel, no Alentejo, em 1969.

Fez o ensino secundário em Estremoz e concluiu Comunicação Social na Universidade Nova de Lisboa em 1992.

É jornalista no Público, onde sempre escreveu sobre temas científicos e é atualmenteeditora da secção de Ciência.

É co-autora do livro Por Que Choramos Quando Cortamos Uma Cebola?, publicado na Esfera dos Livros.



foto Filomena NavesFilomena Naves nasceu em Lisboa, em maio de 1958.

Estudou psicologia no ISPA e dedicou-se ao jornalismo.

É desde 1992 jornalista de ciência no Diário de Notícias, jornal para o qual fez reportagens na Ucrânia e nos Estados Unidos, entre outros.

É co-autora do livro Por Que Choramos Quando Cortamos Uma Cebola?, publicado na Esfera dos Livros.





Novidades Gradiva para maio

Título: Não Contem com o Fim dos Livros
Autor: Umberto Eco e Jean‑Claude Carrière
Coleção: «Fora de Colecção», n.º 490
N.º de Páginas: 264 
PVP: € 13,50

Há muito que se ouve anunciar a morte dos livros. Mas os autores desta obra negam essa possibilidade, pois o fim dos livros determinaria também o da espécie humana. Inúmeros episódios e referências culturais, muito humor e a indispensável ironia juntam‑se numa obra inteligente e estimulante.






Título: Da Pintura
Autor: Eduardo Lourenço
Coleção: «Obras de Eduardo Lourenço», n.º 24
N.º de Páginas: 312
PVP: € 13,50

Uma obra sobretudo com textos inéditos que entram pelo mundo da arte, e da pintura em particular, com páginas preenchidas de sabedoria, experiência e interesse, ou não fosse Eduardo Lourenço um dos grandes pensadores contemporâneos. Dividido em três secções — Estética, Exposições, Pintores —, o percurso aqui proposto é abrangente.


24.º livro da colecção «Obras de Eduardo Lourenço»


Título: Sobre a Verdade
Autor: Harry G. Frankfurt
Coleção: «Gradiva Breve», n.º 7
N.º de Páginas: 88 
PVP: € 9,00


A vida pessoal, social e profissional seria impossível sem a verdade. O autor mostra que distinguir entre verdadeiro e falso é algo pressuposto nas situações mais banais. Ao contrário do que agora é moda dizer, a verdade é necessária para nos compreendermos e relacionarmos e para percebermos a realidade. Sem jargão filosófico, este é um pequeno livro muito acessível e de leitura imperativa, neste nosso tempo relativista da pós‑verdade.




VOGAIS: O mundo de imaginação sem paralelo do artista Kerby Rosanes está de volta

O mundo de imaginação sem paralelo do artista Kerby Rosanes está de volta.

Mitomorphia (Vogais | 96 pp | 10,99€) é o mais recente livro do artista Kerby Rosanes, um jovem desenhador filipino que utiliza vulgares canetas pretas na criação do seu mundo encantado de desenhos exaustivamente detalhados.

A maior parte das suas obras evidencia-se pelos traços extravagantes e padrões complexos que se combinam de uma forma livre, criando composições grandiosas que ilustram experiências do quotidiano ou qualquer outra coisa que o inspire.

É hoje um dos desenhadores de livros para colorir mais populares em todo o mundo, com mais de dois milhões de seguidores na sua página de Facebook. Abandonou o seu emprego como designer gráfico para abraçar finalmente a sua paixão: criar mais arte para projetos pessoais e para diversos clientes, entre os quais se encontram empresas como a Nike, a Ford, a Mazda ou a Huawei. Depois do sucesso mundial que obteve com Animorphia e Imagimorphia, Kerby criou o presente Mitomorphia, o seu terceiro livro de colorir.

Neste novo livro, Kerby Rosanes desenhou criaturas mitológicas e bizarras, mundos de fantasia que deslumbram. O artista filipino está disponível para entrevistas e é possível ceder, para publicação, imagens do livro.



Coolbooks: O Alentejo e os sonhos perdidos de uma geração em "E ficou a terra"

Título: E ficou a terra
Autor: Carla Ramalho
Formato: e-wook / capa mole
N.º páginas: 152
PVP: 4,99€ / 13,30€

No pós-25 de Abril, uma pequena vila alentejana fervilha com o embate entre a liberdade recentemente conquistada e a manutenção de privilégios seculares. É neste Alentejo que se situa E ficou a terra, o segundo romance de Carla Ramalho, disponível a partir de hoje na livraria virtual Wook, na Bertrand.pt e no Espaço Professor da Porto Editora (em formato físico e digital).
Num tempo em que a posse da terra se afigurava como bem maior e fonte de conflito constante entre os poderes instalados e os que clamavam por igualdade, uma história de amor cresce entre a filha de um latifundiário e um desconhecido que encontra num bar. Pela voz destes dois protagonistas, Carla Ramalho explora magistralmente a relação com a terra e os sonhos de um futuro melhor proporcionado pela revolução.
Após a publicação, em 2015, de Pelas ruas de uma cidade sem nome, a Coolbooks lança agora esta nova incursão da autora eborense pelo romance.

Sinopse:
Alentejo. 1975. A luta pela terra alimentava ódios antigos, privilégios seculares, deixando um rasto de conflitos e de feridas abertas. Verónica é a filha de um latifundiário que se apaixona por um desconhecido que conhece num bar. Mantém uma relação secreta com ele até que um flagrante do seu próprio pai os “obriga” a casar. A partir daí, e através das vozes destes dois protagonistas, vamos descobrindo que intentos os movem, quais os seus verdadeiros objetivos e qual o valor da verdadeira liberdade.
Passado no pós-25 de Abril, o romance dá-nos a conhecer as dinâmicas de uma pequena vila no Alentejo, os poderes perdidos, aqueles que começam a ascender, assim como a luta perante aquilo que surgia como o bem maior: a posse da terra.

Sobre o autor:
Nasceu em Évora, em 1976. Acredita que foi por ter nascido alentejana que lhe veio o gosto pela escrita – a prosa das gentes e a poesia da planície tinham de extravasar. Licenciou-se em Sociologia e trabalha há vários anos na área social. A investigação, a formação profissional e os projetos de desenvolvimento local já a fizeram viajar um pouco pelo país. Até pela Europa. Mas é sempre à escrita que regressa. Nunca deixou de escrever. Para si, acima de tudo. E para os mais chegados que, simpaticamente e sem pensarem muito nas consequências, lhe elogiaram continuamente o jeito. E ficou a terra é o seu segundo romance.



Ildefonso Falcones na Penguin Random House Grupo Editorial

A Suma de Letras, selo editorial do grupo Penguin Random House, é a nova casa-editora do autor espanhol Ildefonso Falcones. Será publicada a edição comemorativa do 10º aniversário do romance A CATEDRAL DO MAR, já a 7 de Junho. A grande novidade chegará um mês depois, com a publicação de OS HERDEIROS DA TERRA, uma sequela do primeiro, que fará as delícias dos leitores.

A CATEDRAL DO MAR constituiu um fenómeno editorial sem precedentes, tendo conquistado seis milhões de leitores em mais de 40 países. Narra a história da construção da catedral de Santa Maria do Mar na Barcelona do século XIV, um templo erigido pelo povo e envolto em mistério. OS HERDEIROS DA TERRA dá continuidade à fascinante história começada em A CATEDRAL DO MAR.

Ildefonso Falcones consagrou-se como um dos autores espanhóis mais lidos em todo o mundo.

Para comemorar estas excelentes notícias, Ildefonso Falcones virá a Lisboa brevemente. 

Ildefonso Falcones nasceu em Barcelona em 1959. Escritor e jornalista, editou o seu primeiro romance em 2005.



quarta-feira, 17 de maio de 2017

Grupo Porto Editora leva autores portugueses e estrangeiros à Feira do Livro de Lisboa

Augusto Cury, José Tolentino Mendonça, Judite Sousa, Karla Suárez e Luís Pedro Nunes são algumas das novas confirmações

