quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

«O Despertar do Mundo»: Retrato único da II Guerra Mundial vista do lado dos perdedores no primeiro romance em Portugal do premiado escritor inglês Rhidian Brook

Título: O Despertar do Mundo
Autor: Rhidian Brook
N.º de Páginas: 328
PVP: 17,90€

“Magnífico na sua evocação de um tempo e um mundo esquecidos.
Um livro que nos deixa muito que pensar.” 
The Times




O Despertar do Mundo é o mais recente romance de Rhidian Brook, premiado escritor inglês cuja obra é finalmente dada a conhecer aos leitores portugueses pela ASA.

Inspirado em factos reais, O Despertar do Mundo pinta um retrato único da II Guerra Mundial vista do lado dos perdedores.

O romance é baseado no extraordinário ato de bondade do coronel inglês Walter Brook, avô do autor, que, em 1946, em Hamburgo, fez algo sem precedentes: permitiu que uma família britânica (a sua) e uma família alemã partilhassem uma casa durante cinco anos.


Sobre o livro:

Em 1945, enquanto o mundo celebra a vitória sobre o exército nazi, a Alemanha derrotada é dividida. De um lado, a União Soviética. Do outro, os EUA, a Grã-Bretanha e a França. A Guerra Fria está prestes a começar.
Em Hamburgo, grupos de crianças esfomeadas vasculham os destroços em busca de alimentos, famílias desalojadas lutam por abrigos imundos. É nesta cidade arruinada que o coronel Lewis Morgan é encarregado de repor a paz. O governo inglês requisita uma casa para o acolher a ele e à família. Aos proprietários da mansão resta a indigência. É então que o coronel propõe uma solução inédita: a partilha do espaço.
Mas ao contrário do que o bondoso coronel espera, este pacto vai ser explosivo. A sua mulher, Rachel, vive fechada em si própria. O filho de ambos, Edmund, debate-se com uma solidão extrema e perigosa. A alemã Freda é a adolescente rebelde, filha de Herr Lubert, um homem de elite inconformado com a submissão que lhe é imposta. Entre segredos e traições, a vida na casa é uma bomba-relógio que uma paixão proibida ameaça ativar. Todos os seus habitantes são pequenos mundos em colisão perante um conflito maior. Todos eles terão de reaprender a viver e, quem sabe, a perdoar.

“De certa forma, a decisão do meu avô de partilhar a casa simbolizava aquilo que era realmente necessário na altura: para os Alemães se erguerem novamente, as forças de ocupação tinham de viver lado a lado com eles, não sobranceiras a eles. Quando a família partiu, os oficiais locais ofereceram-lhe um livro onde figuravam todas as pontes da zona que haviam sido reconstruídas. A dedicatória era a seguinte: ‘Para Herr Brücke. Muito obrigado.’ Em alemão, Brücke significa ponte.” Rhidian Brook


“Uma extraordinária história não só de amor entre ruínas mas também de traição e vingança. O Despertar do Mundo está repleto de amor ilícito – pelo inimigo, por um país e o seu regime deposto e, à medida que as lealdades são postas à prova e as consciências espicaçadas, faz o que todos os grandes romances fazem: coloca questões complexas e resiste às respostas fáceis.” Literary Review



Para além de ficção, Rhidian Brook escreve também para o cinema e para a televisão. O seu primeiro romance, The Testimony of Taliesin Jones venceu, entre outros prémios, o Somerset Maugham Award. Os seus contos figuram nas mais variadas publicações, tais como a New Statesman e a Time Out, sendo também transmitidos na rádio.
Brook mora com a mulher e os filhos em Londres.

Mais informações sobre o autor em www.rhidianbrook.com










   

Sem comentários: