terça-feira, 22 de março de 2016 | By: Maria Manuel Magalhaes

Regresso a Mandalay - Rosanna Ley [Opinião]

Título: Regresso a Mandalay
Autor:
Rosanna Ley
Tradução: Gabriela Pilkington
Págs.: 432
Capa: mole
PVP: 16,60 €

Sinopse:
Eva Gatsby interrogou-se inúmeras vezes sobre o passado do avô, Lawrence Fox, e o que teria exatamente acontecido na Birmânia, quando ele ainda jovem ali viveu. Eva dedica-se à restauração de antiguidades e os patrões propõem-lhe uma viagem de trabalho àquele país – sobre o qual o avô desde sempre lhe contara histórias fascinantes. É então que Lawrence decide quebrar o silêncio e finalmente falar-lhe do grande amor da sua vida, Maya, a mulher que nunca esqueceu. Numa tentativa de sarar as feridas do passado, confia a Eva uma missão que se revelará de contornos imprevisíveis. Eva inicia, assim, uma jornada que irá reconstruir o mosaico da história da família e que em simultâneo a obrigará a confrontar-se com sua capacidade de voltar a acreditar no amor.

A minha opinião: 
Narrado a três vozes, Regresso a Mandalay levou-me a conhecer a Birmânia, ou Myanmar, de uma forma impressionante. Eva Gatsby cresceu a ouvir histórias contadas pelo avô sobre aquele país sul asiático. Quando lhe falava sobre a Birmânia e no tempo em que lá viveu, Lawrence parecia ter sido uma pessoa completamente diferente, parecia que teria tido uma outra vida. Mas nunca revelou à neta todos os segredos que guardou daquele local.

A Birmânia seria até o motivo de discórdia de parte da sua família. A mãe de Eva, Rosemary, não entendia a paixão do pai por aquele país e nunca foi próxima deste. Depois de um desgosto quando ainda jovem acaba por se afastar da família, inclusive da filha, e vai viver para um outro país.
No entanto, por coincidência ou acaso do destino, seria uma viagem de Eva à Birmânia que iria acabar por juntar uma família praticamente desfeita.

Eva trabalha numa loja de antiguidades como restauradora e a sua vida muda drasticamente quando a sua patroa lhe propõe uma viagem à Birmânia. A sua missão será encontrar antiguidades genuínas, que sejam um bom negócio para a loja.

Eva vê na viagem uma oportunidade para conhecer o passado do avô, até porque este quando sabe da sua viagem lhe pede para que esta encontre o amor da sua vida, uma birmanesa com quem viveu um tórrido romance no início do século XX. Pede ainda que, caso encontre Maya, o seu único amor, lhe entregue um Chinthe, uma peça birmanesa de estimado valor.

Pelos pés e olhos de Eva vamos conhecendo a Birmânia, quer histórica como politicamente. Desde a época colonial, que inclui a Segunda Guerra Mundial (altura em que Lawrence lá vivia) até à atualidade.

Com ótimos recursos naturais sobretudo madeira e rubis de Mogok, e antiguidades, tudo susceptível de ser roubado para posteriormente ser vendido para empresas estrangeiras, Eva vai deparar-se com uma realidade que nem imaginava, o que faz com que este romance tenha ainda bastante aventura acrescida, o que, para mim, ainda o valoriza mais. 

Cheio de história, de paisagens deslumbrantes maravilhosamente descritas, alguns segredos por revelar, cultura e roupa típica daquela região (tão bem descrita pela autora), só faz ter vontade de pegar no livro novamente e reservar o próximo voo para este país que parece tão fascinante. Tivesse eu mais euros na carteira... 

Recomendo.