terça-feira, 19 de julho de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Viagem Literária chega a Braga

A 17.ª etapa desta volta à Portugal acontece no Theatro Circo à boleia de Alberto S. Santos e José Tolentino Mendonça
No próximo dia 5 de agosto, Braga recebe a penúltima etapa da Viagem Literária. O encontro está marcado no Theatro Circo e junta Alberto S. Santos, autor de quatro romances históricos de grande sucesso e comissário do Escritaria, e José Tolentino Mendonça, sacerdote católico e um dos nomes essenciais da poesia portuguesa contemporânea.
A partir das 21:30, neste evento de entrada gratuita (sujeita a reserva de bilhete) o jornalista João Paulo Sacadura conduz uma conversa de 90 minutos entre os dois convidados. Durante esta Viagem, os convidados prometem uma incursão a terras distantes, tais como o Japão, que inspirou A Papoila e o Monge de José Tolentino Mendonça, ou Bagdade e Istambul, locais explorados nos romances históricos de Alberto S. Santos, marcadas também pelo signo da religião. Pelo caminho, João Paulo Sacadura fará os habituais desvios para falar sobre a obra de ambos os autores e também sobre curiosidades dos seus percursos biográficos e literários. No final, há ainda espaço para questões do público e, depois de terminada a conversa, para a habitual sessão de autógrafos e contacto mais direto entre os escritores e os leitores.

Alberto S. Santos é formado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa. É natural de Paço de Sousa, Penafiel, onde reside. Publicou os bestsellers A Escrava de Córdova (2008), A Profecia de Istambul (2010), O Segredo de Compostela (2013) e Para lá de Bagdad (2016). Participa também na coletânea de contos de autores lusófonos

Poeta, sacerdote e professor, José Tolentino Mendonça nasceu em 1965, na Ilha da Madeira. Doutorado em Teologia Bíblica, em Roma, volta para Lisboa e nesta cidade, torna-se capelão e docente da cadeira de Teologia Bíblica na Universidade Católica. Padre desde os 24 anos de idade, José Tolentino Mendonça afirma que a sua vocação religiosa "foi uma coisa da juventude, inconsequente, imprudente, inesperada, que eu procuro manter. Ser padre é (...) aceitar a pobreza como condição. E a pobreza é uma coisa chata de viver. É achar que isso pode ser uma forma de dizer alguma coisa ao seu tempo.". Editou o seu primeiro livro de poesia Os Dias Contados em 1990 e, desde então, tem diversificado a sua obra como poeta, ensaísta e tradutor.

Na estrada desde abril de 2015, a Viagem Literária completou já 14 etapas em Portugal Continental e 2 grandes sessões nas Regiões Autónomas. Depois de Braga, a última viagem deste festival literário itinerante faz-se em Viana do Castelo. 18 meses depois, a 24 de setembro, o Teatro Sá de Miranda acolhe o encerramento desta Viagem que foi percorrendo o país à boleia dos livros e da literatura, cumprindo a sua missão de levar os escritores ao encontro dos seus leitores, contribuindo para a descentralização e democratização do acesso à cultura.
A Viagem Literária tem espaços próprios de contacto com o grande público: no site da Porto Editora, no Facebook e no Instagram.