sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Afonso Reis Cabral é o vencedor do Prémio Leya 2014

O romance “O meu irmão”, granjeou a Afonso Reis Cabral, o Prémio LeYa de Literatura, no valor de cem mil euros.
O livro conta a relação entre dois irmãos, um dele com síndrome de Down e o júri revelou na sessão do anúncio: "A realidade é trabalhada de uma forma objectiva e com a violência que estas situações humanas, podem desenvolver, dando também um retrato social que evita tomadas de decisão fáceis, obrigando a um investimento numa leitura que nos confronta com a dificuldade de um mundo impiedoso. Há no entanto uma tonalidade lírica na relação que se estabelece entre dois deficientes e que salva, através de apontamentos de poesia e de humor, o desconforto de quem vive este problema.", segundo se pode ler no site da Leya.
Afonso Reis Cabral, de 24 anos, é trineto de Eça de Queirós, escreve desde os 9 anos, tendo começado pela poesia. Em 2005 viria  publicar o livro de poemas "Condensação", onde reúne poemas escritos entre os 10 e o 15 anos. Depois passou para a prosa.  

O autor premiado tem 24 anos e, segundo o próprio, que esteve presente na cerimónia do anúncio, é trineto do escritor Eça de Queiroz.
Na sessão de anúncio, o presidente do júri, Manuel Alegre, disse que o livro “trata de um tema delicado que podia suscitar uma visão sentimental vulgar: a relação entre dois irmãos, um deles com síndrome de Down“.
O júri salientou que a realidade foi “trabalhada de uma forma objetiva e com a violência que estas situações humanas podem desenvolver” e que o romance faz “um retrato social que evita tomadas de decisão fáceis, obrigando a um investimento numa leitura que nos confronta com a dificuldade de um mundo impiedoso”.
Afonso Reis Cabral nasceu em Lisboa, cresceu e estudou no Porto até ao ensino secundário. Em 2005 publicou o livro de poemas “Condensação”, escrito entre os 10 e os 15 anos. Atualmente a trabalhar na editora Alethêia, o vencedor é licenciado em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade Nova de Lisboa, onde fez também um mestrado de Estudos Portugueses.
Ao Prémio Leya de Literatura concorreram 361 originais de autores de 14 países.
Além de Manuel Alegre, o júri integrou ainda os escritores Nuno Júdice, Pepetela e José Castello, assim como José Carlos Seabra Pereira, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Lourenço do Rosário, reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo, e Rita Chaves, professora da Universidade de São Paulo.
No ano passado, o galardão distinguiu, pela primeira vez, uma mulher, Gabriela Ruivo Trindade, de 43 anos, portuguesa residente no Reino Unido, pelo romance “Uma outra Voz”. O primeiro vencedor do Prémio LeYa, em 2008, foi o romance “O Rastro do Jaguar”, do jornalista brasileiro Murilo Carvalho.
Em 2009 venceu o romance “O Olho de Hertzog”, do escritor moçambicano João Paulo Borges Coelho, na edição de 2010 o júri decidiu, por unanimidade, não atribuir o Prémio LeYa dada a falta de qualidade dos originais a concurso, em 2011 foi distinguido o romance “O Teu Rosto Será o Último”, estreia literária do português João Ricardo Pedro, e em 2012 venceu o português Nuno Camarneiro, com o romance “Debaixo de Algum Céu”.

Sem comentários: