quinta-feira, 26 de dezembro de 2013 | By: Maria Manuel Magalhaes

As melhores leituras de 2013

O ano de 2013 foi excelente em relação a leituras.
Dos 136 livros que li até agora foram muitos os livros que se destacaram, entre os mais diversos géneros.
Contudo, o eleito como melhor livro foi Viver depois de ti de Jojo Moyes.

Policial
Apesar de ser o quinto livro de uma série e por cá apenas estar publicado apenas o primeiro (Homicídio no Parque - Presença) vale a pena ler este policial.
Um jornalista é morto o que desencaderá numa investigação exaustiva por parte de Annika, até chegar a um grupo terrorista cujos nicknames dos membros do grupo são nomes de animais.
Além da investigação o leitor pode acompanhar o dia a dia da protagonista enquanto mãe de dois filhos, os problemas no casamento, ao mesmo tempo que nos mostra o poder que a política tem sobre o jornalismo.

Lobo Vermelho - Liza Marklund - Porto Editora



A trama policial de Morte na Arena, o segundo livro de uma trilogia,  passa-se nos túneis subterrâneos de Lisboa. Mais uma vez, e apesar de já não fazer parte da equipa da Polícia Judiciária, Gabriel Ponte vê-se novamente envolvido numa investigação, tudo porque uma das vítimas mortais é seu amigo de longa data.
O que se passa nos túneis sombrios da capital portuguesa, onde habitam seres à parte da sociedade, tendo como uma espécie de defensor o Diabo, uma personagem caricata, vai conter a resolução de toda a investigação.

Morte na Arena - Pedro Garcia Rosado Topseller

Lugares Escuros foi a minha estreia com Gillian Flynn e fiquei vidrada com este livro.
A 2 de Janeiro de 1985 a mãe e as duas irmãs de Libby Day são assassinadas ao que tudo indica sob as espécie de um ritual satânico. A filha mais nova, Libby escapa por pouco. Pressentindo o que está a acontecer em sua casa, na madrugada desse fatídico dia, Libby consegue fugir do massacre, palmilhando alguns metros de neve, o que faz com que fique sem alguns dedos das mãos e pés. Ben também escapa e logo logo é apontado como o causador de todo esse massacre.
De uma forma sombria, mas bastante descritiva, Gillian Flynn fez com que não conseguisse parar de ler o livro. O seu final foi surpreendente tendo-me deixado com cara de espanto com o desvendar do crime. 
O lado satânico de alguns personagens, o amor adolescente e pré-adolescente e os depoimentos das pessoas mais jovens pode levar a uma conclusão, que por vezes, nem sempre é a real. 
Mostra o que muitas vezes o planeado nem sempre sai como esperávamos...
Lugares EscurosGillian Flynn - Bertrand

Um assassinato brutal acontece em Atlanta. A vítima, uma prostituta com cerca de 40 anos, aparece morta nas escadas que vão ter ao seu apartamento num bairro social. Uma característica que poderá juntar a outros casos de brutalidade é o facto de a vítima, Aleesha Monroe não ter língua, tendo sido arrancada à dentada. Além disso, Aleesha apresenta uma possível violação.
Divido em três partes (daí tríptico?) o desenrolar da história surpreende, dando uma reviravolta na metade da narrativa. E mostra que nem tudo o que parece é. Adoro livros que me surpreendam e me façam ficar de boca aberta e a falar sozinha.
Tríptico é um policial que se lê de um fôlego. É bom, muito bom!
O facto de ter sido traduzido pelo Pedro Garcia Rosado foi uma mais-valia.
Tríptico Karin Slaughter - TopSeller

Erótico
Megan Maxweel conseguiu criar personagens mais humanas do que o tem sido habitual em livros deste género, fungindo o estereótipo de As Cinquenta Sombras de Grey.
Judith, uma jovem empregada, com os seus amores (frustrados ou não), que vive na companhia do seu gato Curro, que está em fase terminal. Eric um homem com acções desagradáveis, mas que quando está bem disposto se torna um amor de homem, capaz de fazer tudo pela mulher por quem se está a apaixonar.
Cheia de altos e baixos a relação de Judith e Eric vai, contudo, avançando, ao mesmo tempo que avançam as fantasias sexuais, primeiro de Eric, e depois de Judith. Eric encontra uma parceira à altura para todas as suas fantasias e acaba por alinhar em tudo o que ele sugere. Apesar de bastante ciumento e dominador é uma mente aberta no que toca ao sexo propriamente dito. E mais: não entra sado (que já enjoa).
Um livro que me surpreendeu pela positiva. Gostei mesmo muito. Tanto que estou à espera da continuação. O livro mais hot que li este ano. 
Pede-me o que quiseresMegan Maxwell - Planeta

Romance
Apesar de não ter sido publicado em 2013 não podia deixar de destacar esta leitura que foi uma das melhores deste ano.

Mel retrata a história de Serena Frome, uma rapariga lindíssima e inteligente tornada espia pelo seu amante, Tony Canning. Ao serviço do MI5 ela tenta combater o anti-terrorismo no período conturbado da Guerra-Fria.
Assim, o seu departamento "recruta-a" para a operação Mel, com o intuito de "angariar" escritores para a sua causa. Através de uma fundação fantasma, Serena capta promissores escritores levando-os a escrever em nome de uma causa: difundir os ideais do ocidente, contra os ideais comunistas, em troca de uma verba mensal.
É aí que conhece Tom Haley e se apaixona pelo próprio "isco". Apresentando-se como uma espécie de angariadora de talentos literários, Serena promete ajuda Tom na publicação dos seus livros, podendo inclusive suspender o seu trabalho enquanto professor. Mas como uma boa amante do género literário (Serena devora livros), ela própria cai na rede e apaixona-se pelo seu alvo pondo em risco a missão.
Muito além de um livro de espionagem, Mel é um livro de relações humanas que se torna mais intenso no final.
Mel - Ian McEwan - Gradiva Publicações 

Em Sonhos Proibidos e A Promessa Lesley Pearse conta a história de Belle, uma menina nascida num bordel, filha da dona do mesmo. Em Sonhos Proibidos Belle tem 15 anos, é ignorada pela mãe, não sabe que é o pai e é protegida por Mog, governanta do bordel onde habitam. Apesar de Annie ser dona de um bordel, só quando presencia o assassinato de uma das prostitutas é que Belle descobre o que realmente se faz na casa onde vive.
Estamos na primeira década do século XX e este acontecimento vai mudar para sempre a vida de Belle, já que o assassino foge do local sabendo que deixou para trás uma testemunha. Depois de ter sido raptada para ser posteriormente vendida a um bordel em Paris, Belle acaba por se tornar uma aventureira para que, mais tarde, se torne dona do seu destino. De Paris é levada para Nova Orleães, o único sítio nos EUA onde era permitida a prostituição. Será prostituta de luxo até conseguir regressar a França onde deseja restabelecer-se financeiramente e encontrar o amor da sua vida, o homem que a havia levado para a América.
Uma história dramática, mas ao mesmo tempo bela. Mostrando que em todas as épocas há mulheres fortes, que conseguem superar mesmo as piores agruras e dar a volta por cima. Além disso evidencia um problema que sempre existiu e sempre existirá enquanto houver homens que gostem de estar com crianças: o tráfico de seres humanos, sobretudo de crianças.
Em A Promessa vamos deparar-nos com Belle já adulta, completamente segura de si, uma excelente empresária de uma loja de chapéus e com uma vida amorosa feliz. É casada com Jimmy e vive com Mog e Garth numa pequena casa. Mas a felicidade é assombrada tanto pela visita de Étienne, um amor passado, e pela chegada da guerra. Nesta altura já se suspeitava que após a invasão da Bélgica por parte dos alemães, que a guerra com a Inglaterra estaria próxima. Já havia muitos jovens ingleses a inscreverem-se no exército para combater os alemães, por livre vontade. O apelo à alistagem era por demais evidente, surgindo um grupo de mulheres a distribuir penas brancas nas ruas com o intuito de que os homens tivessem vergonha da cobardia por não ajudarem os aliados. Com vergonha, e com vontade de defender a pátria, Jimmy decide alistar-se mesmo sabendo que Belle carregava no ventre o filho de ambos. Esta será mais uma catástrofe a abater-se sobre Belle e que a vai mudar completamente.

Sonhos Proibidos - A Promessa - Lesley Pearse - Edições Asa


Os livros de José Rodrigues dos Santos não geram concensos: há quem adore e há quem deteste.
Eu estou na primeira metade, adoro tudo o que JSR escreve e, como não podia deixar de ser, os dois livros publicados no final do ano tinham de estar na minha lista de leituras preferidas.
Neste conjunto de dois livros JSR retrata a vida de Calouste Gulbenkian. O primeiro volume centra a história na infância do jovem Kaloust na sua Armênia natal até se tornar um próspero homem de negócios. Além de ir retratando a vida, quase como uma biografia, embora romanceada, daquele que foi um homem de sucesso, JRS retrata também o conflito que existiu naquela época entre os arménios e os turcos e o ódio que detinham sobre os cristãos.
A vida de Kaloust, O Senhor Cinco Por Cento, tal qual JRS retratou, pode, porém, ser alvo de polémica. JRS retrata o mecenas como um homem que não olha a meios para atingir os seus objectivos, sobretudo económicos, optando por viver num quarto de hotel (Ritz) para fugir aos impostos, mas também com um mulherengo que gostava de raparigas jovens (menos de 18) por pensar que estas representavam um "elixir" da juventude.
O segundo volume centra-se no conflito entre otomanos e turcos e, posteriormente, a chegada da Segunda Guerra Mundial, determinante para que Kaloust se estabeleça em Portugal. Um país neutro, que em muito lhe fazia lembrar a sua terra natal, Constantinopla.
Para os fãs de José Rodrigues dos Santos, mas sobretudo para os de Caloust Gulbenkien que sempre "conviveram" com este nome quando frequentavam as bibliotecas (como eu), este é um livro imperdível.

O Homem de Constantinopla - Um Milionário em Lisboa - José Rodrigues dos Santos - Gradiva


Dorothy Koomson é mestre no romance. Criadora de personagens fortes e marcantes, Koomson foi ainda mais além neste "a praia das pétalas de rosa", porque introduziu o suspense, com a suspeita de vários crimes que me fascinaram ainda mais.
Tudo levava a crer que essa seria uma noite perfeitamente normal na vida de Tamia. Casada com um homem exemplar e com duas filhas, Tamia nem imagina o quanto a sua vida vai mudar quando batem à porta. Na entrada estão dois polícias que acusam o seu marido de um crime horrível, deixando a vida de Tamia completamente do avesso.
É aqui que entra também o poder da amizade, da traição, da desconfiança, mas também o poder do amor e do perdão.
Koomson mostra mais uma vez que as suas personagens podiam muito bem fazer parte da realidade. Isto porque nem tudo o que parece é, e por detrás da capa de cada um, existe sempre alguma coisa escondida.
O melhor livro de Koomson.

A praia das pétalas de rosa - Dorothy Koomson - Porto Editora

Este foi, sem margem para dúvida, o melhor livro que li em 2013.
Lou Clark fascinou-me logo desde o primeiro momento. Uma rapariga estouvada, cuja vida não tem grandes complicações, nem ambições. Depois de ter sido despedida do café onde trabalhava, Lou vê-se sem grandes alternativas de emprego. Sem habilitações e com um currículo pobre, nada mais lhe resta a não ser cuidar de um doente tetraplégico. Com algumas reservas em relação ao seu novo trabalho, Lou apenas o aceita porque a família a pressiona. Basicamente todos vivem do seu rendimento e do do seu pai, que corre o risco também ele de ser despedido.
Julgando ter de tratar de um idoso, Lou comparece na casa de Will e fica surpreendida por este ser tão jovem. Mas a falta de sensibilidade para com a sua pessoa, e ao mesmo tempo o tratamento rude que Will lhe vota, faz com que Lou pense, por várias vezes, desistir do emprego.
Jojo Moyes cria assim duas personagens tão bonitas que se torna difícil ao leitor desligar-se do livro, mesmo depois de lido. De bem com a vida, aventureiro, Will passa a uma pessoa completamente apática para quem a vida não faz qualquer sentido.
Viver depois de ti, levanta uma questão pertinente: até que ponto a vida deve ser vivida numa cadeira de rodas por uma pessoa que não consegue fazer aquilo que mais gostava antes de ter ficado naquele estado. Lou vai dando milhares de razões para se querer viver, ao mesmo tempo que Will defende que não pretende viver assim.

Viver depois de tiJojo Moyes - Porto Editora

Romance Histórico

A Filha do Conspirador pertencente à série "Guerra dos Primos" tem como protagonista Ana Neville, uma das duas filhas do Fazedor de Reis, Ricardo Neville, Conde de Warwick.
Apesar de ter apenas lido, da série, A Rainha Vermelha,uma das personagens que aparece neste romance, consegui perceber perfeitamente a história, até porque Gregory coloca uma heroína diferente em cada livro da série, se bem que sempre com papel preponderante para a história de Inglaterra e de uma forma simples e agradável.
Ana é a narradora desta história que vai estar envolta em guerras e ódios, mas também no amor que o seu pai tem por si. Para Ana Ricardo Neville é o seu herói e, por isso mesmo, decide levar sempre à letra aquilo que ele lhe diz. Pai de duas bonitas raparigas, o seu desejo é apenas um: que uma delas se torne rainha de Inglaterra. Mas o casamento de um dos seus protegidos e pretendente ao trono inglês, Eduardo, com uma plebeia deita por terra todos os seus desejos, Isabel Woodville, personagem retratada em A Rainha Branca.
Mesmo para quem não tenha lido os anteriores livros, facilmente entra na história, até porque Gregory cria uma personagem complemente independente, que nos leva a visionar uma história muito própria, uma história sempre do ponto de vista da personagem principal.
Num instante Philippa Gregory passa de uma heroína, retratada num livro, para vilã, aos olhos da protagonista de outro. Daí a sua leitura ser tão estimulante.
Sempre que leio Philippa Gregory fica sempre a vontade de querer ler mais e mais. Estou cada vez mais rendida à autora e tenho mesmo de estar atenta à promoções dos seus livros para adquirir alguns para a minha estante. 

A Filha do Conspirador - Philippa Gregory - Civilização Editora

A Bibliotecária de Auschwitz relata a história verídica de Dita Kraus, uma jovem de 15 anos, que "trabalhou" numa biblioteca clandestina existente naquele campo de concentração.
A biblioteca, dirigida por Freddy Hirsch (também ele uma personagem verídica) tinha apenas oito livros, disponíveis para cerca de 500 crianças.
Dita conseguiu sobreviver naquele tormento graças aos livros, à ajuda que eles proporcionaram, fazendo com que dezenas de crianças passassem o tempo da melhor forma. Mesmo sabendo que a maioria delas não iria sobreviver ao campo... A jovem levou o seu trabalho tão a sério que por pouco não era apanhada, passando a ser vigiada de perto pelo doutor morte, Mengele.
O bloco 31 era assim conhecido pela sua biblioteca, sendo talvez o único lugar onde ainda se poderia sonhar por um mundo melhor.
Os relatos chocam, as condições em que viviam os judeus e não só eram desumanas, mas mostra também um outro lado que não é falado muitas vezes: o facto de muitos dos guardas nazis serem completamente contra o que estava a acontecer. No entanto, por medo da morte, muitos deles continuavam a guardar os campos, revoltados por lhes terem "vendido" uma outra coisa.
Por muitos livros que leia sobre a Segunda Guerra Mundial e o terror porque passaram os judeus, ciganos, homossexuais, deficientes e outros excluídos, todos me impressionam pelos relatos reais do que por lá se passou. Que a guerra, qualquer ela que seja, tem coisas atrozes já todos sabemos, mas saber que houve pessoas que tentaram acabar com uma religião inteira só porque achavam que a deles era a melhor e seria a que devia prevalecer, raia a loucura.

A Bibliotecária de Auschwitz - Antonio G. Iturbe - Planeta

Biografia
Para inaugurar a colecção o fio da memória, a Sociedade Portuguesa de Autores e a Guerra e Paz Editores publicam um livro de homenagem a Urbano Tavares Rodrigues, romancista, poeta, dramaturgo e ensaísta, falecido este ano. 
Urbano Tavares Rodrigues, O Livro Aberto de uma Vida Ímpar é a prova de como um pequeno livro pode conter algo tão bom.
Conheci os livros do autor quando era muito jovem, num tempo em que não tinha tantos livros ao meu gosto para ler em casa (apesar das estantes estarem cheias) e frequentar a biblioteca municipal do concelho onde vivia. Certo é que a pequena biblioteca de Marco de Canaveses tinha poucos livros, baseando-se em clássicos. Foi nessa altura que conheci Camilo, Eça, Miguel Torga e Urbano Tavares Rodrigues, entre muitos outros autores. E que sortuda que fui.
Mas de Urbano apenas fiquei a conhecer a sua obra e não o homem que ele foi. Com este livro, recentemente publicado pela Guerra & Paz e pela Sociedade Portuguesa de Autores, escrito por José Jorge Letria, Urbano tornou-se ainda mais humano.
Escrito de uma forma leve, intimista e bastante aberta, José Jorge Letria conseguiu em poucas páginas, que Urbano abarcasse um pouco da sua vida. Desde que nasceu até quase ao dia da sua morte.

Urbano Tavares Rodrigues, O Livro Aberto de uma Vida ImparJosé Jorge Letria - Guerra & Paz

Ficção
Com o intuito de escrever algo que se afastasse de tudo o que já tinha feito, José Luís Peixoto decide partir em viagem à Coreia do Norte e daí resulta Dentro do Segredo, um livro que recomendo para quem quer saber mais do regime que se vive naquele país.
Apesar de não ter descoberto nada de estrondoso da política daquele país, até porque eles próprios não deixam, gostei desta crónica de viagens que, apesar de tudo, me fez ficar de boca aberta com alguns episódios caricatos.
José Luís Peixoto parte para uma viagem marcada com bastante antecedência e cuja visita oficial guiada é a única possibilidade de contacto com a cultura norte coreana. Sendo o regime totalitário mais fechado do mundo era de prever que não “deixassem” os turistas andarem sozinhos, de modo a descobrir o que o poder não quer ver descoberto.
Deste país cujo culto da personalidade dos líderes, quer seja dos passados ou presentes, é uma constante, a população apenas sabe aquilo que o poder quer que saibam. Música estrangeira nem pensar. Livros também não, embora Peixoto tivesse levado Dom Quixote para ler no quarto às escondidas.

Dentro do Segredo - José Luís Peixoto - Quetzal





 
Infantil

Este livro é sobretudo delicioso.
Requisitado na Biblioteca Municipal recentemente fiquei com vontade de comprar um para casa, tal a vontade de ter este rato maroto em casa.
Escrito em forma de verso, este livro de Pierre Coran conta a história de um rato maroto que faz do gato sapato. As travessuras de Renato vão sendo contadas de uma forma divertida, como se o rato de orgulhasse das asneiras que faz, fazendo com que o gato da casa seja sempre considerado culpado.



O Rato Renato - Pierre Coran - Edições Nova Gaia





1 marcadores:

nuno chaves disse...

Estive a ver o teu Best-Of 2013, e descobri livros, muito interessantes, alguns dos que queria ler este ano e não li e outros que estão debaixo da minha mira, para o próximo ano.
Pedro Garcia Rosado, foi para mim uma das surpresas de 2013. Li a Série "Não Matarás" e fiquei rendido ao talento nato do Autor neste género de livros. (Já precisávamos de estórias asim... bem contadas)
Quanto a Gillian Flynn, não conheço embora, tenha dado uma espreitadela a várias opiniões sobre os seus livros e a maioria, parece ter adorado. Quem sabe se no novo ano, não será uma das minhas leituras?
Ian McEwan, parece ser ser sempre uma boa escolha! Por acaso este "Mel" não li, mas estive a ver a sinopse e realmente tem tudo a ver comigo. Parece ser o meu género de leitura. este talvez avance mesmo.
Quanto aos dois novos livros de JRS, confesso que tenho muita curiosidade, pois admiro gulbenkian e o legado que deixou ao país que o acolheu. Trabalhei alguns anos na Fundação com o seu nome (no meu arte). No entanto estou escaldado com JRS, Não gostei nada de "Codex" e depois disso nunca mais de lhei outra oportunidade.
Quanto a JLP, "Dentro do Segredo" era um dos livros que tinha planeado ler em 2013, mas simplesmente não aconteceu. Quem sabe em breve.
Maria Mauel, aproveito para te desejar um Excelente 2014, para ti e para os teus. que seja um ano de sucesso. (espero bem que sim) e claro com boas histórias para ler.
* O meu Best-of (como habitualmente, está feito) quando puderes passa por lá.
N.