sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Passatempo Mudanças

O blogue Marcador de Livros, em conjunto com a Divina Comédia, tem para oferecer 2 exemplares do livro do Nobel Mo Yan,  Mudanças.

Regras do Passatempo:

- O passatempo decorre até às 23:59 do dia 7 de Dezembro.
- Para participarem terão de responder acertadamente às três perguntas presentes no formulário abaixo.

- Os premiados serão sorteados aleatoriamente e o seu nome será publicado neste blogue e os mesmos serão avisado por email.

- Só serão permitidas participações a residentes em Portugal e apenas uma por participante e residência.



Passatempo terminado

Lançamento: "A Nova Ordem Industrial no Estado Novo", de Deolinda Folgado - 4 dez às 18h30 na Central Tejo


Editora Divina Comédia estreia-se com o livro Mudanças do Nobel da Literatura 2012: Mo Yan

Titulo: Mudanças
Autor:
Mo Yan
Páginas: 155
ISBN: 978-989-863-3002
Preço: € 14,90
Data de Lançamento: 14 de Novembro de 2012

Em Mudanças, Mo Yan descreve, na primeira pessoa, as alterações políticas e sociais no seu país ao longo das últimas décadas, num romance disfarçado de autobiografia, ou vice-versa. Ao contrário da maioria dos escritos históricos sobre a China, que se limitam a narrar acontecimentos políticos, Mudanças conta a história do povo, numa perspectiva mais intimista de um país em transformação. Avançando e recuando no tempo, Mo Yan dá vida à História, descrevendo com acutilância e muito humor os efeitos dos acontecimentos do dia-a-dia na vida do cidadão comum.

«A haver um Kafka na China, talvez ele seja Mo Yan. Tal como Kafka, Mo Yan possui a capacidade de analisar a sua sociedade através de uma multiplicidade de lentes, criando transformações fantasistas ao jeito da Metamorfose ou evocando a burocracia entorpecedora e a crueldade despreocupada dos governos modernos.»
Publishers Weekly

«Com tanto de astuto como de fascinante, Mo Yan está empenhado em explicar o sofrimento e a resistência das pessoas normais e em contar uma belíssima história.» Booklist

Sobre o Autor:
Guan Moye (Mo Yan) nasceu em 1955 na China (província de Shandong). Foi então que começou a escrever, escolhendo desde logo o seu pseudónimo, Mo Yan, que significa "não fale". Numa entrevista recente, explicou que o nome se refere ao período revolucionário da década de 1950, quando os pais o aconselharam a não exprimir as suas opiniões em público.
Em 1981, publicou o primeiro romance, escrito quando era soldado.
Em 1987, publicou Red Sorghum (Sorgo Vermelho), que viria a tornar-se um bestseller. Foi adaptado ao cinema por Zhang Yimou e ganhou o Urso de Ouro do Festival Internacional de Berlim em 1988.
Em 1996, lançou Peito Grande, Ancas Largas, a única obra deste autor publicada em Portugal, pela editora Ulisseia. Este romance, que foi proibido na China, relata, de uma perspectiva feminina, quase um século da História do país. Devido ao teor sexual do texto, Mo Yan foi obrigado a escrever uma autocrítica ao seu próprio livro, tendo mais tarde sido obrigado a retirá-lo de circulação.
Em 2011, ganhou o prémio Mao Dun, o mais importante galardão literário do país, sendo depois eleito vice-presidente da Associação dos Escritores da China.
O seu estilo é comparado ao realismo mágico de Gabriel García Márquez.
Em 2012, recebeu o Prémio Nobel de Literatura



Brevemente haverá passatempo no blogue

Ana Zanatti apresenta livro de Daniel Oliveira

A Guerra e Paz Editores vai realizar um lançamento extra do livro de Daniel Oliveira, «Alta Definição – A Verdade do Olhar», no Sábado, dia 1, pelas 16h00, na Fnac do Colombo, em Lisboa. Com apresentação de Ana Zanatti.

No mesmo dia, pelas 21h30, Daniel Oliveira estará também na Fnac do LeiriaShopping para apresentar o seu último livro. No domingo, dia 2, o autor distribui autógrafos em duas sessões diferentes: às 11h00 no Pingo Doce, em Odivelas; pelas 15h00 no Continente do Fórum Montijo.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Lançamento do livro «As Aventuras do Dragãozinho Azul A Belinha de Berlim de Paulo Sousa Costa (Sábado 1 Dezembro 11h30 na Fnac de Santa Catarina, no Porto)

Título: As Aventuras do Dragãozinho Azul - A Belinha de Berlim
Autor: Paulo Sousa Costa
Género: Infantil
Número de páginas: 32
PVP: € 10,90

A segunda aventura do Dragãozinho Azul chega ao mercado.

Mais um super segredo será desvendado!


Sobre o livro:
Dos 4 aos 8 anos
No seguimento de Verde de Inveja, Paulo Sousa Costa continua a ensinar aos mais pequenos como fazer melhores escolhas e respeitar os colegas e amigos. Desta vez, em destaque está a Belinha, uma menina muito gulosa que adora doces, a quem os colegas chamam Bolinha de Berlim. Ela está a ficar muito gordinha, enjoada e pouco ágil nas brincadeiras com os amigos. Felizmente, pode contar com o Dragãozinho Azul que a ensina a alimentar-se melhor e dá um correctivo aos colegas que a têm andado a tratar mal.
Colaboração especial: Teresa Branco (nutricionista)
Um livro divertido para pais, educadores e crianças aprenderem, m conjunto, a ter uma alimentação mais equilibrada e uma vida mais saudável.


Sobre o autor:
Paulo Sousa Costa é produtor de espectáculos e programas de televisão, tendo também dirigido algumas das revistas mais bem sucedidas da nossa praça. Autor do bestseller Desistir não é Opção, é uma figura muito acarinhada do grande público.




O lançamento d’A Belinha de Berlim, é já no próximo sábado, dia 1 de Dezembro, às 11h30, na Fnac de Santa Catarina, no Porto. A apresentação do livro estará a cargo de Luciana Abreu.

Esfera dos Livros - Amar e Cuidar


Clube do Autor publica novo livro de Luísa Castel-Branco, Diz-me só a verdade

Título: Diz-me só a verdade
Autor: Luísa Castel-Branco
PVP: 16,50 € 
N.º de Páginas: 340

Desde muito cedo que contamos histórias aos nossos filhos que começam o célebre frase «Era uma vez». Histórias de encantar, de magia, histórias em que tudo é possível e o final é sempre feliz.


Mais tarde voltamos a contar as mesmas histórias aos nossos netos, muitas vezes embelezando ainda mais a narrativa. Mas o que nos sobra? A vida, e essa encarrega-se de nos destruir a capacidade de sonhar, de acreditar que tudo é possível, de acreditar nos outros e em nós mesmos. Não há mais finais felizes.


A realidade pesa-nos como um casaco molhado. E sobrevivemos aos dias sem a ajuda desse tempo mágico que deixámos para trás. Nunca como hoje foi tão urgente retomarmos essa fantástica capacidade de voltar a sonhar
.


Estas são palavras de Luísa Castel-Branco e esta é a principal mensagem do seu novo romance, Diz-me só a Verdade.


Francisca tem quarenta e dois anos, três filhos e um casamento com o seu primeiro amor. Mas a sua vida aparentemente feliz encontra sombras do passado e um presente sem as luzes que sonhara para si.

A vida desta mulher cruza-se com a saga de duas famílias unidas pelo passado e divididas por um presente armadilhado por desejos de vingança e revelações esmagadoras. Entretanto, a chegada de uma carta inesperada denuncia um segredo e muda o destino de Francisca. Mas será que ainda acreditamos em finais felizes?

Nunca como hoje foi tão urgente retomarmos essa fantástica capacidade de voltar a sonhar. Um romance é isso mesmo. Páginas que nos levam a levantar voo, que nos transportam para um mundo que podia ser. Também nós merecemos essa frase mágica “Era uma vez.” Também nós temos direito a acreditar em finais felizes.

E este romance é isso mesmo. Um óasis do que podia ser, do que podia acontecer, algo para nos aconchegar a alma e nos fortalecer estes tempos de compasso de espera. O tempo que medeia entre o hoje e aquilo a que temos direito.


Sobre a autora:
Luísa Castel-Branco nasceu em Lisboa em 1954. A sua vida esteve desde sempre ligada à comunicação, primeiro na imprensa onde colaborou com o Semanário e mais tarde com a Máxima, e depois na televisão onde apresentou vários programas de sucesso como «Dinheiro à Vista» (TVI) e «O Elo Mais Fraco» (RTP1). Na SIC, apresentou «Vícios e Virtudes» e participou ainda em «Eles por Elas».


 

Booktailors lança coleção «Protagonistas da Edição» com primeiro volume Fernando Guedes: O decano dos editores portugueses

«[…] havia, da parte dos editores, uma maior preocupação cultural do que há hoje, e não é porque os editores sejam piores, mas apenas porque o mercado galgou por cima de tudo.» Fernando Guedes

Esta e outras questões marcam, há vários anos, o debate no meio editorial, pelo que a Booktailors desafiou a jornalista Sara Figueiredo Costa a realizar entrevistas de vida a editores, designers e tradutores que marcam a história da edição em Portugal. Fernando Guedes, fundador da Editorial Verbo, é o protagonista deste 1.º volume, que aborda os desafios da edição em paralelo com o retrato de uma das suas mais importantes figuras. O lançamento está marcado para dia 5 de dezembro, na Casa Fernando Pessoa, pelas 18.30, e terá apresentação de Francisco Espadinha.


Do advento dos livros nos hipermercados às futuras eleições da APEL, das primeiras participações na Feira de Frankfurt à integração da Verbo no grupo Babel, Fernando Guedes não se furta a temas ou a incómodos. Uma perspetiva lúcida e abrangente de um setor que passou de familiar a multinacional.

Sobre o autor:

Nascido no Porto em 1929, foi construindo um percurso marcado pela escrita, primeiro no campo da poesia, mais tarde no campo do ensaio. Dedicou-se a temas que vão da pintura à poesia, passando pela história do livro e da edição, área em que publicou livros como O Livro e a Leitura em Portugal (1987), Os Livreiros em Portugal e as Suas Associações desde o Século XV até Aos Nossos Dias (1993), O Livro como Tema — História, cultura, indústria (2001) e, mais recentemente,Livreiros Franceses do Delfinado em Portugal no Século XVIII (2012). Em 1958 fundou a Editorial Verbo, à frente da qual se manteve até 2009. O seu interesse pela cultura e as incursões pelas áreas da investigação e do ensaísmo fazem-no sócio das academias portuguesas de Ciências, História e Belas-Artes, além de sócio correspondente de academias internacionais, como a Real Academia de la Historia de Madrid ou o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Na Academia das Ciências de Lisboa, desempenha atualmente o cargo de inspetor da Biblioteca, tendo à sua responsabilidade um fundo bibliográfico que remonta ao século XIV e se estende até ao presente.

Sobre Sara Figueiredo Costa

É licenciada em Línguas e Literaturas Modernas — Estudos Portugueses e mestre em Linguística Portuguesa pela Universidade Nova de Lisboa. Jornalista freelancer,colabora com diversas publicações na área da crítica literária e do jornalismo cultural (LER, Time Out, Expresso e Blimunda).Mantém, desde 2007, o blogue Cadeirão Voltaire, sobre livros e edição, e desde 2003, o blogue Beco das Imagens, dedicado à banda desenhada e à ilustração. É um dos membros fundadores da Oficina do Cego, onde leciona os módulos teóricos sobre história do livro e edição nas formações sobre autoedição.

Sobre a coleção

Constituída por volumes cuidados e de tiragem reduzida, destina-se a profissionais, estudantes, curiosos do livro e da história da edição e tem lugar reservado na biblioteca de qualquer pessoa que goste de livros. A coleção «Protagonistas da Edição» tem por objetivo publicar grandes entrevistas de vida aos principais agentes do livro dos últimos 50 anos, deixando assim, para memória futura, o percurso pessoal e profissional destas personalidades. O primeiro volume é dedicado a Fernando Guedes, decano da edição portuguesa, e fundador da Editorial Verbo. Os volumes seguintes serão dedicados a Carlos da Veiga Ferreira e Guilhermina Gomes.

Chancela As Joaninhas, da editora Nova Delphi, com dois lançamentos em simultâneo, um no Funchal e outro em Lisboa


A Editora Nova Delphi fará no próximo dia 01 de dezembro, pelas 16:00, dois lançamentos em simultâneo de dois novos livros da chancela As Joaninhas:




No Funchal,
O livro Uma Estrela caiu do Céu, da autoria de Jorge Barroso, com ilustração do madeirense Paulo Sérgio BEJu. A obra integra a coleção mistério e fantasia, da chancela As Joaninhas, que na Nova Delphi assume a publicação de livros de caráter juvenil.
A apresentação ficará a cargo da artista Teresa Jardim e do ilustrador Paulo Sérgio BEJu.
A iniciativa realiza-se na FNAC do MadeiraShopping, dia 01 de dezembro, às 16h.



As Joaninhas – emoções
Uma Estrela caiu do Céu
de Jorge Barroso, com ilustração de Paulo Sérgio BEJu Esta é a história de um menino chamado João que assume a tarefa de tomar conta de todas as estrelas do céu. Certa noite, ao contá-las, apercebe-se que uma das estrelinhas tinha fugido e decide partir numa grande aventura para a recuperar. Mas a estrelinha tinha fugido por um muito bom motivo...


O Autor do texto
Jorge Barroso nasceu em Rio de Moinhos, no Concelho de Borba, em 1965. Tem vindo a desenvolver o seu trabalho literário essencialmente nos campos do romance histórico e do conto infanto-juvenil. Das obras publicadas destacam-se O Último Lusitano (2004), Filhos do Trovão (2009), Onde Estás Meu Filho? e Abraça-me Com a Tua Sombra (2010). Dedica-se também à pintura e neste âmbito já expôs, coletiva e individualmente, em Portugal, Espanha e Inglaterra. Em 2003 abriu a livraria "Pedra Filosofal", em Rio de Moinhos.


O Autor das ilustrações
Paulo Sérgio BEJu nasceu no Funchal em 1971. É licenciado em Artes Plásticas – Escultura e pós-graduado em Direção Artística. Tem desenvolvido diversos projetos no âmbito da expressão dramática, teatro, cenografia, performance, artes plásticas e curadoria. Tem participado em exposições individuais e coletivas, como artista plástico. Recebeu diversos prémios no âmbito do teatro (encenação), escrita e artes plásticas, destacando-se o 1.º prémio no Concurso de Poesia de Abrantes (Junho 1996) e o 1.º prémio do concurso de artes plásticas “Henrique e Francisco Franco” (Calheta, Dezembro 2005), atribuído por um júri presidido pela curadora Isabel Carlos. Recentemente ilustrou o livro As coisas mais belas do mundo de valter hugo mãe, lançado em Setembro de 2010.







Em Lisboa,
O livro O Gafanhoto garoto não pode brincar, da autoria de Maria João Saraiva de Meneses, com ilustração de Elisabetta Rossini. A obra integra a coleção emoções, da chancela As Joaninhas, que na Nova Delphi assume a publicação de livros de caráter infantil.
A apresentação ficará a cargo da autora e será animada com fantoches inspirados no livro.
A iniciativa realiza-se no Chiado Bar (R. António Maria Cardoso 15 B, 1200-026 Lisboa), dia 01 de dezembro, às 16h.


O Gafanhoto garoto não pode brincar
de Maria João Saraiva de Meneses, com ilustração de Elisabetta Rossini Nesta história, o Gafanhoto Garoto não tinha tempo para brincar nem para saltar e estava a ficar infeliz e deprimido. Felizmente, os pais do gafanhoto compreenderam que brincar é tão importante como estudar e que deve haver tempo para ambas as coisas. Com a ajuda dos pais-gafanhotos, o Gafanhoto Garoto passou a ser um bicho feliz e muito bom aluno na escola dos insectos do quintal florido! O stress infantil e a importância de brincar são temas relevantes no dia-a-dia de todas as crianças. Na escola, é esperado corresponderem ao ritmo de trabalho que os vai preparar para a vida. No entanto, e não fugindo às responsabilidades, há que ter tempo para brincar e para correr em espaços abertos com os amigos. As crianças são mais felizes e aprendem melhor na escola quando têm tempo para brincar e para serem crianças.


A Autora do texto
Maria João Saraiva de Menezes nasceu no Porto, em 1971. Licenciada em Filosofia pela universidade Católica Portuguesa, vive atualmente em Lisboa. É professora de Filosofia e de Educação Moral e Religiosa Católica. Publicou poesia em revistas literárias e jornais. É autora de vários livros para crianças, de que se destaca os últimos títulos: Vasco das forças, o bullying e a violência infantil e O menino Natal e o Pai Jesus, afinal o que é o Natal?


A Autora das ilustrações
Elisabetta Rossini é licenciada em Ciências da Educação pela Universidade de Milão – Bicocca. Tem desenvolvido o seu trabalho de Consultoria Pedagógica em Roma e em Milão, onde tem Consultório. A autora é especialista em Psicologia do desenvolvimento, análise e compreensão dos desenhos infantis, evolução neurológica das crianças dos 0 aos 6 anos, aspectos psicopedagógicos e funções terapêuticas das fábulas.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Convites para sessões de apresentação de livros da GATO NA LUA -Dias 1 e 2 de Dezembro em Lisboa e Leiria



Camilo Lourenço apresenta novo livro na Bulhosa

O jornalista económico Camilo Lourenço lança o seu novo livro, Basta!, esta sexta-feira, 30 de novembro, às 18h30, na Bulhosa de Entrecampos. Editado pela Matéria-Prima, a apresentação do mesmo está a cargo do antigo ministro e comentador político, Marques Mendes, e do radialista e humorista, Nuno Markl.
Camilo Lourenço é jornalista económico e docente universitário. Licenciou-se em Direito Económico pela Faculdade de Direito de Lisboa e passou ainda pela Universidade Católica, Columbia University e University of Michigan, nos EUA, onde estudou Jornalismo Financeiro e Economia.
Começou a sua carreira no semanário O Jornal e Correio da Manhã e foi um dos fundadores do Diário Económico, tendo sido também redator principal do Semanário Económico. Foi fundador e diretor da revista Valor, de onde saiu para assumir a direção editorial da revista Exame, Executive Digest, Turbo, Exame Informática e Auto Guia.
Foi editor de economia da Rádio CMR e Rádio Comercial e comentarista da SIC Notícias. Atualmente é colunista do Jornal de Negócios, Record e comentarista da RTP e RTP-N para questões económicas. É também autor e apresentador dos programas Moneybox (análise de assuntos económicos), A Cor do Dinheiro (poupança de investimento) e O Seu Emprego (carreira e emprego), na Rádio Clube Português.




Título: Basta! 
Autor: Camilo Lourenço
Editora: Matéria-Prima edições 

Páginas: 232 
PVP: 16 euros

Sinopse:
Depois de três bancarrotas em 34 anos, caso único na Europa, será que ainda não aprendemos a lição?
«Há cerca de 20 anos li um artigo do The Wall Street Journal sobre o que os ex-países de Leste poderiam aprender com a experiência portuguesa (de abertura da economia). Longe estava eu de pensar que os anos seguintes ficariam marcados pelos piores disparates de política económica em Portugal. Disparates que nos estão a custar o futuro.»
Temos uma oportunidade única para inverter o rumo de Portugal. Basta ter coragem.
Um livro esclarecedor, que ajuda a compreender o estado em que o país se encontra e, mais importante, aponta caminhos para evitar erros do passado e recuperar a prosperidade.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Novidade Casa das Letras: Catarina A Grande, de Sílvia Miguens - A Vida Apaixonante da Imperatriz de todas as Rússias

Título: Catarina, A Grande
Autor:
Sílvia Miguens
Págs. 308
ISBN. 9789724621296
PVP: €15,90
E-book: € 11,99

A Vida Apaixonante da Imperatriz de todas as Rússias


Sobre o livro
:

Em 1762, o czar Pedro III é alvo de uma conspiração, acabando por morrer. A sua mulher, Catarina, sucede-lhe como imperatriz tornando-se, aos trinta e três anos, «Sua Majestade, Catarina II, imperatriz única e soberana de todas as Rússias».
O seu reinado revitalizou a Rússia, transformando-a numa das maiores potências europeias. Os seus sucessos dentro da complexa política externa são sobejamente conhecidos assim como as represálias, por vezes violentas, aos movimentos revolucionários. Conferiu maior poder à nobreza e aos senhores da terra, constituindo o seu reinado o ponto alto da aristocracia russa. Poucas mulheres geraram tanta controvérsia em redor de si como Catarina, a Grande. Inteligente, culta, autoritária, sagaz, apaixonada, grande estratega e envolta em todos os tipos de conspirações da corte, a imperatriz que governou a Rússia com punho de ferro é, sem dúvida, um dos principais intervenientes na agitação política do século XVIII, que mudou a História do Mundo.

Esta emocionante narrativa, que não deixa de fora o rigor histórico, revela as vivências e a intriga palaciana e pessoal da grande imperatriz, a sua peculiar e intensa vida sexual, os seus medos, as suas deficiências e os seus fracassos.


Sobre a autora
:
Silvia Miguens nasceu em Buenos Aires, Argentina. Conferencista em várias universidades da América do Sul, tornou-se especialista num tema que a apaixona: a ligação entre a História e a ficção e em particular o papel da mulher na História.
A sua primeira narrativa, PollerapantalómI, foi finalista do prémio Emecé. Seguiu-se Lupe, vencedora do prémio Ricardo Rojas. Mais recentemente publicou Anita Gorostiaga, uma mujer entre dos fuegos (2004) e Ana y el Virrey (2006), alvo das melhores críticas literárias e um grande sucesso de vendas.

Sessão de autógrafos e convívio como Fernando Dacosta


Amanhã, lançamento da biografia "Marcelo Rebelo de Sousa" de Vítor Matos. Apresentação por Leonor Beleza e Vicente Jorge Silva. Faculdade de Direito de Lisboa


Valter Hugo Mãe vence Prémio PT da Literatura

Imagem retirada da internet
Valter Hugo Mãe foi o vencedor da décima edição do Prémio Literário PT, entregue em São Paulo.  O último livro do escritor português "A máquina de fazer espanhóis" concorreu com mais onze obras de outros autores, tendo vencido na categoria Romance.

Amanhã: Manuela Gonzaga dá palestra na Bulhosa sobre Isabel de Portugal

A escritora Manuela Gonzaga vai estar na livraria Bulhosa, esta quarta-feira, 28 de novembro, às 18h00, para dar uma palestra sobre a Imperatriz Isabel de Portugal, na sequência da publicação do seu mais recente romance com a chancela da Bertrand, Imperatriz Isabel de Portugal. A sessão visa dar a conhecer esta figura incontornável da história peninsular, considerada pelos cronistas “a mais bela do seu tempo”.
Manuela Gonzaga resgata, na biografia Imperatriz Isabel de Portugal, a memória daquela que foi a filha predileta de D. Manuel I, o Venturoso, esposa de Carlos V, rei de Espanha e imperador do Sacro Império Romano Germânico, mãe de Filipe I (de Espanha) II (de Portugal), avó de D. Sebastião, Isabel de Portugal, compondo assim um “retrato sublime de uma das mulheres mais importantes da história peninsular e da história europeia da primeira metade do século XVI", segundo as palavras do historiador e escritor João Paulo Oliveira e Costa.

Escritora autora de mais de uma dezena de livros  e mestre em História dos Descobrimentos e Expansão Portuguesa (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) –, Manuela Gonzaga é investigadora associada ao CHAM (Centro História Além-mar, Universidade Nova de Lisboa). Concebeu e tem vindo a coordenar Oficinas de Escrita, a próxima das quais em colaboração com a Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul (http://www.guilhermecossoul.pt)
Natural do Porto viveu em África – Angola e Moçambique –, uma parte da adolescência e da juventude. Durante cerca de 30 anos exerceu o ofício de jornalista. Coordenou e dirigiu algumas publicações. Entre outras, foi chefe de redação da revista Marie Claire, edição portuguesa, e diretora da revista Pais. Tem quatro filhos, uma neta e um neto, e desde o ano 2000 dedica-se à escrita e à investigação a tempo inteiro.

Título: Imperatriz Isabel de Portugal  
Autor: Manuela Gonzaga
Editora: Bertrand 

Páginas: 568 
PVP: 18,80 euros

Sinopse:
Em 1526, Isabel de Portugal, considerada a mais bela mulher do seu tempo, foi para Castela ao encontro do marido, Carlos V, rei da Hispânia e imperador do Sacro Império Romano Germânico, o soberano mais poderoso de toda a C . E S v q , f xã à v … um amor que durou a vida toda dos dois. Filha de D. Manuel I, o Venturoso rainha e imperatriz pelo casamento, Isabel foi regente de Castela durante as prolongadas ausências do marido, a quem escrevia incansavelmente. Inteligente, sensível, apaixonada, mas de saúde frágil, desempenhou os vários papéis da sua vida - mulher, mãe e soberana - de forma exemplar. A morte, que a colheu ainda jovem, aos 36 de idade, precipitou Isabel de Portugal no esquecimento geral durante séculos. Apenas a lenda guardou o seu registo. E a arte. Um dos seus retratos - verdadeira obra-prima de Ticiano - é das raras referências que todos, ou quase todos, conhecem.

Alex Cross - James Patterson [Opinião]

Título: Alex Cross
Autor:
James Patterson
Editora: Topseller

Colecção: Segundo Alex Cross
N.º de Páginas: 384

Sinopse:

Alex Cross era uma estrela em ascensão na Polícia de Washington DC quando um desconhecido assassina a sua mulher, Maria, à sua frente.

Anos mais tarde, Alex deixa as forças de segurança e regressa à carreira de psicólogo, revelando-se um bem-sucedido escritor de livros policiais. A vida com a sua avó, Nana Mama, e os filhos Damon, Jannie e o pequeno Alex parece correr na perfeição, e o detetive admite mesmo viver um novo amor. É nesta fase que John Sampson, o seu antigo parceiro na Polícia, lhe pede ajuda para capturar um perigoso criminoso. Cross regressa então à ação, sem saber que se prepara para enfrentar o assassino da sua própria mulher. Tem início a busca pelo homicida mais astuto e psicótico que jamais enfrentou, que o vai empurrar perigosamente para o ponto de rutura.

Primeiro de uma coleção com 18 volumes publicados, com o detetive mais admirado dos policiais modernos.

A minha opinião:

Conheci James Patterson num outro género literário, o romance, com o livro Abre o teu coração. No entanto, e apesar de não ter lido mais livro nenhum do autor, fiquei muito impressionada com o nível de escrita de Patterson. Dai ter ficado curiosa para ler este novo livro editado pela Topseller, uma nova editora que pretende apostar num dos autores mais lidos do mundo. 

Apesar de ser o décimo segundo volume da série Alex Cross, lê-se bastante bem e depressa se entra na história do protagonista. Aqui Alex vê-se confrontado com a morte da esposa, Maria que é assassinada junto a ele, que a vê morrer nos seus braços. Desolado e influenciado pela família que não vê com bons olhos os seu trabalho na polícia, Cross decide retirar-se das investigações e levar uma vida mais pacata com psicólogo forense por conta própria. Mas o passado continua muito presente na sua vida e o desejo de vingar a morte da mulher acaba por ser mais forte. 
Depressa estabelece uma relação entre as violações bárbaras que estão em investigação com os assassinatos cruéis que já tinha investigado no passado, chegando ao Carniceiro, um homem sem quaisquer escrúpulos que depois de retalhar as vítimas ainda tira fotografias da sua morte como se de um portefólio se tratasse. Patterson junta ainda a máfia italiana para criar um ambiente perfeito. 
Com capítulos pequenos e bastante ritmados Alex Cross é um livro de fácil e rápida leitura que leva o leitor a querer ler mais e mais. 
Eu fiquei fã. 

Esfera dos Livros - 10 minutos por dia para viver melhor (nova data)


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

A Mão do Diabo - José Rodrigues dos Santos [Opinião]

Título: A Mão do Diabo
Autor:
José Rodrigues dos Santos

Sinopse:
Tomás Noronha, historiador, vitima da crise acaba desempregado. Ao acolher um velho amigo vê-se mergulhado numa trama profunda que envolve as altas esferas politicas. Numa luta contra o tempo Tomás tem que decifrar um misterioso criptograma, e dele depende a viabilidade do processo que o Tribunal Penal Internacional instaurou aos responsáveis pela crise.

A minha opinião:

Antes de ser um livro de ficção, o novo livro de José Rodrigues dos Santos é, sobretudo, um livro sobre a crise que se vive na Europa e também nos Estados Unidos. Um livro actual, que mexe com a realidade económica dos países do chamado Club Med (Portugal, Espanha, Grécia e Itália), de como chegamos a este ponto, e de como a moeda única nos prejudicou.

Confesso que gosto do autor, apesar de não gerar consenso a nível literário, e acho que foi feliz ao abordar um tema tão interessante e que nos toca a todos. Consegue, de uma forma simplificada e de agradável leitura, como se de uma conversa de café se tratasse, explicar o problema da dívida de Portugal, Espanha e da Grécia, que terá tido início na crise financeira dos EUA, em 2008.

Depois de ter sido despedido da faculdade onde leccionava, Tomás de Noronha é vítima da própria crise. Sem qualquer solução para arranjar emprego, Tomás é surpreendido com visita de uma amigo de liceu que revela que anda fugido por possuir informações deveras importantes. Antes que revele alguma coisa Filipe é assassinado, mas antes disso faz Tomás prometer que vai entregar um DVD a quem de direito. Dá-lhe um criptograma que lhe vai levar ao DVD, mas para tal vai passar pelas já normais aventuras.

Presença lança campanha: Natal com um Final Feliz


Lançamento do livro Lugares e Palavras de Natal - uma coletânea de contos e poemas cujo tema é o Natal