segunda-feira, 7 de Maio de 2012 | By: Maria Manuel Magalhaes

O Banco. Como o Goldman Sachs dirige o Mundo de Marc Roche, autor em lisboa dias 30 e 31 de maio

A convite da Esfera dos Livros o jornalista de economia Marc Roche vem a Lisboa nos dias 30 e 31 de Maio falar sobre O Banco. Como o Goldman Sachs dirige o Mundo. É um livro revelador, um verdadeiro thriller financeiro, fascinante e implacável, sobre o banco GS que está por detrás da atual crise financeira.

O Banco está em todo o lado: a falência do banco Lehman Brothers, a crise grega, a queda do euro, a resistência da finança e até a maré negra do golfo do México.

Este livro recebeu o Prémio de melhor livro de Economia 2010, atribuído pela Associação de Jornalistas Económicos e Financeiros de França.
 
Sabia que o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, foi vice-presidente do Goldman Sachs International para a Europa entre 2002 e 2005. Ele era o «sócio» encarregado das «empresas e países soberanos», o departamento que tinha, pouco antes da sua chegada, ajudado a Grécia a maquilhar as suas contas graças ao produto financeiro «swap» sobre a dívida soberana. Que António Borges, dirigente da GS entre 2000 e 2008, foi diretor do Fundo Monetário Internacional, em 2010, funções que o levaram a supervisionar alguns dos maiores empréstimos da história da instituição: à Grécia e à Irlanda. Sabia que o atual presidente do Conselho italiano, Mario Monti, foi consultor internacional do Goldman de 2005 até à sua nomeação para a chefia do governo italiano.

«Eu faço o trabalho de Deus.» Mesmo que seja suposto ser uma piada, esta frase do diretor-executivo do Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, resume a sede de poder de O Banco: a firma que dirige o mundo no maior secretismo. Por detrás de uma lei do silêncio que nunca alguém ousou quebrar desde a sua fundação em 1868, o Goldman, ou GS, como se diz em Wall Street ou na City londrina – as duas grandes praças financeiras mundiais – pode realmente dominar o planeta? E se a resposta é «sim»… Como? A crise económica que começou no outono de 2008 atirou o Goldman Sachs, para as primeiras páginas dos jornais. O banco está em todo o lado: a falência do banco Lehman Brothers, a crise grega, a queda do euro, a resistência da finança a toda a regulação, o financiamento dos défices e até a maré negra do golfo do México. Sabia que o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, foi vice-presidente do Goldman Sachs International para a Europa entre 2002 e 2005. Ele era o «sócio» encarregado das «empresas e países soberanos», o departamento que tinha, pouco antes da sua chegada, ajudado a Grécia a maquilhar as suas contas graças ao produto financeiro «swap» sobre a dívida soberana. Que António Borges, dirigente da GS entre 2000 e 2008, foi diretor do Fundo Monetário Internacional, em 2010, funções que o levaram a supervisionar alguns dos maiores empréstimos da história da instituição: à Grécia e à Irlanda. Sabia que o atual presidente do Conselho italiano, Mario Monti, foi consultor internacional do Goldman de 2005 até à sua nomeação para a chefia do governo italiano.

Sobre o autor:
Marc Roche é correspondente financeiro do Monde na City, em Londres, há mais de vinte anos, logo um profundo conhecedor do mundo financeiro anglo-saxónico. Autor de várias obras entre as quais destacamos Elisabeth II, la derniére reine, 2007 e Un Ménage à trois, 2009.