A duas semanas do arranque da Feira do Livro de Lisboa, o Grupo Porto Editora revela mais novidades da sua programação que vai levar inúmeros leitores ao espaço Autores que nos unem. De 1 a 18 de junho, dezenas de autores portugueses e estrangeiros vão lançar os seus livros e participar em sessões de autógrafos, showcookings, tertúlias e workshops. No segundo dia da Feira, a 2 de junho, Luís Pedro Nunes lança Suficientemente bom, desprezivelmente mau, o livro do “tipo que fala no Eixo, escreve no Expresso e faz o Inimigo” e que reúne algumas das melhores crónicas do autor. João Pedro Marques estará no espaço do Grupo Porto Editora nos dias 3 e 18 de junho com o seu mais recente livro, Vento de Espanha. Este é um romance sobre amor, coragem, arrependimento e expiação e será, certamente, o mote para várias conversas com os leitores.
A escritora cubana Karla Suárez lançou, no início do ano, Um lugar chamado Angola e agora é tempo de se reencontrar com os leitores, a 3 de junho, na Feira do Livro de Lisboa. Pensar. Sentir. Viver. é o livro de Judite Sousa e Diogo Telles Correia que aborda o estigma da doença e do sofrimento mental e que procura demonstrar que estes não são obstáculos insuperáveis. A jornalista e o psiquiatra têm presença confirmada a 3 e 15 de junho, no espaço do Grupo Porto Editora. Augusto Cury é um reconhecido psiquiatra, psicoterapeuta e cientista e os seus livros são autênticos fenómenos a nível mundial. O Homem Mais Inteligente da História é a obra mais recente do investigador brasileiro que desenvolveu teorias sobre o funcionamento da mente e a construção do pensamento e das emoções. Os visitantes do espaço Autores que nos unem terão a oportunidade única de conhecer o autor a 4 de junho. O poeta, sacerdote e professor José Tolentino Mendonça tem, também, encontro marcado com os leitores a 4 de junho. Teoria da Fronteira é o seu novo livro que será lançado brevemente.
O jornalista João Céu e Silva é o autor de Fátima – A profecia que assusta o Vaticano, um livro que procura explicar o milagre ao incluir depoimentos de teólogos portugueses e estrangeiros, bem como de responsáveis do próprio Santuário. O autor estará na Feira do Livro a 10 de junho.
Também confirmadas estão as presenças de Luís Cardoso, autor de Para onde vão os gatos
quando morrem?, Cristina Carvalho, que publicou As Fabulosas Histórias da Tapada de Mafra
e ainda Mário Vilhena da Cunha e Fortunato da Câmara que reuniram as histórias d’A Vida e
as Receitas Inéditas do Abade de Priscos.

Momentos Coolbooks
Uma das grandes novidades da programação do Grupo Porto Editora nesta 87.ª edição da Feira
do Livro de Lisboa são os Momentos Coolbooks, em que os novos nomes da literatura
portuguesa se encontram com os seus leitores para falar sobre as suas obras. Assim, no dia 9
de junho estarão presentes os autores António Bizarro, Catarina Janeiro, Célia Godinho
Lourenço, Fernando P. Fernandes, Humberto Duarte e Isabel Tallysha-Soares. A 16 de junho
será a vez de Ana Gil Campos, Ana Nunes, Olinda P. Gil, Rita Inzaghi e Tomás Borges de Castro.

Workshops e Sessões de Showcooking
Comer bem é o melhor remédio e quem o diz é Alexandra Bento. A Bastonária da Ordem dos
Nutricionistas assina o livro que mostra que comer bem pode ser mais simples e barato do que
se imagina. O lançamento acontece no dia 3 de junho e inclui uma sessão de showcooking com
o Chef Hélio Loureiro. Este é apenas um dos vários momentos de degustação gastronómica que
o Grupo Porto Editora tem planeados para esta Feira do Livro de Lisboa.
Destaque, ainda, para Rita Canas Mendes, que desde cedo se dedicou à escrita e à tipografia,
e que será a anfitriã do workshop “Como Publicar o Seu Livro”, nos dias 8 e 15 de junho.

Autores que nos unem
Sob o mote Autores que nos unem, no espaço do Grupo Porto Editora estarão representadas
a Porto Editora, a Bertrand Editora, a Círculo de Leitores, a Temas e Debates, a Quetzal, a
Assírio & Alvim, a Livros do Brasil, a Sextante Editora, a Pergaminho, a Contraponto, a Areal
Editores, a Raiz Editora, a GestãoPlus Edições, a ArtePlural, a 11x17, a Ideias de Ler, a Albatroz,
a 5 Sentidos e ainda a Coolbooks.
Todas as informações sobre a presença do Grupo Porto Editora nesta edição da Feira do Livro
de Lisboa estão disponíveis em www.autoresquenosunem.pt e na página de Facebook “Autores
que nos unem”.


Apresentação de “Quando Portugal Ardeu”. Com homenagem a Rosinda Teixeira, vítima da rede bombista, em São Martinho do Campo


Novidade Topseller: A Duquesa Inesperada

A Topseller traz aos leitores uma nova escritora de ficção romântica. Valerie Bowman escreve as suas histórias com um twist diferente: ao contrário do habitual, são duas mulheres que disputam a atenção de um homem.
Além disso, inspira-se em clássicos da literatura para desenvolver as suas narrativas. Neste A Duquesa Inesperada é Cyrano de Bergerac, de Edmond Rostand, a sua fonte de inspiração.

​Sobre A Duquesa Inesperada:
Uma história deliciosa sobre desencontros, mal-entendidos e paixões escondidas.

Lady Lucy Upton é conhecida pela sua beleza exótica, mas também pela língua afiada que afasta qualquer pretendente. Apesar do mau feitio, ela é a pessoa ideal para ajudar a tímida Cassandra a desencorajar a corte do Duque de Claringdon, que está à procura de esposa.

Com palavras ousadas e desafios impróprios de uma senhora, Lucy torna-se a sombra de Cassandra, falando no lugar dela na altura de repelir o duque. Contudo, o duque é mais obstinado do que elas imaginavam, deixando Lucy surpreendida por encontrar alguém capaz de responder às suas provocações.

O que Lucy não sabe é que o duque não desistirá de Cassandra. Ele é um homem de honra. E a verdade é que, antes de regressar da guerra, o seu amigo Julian, às portas da morte, o fizera prometer que casaria com a jovem. Apesar de não a amar, Cassandra seria a esposa perfeita… se Lucy não metesse constantemente o nariz onde não é chamada! O pior é que agora o duque não consegue ficar indiferente à atrevida mulher! Como cão e gato, os dois iniciam uma perigosa batalha de temperamentos.

Mas a lei da atração dita que um deles terá de ceder…

Imagem intercalada 1
Sobre Valerie Bowman:
Valerie Bowman é uma autora bestseller internacional de romances de época, diferenciados pelos seus diálogos perspicazes, enredos cativantes e heroínas fortes e independentes.

Nasceu em Illinois, nos Estados Unidos, é a mais nova de sete irmãs e cresceu rodeada de romances históricos. É licenciada em Língua e Literatura Inglesa pelo Smith College e escreveu o seu primeiro romance em 2012.

Os seus livros têm sido muito bem recebidos pela crítica e nomeados para reconhecidos prémios literários, entre os quais o RT Reviewers' Choice, para Melhor Romance Histórico de Estreia, e ainda o Kirkus Prize para ficção.

A Duquesa Inesperada chega hoje às livrarias (Ed. Topseller | 16,99€ | 304 pp.) e as primeiras páginas estão disponíveis para leitura imediata aqui.​

NASCENTE: Dançar em Central Park, sentar e ver a neve a cair com um Mastim de 72,5 kg

«Uma história que é tanto sobre crescer como sobre aceitar o que não pode ser mudado. Um livro que nos lembra da profunda ligação que pode existir entre as pessoas e os animais que elas adoram. Uma história sentida e emocional.» − Kirkus Reviews

Se o seu melhor amigo estivesse a morrer de cancro, não faria de tudo para que os seus últimos meses de vida fossem mágicos? Para a Lauren, o facto do seu melhor amigo ser um enorme Mastim Inglês, com 7 anos, não a impediu de elaborar um plano para que os últimos dias de Gizelle fossem perfeitos. E isso incluiu:

Ir viver para Times Square; Ir viver para a East Village; Comer a pizza de Nova Iorque; Grelhar um bife; Sobreviver à universidade;

Fazer um banquete de lagosta; Passear de canoa; Comer gelado nas docas;

Dormir em casa de amigos; Miminhos; Dançar nos telhados;

Dançar em Central Park;

Alcançar o 67.º lugar no Buzzfeed; Escolher uma abóbora; Correr; Passear de carro;

Observar as ondas na praia; Sentar e ver a neve a cair.


Quando chegou a casa da família Watt, Gizelle não era mais que uma cachorrinha. Apesar de ter sido prenda de impulso de uma mãe com problemas de drogas e alcoolismo, haveria de se tornar a melhor amiga de uma vida.

Quando saiu de casa dos pais aos 19 anos para ir para a universidade, Lauren levou Gizelle consigo. Três anos volvidos, decidiu recomeçar a sua vida mudando-se para o centro de Manhattan e levou Gizelle, agora com 72,5 kg, consigo. Enquanto lidava com namorados, empregos, a doença da mãe, a distância da família, e todas as dificuldades de uma vida nova na grande cidade, Lauren teve sempre Gizelle ao seu lado.

E, assim, quando chegou a hora de acompanhar Gizelle na despedida deste mundo, após ter sido diagnosticada com um feroz cancro nos osos, Lauren não faltou à sua fiel companheira, criando um plano para que esta pudesse viver num mês, a felicidade de uma vida inteira.

Esta é uma história única e uma homenagem aos animais que nos inspiram a viver melhor e a disfrutar dos pequenos prazeres da vida. Até Sempre, Gizelle é uma lição sobre abraçar a aventura, amarmos incondicionalmente e tornarmo-nos nas pessoas que queremos ser. Os direitos para adaptação ao cinema já foram comprados.

Até Sempre, Gizelle (Nascente l 264 l 17,69€), já está à venda nas livrarias nacionais. A Nascente disponibiliza os primeiros capítulos para leitura imediata aqui.

Sobre a autora:
Lauren Fern Watt cresceu nos subúrbios de Nashville, Tennessee, viveu em Nova Iorque, estabeleceu-se em Los Angeles, mas considera-se uma cidadã do mundo. Adora viajar, viver aventuras e fazer listas. Corre maratonas, pratica snowboard, joga golfe, dança, tenta tirar boas fotografias e é péssima a usar o Twitter. A Gizelle era o amor da sua vida. Continua a adorar animais, nomeadamente a sua nova cadela adotada, a Bette. Acompanhe as aventuras da autora em: www.laurenfernwatt.com.




domingo, 14 de maio de 2017

Condenados - Sofia Pinto Coelho [Opinião]

Título: Condenados
Autor: Sofia Pinto Coelho
Editor: A Esfera dos Livros
Páginas: 256

Sinopse:
Tiago Palma estava convicto de que iria ser absolvido. Tanto que, no dia da leitura da sentença, levou um saco de ginástica para o tribunal, pois planeava ir treinar logo a seguir. Os planos saíram-lhe tragicamente furados: foi condenado a 18 anos de prisão porque teria integrado um grupo de skinheads que espancou um homem até à morte. Porém, escrutinando as provas, a verdade é que ele só foi condenado porque não conseguiu explicar qual o percurso que fez na noite do crime. Ou seja, por não conseguir provar que estava inocente.

Andreany Vaz também foi condenado por homicídio, juntamente com outros quatro rapazes. Duas testemunhas oculares disseram que disparara sobre a vítima. Contudo, os implicados frisaram que ele não participara no crime e nem sequer estivera no local; um deles assinou duas cartas-confissão e, numa entrevista televisiva, confessou a autoria do homicídio. Nada disso foi suficiente para garantir a sua absolvição, nem ao menos para que o caso fosse reaberto. Em Condenados, A justiça também pode errar revela-se uma justiça que nem sempre prende e condena os verdadeiros culpados. Nalgumas situações há pistas que não foram devidamente exploradas e noutras decisões que nos deixam perplexos.
A minha opinião: 
Sofia Pinto Coelho baseia este livro no programa homónimo que passou na SIC, da sua própria autoria. 
Condenados - A Justiça também pode Errar revela os erros judiciários em Portugal, condenando homens, aparentemente, inocentes, por crimes que não cometeram. 

Através de uma investigação exaustiva, Sofia Pinto Coelho consegue provar, na maioria dos casos, que os acusados não estavam no local do crime, tendo, alguns deles, álibis para aquela hora em que os assassinatos, roubos, ou agressão sexual, foram cometidos. Falhas graves nos processos, advogados jovens ou precários que deixaram correr a investigação e processo sem fazer o que lhes competia, também ajudaram, em muitos casos, a levar os seus clientes para a prisão.  

É incrível como, mesmo depois de todas estas falhas serem expostas, a justiça não tenha feito uma revisão dos processos, continuando os "inocentes" a cumprir penas pelos mais variados crimes. Deste livro só posso concluir uma coisa: basta estarmos no lugar errado à hora errada, ou então ter uma outra pessoa a condenar-nos, que o mais provável é irmos parar à prisão. 

Como não acompanhei o programa, este livro foi ainda mais surpreendente, com histórias que me deixaram de boca aberta e com uma revolta extrema. Ninguém ajudou estas pessoas convenientemente, deixando-as a cumprir anos e anos de uma pena que não deveriam ter cumprido. 

Gostei.