segunda-feira, 27 de junho de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Vamos abrir um buraco no cadáver de Fernando Pessoa, um rasgado buraco de uma só cor

Título: O Banqueiro Anarquista /
A Alma do Homem Sob a Ègide do Socialismo

Autores: Fernando Pessoa/Oscar Wilde
N.º de Páginas: 200
PVP: 15,50 €
Nas livrarias a 29 de Junho
Guerra e Paz Editores

Sinopse
Um livro atravessado por duas ideias de anarquismo. No conto de Fernando Pessoa, o anarquismo é o espantalho que um banqueiro atira ao ar e volta a apanhar. No manifesto de Oscar Wilde, o anarquismo é a nuvem de harmonia que conduz ao Individualismo no qual o homem atinge a perfeição. O Banqueiro Anarquista de Pessoa é um prodígio de ironia, A Alma do Homem sob a Égide do Socialismo é a exaltação da Beleza.

Da Colecção
Livros Amarelos. Os textos falam uns com os outros. Amam-se, negam-se, tocam-se uns aos outros. livros amarelos é o paparazzo da história da literatura e do pensamento: revela as relações comprometedoras de textos célebres.

Título: Pessimismo Nacional / Portugal, um Povo Suícida
Autores: Manuel Laranjeira/Miguel De Unamuno
N.º de Páginas: 104
PVP: 14,50 €
Nas livrarias a 29 de Junho
Guerra e Paz Editores
Sinopse:
Miguel de Unamuno, pensador e escritor espanhol, espantava-se com a vocação suicida dos portugueses: Antero de Quental suicidara-se, Camilo e Soares dos Reis suicidaram-se. Num só ano suicidaram-se mais três portugueses seus amigos. Outro, Manuel Laranjeira, escreveu-lhe uma carta desesperada: «Neste malfadado país, tudo o que é nobre suicida-se; tudo o que é canalha triunfa!» Três meses depois, Manuel Laranjeira suicidava-se com um tiro na sua cabeça portuguesa. Este livro é o dramático diálogo entre o pessimismo português e o espanto espanhol. Ajuda-nos a conhecer o nosso passado recente e acaba com todas as ilusões: «Ou nos salvamos nós, ou ninguém nos salva.»

Da Colecção
Livros Amarelos. Os textos falam uns com os outros. Amam-se, negam-se, tocam-se uns aos outros. livros amarelos é o paparazzo da história da literatura e do pensamento: revela as relações comprometedoras de textos célebres.

Mas os seus pulmões precisavam ainda de mais calor. Viajou, por isso, em 1888, para os Mares do Sul. Ficou a morar em Samoa. Os nativos gostaram dele. Sabia contar uma história e eles gostavam de o ouvir.