quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

A Rainha Branca - Philippa Gregory [Opinião]

Título: A Rainha Branca - A Guerra dos Primos I
Autor: Philippa Gregory
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 472
Editor: Editorial Planeta
Coleção: A Guerra dos Primos
PVP: 18,85€

Sinopse
A Rainha Branca é a história de uma plebeia de grande beleza, que ascende à realeza, servindo-se dos seus trunfos e que casa com o rei Eduardo IV. Embora de origens humildes, ela mostra estar à altura da sua elevada posição social e que luta tenazmente pelo êxito da sua família.
Uma mulher cujos filhos estarão no âmago de um mistério que há séculos intriga os historiadores: o misterioso desaparecimento dos dois príncipes encarcerados na Torre.

A minha opinião: 
Primeiro livro da série "Guerra dos Primos" A Rainha Branca começa com a história da plebeia Isabel Woodville que com a sua beleza apaixona Eduardo e acabam por se casar em segredo. Eduardo vai para a guerra e com a sua vitória acaba por se tornar o rei Eduardo IV de Inglaterra, mas o casamento secreto entre ambos vai gerar um conflito enorme entre as duas casas (York e Lencaster) uma vez que lord Warwick tem um grande poder sobre o jovem rei e já tinha outros planos de casamento para Eduardo.

Porém, Eduardo está completamente apaixonado e não pretende anular o casamento com Isabel, uma jovem viúva e com dois filhos, que lhe vai dedicar uma vida apaixonada e a quem lhe vai dar uma vida estável e com bastante filhos.


Da história de Isabel Woodville e Eduardo IV pouco se sabe. Muita é sustentada em lendas como a altura em que se conheceram, (dizem que Eduardo terá caído numa "embuscada" de Isabel para que esta o conseguisse seduzir) ou sobre os dois príncipes da Torre de Londres (que permanece um mistério, e presume-se que tenham morrido de fome ou que tenham sido assassinados na torre. Certo é que em 1674, durante a reforma da "Torre Branca", foram descobertos esqueletos de duas crianças sob a escadaria da capela).

Todos estes factos históricos são aliados com um toque de magia. Gregory cria a história de que Isabel se julga descendente de Melusina, uma espécie de feiticeira das águas com poderes mágicos, em quem se apoia nos momentos maus.

Philippa Gregory é uma exímia contadora de histórias. Apesar do primeiro livro da série não ter sido o que mais gostei de ler, talvez por a história de Isabel não me ter cativado tanto, não deixo de enaltecer a escrita de Gregory. Adoro a forma como sabe contar a história de Inglaterra e nos faz gostar de aprender mais sobre o século XV.

Excertos:
"Querido Deus, só tenho vinte e sete anos, a minha causa foi derrotada, o meu pobre marido está morto. Terei de ser uma das muitas pobres viúvas que irão passar o resto dos dias junto da lareira de outrém, tentando ser boa hóspede? Nunca voltarei a ser beijada? Nunca voltarei a sentir alegria? Nunca mais?" pag. 16

Sobre a Guerra dos Primos:
Já conhecia esta série porque a li desordenadamente. Sem saber que pertencia a uma série comecei por ler "A Rainha Vermelha", depois passei pela "A Filha do Conspirador" e "A Princesa Branca".
Sendo uma série obviamente que é melhor ler os livros pela sua ordem, mas conseguem ler-se isoladamente, porque são histórias com princípio, meio e fim. No entanto, alguns livros podem conter referências a histórias passadas.


Sem comentários: