sexta-feira, 28 de março de 2014

Vaticanista Elisabetta Piqué autora do livro "Francisco. Vida e Revolução" em Lisboa nos dias 21 e 22 de Abril

Para assinalar o primeiro ano do Papa Francisco a Esfera dos Livros publica em Abril o livro Francisco. Vida e Revolução da jornalista e vaticanista Elisabetta Piqué, que nos mostra neste livro o percurso de Jorge Bergoglio até chegar a líder máximo da Igreja Católica.

Muito próxima do Papa Francisco, que conhece há mais de uma década, a autora conta-nos pormenores inéditos sobre o conclave que o elegeu e descreve as novas e polémicas reformas que quer implementar.

Este livro é um retrato completo que abarca o presente, o passado e o futuro de alguém que em tempos se chamava Jorge Bergoglio e que escolheu o nome Francisco, que constitui um programa, procurando recuperar os valores essenciais do Evangelho: estar do lado dos mais pobres, combater com firmeza os males próprios e alheios, dialogar com todos, inclusive com as outras religiões e com os não-crentes.

A Esfera dos livros convidou esta vaticanista para vir a lisboa nos dias 21 e 22 de abril dar a conhecer e entender a revolução que Francisco pretende fazer Igreja que está para vir, adaptada às exigências do século XXI.

Sinopse:
O homem que chegou a Roma vindo do outro lado do Mundo para pôr em marcha uma mudança de alcance inimaginável.
A jornalista e correspondente no Vaticano, Elisabetta Piqué, descreve, ao longo destas páginas, o percurso de Jorge Bergoglio até chegar a líder máximo da Igreja Católica. Muito próxima do Papa Francisco, que conhece há mais de uma década, conta-nos pormenores inéditos sobre o conclave que o elegeu e descreve as novas e polémicas reformas que quer implementar. Com uma prosa ágil, testemunhos e documentação inédita e opiniões de representantes leigos e eclesiásticos, cria um retrato completo que abarca o presente, o passado e o futuro de alguém que em tempos se chamava Jorge Bergoglio. Um pastor que escolheu um nome, Francisco, que por si só constitui um programa, procurando recuperar os valores essenciais do Evangelho: estar do lado dos mais pobres, combater com firmeza os males próprios e alheios, dialogar com todos – inclusive com as outras religiões e com os não-crentes -, promover a paz e, em última análise, adaptar a Igreja às novas exigências do século XXI. Baseado numa rigorosa investigação, este livro permite retratar um homem de extraordinária humanidade, afável, embora firme nas suas convicções, que, ao contrário do que afirmam os seus adversários, arriscou a vida para ajudar vítimas da ditadura militar na Argentina, que tem um assombroso sentido de humor e que se sabe mover como poucos nos ambientes de poder. Uma obra imprescindível para entender a revolução que Francisco pretende e a Igreja que está para vir.

«Queridos irmãos e irmãs, sejamos luzes de esperança. Tenhamos uma visão positiva da realidade. Dêmos alento à generosidade que caracteriza os jovens, ajudemo-los a ser protagonistas da construção de um mundo melhor: eles são um motor poderoso para a Igreja e para a sociedade. Não precisam apenas de coisas; precisam, sobretudo, que se lhes proponham aqueles valores imateriais que constituem o coração espiritual de um povo. Quase os podemos ler neste santuário, que faz parte da memória do Brasil: espiritualidade, generosidade, solidariedade e perseverança, fraternidade, alegria; são valores que encontram as suas raízes mais profundas na fé cristã.» Palavras do Papa Francisco no santuário de Aparecida (Brasil) durante a Jornada Mundial da Juventude, em julho de 2013.

Sobre a autora:
Elisabetta Piqué, correspondente do diário La Nación de Buenos Aires, em Itália e no Vaticano desde 1999, foi a única jornalista que previu antecipadamente a eleição de Jorge Bergoglio como Papa. Também é correspondente de guerra e cobriu, entre outros conflitos, o do Médio Oriente e as guerras do Afeganistão e do Iraque. Com base nessa experiência escreveu, em 2003, o seu primeiro livro: Diário de Guerra, Apontamentos de uma correspondente na frente de batalha. Recebeu uma bolsa do World Press Institute, dos Estados Unidos, em 2003, obteve o Prémio Santa Clara de Assis de jornalismo e, em 2013, o prémio Mariano Moreno da Universidade Argentina da Empresa pela melhor cobertura jornalística sobre a renúncia de Bento XVI. É membro correspondente da Academia Nacional de Jornalismo da Argentina. Fez várias viagens com João Paulo II e Bento XVI, além de ter acompanhado Francisco na sua primeira viagem internacional, ao Brasil. Seguiu e continua a seguir de perto a carreira do Pontífice desde que foi feito cardeal, em 2001. Integrou o grupo de cinquenta jornalistas que tiveram o privilégio de saudar o Papa na sua primeira audiência concedida à imprensa mundial, a 16 de março de 2013. Tendo nascido em Florença (Itália), foi criada na Argentina. É licenciada em Ciências Políticas e Relações Internacionais pela Universidade Católica Argentina e colaboradora da CNN em espanhol e da Deutsche Welle.




Sem comentários: