segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Novidade Esfera dos Livros: O Que é Que os Portugueses Têm na Cabeça?

Hoje é um dia tão bom como outro qualquer para colocar a questão “O Que é Que os Portugueses Têm na Cabeça?”.

A mesma questão que Marisa Moura se colocou quando começou a preparar o livro que a editora publica na próxima sexta-feira, dia 28.

Da inveja, à fatalidade, da falta de pontualidade ao improviso, do chico-espertismo à mania da grandeza e dos doutores, a jornalista fala-nos, num tom bem-humorado e acutilante de todas estas características nacionais, reunindo exemplos concretos do nosso passado e presente. Estereótipos ou realidade? Este trabalho traz-nos material para reflectir e pensar.

Sinopse:
A jornalista Marisa Moura mergulhou em textos de pensadores portugueses e estrangeiros de hoje e de outros tempos, analisou estatísticas, estudou comportamentos e questionou especialistas para tentar encontrar uma resposta para esta incómoda pergunta. O que é que os portugueses têm na cabeça? Haverá características comuns a todos nós, habitantes deste país com nove séculos de história, recordista no consumo de antidepressivos? Somos marcados pelo fado e pela fatalidade. À pergunta «como tem passado?» segue-se uma sentida lengalenga, como se fôssemos empurrados pela vida. A palavra pontualidade não consta no nosso dicionário, ao ponto de o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, ter-se atrasado 31 horas e 27 minutos na entrega do Orçamento de Estado para 2009. Derretemo-nos por um canudo, doutor ou engenheiro é à escolha do freguês e cai o Carmo e a Trindade quando um ministro ousa pedir que o tratem por «Álvaro, simplesmente Álvaro». Fazemos estádios megalómanos e estradas que não acabam, mas não é de agora. Já D. João V tinha estoirado o ouro do Brasil em obras como o Convento de Mafra, enquanto endividava o país. E como esquecer o improviso, aquela maneira de dar a volta à situação, de contornar o problema, tão comum nos Portugueses? Marisa Moura fala-nos, num tom bem-humorado e acutilante, de todas estas características, reunindo exemplos concretos da nossa história passada e presente, numa tentativa de organizar ideias e ilustrar a nossa (in)consciência coletiva.



Sem comentários: