sábado, 17 de maio de 2014 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Tintureiro Francês - Paulo Larcher [Opinião]

Título: O Tintureiro Francês
Autor: Paulo Larcher
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 384
Editor: Saída de Emergência
PVP: 17.76€

Sinopse:
Nos finais do séc. XVIII, o Marquês de Pombal viu-se a braços com um fracasso na sua política de regeneração industrial: a Real Fábrica de Panos, a menina dos seus olhos, apesar de todos os esforços e despesas não consegue produzir tecidos com a qualidade dos importados. Decide então convidar um tintureiro francês para vir a Portugal ensinar essa grande arte que, à época, fazia a riqueza e o prestígio das nações europeias.
O artista eleito foi o polémico Stéphane Larcher, que mal chega começa a revolucionar práticas e comportamentos. Um ano depois, cores nunca vistas vêm à luz e tecidos até então desconhecidos brilham em todo o seu esplendor. Ao partilhar a sua arte secreta com os portugueses, Stéphane sabia estar a arriscar a vida, a reputação e a fortuna. Mas ninguém o avisou que também comprometia fatalmente o próprio coração. 

A minha opinião: 
No Portugal pós-terramoto de 1755, Marquês de Pombal constata que o negócio dos panos, um negócio em que depositou grandes esperanças, nomeadamente na construção da Real Fábrica de Panos de Portalegre, estava a fracassar. Portugal estava a atrasar-se, em meios tecnológicos, em relação a outros países europeus, que faziam o tecidos num menor espaço de tempo e em mais quantidade.

Acreditando que podia mudar o rumo do descalabro das fábricas portuguesas, Pombal, aconselhado pelos seus homens mais próximos, nomeadamente por José Magalhães, decide "chamar" um célebre tintureiro francês, que se via em maus lençóis no seu país de origem, devido a opiniões políticas e que desejava urgentemente partir para as Américas.

Vendo em Portugal uma hipótese de fuga, Stéphane Larcher, o tintureiro, aceita a proposta feita pelo ministro português, e parte em demanda para o nosso país, ajudado a fugir por uma jovem mulata portuguesa, D. Teresa por quem acaba por morrer de amores.

O nome Larcher, comum entre o o autor e o protagonista do livro, coincidência que o autor descobriu ao fazer uma pesquisa sobre uns tecidos, fez com que a vontade de fazer um romance em que colocaria o tintureiro como personagem principal.

Muito bem escrito e descrito, O Tintureiro Francês é o romance ideal para todos os leitores que gostem de uma descrição de época, de um óptimo enredo e de um pouco de acção à mistura.

Divido em três partes, o leitor faz uma viagem a uma época da história, para mim bastante interessante, em que o desejo de Sebastião José Carvalho e Melo era colocar Portugal no caminho que os países mais desenvolvidos estavam a seguir, como se já tivesse a premonição da Revolução Industrial e do que se lhe iria seguir.

A história, embora que ficcionada de Stéphane Larcher, cativou-me bastante, sobretudo no facto de querer revolucionar tudo o que por cá se fazia, removendo hábitos estabelecidos entre os trabalhadores da fábrica, assim como os encarregados da mesma. Larcher mudou tudo, desde a maquinaria, à forma de fazer as tintas, até ao corropio de soldados que andavam por toda a fábrica.

É ainda de destacar a figura do marquês D. Pedro que, apesar das críticas dos seus semelhantes e até de criados, decide criar uma miúda bastarda, dando-lhe a mesma educação do irmão, tornando-a numa pessoa forte e conhecedora, muito raro naquela época.

Gostei.

Excertos:
"Todos os livros são uma pedra, cada uma com o seu lugar, por mais humilde que seja, no longo e áspero caminho terreno pelo qual todos nos dirigimos para o Pai Celeste."

"O livro vive do seu leitor, sem este é um montinho desprezível de folhas bolorentas. Não há livros que não devam ser lidos, mas nem toda a gente pode ler todos os livros."

2 marcadores:

nuno chaves disse...

Excelente opinião, sobre um livro, que me despertou a curiosidade.
Vi a sua apresentação e uma entrevista ao seu autor, num programa de televisão.
Fiquei, muito interessado neste livro.

Maria Manuel Magalhaes disse...

Olá Nuno,

Gosto muito da época do marquês de Pombal e não podia deixar de ler este livro. Mais uma vez se prova que, apesar de todas as críticas que lhe são imputadas, ele foi um grande estadista e queria colocar Portugal na frente.
Gostei muito de conhecer esta parte da história, embora seja romanceada ;)