segunda-feira, 23 de junho de 2014

Perdoa-me - Lesley Pearse [Opinião]

Título: Perdoa-me
Autor: Lesley Pearse
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 488
Editor: Edições Asa
PVP: 17,50€

Sinopse:
O instante em que encontrou a mãe sem vida nunca se extinguirá da memória de Eva Patterson. Num bilhete, as suas últimas e enigmáticas palavras: Perdoa-me.
O mundo seguro de Eva ruiu naquele momento devastador. Mas o inesperado suicídio de Flora vai marcar apenas o início de uma sucessão de acontecimentos surpreendentes. No seu testamento, Flora deixa a Eva um estúdio em Londres. Este sítio é a primeira pista para o passado secreto de uma mulher que, Eva percebe agora, lhe é totalmente desconhecida.
No sótão do estúdio, a jovem encontra os diários e os quadros da mãe, provas de uma fulgurante carreira artística mantida em segredo. O que levou Flora a esconder tão fundo o seu passado? Ao aproximar-se da verdade, Eva descobre um crime tão chocante que a leva a questionar-se se alguma vez conseguirá, de facto, perdoar.


A minha opinião: 
O que leva uma pessoa a acabar com a sua vida? Aparentemente Flora leva uma vida estável, com uma excelente casa, com três filhos adoráveis e um marido atencioso, mas mesmo assim Flora decide pôr termo à vida três dias antes da sua filha mais velha, Eva, fazer 21 anos. Deixa apenas um papel a dizer "Perdoa-me".

Prepara tudo meticulosamente e, planeando que seja o seu marido a ver o seu corpo banhado em sangue na banheira da casa de banho da sua suite, Flora corta os pulsos.

No entanto, nem tudo corre como planeado e quem vê Flora num banho de sangue é mesmo Eva, que chega a casa mais cedo. O trauma é grande.

Esperando receber apoio do pai pelo facto de ter presenciado tão acontecimento, Eva fica ainda mais triste por ter sido completamente ignorada e isso não vai ser indiferente também para a agente da polícia que está de serviço.

Andrew, o marido, não parece assim tão abalado pela morte da sua esposa, acusando apenas Eva de ser a causadora de tudo. Sem entender o porquê de tanta agressividade, Eva isola-se da família e refugia-se no trabalho. Mas eis quando se fazem os preparativos para o funeral da sua mãe, uma verdade surge ao de cima e Andrew, friamente, revela que Eva não é sua filha. O facto de Flora ter alterado o seu testamento sem conhecimento de Andrew, deixando uma casa em Londres para Eva (que desconhecia completamente a sua existência) e metade da casa actual para os outros dois filhos, Ben e Sophia, faz com Andrew se exalte e mostre toda a sua raiva. Expulsa Eva de casa e esta acaba por se interessar ainda mais por descobrir a sua herança e o que poderá ter levado a sua mãe a suicidar-se.

É a partir daqui que Eva descobre que viveu sempre na mentira. Que a família de sonho que tanto idealizou nunca existiu e que o pai que sempre tratou como tal também não existe e não quer saber dela. Quanto aos irmãos, esses também se acabam por afastar, deixando Eva por sua conta e risco.

Gostei do mistério em torno do passado de Flora, da origem de Eva e de toda a investigação que ela empreendeu para saber onde estavam as suas origens e as da mãe.

Por vezes ingénua e insegura, mas por outras injusta para com as pessoas que realmente queriam saber dela, Eva torna-se a personagem principal e fulcral de toda a história. Confesso que houve partes que cheguei a detestá-la, embora compreendesse as suas razões.

Gostei muito do livro, o único senão foram as imensas páginas desperdiçadas a rondar sempre o mesmo. Houve alturas que o não desenvolvimento fez-me aborrecer da sua leitura, mas depressa chegavam partes emocionantes que me faziam pegar nele outra vez e querer descobrir mais alguma coisa.

Para os fãs da Lesley e do género recomendo.



Excerto: 
"Porquê? O que haveria de tão terrível na sua vida para que ela não pudesse suportar mais um minuto?"

Sem comentários: