sexta-feira, 18 de julho de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

Coolbooks - Três novos livros

A partir de hoje, 17 de julho, estão disponíveis em www.coolbooks.pt, três novos livros de autores portugueses editados pela Coolbooks, a nova chancela do Grupo Porto Editora, que tem como objetivo dar a conhecer novos autores de língua portuguesa, editando – em exclusivo – em suporte digital.
O romance Microcosmos humano e duas aventuras juvenis, intituladas O espelho e Pânico no bosque são as novas apostas, que alargam para 17 o número de obras publicadas pela Coolbooks. O espelho e Pânico no bosque, do jovem de 20 anos Rui Péricles, são o quinto e sexto volumes da coleção juvenil Criptocontos, lançada no final de abril. Num país com vários casos de médicos que se revelaram brilhantes escritores, a Coolbooks publica também Microcosmos humano, o primeiro romance da pediatra Vânia Mesquita Machado.

Dois novos Criptocontos
Coleção juvenil de Rui Péricles já tem 6 títulos

Título: O espelho
Autor:
Rui Madureira
Formato: e-wook
PVP: 2,99 €

Quando Raquel descobre que o seu novo espelho de corpo inteiro é um portal para um mundo onde todos os seus sonhos se tornam realidade, é difícil resistir à tentação de passar lá o tempo todo. Mas, eventualmente, terá de voltar ao mundo real. Quando se começa a sentir cada vez mais fraca de cada vez que regressa, descobre que algo de errado se passa…
Raquel está prestes a descobrir o tenebroso preço que terá de pagar para viver todos os seus sonhos!

Título: Pânico no bosque
Autor:
Rui Péricles
Formato: e-wook
PVP: 2,99 €

Quando quatro amigos se perdem na floresta durante um passeio de bicicleta, decidem passar a noite numa casa abandonada que encontram num vale.
O que eles não sabem é que a casa está assombrada pelo espírito maléfico da anterior proprietária, que tem uma estranha obsessão e vai tornar a noite deles num verdadeiro pesadelo!

Sobre o autor:
Nascido a 15 de janeiro de 1994, Rui Péricles teve desde cedo o gosto pela leitura e pela escrita. Foi vencedor do Concurso Ortográfico nos seus quinto e sexto anos letivos e tirou o curso de Humanidades. A paixão pelo género do terror inspirou-o a escrever a coleção Criptocontos. R. L. Stine e J. K. Rowling são dois dos seus autores preferidos. É fã de séries como “Sobrenatural” e “Family Guy” e gosta de ver programas de fantasmas.

A estreia de Vânia Mesquita Machado
Na boa tradição dos médicos escritores
Título: Microcosmos humano
Autor:
Vânia Mesquita Machado
Formato: e-wook
PVP: 6,99 €

Microcosmos humano é uma obra ficcional fortemente inspirada nas próprias vivências da autora. Apesar de a protagonista ser uma mulher de quarenta anos, pediatra e mãe de três crianças, não será difícil para o leitor identificar-se com a sensação de impotência e de cansaço perante um dia a dia extenuante, cenário vulgar das rotinas presentes na nossa sociedade, assolada por uma crise económica que teima em nos parasitar. Neste contexto, mesmo os mais corajosos correm o risco de sucumbir ao desânimo. Através de uma viagem num divã de psicoterapia, Lídia faz um balanço do que foi e é atualmente, esboça um novo projeto de futuro e acrescenta à análise da sua vivência pessoal uma reflexão humanista sobre o sentido da existência, o percurso das pessoas nos seus microcosmos e a interação entre elas, numa dinâmica de causalidade em dominó.

Sobre a autora:
Vânia Mesquita Machado nasceu em Braga, em 1973. Em 1997 terminou a licenciatura na Faculdade de Medicina da Universidade de Porto, obteve o diploma Proficiency in English da Universidade de Cambridge e estagiou no Hospital Universitário de Ghent. Em 2006 concluiu a especialidade de Pediatria. Em 2010 foi certificada pelo Exame Europeu de Alergologia e Imunologia Clínica, em Londres. É sócia da Sociedade Portuguesa de Artistas Médicos.Desde a adolescência que percorre o itinerário secundário da poesia, onde o espírito viaja solto. Mãe de família numerosa, Pediatra em Braga e habituada a saltos sem rede, aventuras e na escrita em prosa com Microcosmos Humano, fruto biológico germinado em pomar de emoções humanas e fertilizado pela utopia.