quinta-feira, 31 de março de 2016

«A Volta ao Mundo em Oitenta Dias» ou como uma aposta desmesurada pode mudar a vida de Phileas Fog, um cavalheiro de hábitos rígidos

Título: A Volta ao Mundo em Oitenta Dias
Autor: Júlio Verne
N.º de Páginas: 296
PVP: 12,00 €
Género: Ficção/Literatura Estrangeira
Nas livrarias a 6 de Abril
Guerra e Paz Editores

Sinopse:
Neste livro, Júlio Verne narra a tentativa de um cavalheiro inglês, Phileas Fogg, fazer uma viagem de circum-navegação à volta do mundo em 80 dias, acompanhado pelo seu criado francês, Jean Passepartout.

Phileas é um homem de hábitos firmes. Todos os dias acorda às 8h da manhã, todos os dias faz a barba às 9h37 e sai, a seguir, em direcção ao clube onde vai ler o jornal. Só uma aposta obstinada e desmesurada o levaria a mudar de hábitos. Phileas aposta com os outros cavalheiros do clube que é capaz de dar a volta ao mundo em apenas 80 dias.

Com A Volta ao Mundo em Oitenta Dias, o êxito foi absolu­to e imediato. Foi publicado em 1873, em folhetins, que eram avidamente procurados pelos leitores. Os correspondentes dos principais jornais europeus e dos Estados Unidos em Pa­ris acompanhavam a aventura do fleumático cavalheiro como se se tratasse de alguém real. O entusiasmo foi tal, que houve companhias de navegação que ofereceram fortunas para que as personagens fizessem a última etapa num dos seus navios.

Sobre o autor: 
Júlio Verne. Nascido a 8 de Fevereiro de 1828, na cidade portuária de Nantes, filho de um conceituado advogado, Júlio Verne com 11 anos fugiu de casa e tornou-se, ainda que por pouco tempo, marinheiro, e mais tarde, já a viver da escrita, navega nos seus iates, Saint-Michel II e Saint-Michel III. Quando publica A Volta ao Mundo em Oitenta Dias, tem 45 anos. Vivia, e leva para as suas obras, o espírito da época: a sedução da velocidade, o gosto da aventura, a fé na ciência, o inconformismo perante a pobreza, o herói individual e voluntarista, o desejo de ostentação.
Povoou os seus livros de submarinos, máquinas voadoras, viagens à Lua, antecipando avanços científicos e tecnológicos. É legítimo dizer-se que lhe devemos a invenção de um género literário, a «ficção-científica».


Sem comentários: